Pular para o conteúdo principal

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga:
- TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) -

A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves, o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras, os seguintes filhos:

- Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito;
- Francisco José de Faria, a 21-9-1765;
- Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa;
- João de Faria, a 24-8-1767;
- Amaro de Faria, a 24-6-1771;
- Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769;
- Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e
- Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica), casada com Simão Martins Ferreira.

Bento de Faria Neves Júnior, casou-se a 16-2-1792, com Rita de Tal, em Lavras, sendo, provavelmente, o celebrante do ato o pimeiro Capelão dalí, Pe. José Alves Preto, sendo Rita ali batizada em, 26-7-1774¹. Era filha de Nicolau Martins Saldanha e do seu primeiro casamento com Ignácia Maria de Barros. O segundo casamento foi com dona Maria Josefa de Gouveia ou Aguiar, filha de Josefa de Gouveia Oliveira e Mathias Fernandes da Silva. A primeira filha de Nicolau, Maria Joaquina do Espírito Santo, casou-se com João Garcia Leal.

Bento de Faria Neves Júnior e Rita de Tal residiu no antigo São João Nepomuceno, deixou os seguintes filhos:

a) Capitão João Bento de Faria, que foi casado, primeiramente, com Emília Esmeraldina de Faria e, depois, com Irene da Costa Ribeiro, com geração em Lavras;
b) João Domingues de Faria, casado que foi com Joana Pereira, também com geração em Lavras;
c) Margarida Neves de Faria;
d) Joaquim Silvério de Faria;
e) Rafael de Faria Marins; e
f) Bento José de Faria.

Do Capitão Joaquim Silvério de Faria era filho, além de outros:

De Joaquim Silvério de Faria Júnior, que foi casado com Maria Umbelina Clara. Desse casal eram filhos:
a) Jesuíno Silvério de Faria (sobrinho), e
b) Leopoldino Silvério de Faria.

De Rafael de Faria Marins descenderam:
a) José Bento de Faria Marins;
b) Ana Elisa de Faria, casada que foi com o Farm. José Barbosa de Oliveira;
c) Maria Elisa de Faria, casada que foi com Jesúino Silvério de Faria (tio), tendo sido filho do casal Rafael de Faria Neto e Ana de Faria Sobrinho.

De Bento José de Faria descendem, dentre outros, Deocleciano de Faria, que foi casado com Ana Feliciana de Faria. Desse casal são filhos, além de outros: Antônio e Ernesto Bento de Faria, Ana e Maria Feliciano de Faria, casadas, respectivamente, com Joaquim Antonio da Silva e José Vitor de Faria.

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Próxima matéria: Provisão de algumas ermidas sul-mineiras.
Artigo Anterior: Algumas fontes consultadas pelo Projeto Partilha.

1. Segundo o historiador Waldemar de Almeida Barbosa, em o "Dicionário Histórico e Geográfico de Minas Gerais", o mais antigo registro conhecido, referente à Capela filial da Matriz de Lavras, data de 6-3-1776.

Comentários

Anônimo disse…
Juntando ao nosso preito de gratidão ao inesquecível Otávio J. Alvarenga, anexamos uma contribuição que, se vivo, iria regozijar-se. A tecnologia da informação aliada a da informática, em suas manifestações mais recentes, são meios dos quais nosso querido ACADÊMICO não dispunha em sua época. Mesmo assim ousou. Ousou e registrou o que pode, e a custa de muita luta, incompreensões e sacrifícios. Se vivo receberia um presente vindo do Projeto Compartilhar - uma página importante para o Município do qual ele tanto se orgulhava.
Otávio J. Alvarenga, p. 17 de TERRA DOS COQUEIROS dizia:

GENEALOGIA LOCAL

Parece-nos chegada a hora de reportar-nos, em síntese, a outros ascendentes das atuais (1978) e mais numerosas famílias coqueirenses. Em grande parte, vão elas aparecer neste bosqueio da história local.
A seguir, pois, um rápido gizar:
O casal MATIAS DA SILVA BORGES - MARIANA JOAQUINA DO SACRAMENTO, ao que parece (...)

(...) neste ano de 2008, a genealogia vem socorrer este "AO QUE PARECE" e mostra claramente através de documentos tão buscados pelo academicista Otávio J. Alvarenga.

Cf. DOMINGOS BORGES DA SILVA, avô de MATIAS DA SILVA BORGES, nascido em Lavras do Funil.
O PROJETO COMPARTILHAR disponibiliza a enriquecedora página. Aportes e Correções à Genealogia Paulistana, entre outros dados. As repercussões chegam até ao que hoje é chamada CARMO DA CACHOEIRA - Minas Gerais.
Anônimo disse…
Da obra, Arca de Noé. Otávio J. Alvarenga, p.194/195.

LIGEIROS DADOS BIOGRÁFICOS

Otávio J. Alvarenga, filho de Antônio Batista de Alvarenga e de Conceição Maria da Costa, nasceu a 15 de setembro de 1911, na Fazenda "Boa Vista", município de Campo Belo - Minas Gerais. A primeira fase da sua descuidada infância passou-a no bucólico sítio natal. A 22 de maio de 1915, com sua família, passou a residir em Coqueiral. Ali, na "Fazenda das Laranjeiras", o menino contemplativo e tímido passou a viver pode dizer-se - casimiramente a sua segunda infância. A doçura remansosa de um sítio de silente beleza e quietude de uma écloga virgiliana e plena de manadas mugidoras sempre o seduziu. Vivia, então, feliz na balsâmica companhia das pessoas queridas que lhe aberçaram a infância.
Em 1918 matriculo-se em uma escola primária, regida pelo professor José Cipriano Freire. Desde o seu primeiro dia de aula, revelou, insofismavelmente, o seu acendrado amor às letras. Foi o primeiro aluno em aproveitamento e comportamento.
Em 13 de julho de 1924, entro para o comércio, como balconista de seu pai. O caduceu de Mercúrio, porém, não o atraía. Como o lírico das "Primaveras e outros contrariados em sua vocação, preferia pontificar no templo de Minerva. Assim, mesmo exercendo as prosaicas atividades mercantis, nunca deixou de estudar consigo mesmo.
Em 1928, por iniciativa própria, matriculo-se na Academia de Comércio "Leão de Faria", de Alfenas. Em 1929 transferiu-se para Belo Horizonte, onde apenas teve oportunidade de fazer, com distinção, em todas as matérias, os cursos de madureza e de perito-contador.
Em 1930, frente às condições madrastas da vida, viu-se compelido a abandonar os estudos em educandários. Começou aí a sua "via crucis".
Em 1932, passou a redatoriar o "ARAUTO DO SUL", de Varginha. No fim do mesmo ano, arrostando dificuldades sem conta, publicou o seu livro de estréia - "Arquipélago dos Sonhos" - poemas em provas.
Foi membro da Academia Livre de Letras (de Neterói), do Centro Matogrossense de Letras, da Academia Nacional de Letras, da Academia Belo-Horizontina de Letras, sócio do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais. ´Foi eleito para a Academia Sul Mineira de Letras e Instituto Histórico e Geográfico, sediados na cidade de Campanha. Foi considerado CIDADÃO HONORÁRIO DE LAVRAS.
Casou-se, a 10 de janeiro de 1952, com sua prima Iraci Paula Alvarenga. Foi o frenteador máximo da campanha emancipacionista de sua Terra adotiva - COQUEIRAL, onde exerceu destacada e útil liderança política.

A FAMÍLIA ALVARENGA, por Otávio J. Alvarenga, autor de "Terra dos Coqueiros", p.35/36/37.

A gênese dessa família remonta a épocas assaz, afastadas no tempo. Provavelmente, ao segundo século da Era Cristã. Ramificou-se, com o dobrar dos anos, por várias e longínquas áreas geográficas.
Procede, historicamente, em data menos afastada e, portanto, mais conhecida, de DOM PAYO, dito o "Moço Viegas".
Até, porém, que a este cheguemos, remontemos, em terras de Castela, aos séculos VIII e IX:

1 - Dom Ramiro, o primeiro do nome que reinou de 842 850. Fora casado com Urraca Patrona.
2 - Desse casal descende DOM ORDONHO II DE LEÃO, Rei das Astúrias. Desposou Múnia Dona. Faleceu em 25-5-866.
3 - Daí descende DOM AFONSO, nascido em 850 e falecido em 912. Fora casado com D. Ximena Navarra.

(...)
12 - De Dom Egas Moniz, que foi aio de Dom Afonso Henrique, primeiro Rei de Portugal, casado com Payo da Silva, filha de Dom Payo Gutierre da Silva. Descende desse casal, Dom Payo Viegas, dito o "Moço Viegas", que foi senhor de ALVARENGA.

13 - Desse, provém MARTINS PIRES DE ALVARENGA, o primeiro a usar o apelido de ALVARENGA, por ser senhor do Condado de "ALVARENGA", Conselho de Beira (Portugal).

14 - Desse descende DOM BALTAZAR DE ALVARENGA, natural de Lamego (Portugal), casado com MESSIAS MONTEIRO.

15 - Desse matrimônio descende ANTÔNIO RODRIGUES DE ALVARENGA, que, a serviço del Rey de Portugal, passou a ser um dos primeiros povoadores da Vila de São Vicente (São Paulo), fundada pelo donatário MARTIM AFONSO DE SOUSA. Condecorou-o, com o brazão de armas, del Rey Dom João III. Foi casado com D. Ana Ribeiro, natural da Cidade do Porto, filha de Estevam Bayão e de D. Magdalena Fernandes Feijó. Ela falecida em 23-10-1642. Ele, já viúvo, com testamento, em 1647.

16 - Desse casal, além de outros, descende ESTEVAM RIBEIRO DE ALVARENGA, considerado nobre cidadão de São Paulo, casado que foi com D. Maria Misael, filha de João Misael Gigante e de D. Izabel Gonçalves.

17 - Desse casal é descendente IZABEL RIBEIRO DE ALVARENGA, falecida em 1682, casada com DIOGO MARTINS DA COSTA ou BERNARDINO COLAÇO DA COSTA.

18 - Daí, procede ANA RIBEIRO DE ALVARENGA, casada com FRANCISCO DA SILVA COLAÇO, falecido em 1713, ou Bernardino Colaço da Costa. Foi alferes de Infantaria no Presídio da Cidade da Bahia. Era natural de Vila de Alenquer, Portugal, filho de Francisco Luiz e de Maria Ribeiro.

19 - Daí, origina o Sargento-mor INÁCIO MOREIRA DE ALVARENGA, casado com dona Ana Barreto de Almeida, ou de LIMA, falecida na CAMPANHA DA PRINCISA, em 06-05-1751.

20 - Desse casal, além de LUÍS COLAÇO MOREIRA (um dos fundadores do antigo Santo Antônio do VALE DA PIEDADE DA CAMPANHA DO RIO VERDE, segundo Pedro Taques, citado pelo conspícuo humanista Mons. José do Patrocínio Lefort) tem origem MANUEL MARTINS COLAÇO, casado com dona Izabel de Almeida.

21 - Desse consórcio, procede ANTÔNIO CARDOSO BICUDO, casado com Maria Camargo de Almeida.

22 - Daí origina o cap. LUÍ COLAÇO DE ALMEIDA, casado com dona Ana Maria de Jesus.

23 - Desse casal, descende ANTÔNIO JOSÉ ALVARENGA, casado com dona Ana Rosa da Mata.

24 - Desse consórcio, descenderam vários filhos, dentre os quais JOÃO BATISTA DE ALVARENGA, casado com dona MARIA JACINTA (ou BATISTA) DE JESUS.

25 - Desse matrimônio, dentre outros descendentes, conta-se HERCULADO BATISTA DE ALVARENGA, casado com sua prima ANA BENVINDA DE ALVARENGA, filha de ANTÔNIO BATISTA ALVARENGA e de dona ANA BENVINDA. Ele, na cidade de Coqueiral, em 12-01-1939.

26 - Desse casal, além de João Alvarenga Primo, Olímpio, Aristides e José Alvarenga, Jonas Augusto Alvarenga e Maria Olinda Alvarenga, descende ANTONIO BATISTA DE ALVARENGA (neto), casado que foi com dona CONCEIÇÃO MARIA DA COSTA. Ela falecida em 15-11-1930, filha de ANTÔNIO CÂNDIDO DA COSTA e de dona MARIA PERCÍLIA DA COSTA. Aquele falecido em 13-09-1960.

27 - desse casal, são filhos, dentre outros, o humilde autor deste livrinho e o saudoso LEONIDES ALVARENGA, falecido em 1970.
Unknown disse…
Me encantei com este trabalho de resgate da história.
sou descendentes de pessoas que habitaram nos idos de 1800 a 1900 esta região.
Gostaria de saber se tem algum resgistro da familia José Machado de Faria (casou em Piumhy).
Obrigada
Unknown disse…
Procuro os familiares de meu avô BrtolinBe Guedes de faria

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhôas de José Guimarães.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. F oi, seguido deste singelo bilhetinho que a obra " As Três Ilhoas " de José Guimarães, está em nossas mãos: Prezada Leonor Vai aqui o livro, uma Obra Póstuma, de meu marido José Guimarães. O livro vem completar a coleção da genealogia das Três Ilhoas, lançada em 1989. Agradeço a grande pesquisadora e genealogista Marta Maria Amato , pelo enriquecimento proporcionado pelas suas pesquisas. Gostei de saber que o Projeto Partilha está colaborando com o resgate da "História de Carmo da Cachoeira". Temos em nosso arquivo alguns dados das paróquias de Campanha, onde tem alguma coisa sobre sua cidade:a terra do Pe. José Bento Ferreira. Será? Atenciosamente Leyde M. Guimarães. Ouro Fino, 15-08-2006 Próxima imagem: O Capitão Diog

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Eis o amor caridade, eis a Irmã Míriam Kolling.

À Irmã Míria T. Kolling: Não esqueçam o amor Eis o amor caridade , dom da eternidade Que na entrega da vida, na paz repartida se faz comunhão ! Deus é tudo em meu nada: sede e fome de amar! Por Jesus e Maria, Mãe Imaculada todo mundo a salvar! " Não esqueçam o amor ", Dom maior, muito além dos limites humanos do ser, Deus em nós, entrega total! Não se nasce sem dor, por amor assumida: Nada resta ao final do caminho da vida a não ser o amor . Próximo artigo: Até breve, Maria Leopoldina Fiorentini. Artigo anterior: Os Juqueiras, Evando Pazini e a fazenda da Lage

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.

F Luiz José Álvares Rubião, em publicação da obra, Álbum da Varginha pela Casa Maltese, às fls. (a publicação não contempla, nem ano, nem nº de páginas), descreve a Fazenda da Serra da seguinte forma: “A uma légua da freguesia do Carmo da Cachoeira, está situada a Fazenda da Serra, propriedade do Cel. Antônio Justiniano dos Reis”. Se diz: Freguesia, leia-se, após, 1857. Em publicação, no ano de 1918, Sylvestre Fonseca e João Liberal, às fls. 149, dizem: “O Cel. Antônio Justiniano dos Reis falecido o anno passado, foi um dos mais importantes fazendeiros do Distrido do Carmo da Cachoeira”. Ary Florenzano, genealogista, cita a Fazenda da Serra, apresentando-a como sendo o lugar onde pela primeira vez, aparece o nome Carmo da Cachoeira, em documento. O 21º Anuário Eclesiástico da Diocese da Campanha, 1959, fls. 28: “Aos onze dias do mês de novembro do ano de mil oitocentos e dezenove, na Ermida de Nossa Senhora do Carmo da Cachoeira, desta freguesia de São João Del Rei, receberam

Padre José Procópio Júnior em Carmo da Cachoeira

Paróquia Nossa Senhora do Carmo sob nova guiança Editorial Sai Pe. Daniel Menezes, e assume como administrador paroquial da acolhedora cidade de Carmo da Cachoeira, em fevereiro de 2019, o Pe. José  Procópio Júnior. "Não cabe à pedra escolher o lugar que deve ocupar no edifício. Assim também não cabe à nós criaturas ditar ao Criador o que deve acontecer em nossa vida, pois Deus é quem sabe e dispõe com sabedoria própria." − Dom Servílio Conti, IMC Como página que observa os acontecimentos neste pedaço de chão mineiro, limitado por montanhas e que, segundo o cachoeirense Padre Godinho, “todas são azuis”, registramos o remanejamento ocorrido entre padres ligados a Diocese da Campanha no ano de 2019. Entre as mudanças encontra-se a Paróquia Nossa Senhora do Carmo/Carmo da Cachoeira – MG. Sai nosso querido Padre Daniel Menezes. Por ele continuamos a rezar e o devolvemos, entre lágrimas e a esperança de um dia tê-lo entre nós. Somos eternamente gratos e devedores. Entr

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948