Pular para o conteúdo principal

O testamento de um senhor de terras.

Documento encomendado pelo Projeto Partilha.
Transcrição de
Edriana Aparecida Nolasco.

Tipo de documento - Inventário.
Ano - 1821. Caixa - 36.

Inventariado - Capitão José Joaquim Gomes Branquinho
Inventariante - Maria Vitória dos Reis.
Local - Santana das Lavras.

Fl. 01

Inventário dos bens que ficaram por falecimento do Capitão José Joaquim Gomes Branquinho de quem é viúva e inventariante sua mulher dona Maria Vitória dos Reis.
Data - 07de junho de 1821.
Local - Fazenda denominada Boa Vista. Freguesia de Santana das Lavras. Termo da Vila de São João del Rei, Minas e Comarca do Rio das Mortes em casa de morada de dona Maria Vitória dos Reis.

Fl.01v

Declaração
(...) declarou a dita inventariante que o dito seu marido faleceu no dia primeiro do mês de abril do corrente ano de mil oitocentos e vinte e um com o seu solene Testamento (...).

Fl.04

Testamento
In nomini Domini Amém.

Eu José Joaquim Gomes Branquinho filho legítimo de José Gomes Branquinho e Ângela Ribeira de Morais natural e batizado na Freguesia de São João del Rei morador na Freguesia das Lavras do Funil Termo e Comarca da Vila de São João del Rei estando gravemente enfermo e em meu perfeito juízo e desejando por a minha alma no caminho da salvação faço o meu Testamento pela forma seguinte:

Sou católico Romano e nesta fé protesto viver e morrer.

Primeiramente encomendo a minha alma a Deus que a criou e rogo a Virgem Maria Senhora Nossa e ao Anjo da minha Guarda e todos os Santos sejam meus intercessores, a fim de que a minha alma quando sair deste mundo vá gozar da eterna bem aventurança para que foi criada. Ordeno que o meu corpo seja amortalhado no Hábito da Senhora do Carmo de quem sou Irmão Terceiro e sepultado na Igreja Matriz ou na Capela mais vizinha ao meu falecimento, o meu enterro deixo a eleição de meu Testamenteiro.

Declaro que sou casado com dona Maria Vitória dos Reis de cujo matrimônio temos dez filhos, sete casados e três solteiros, os quais são meus legítimos herdeiros.

Declaro que com tenho (fl.04v) herdeiros necessários estes devem herdar as partes que lhes pertencem e disponho da minha terça para aquelas cousas que não devem sair do Monte Mor e por isso deixo que se digam pela minha alma duzentas missas; e assim mais pelas almas de meus pais vinte missas; e pelas almas dos meus escravos falecidos dez missas; e pelas almas do purgatório vinte missas.

Deixo ao meu afilhado Cândido filho de meu compadre Joaquim Fernandes cinquenta mil réis;
a meu afilhado José filho de meu compadre José Alves cinquenta mil réis;
a minha afilhada Maia filha de meu compadre Antônio Alves cinquenta mil réis;
a meu afilhado José filho de meu filho José cinquenta mil réis;
deixo a Nossa Senhora do Carmo de São João Del Rei cem mil réis para ajuda das suas obras;
deixo vinte mil réis para se distribuir com os pobres da Freguesia sendo cada esmola de cento e cinquenta.

Declaro que à minha filha Jacinta casada com o capitão Joaquim Fernandes dei de dote quatrocentos e cinquenta mil réis, entrando nesta quantia uma escrava por nome Joaquina comprada por cento e cinquenta mil réis, e uma crioula por nome Eva de idade de cinco anos que foi avaliada no preço de cinquenta mil réis.

Fl.05

Do mesmo modo dotei a minha filha Maria casada com o capitão José Alves com quatrocentos e cinquenta mil réis, entrando também nesta quantia uma escrava por nome Catharina comprada por cem mil réis, e uma crioula por nome Delfina de idade de oito anos que foi avaliada no preço de cem mil réis.

Do mesmo modo a minha filha Cândida casada com Antônio Alves dei de dote quatrocentos e cinquenta mil réis, entrando nesta quantia uma escrava por nome Theresa comprada por cento e trinta mil réis, e uma crioula por nome Juvita de idade de dez anos que foi avaliada no preço de cem mil réis, cujos dotes de quatrocentos e cinquenta mil réis se levará em conta na legítima que pertencer a cada uma das ditas minha filhas.

Declaro que meu filho Luiz Gonzafa levou um crioulo por nome Lotiro (?) no valor de cento e quarenta mil réis cujo valor se descontará na legítima que lhe pertencer.

Declaro que dei a meu filho João Damasceno cento e quarenta mil réis; a meu filho Cândido o mesmo, e meu filho José o mesmo, cujas quantias se levará em conta nas suas legítimas.

Nomeio para meus Testamenteiros em primeiro lugar a minha mulher Maria Vitória, em segundo lugar a meu filho João Damasceno em terceiro lugar a meu compadre Joaquim Fernandes aos quais rogo pelo amor de Deus queiram ser meus Testamenteiros, para o que os hei (fl.05v) por habilitados e os constituo meus Procuradores e administradores de meus bens, que poderão vender e dispor a seu arbítrio sendo a benefício das minhas disposições , e o que aceitar esta minha testamentária haverá dos meus bens prêmio para seu trabalho oitenta mil réis e lhe concedo dois anos para a conta Judicial e se não for bastante o Juiz competente lhe concederá mais o tempo preciso.

Declaro que depois de cumpridas estas minhas disposições se sobrar alguma coisa da minha terça se distribuirá igualmente por todos os meus herdeiros.

Deste modo hei por acabado este meu Testamento que vai somente por mim assinado e se para sua validade faltar alguma cláusula em direito necessários, as hei aqui por expressas e declaradas como se delas fizesse menção.

E rogo as Justiças de sua Magestade lhe façam dar seu devido e inteiro comprimento na melhor forma e ordem de direito que valer possa por ser esta a minha última vontade.

Fazenda da Boa Vista, 24 de março de 1821.
José Joaquim Gomes Branquinho.

Fl. 06v.

Subscrito
Testamento do Capitão José Joaquim Gomes Branquinho na sua Fazenda da Boa Vista Freguesia das Lavras do Funil (...)

Abertura
Certifico haver aberto este Testamento com que faleceu o Capitão José Joaquim Gomes Branquinho ao primeiro de maio de mil oitocentos e vinte e um (...)

Fl. 08

Procuração
Procuradores nomeados - Reverendo João Ferreira Leite; tenente Emerenciano José de Souza Vieira.
Data - 08 de abril de 1821.
Local - Fazenda da Boa Vista Freguesia das Lavras do Funil em casas de morada de dona Maria Vitória dos Reis.
Que fa - dona Maria Vitória dos Reis, viúva.

Fl. 09

Filhos
01 - Capitão João Damasceno Branquinho, casado;
02 - dona Jacinta Ponciana Branquinho casada com o capitão Joaquim Fernandes Ribeiro de Rezende;
03 - alferes Luiz Gonzaga Branquinho, casado;
04 - alferes Cândido Hermenegildo Branquinho, casado;
05 - dona Maria das Dores Branquinho, casada com o capitão José Alves de Figueiredo;
06 - José Justiniano Branquinho, casado;
07 - dona Cândida Vieira Branquinho, casada com Antônio Alves de Figueiredo;
08 - Alexandre Gomes Branquinho, solteiro de idade de vinte e sete anos;
09 - dona Ana Alexandrina Branquinho, solteira, de idade de vinte e cinco anos;
10 - dona Claudina Marcelina Branquinho, solteira, de idade de vinte e dois anos.

continua...

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Próxima matéria: O testamento de um senhor de terras. 2ª Parte
Artigo Anterior: O sesmeiro Manoel Antônio Rattes.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhôas de José Guimarães.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. F oi, seguido deste singelo bilhetinho que a obra " As Três Ilhoas " de José Guimarães, está em nossas mãos: Prezada Leonor Vai aqui o livro, uma Obra Póstuma, de meu marido José Guimarães. O livro vem completar a coleção da genealogia das Três Ilhoas, lançada em 1989. Agradeço a grande pesquisadora e genealogista Marta Maria Amato , pelo enriquecimento proporcionado pelas suas pesquisas. Gostei de saber que o Projeto Partilha está colaborando com o resgate da "História de Carmo da Cachoeira". Temos em nosso arquivo alguns dados das paróquias de Campanha, onde tem alguma coisa sobre sua cidade:a terra do Pe. José Bento Ferreira. Será? Atenciosamente Leyde M. Guimarães. Ouro Fino, 15-08-2006 Próxima imagem: O Capitão Diog

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Eis o amor caridade, eis a Irmã Míriam Kolling.

À Irmã Míria T. Kolling: Não esqueçam o amor Eis o amor caridade , dom da eternidade Que na entrega da vida, na paz repartida se faz comunhão ! Deus é tudo em meu nada: sede e fome de amar! Por Jesus e Maria, Mãe Imaculada todo mundo a salvar! " Não esqueçam o amor ", Dom maior, muito além dos limites humanos do ser, Deus em nós, entrega total! Não se nasce sem dor, por amor assumida: Nada resta ao final do caminho da vida a não ser o amor . Próximo artigo: Até breve, Maria Leopoldina Fiorentini. Artigo anterior: Os Juqueiras, Evando Pazini e a fazenda da Lage

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.

F Luiz José Álvares Rubião, em publicação da obra, Álbum da Varginha pela Casa Maltese, às fls. (a publicação não contempla, nem ano, nem nº de páginas), descreve a Fazenda da Serra da seguinte forma: “A uma légua da freguesia do Carmo da Cachoeira, está situada a Fazenda da Serra, propriedade do Cel. Antônio Justiniano dos Reis”. Se diz: Freguesia, leia-se, após, 1857. Em publicação, no ano de 1918, Sylvestre Fonseca e João Liberal, às fls. 149, dizem: “O Cel. Antônio Justiniano dos Reis falecido o anno passado, foi um dos mais importantes fazendeiros do Distrido do Carmo da Cachoeira”. Ary Florenzano, genealogista, cita a Fazenda da Serra, apresentando-a como sendo o lugar onde pela primeira vez, aparece o nome Carmo da Cachoeira, em documento. O 21º Anuário Eclesiástico da Diocese da Campanha, 1959, fls. 28: “Aos onze dias do mês de novembro do ano de mil oitocentos e dezenove, na Ermida de Nossa Senhora do Carmo da Cachoeira, desta freguesia de São João Del Rei, receberam

Padre José Procópio Júnior em Carmo da Cachoeira

Paróquia Nossa Senhora do Carmo sob nova guiança Editorial Sai Pe. Daniel Menezes, e assume como administrador paroquial da acolhedora cidade de Carmo da Cachoeira, em fevereiro de 2019, o Pe. José  Procópio Júnior. "Não cabe à pedra escolher o lugar que deve ocupar no edifício. Assim também não cabe à nós criaturas ditar ao Criador o que deve acontecer em nossa vida, pois Deus é quem sabe e dispõe com sabedoria própria." − Dom Servílio Conti, IMC Como página que observa os acontecimentos neste pedaço de chão mineiro, limitado por montanhas e que, segundo o cachoeirense Padre Godinho, “todas são azuis”, registramos o remanejamento ocorrido entre padres ligados a Diocese da Campanha no ano de 2019. Entre as mudanças encontra-se a Paróquia Nossa Senhora do Carmo/Carmo da Cachoeira – MG. Sai nosso querido Padre Daniel Menezes. Por ele continuamos a rezar e o devolvemos, entre lágrimas e a esperança de um dia tê-lo entre nós. Somos eternamente gratos e devedores. Entr