Pular para o conteúdo principal

Um poema, um questionamento, e uma perda.


Terra velha do Romão Fagundes do Amaral.
Onde se plantou o seu primeiro rancho coberto de sapé?
Em que veio d'água se dessedentaram os seus primeiros filhos?
Em que canto de chão essa boa terra recebeu e abrigou os ossos de seu primeiro filho?
Tudo se perdeu na poeira do tempo e no passar dos anos ...
Maria¹

Próxima imagem: Godofredo José Caldeira da Vargem das Boiadas.
Imagem anterior: Uma solenidade do Ginásio N. S. do Carmo.

1. Maria é o pseudônimo de Dulce de Oliveira.

Comentários

Anônimo disse…
Lá em Perdões, Terra de Romão Fagundes, onde se questiona até, se este seria seu nome. Aqui, na Cachoeira dos Rates, a incansável procura por Manoel Antônio, e em muitas outras paragens borbulham perguntas, questionamentos, buscas, buscas ... e mais buscas ... . Rara oportunidade de encontro de consciências. As de hoje e as de outrora. Um ponto de encontro de pessoas idealistas - o passado se fazendo presente. E o presente construindo o futuro. A busca pelos antepassados nos coloca no caminho do reconhecimento de um mundo infinitamente belo, e em constante progressão. Uma unidade caminhante no tempo e no espaço. Para um avançar, todos deverão se mover. Porque Manoel Antonio Rates (Rattes/Raty) estava aqui? Quem foram seus pais? Para onde foram seus filhos? Qual era seu ideal?
Anônimo disse…
TS Bovaris, parabéns pela beleza e singeleza desta sua arte. Extremamente sensível e significativa.
Anônimo disse…
Ei pessoal daí. Os daqui costumam dizer:

"... se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a este monte: Passa daqui para acolá - há de passar; e nada vos será impossível". São Mateus, 17:20)
Anônimo disse…
Transcrição de documento por Edriana Aparecida Nolasco a pedido do Projeto Partilha.
Tipo de documento - Sesmaria
Ano - 1798 caixa - 05
Sesmeiro - Padre Domingos Rodrigues Afonso
Local - são João del Rei.

Fl.01
AUTOS DE MEDIÇÃO DE UMA SESMARIA DE MEIA LÉGUA
Data - 28 de abril de 1798.
Local - Fazenda de São Pedro em casas de morada do capitão Antônio Luís Cardoso da Freguesia da Campanha do Rio Verde, Termo da Vila de São João del Rei, Comarca do Rio das Mortes.

Fl.03
CARTA DE SESMARIA
(...) por sua Petição o Pe. Domingos Rodrigues Afonso assistente na Freguesia da Campanha do Rio Verde, Comarca do Rio das Mortes que entre as terras de culturas concedidas por sesmaria a Antônio José Rodrigues na Fazenda chamada o Saco da Palmela e as do Pe. Manoel Antônio de Figueiredo se acham terras devolutas no corgo chamado da Onça de certa altura para cima como também no corgo chamado das minhocas que ambos vão desaguar no dito Rio Palmela cujas terras confrontam com a sesmaria do dito Antônio José Rodrigues hoje de seus compradores e as do sobredito Pe. Manoel Caetano, e por outra parte com terras de Madalena Cardosa e seus filhos, como o suplicante as queria possuir (...)

Fl.05
PROCURAÇÃO
Procurador nomeado - Capitão Antônio Luís Cardoso
Data - 27 de abril de 1798
Local - Baependi
Que faz - Vigário Domingos Rodrigues Afonso (sesmeiro).

Fl.06
AUTO DE MEDIÇÃO E DEMARCAÇÃO
Data - 28 de abril de 1798
Local - Fazenda do Rio Palmela, Paragem do corgo da Onça e minhocas nas terras mencionadas (...)

(...) elegeu para o lugar de Pião um morro alto coberto de mato que verte para um lado do corgo da Onça e para o outro lado ao corgo das Minhocas que trás a sua origem do Espigão da Colônia cujo morro denominam da BOA VISTA (...)

(...) seguindo o rumo do sudueste por ele mediram vinte e três cordas que findaram em o solais do morro em que está o Pião vertente ao corgo da Onça (...) onde meteram um marco de pedra (...)

(...) seguindo o rumo do noroeste por ele mediram trinta e nove cordas que findaram em o solais de um Espigão de mato vertente para o Rio Verde (...) onde meteram um marco de pedra (...) e parte este rumo com terras da viúva Madalena Cardosa e seus filhos (...)

(...) seguindo o rumo do nordeste por ele mediram cinquenta e nove cordas que findaram no solais de um morro que verte para a Paragem da Colônia e vão suas vertentes desaguar no Rio Verde (...) e parte este rumo com terras da Fazenda do Pe. Manoel Caetano de Figueiredo (...)

(...) seguindo o rumo sueste por ele mediram setenta e nove cordas que atravessaram o corgo das minhocas, e findaram em uma grota de mato que verte para umas lagrimais que todos vão desaguar pela Fazenda do Bom Jardim no Rio Verde (...) onde meteram um marco de pedra (...) e parte com terras do sobredito Pe. Manoel Caetano.

E declaro que o dito Pião desta sesmaria ficou no cima do morro já declarado denominado BOA VISTA (...)

* O sesmeiro tomou posse em 02 de maio de 1798.
Anônimo disse…
Quantos "CAJURUS"!!! Cada um com sua história. Cada um, e de sua maneira, após questionamentos e interrogações, aprofundou-se em buscas e mostra os resultados.

SÃO MIGUEL DO CAJURU, perto de São João del Rei encontra-se citado desde o tempo da misteriosa Comarca do Rio das Mortes. Aí tem muita gente, cujos nomes estão ligados as nossas origens. "Surgido sobre o antigo leito do caminho de tropeiros paulistas, é distrito de São João del Rei", e pouco conhecido hoje. Lá os "Carvalho Duarte", os "Sandins", entre outros construíram parte da história de suas vidas.

CARMO DO CAJURU, Minas Gerais. Micro região de Divinópolis, "foi um Arraial quase perdido no mato". A Paróquia de Nossa Senhora do Carmo do Cajuru conta a história.
Cf. http://www.parocarmo.com.br/historico.htm
(...) Nosso ex-Agente do IBGE, José Dias Barnosa(?) é também conhecedor (...) lenda, que escreveu e o IBGE arquivou: "É do conhecimento lendário dos nossos mais dedicados ao assunto que a palavra 'Cajuru' se originou da vinda de dois senhores de SÃO MIGUEL DO CAJURU ou São Miguel do Cajuri, Município de São João del Rei, que se radicaram no lugar denominado, atualmente, Cajuru Velho, deste Município. Posteriormente, um deles, o mais novo, se transferiu para esta localidade então chamada 'ARRAIAL DOS TEIXEIRAS', cujo nome se aprende no Grupo Escolar local, embora não haja documentos que o comprovem. Por serem ambos vulgarmente denominados de "OS CAJURUS", o primeiro lugar onde se acomodaram tomou a denominação de Cajuru, mais tarde mudada para Cajuru Velho, em consequencia do surto do Cajuru Novo, em lugar do ARRAIAL DOS TEIXEIRAS, motivado pela radicação do mais novo de "OS CAJURUS", nesta localidade".
Quanto a CARMO DO CAJURU, lê-se em, http://www.ruassa.org.br/livro/pdf/

" Antes de passar por aqui a 'maria-fumaça', Cajuru era um Arraial quase perdido no mato. A região era cheia de arraiais quase incomunicáveis. Só havia as estradas de carros de bois e as veredas dos tropeiros e boiadeiros. Para aumentar as dificuldades, ficávamos ilhados pelo rio Pará, sem ponte e sem barcas, às vezes. O transporte era feito quase só em lombos de animais. Havia tropas imensas carregadas de cargas. Esse foi o primeiro meio de transporte do velho Arraial do Cajuru e de toda a região. Tropeiros e boiadeiros foram os primeiros construtores de caminhos e veredas no meio dos cerrados e matas virgens. Alguém já disse que o destino das cidades é o dos caminhos. Isso é válido para CARMO DO CAJURU. Por volta de 1940, as tropas e boiadas eram frequentes no Arraial. Inicialmente, o ponto dos tropeiros e boiadeiros era na rua de Baixo, atual Rua Gonçalves Chaves.
Até a década de 1950 ainda se podia ouvir a cantiga dos carros de bois, madrugada velha, descendo o morro do Bonfim".

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhôas de José Guimarães.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. F oi, seguido deste singelo bilhetinho que a obra " As Três Ilhoas " de José Guimarães, está em nossas mãos: Prezada Leonor Vai aqui o livro, uma Obra Póstuma, de meu marido José Guimarães. O livro vem completar a coleção da genealogia das Três Ilhoas, lançada em 1989. Agradeço a grande pesquisadora e genealogista Marta Maria Amato , pelo enriquecimento proporcionado pelas suas pesquisas. Gostei de saber que o Projeto Partilha está colaborando com o resgate da "História de Carmo da Cachoeira". Temos em nosso arquivo alguns dados das paróquias de Campanha, onde tem alguma coisa sobre sua cidade:a terra do Pe. José Bento Ferreira. Será? Atenciosamente Leyde M. Guimarães. Ouro Fino, 15-08-2006 Próxima imagem: O Capitão Diog

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Eis o amor caridade, eis a Irmã Míriam Kolling.

À Irmã Míria T. Kolling: Não esqueçam o amor Eis o amor caridade , dom da eternidade Que na entrega da vida, na paz repartida se faz comunhão ! Deus é tudo em meu nada: sede e fome de amar! Por Jesus e Maria, Mãe Imaculada todo mundo a salvar! " Não esqueçam o amor ", Dom maior, muito além dos limites humanos do ser, Deus em nós, entrega total! Não se nasce sem dor, por amor assumida: Nada resta ao final do caminho da vida a não ser o amor . Próximo artigo: Até breve, Maria Leopoldina Fiorentini. Artigo anterior: Os Juqueiras, Evando Pazini e a fazenda da Lage

Carapina, a origem do nome.

O termo " carapina ", segundo o professor Caio Boschi , eram os profissionais no exercício da profissão do trato da madeira, "... deviam ser menos qualificados " que os oficiais de carpintaria ou marcenaria. P or não serem portadores de cartas de autorização passadas pelas Câmaras Municipais para o exercício da função, faziam parte dos denominados " carapinas ", muitos que, por algum motivo sofriam perseguições, embora não tivessem sido condenados ou julgados por atos que houvessem ferido a lei. Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próxima matéria: A origem do nome da Escola Lourdes Galvão. Artigo Anterior: Francisco vende o escravo João à Domingos.

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.

F Luiz José Álvares Rubião, em publicação da obra, Álbum da Varginha pela Casa Maltese, às fls. (a publicação não contempla, nem ano, nem nº de páginas), descreve a Fazenda da Serra da seguinte forma: “A uma légua da freguesia do Carmo da Cachoeira, está situada a Fazenda da Serra, propriedade do Cel. Antônio Justiniano dos Reis”. Se diz: Freguesia, leia-se, após, 1857. Em publicação, no ano de 1918, Sylvestre Fonseca e João Liberal, às fls. 149, dizem: “O Cel. Antônio Justiniano dos Reis falecido o anno passado, foi um dos mais importantes fazendeiros do Distrido do Carmo da Cachoeira”. Ary Florenzano, genealogista, cita a Fazenda da Serra, apresentando-a como sendo o lugar onde pela primeira vez, aparece o nome Carmo da Cachoeira, em documento. O 21º Anuário Eclesiástico da Diocese da Campanha, 1959, fls. 28: “Aos onze dias do mês de novembro do ano de mil oitocentos e dezenove, na Ermida de Nossa Senhora do Carmo da Cachoeira, desta freguesia de São João Del Rei, receberam

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

Padre José Procópio Júnior em Carmo da Cachoeira

Paróquia Nossa Senhora do Carmo sob nova guiança Editorial Sai Pe. Daniel Menezes, e assume como administrador paroquial da acolhedora cidade de Carmo da Cachoeira, em fevereiro de 2019, o Pe. José  Procópio Júnior. "Não cabe à pedra escolher o lugar que deve ocupar no edifício. Assim também não cabe à nós criaturas ditar ao Criador o que deve acontecer em nossa vida, pois Deus é quem sabe e dispõe com sabedoria própria." − Dom Servílio Conti, IMC Como página que observa os acontecimentos neste pedaço de chão mineiro, limitado por montanhas e que, segundo o cachoeirense Padre Godinho, “todas são azuis”, registramos o remanejamento ocorrido entre padres ligados a Diocese da Campanha no ano de 2019. Entre as mudanças encontra-se a Paróquia Nossa Senhora do Carmo/Carmo da Cachoeira – MG. Sai nosso querido Padre Daniel Menezes. Por ele continuamos a rezar e o devolvemos, entre lágrimas e a esperança de um dia tê-lo entre nós. Somos eternamente gratos e devedores. Entr