Pular para o conteúdo principal

A Paragem das Boiadas em Carmo da Cachoeira

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Próxima imagem: O cruzeiro da fazenda.
Imagem anterior: Detalhe de uma antiga chave.

Comentários

Anônimo disse…
Errata. Tipo de erro: denominação.
Leia-se A VARGEM DAS BOIADAS e não como constou.
Anônimo disse…
Esta é a casa de MANOEL ANTONIO RATES (Rattes/Ratti/Raty). Sítio da Cachoeira, no Distrito da Boa Vista de Lavras do Funil, junto ao Ribeirão do Carmo, também chamado de Capetinga/Capitinga, na Cachoeira dos "De Rates", século XVIII. O Ribeirão do Carmo desagua no Ribeirão do Couro do Cervo, após juntar-se com as águas do Ribeirão São Marcos.
Anônimo disse…
Desenho realizado pelo artista plástico Mauricio José Nascimento.
Anônimo disse…
Segundo José Alberto Pelúcio, a devoção a Nossa Senhora da Boa Morte, em Baependi, Minas Gerais, é antiquíssima. Algumas pessoas movidas pela fé, erigiram, na igreja matriz da vila, um altar, onde colocaram imagens da mesma Senhora. O Compromisso da Irmandade de Nossa Senhora da Boa Morte, de Baependi está registrado às fl.2 do Livro aberto com a assinatura de mons. Miranda, "Rio de Janeiro em 2 de setembro de 1815. Petição: "Senhor
Dizem os homens pardos, e mais devotos da Senhora da Boa Morte na Villa de S. Maria de Baependi - Bispado de Marianna que para maior honra de Deos, e da mesma Senhora querem erigir a sua Irmandade com hum Juiz, Juiza, Thesoureiro, Escrivão, Procurador, Zellador, e doze Irmãos de Meza, e outras tantas Irmãs, como tão bem querem para melhor Culto fazer a sua Capella na mesma Villa para nella colocarem as Imagens da Senhora, que ao prezente se achão em hum Altar feito pelos Supp.es na Matriz, e como o não podem fazer sem licença, com o mais profundo respeito, e submissão se prostrão aos Reaes Pez de V. A. R. para que haja delhes fazer a graça de lhes conceder alicença que implorão, e da mesma forma Confirma-lhes este seu Compromisso, qelles tem a honra depor na Real Presença de V. A. em número de treze Capitulos.
R. M.ce"
p.95, "Evidencia-se, pelo documento acima, a predileção dos "homens pardos", ao lado de "mais devotos", por Nossa Senhora da Boa Morte, assim como a viva noção da autoridade real, pois, solicitando a graça de uma licença, "com o mais profundo respeito, submissão, seprostarão aos Reaes Pez".
Finalmente, o capítulo 13 dispõe sobre o inventário das alfaias e deveres do zelador, a quem os mesários deviam dar, anualmente, "o Calcado preciso para assim poder vencer o seu trabalho, principalmente nos dias de enterro e funções da mesma Capella."
Assinam:

"Irmão Juiz Francisco José de Assumpção
Irmão Escrivão José da Lapa Ferreira
Irmão Tizorero Leonel da Costa Bastos
Irmão Procurador José Joaquim da Silva".
Fez-se o registro, na Chancelaria da Ordem, no Rio de Janeiro, 28 de setembro de 1815.

Depois de certas formalidades, registro, "Cumpra-se", houve, em 1 de janeiro de 1816, mesa plena dos irmãos, sob a presidência do pároco Domingos Rodrigues Afonso (Affonso), e, juramentados, obrigaram-se ao cumprimento da provisão e ao de outros deveres. Assinaram o respectivo termo, escrito por Vicente de Seixas Batista> "O Vigário, Domingos Roiz Affonso, Manoel Gomes Nogueira Miz, Juiz Joaquim Mendes dos Santos, Tizoureiro - Francisco Vr.a de S. Payo, Procurador José Alves Bernardes, Zelador João de Pinho Nogueira, Andador Manoel Antonio da Silva, Irmão de mesa Antonio da Costa Teodoro, Nicolao Francisco Lopes, José de Pinho Nogueira, Custódio Ferreira Souto (?)". Em 1857 foi pedida a reforma nos Termos do Compromisso.
Em 1826 foram eleitas estas irmãs de mesa: "- dona Maria de Meireles Tr.e
- Antonia Maria Pereira
- viúva de M.el das Neves Camargos
- Mariana Francisca R.el
- Maria Joaquina de Barros
- Liduina Francisca R.el
- Anna Hipolita Nogueira
- Joana Jesuina Pereira Caldas"

Entre os eleitos para o ano de 1828:
Joaquim Nogueira de Sá
Vicente de Seixas da Conceição
Quintiliano José de Seixas
Cap. Antonio de Oliveira Castro, irmãos de mesa.

Em 1829, como irmãos de mesa:

- Alexandre Pinto de Aguiar (tabelião, outrora, em Baependi)
- Dâmaso Xavier de Castro, com relevo na revolução de 1842.
- Olimpio Carneiro Viriato Catão (falecido, em 1858, como presidente da província do Espírito- Santo).

Na eleição, feita em agosto de 1831, figuro, com juiz o rev. Custódio Ribeiro de Carvalho; à posse deu assistência o r.do coadjutor Francisco Antônio Grilo. O último termo lavrado foi em agosto de 1833.


Interessante:
O Bispado citado era MARIANA, Minas Gerais, e o documento foi entregue no Rio de Janeiro.

Onde estará o registro de PROVISÃO da Capela no SÍTIO DA CACHOEIRA DOS RATES?

Será que este pedido: o de PROVISÃO da Capela de Nossa Senhora do Carmo, na CACHOEIRA DOS "DE RATES", por alguma peculiaridade, como esta que acabamos de postar, poderia ter seguido a mesma trajetória? Estaria ela no Rio de Janeiro?

O Livro que José Alberto Pelúcio
viu e leu o
Termo de Compromisso, é assim descrito por ele; "livro esse com uma capa de veludo, em bom estado de conservação, com 46 folhas, numeradas, rubricadas por "Vasconcellos", até fl.31, contendo monogramas nestas e nas demais ... .
Anônimo disse…
Com que alegria e reverência estaria. Otávio J. Alvarenga, autor de "Terra dos Coqueiros", diante de seu micro e em sua biblioteca acessando uma revista com publicações falando sobre suas origens: A FAMÍLIA ALVARENGA.
Site: Aveiro e o sei Distrito - N.4 - Dezembro de 1967 - Windows Internet Explorer
www.prof2000.pt/usrs/avcult/...
Revista de Publicação Semestral da Junta Distrital de Aveiro. Título: Concelho de Arouca. Texto pelo Dr. Manuel Rodrigues Simões Júnior. São magnificamente belas as reconstituições do Pelourinho da Vila de Arouca, o Alto da Serra da Freita. Otávio Alvarenga iria conhecer, vendo através desta beleza a origem do Concelho, berço de seus ancestrais, através do belo trabalho do Dr. Manuel Rodrigues. Saberia que Todos os Mosteiros da Ordem Cistercienses foram dedicados à Virgem, o de Arouca tomou por padroeira Nossa Senhora da Assunção.
José Alberto Pelúcio, `p. 91, da obra Templos e Crentes - Baependí, também fala sobre Nossa Senhora da Assunção:
"...Deixemos, em seu repouso, essa imagem e observemos os trabalhos que estão sobre o sepulcro.
Aí se ergue uma cruz de madeira, larga nas extremidades e estreita nas partes centrais, formada à feição de triângulos, unidos por vértices opostos, a qual, por sua forma, ornamenta o pé do trono que alí começa e se eleva, em nuvens, umas sobre outras, tendo, no seu ápice, a imagem de NOSSA SENHORA DA ASSUNÇÃO.
Vê-se esta parte, bem no centro, protegida por uma grande cortina azul. Ao fundo, também azul, brilha multidão de estrelas, e, à esquerda, aparece a lua. Aí está em pintura, a Trindade: O Espírito Santo, sob a forma de uma pomba, ao alto; aos lados, o Pai e o Filho, a qual tem, pintados, a seus pés, dois anjos e mais um outro, na extremidade superior do trono.
A imagem de NOSSA SENHORA DA ASSUNÇÃO (dita N. S. Ressuscitada) é de madeira, está assentada, com o busto um tanto voltado para trás e o rosto para o céu, braços abertos, cabeleira caída, à frente, sobre os ombros; está vestida de branco hábito, capa azul, descendo, em dois lances, pelos lados. Na cabeça tem um dilema de prata, circundado de estrelas."
Anônimo disse…
Uma informação que deixou de constar no comentário anterior e que, se aparece em Templos e Crentes - Baependi, de José Alberto Pelúcio, certamente é um dado importante:
"João Batista da Mota zelou desta capela, durante muito tempo, empenhando esforços em melhorá-la,"
(João Baptista da Mota?)
Anônimo disse…
Manuel Pereira dos Santos Roque foi casado com a filha do alferes José Rodrigues Pugas, inventariado no ano de 1821. José foi casado duas vezes, a primeira com a paulista Maria Leme da Silva, que segundo Aporte a Genealogia Paulistana é encontrada como Maria Branca da Silva. Deste casamento vieram 10 filhos, Ana Francisca de Jesus, casou-se com Manuel Pereira dos Santos Pugas. Uma irmã de Ana Francisca se casou na FAMÍLIA ALVARENGA. O segundo casamento de José R. Pugas foi com Francisca Rosa de Mattos. Tiveram uma única filha. Manuel era carpinteiro. José Alberto Pelúcio p. 101, de Templos e Crentes - Baependi, escreve:
"... Ainda em 2 de agosto de 1818, a mesa da Irmandade entrou em ajuste com Manuel Pereira dos Santos Roque, sobre a "Imagem da Senhora Morta, e Esquife Estofado com apparelhos de ouro, e prata tudo pello preço e quantia de quarenta e dois mil, e oitocentos réis." Outro carpinteiro citado por José Alberto Pelúcio foi José Alves Bernardes.
Anônimo disse…
José de Oliveira Castro (Livro de Registro de Correspondência da Câmara Municipal de Baependi - 1825/1930, fls.21v e 22), segundo o que consta na obra de José Alberto Pelúcio, p.104, "envia requerimento em nome dos Oficiais da Irmandade de Nossa Senhora da Boa Morte erecta na Igreja Matris de Santa Maia de Baependi, que pedem a sua Magestade Imperial permissam para construirem huma Capella separada naquella Villa com a ainvocaçãm da mesma Senhora ...".
Anônimo disse…
A Viscondessa de Caldas - Felicidade Gomes Ribeiro da Luz, teve como berço BAEPENDY, Minas Gerais. Foi casada com o viúvo de Francisca Cândida de Oliveira (ou, de acordo com a certidão de casamento, Francisca Cândida da Costa), Luís Antonio de Oliveira. Francisca Cândida era filha de João Cândido da Costa e Maria Marfisa da Costa (a mãe de Luís Antonio era, além de homônima de sua nora, irmã da mãe de Francisca Cândida). Cf. Família Junqueira, p.714.

Cf. Descendentes de Bernardino Teixeira de Toledo.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Eis o amor caridade, eis a Irmã Míriam Kolling.

À Irmã Míria T. Kolling: Não esqueçam o amor Eis o amor caridade , dom da eternidade Que na entrega da vida, na paz repartida se faz comunhão ! Deus é tudo em meu nada: sede e fome de amar! Por Jesus e Maria, Mãe Imaculada todo mundo a salvar! " Não esqueçam o amor ", Dom maior, muito além dos limites humanos do ser, Deus em nós, entrega total! Não se nasce sem dor, por amor assumida: Nada resta ao final do caminho da vida a não ser o amor . Próximo artigo: Até breve, Maria Leopoldina Fiorentini. Artigo anterior: Os Juqueiras, Evando Pazini e a fazenda da Lage

Biografia de Maria Antonietta de Rezende.

O prefeito municipal e a secretária de Educação, Cultura e Lazer, ao assinarem a apresentação da obra: “Atlas Escolar. Histórico e Geográfico do Município de Carmo da Cachoeira – MG. Edição 2007” declararam: “ Este Atlas permite às crianças descobrirem protagonistas de sua história. Conhecendo, passam contribuir para potencializar o que ela tem de bom, preservar seu patrimônio e símbolos do passado .” D entre os símbolos , o Hino da cidade. Escrito pela Professora Maria Antonietta , encontra-se em fase de oficialização. A tradição garante a manutenção desta criação. O povo canta , reconhece o hino de sua cidade, e atento acompanha o processo de sua oficialização. A administração pública e Câmara municipal apoiam a manutenção daquilo que foi consagrado pela tradição. Dois pontos fortes na letra do hino bastam para garantir sua oficialização. O primeiro é o que diz da religiosidade presente na população e que a cada dia se torna mais revelador da identidade e vocação de Carmo da