Pular para o conteúdo principal

Protegido - Ligue 190 - Denuncie

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Este foi um dos cartazes afixado em locais públicos, em Carmo da Cachoeira, Minas Gerais, como base de uma Campanha de conscientização levada pelo GAPA - Grupo de Apoio e Proteção aos Animais - nesta cidade. Como resultado da Campanha foram esterilizadas 398 fêmeas caninas, além de felinos e machos. Baixou sensivelmente o índice de animais vagando pelas ruas. Esterilizados eram doados. Padrinhos, através de doações colaboravam para que a medida tivesse êxito e o padrão de saúde e vida fossem elevados. A crueldade para com os animais ainda existe em Carmo da Cachoeira, e se manifesta através de envenenamentos, atropelamentos. Só ontem, foram 3 os animais que, embora protegidos em quintais, foram vitimados pelo cruel e ignorante homem que os quer ver morto, e fora de circulação.

Desconhecem eles que, o que os incomoda está dentro deles mesmos, no entanto, preferem culpar os outros, condenando-os a morte. Covardes, fazem acerto com os indefesos, aqueles que não sem voz e vez. Novos padrões de trato animal estão explicitados, no entanto, cegos e ignorantes não os vêem, e continuam agindo como se fossem habitantes da Idade da Pedra.

Pai, perdoa-lhes, eles não sabem o que fazem, e vão pagar um preço enorme pela ignorância. Com que direito se mata os filhos da Criação? Anônimos e covardes agem na calada da noite. Ao amanhecer, o panorama de sofrimento físico da vítima, e a angustia de seus guardiães, tinge de negro a abençoada e querida Carmo da Cachoeira, no Sul de Minas Gerais.

Próxima imagem: Pôr do Sol em Carmo da Cachoeira, MG.
Imagem anterior: Fazenda Itamarati, Carmo da Cachoeira, MG.

Comentários

Anônimo disse…
Pesquisa José Geraldo Begname, professor, historiador e pesquisador. Mariana - Minas Gerais. Dados em "TERMOS DE ADMOESTAÇÃO" - Livro de Devassa Z-1 - 1738.
CARRANCAS, fl.157-159:
Visitador Reverendo Dr. Francisco Pinheiro da Fonseca, Comissário do Santo Ofício.
Visita realizada em 12-11-1738.
Visitou a igreja matriz de Nossa Senhora da Conceição das Carrancas em presença do pároco Manoel Rodrigues Ramos; fez procissão dos defuntos, visitou a pia batismal, natos(?), óleos. Altares, imagens, sacristia e demais paramentos.
Escrivão da visita: Antonio José de Moura.
Testemunhas inqueridas pelo visitador:
- Bartolomeu Franco Vieira

- Domingos Pereira da Cunha

- Sebastião Cubas de Siqueira

- Antonio Pereira Calado

- Salvador Moreira de Castilho

- Tomé Alves Moreira

- Manoel Moreira de Brito

- Simão Garcia da Cunha

- Antonio Raposo Barreto

- Bernardo Teixeira da Silva

- Pascoal Leite Paes

- Frutuoso Borges de Aguiar

- Diogo Bueno da Fonseca

- Francisco de Ávila Fagundes

- Manoel Bicudo Leme

- Manoel Garcia de Sequeira

- Alberto Pires Barreto

- Narcizo Pereira

- Antonio Gaspar de Magalhães

- Batista da Fonseca Pinto

- Antonio Barreto de Lima

- Cláudio Furquim de Camargo

- Thomas Vieira de Amorim

- João Alves Barbosa

- José Dias da Silva Bueno

- Valentim Pedroso da Silveira

- João Rodrigues da Cunha

- José da Silva Monteiro

- capitão mor João de Toledo Piza e Castelhanos, morador na passagem do Rio Grande. Das testemunhas arroladas, é a única onde é mencionado o local de morada.

- Gaspar Correa de Alvarenga.

Como resultado das inquirições, aparecem os seguintes nomes que foram denunciados:

- Antonio Barreto, Pedro Carijó

- Manoel Bicudo Leme

- Aurélia Tereza.
Anônimo disse…
Da obra - encontros e desencontros
Autora - Maria Antonietta de Rezende

MAIO

Gota d´água no aranhol
Tremeluzente,
Na linda manhã de escol
Resplandecente!

E o friozinho chegando
Incipiente
A epiderme eriçando,
De toda gente.

É maio - bem o sabeis -
No campo, viceja a flor
Da igreja, se eleva ao céu
Todo louvor.

Os anjinhos a cantar
Alegremente,
Vão subindo o altar,
Tão inocentes!

No altar a Virgem Santa,
Toda clemência,
Sorri de alegria tanta,
Com indulgência.

No mês inteiro, solene
Coroação,
O sino, o incenso, a alegria
No coração.

É maio - bem o sabeis -
Mas que saudade
Das rezas e ladainhas
Da cristandade!
Anônimo disse…
De - Pablo Neruda
Tradução - Carlos Nejar

Há que voar neste tempo, aonde?
Sem asas, sem avião, voar sem dúvida:
já os passos passaram sem remédio,
não alçaram os pés do passageiro.

Há que voar a cada instante como
as águias, as moscas e os dias,
há que vencer os olhos de Saturno
e estabelecer ali novos sinos.

Já não bastam sapatos nem caminhos,
já não servem a terra aos errantes,
já cruzaram a noite as raízes,

e tu aparecerás em outra estrela
determinadamente transitória
por fim em papoula convertida.
Anônimo disse…
PRUDÊNCIA É UMA VIRTUDE DA MATURIDADE

A ação por impulso, esta sim é desmiolada.
A vida moderna, cada vez mais despersonalizando os relacionamentos humanos e explorando o lado puramente emocional dos acontecimentos, induz à imprudência.
A virtude da prudência está vinculada ao senso crítico, é uma deliberação, uma escolha entre alternativas.
Pai e mãe trabalhando fora, uma criança pequena fica sozinha em casa. Isto pode até acarretar a sua morte durante, por exemplo, um incêndio involuntário.
O pai que tem prudência não permitirá que seu filho fique nesta situação.
Mas, vivemos numa sociedade imprudente, com as comunidades carecendo de decisões que permitam um ambiente melhor para criar as nossas crianças. Sabemos que, com creches, áreas de recreação e escolas em tempo integral, poderíamos melhorar, e muito, a assistência infantil, mas não há decisão político-governamental. Em vez disto, os governos se deixam envolver pela ciranda das dívidas desnecessárias em moeda estrangeira. Fazem financiamentos até para a execução de obras corriqueiras, para as quais todos os pagamentos são feitos em real, a moeda nacional. Assim, cria-se uma dívida em dólares e a exigência do consequente pagamento compromete o orçamento, impedindo investimentos e pagamento decente aos funcionários. Não há melhor exemplo de imprudência, pois esta dívida insensata, contraída por um governo insensato, está comprometendo várias gerações para o seu pagamento.
Prudência é a disposição que permite deliberar corretamente sobre o que é bom ou mau para o homem. Não deve ser uma virtude somente para si, mas para a comunidade e o mundo.
Veja o que acontece e o que pode acontecer na sua comunidade com relação às crianças. O que a falta de investimentos para a sua formação acarreta, no futuro, em violência, em jovens delinquentes.
Vigie contra os financiamentos desnecessários, que sugam recursos que deveriam estar sendo direcionados para uma melhor assistência às nossas crianças e, consequentemente, à uma vida melhor e mais tranquila para todos nós.
Transmita, com alegria e fervor, a sua prudência.


NÃO SOLTAMOS OS NOSSOS FILHOS NUMA JAULA COM TIGRES FAMINTOS, MAS OS DEIXAMOS NAS MADRUGADAS, PATA TEREM AS SUAS ALMAS DEVORADAS PELOS COMERCIANTES INESCRUPULOSOS E OS PROXENETAS DO SEXO.
Jackson disse…
Frutuoso Borges de Aguiar era natural da Vila de Parnaiba, passou a viver em Carrancas-MG, onde vivia de suas lavouras. Tinha no ano de 1735, a idade de 35 anos, portanto nasceu em 1700.

Foi testemunha na dispensa matrimonial no ano de 1735 para o casamento de Salvador Jorge Bueno com Jacinta de Araujo Ferraz

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Biografia de Maria Antonietta de Rezende.

O prefeito municipal e a secretária de Educação, Cultura e Lazer, ao assinarem a apresentação da obra: “Atlas Escolar. Histórico e Geográfico do Município de Carmo da Cachoeira – MG. Edição 2007” declararam: “ Este Atlas permite às crianças descobrirem protagonistas de sua história. Conhecendo, passam contribuir para potencializar o que ela tem de bom, preservar seu patrimônio e símbolos do passado .” D entre os símbolos , o Hino da cidade. Escrito pela Professora Maria Antonietta , encontra-se em fase de oficialização. A tradição garante a manutenção desta criação. O povo canta , reconhece o hino de sua cidade, e atento acompanha o processo de sua oficialização. A administração pública e Câmara municipal apoiam a manutenção daquilo que foi consagrado pela tradição. Dois pontos fortes na letra do hino bastam para garantir sua oficialização. O primeiro é o que diz da religiosidade presente na população e que a cada dia se torna mais revelador da identidade e vocação de Carmo da

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se

A pedra de moinho da fazenda Caxambu.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Ary Silva da família Dias de Oliveira - Bueno. Imagem anterior: Nuvens sobre a tradicional fazenda Caxambu.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948