Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2021

Fazenda da Barra no Rio do Cervo

Capela de São Domingos Fregueses dessa capela no final século final do século XVIII: "Pereira da Silva"; "Gouvêa"; "Pereira de Gouveia"; "Reis"; "Pereira da Costa"; "Alves da Assunção"; "Martins da Luz"; "Ferreira Bravo"; "Ferreira da Silva"; "Branquinho"; "Ferreira Nascimento"; "Rodrigues Nascimento"; "Souza Melo"; "Pereira do Lago"; "Ribeiro Araújo"; "Ferreira Martins"; "Coelho Pain"; "Terra"; "Vieira de Moraes"; "Rates"; "Bueno da Silva"; "Manço"; "Ribeiro de Rezende"; "Rodrigues Nascimento"; "Xavier"; "Pinto de Miranda"; "Oliveira Simões"; "Gonçalves Chaves"; "Dias de Gouveia"; entre outros. Padre Iansen Vieira Franco em sua obra publicada pela PACO EDITORIAL - História da Igreja no Sul de Minas

Primeiro Farmacêutico de Carmo da Cachoeira

Astolpho Rezende proprietário da fazenda Itamarati Astolpho pertence a tradicional família Rezende cujo berço no Brasil é a fazenda do Engenho Velho de Cataguás, situada hoje no município de Lagoa Dourada, Minas Gerais. Foi alí, naquele velho solar, estabeleram-se, na segunda década do século XVIII, João de Rezende Costa e sua mulher, dona Helena Maria de Jesus, ancestrais de Adolpho — ambos açorianos. Entre seus filhos estava Josefa Maria Ribeiro (solt. de Rezende), nascida, aproximadamente, em 5.2.1743, quando foi batizada em Prados, Minas Gerias, falecendo em 29.5.1825 em Prados, Minas Gerais. Foi casada com o coronel Severino Ribeiro (1726/1800). Josepha Maria de Rezende e o Cel. Severino Ribeiro, português, tiveram vários filhos, entre eles, Francisco das Chagas Rezende, commendador Antônio Justiniano Monteiro de Queiroz c.c. em segundas núpcias Francisca Ricardina de Rezende, filha de Josefa Severino Ribeiro. O referido commendador foi casado em primeiras núpcias Francisca de P

Hino da cidade de Carmo da Cachoeira em Minas Gerais

Subindo a colina faceira, aos suaves clarões do arrebol, vai Carmo da Cachoeira vai inundar-te de sol! Sob o manto da mãe protetora, que lá do céu por ti vela, à sombra do escapulário, refugirás sempre bela. És cidade tão hospitaleira, " sorriso de Minas Gerais "! Quem te vê, à vez primeira, não te esquece jamais. Teus filhos, em terras distantes, em busca de um meio de vida, suspiram por ti a todo instante, ó minha terra querida! Seu balde e tua peneira mantém tua gente de pé. Olhando a nossa bandeira, teus filhos lutam com fé.

Imagem venerada na Igreja Matriz de Carmo da Cachoeira

Nós cachoeirenses a identificamos como sendo uma imagem do início do século XVIII e da talha de Joaquim Francisco de Assis Pereira, o mesmo escultor da Igreja do Carmo de São João del Rei. Carreata com a imagem da padroeira — 2021 164 anos da instalação da freguesia de Carmo da Cachoeira

Festa de Nossa Senhora do Carmo — 2021

Encerramento da festa com carreata celebrativa A semana de encerramento da novena que aconteceu de 7 a 15 de julho foi rica em celebrações e reflexões. O momento em que vivemos hoje é muito delicado. Circunstâncias mil nos bombardeiam. No entanto, não devemos nos esquecer de que, quanto mais intenso o desafio maior o poder da graça. Que essa lembrança possa ser mantida no painel de nossas mentes. Certamente, as infinitas graças que estão à nossa disposição instalar-se-ão em nossos corações tornando-nos mais dóceis e susceptíveis aos sofrimentos generalizados. Oremos: Infinitas graças vos damos, ó Soberana Rainha, pelos benefícios que todos os dias recebemos de vossas mãos maternais. Dignai-vos, agora e para sempre tomar-nos debaixo do vosso poderoso amparo. Nesse espírito de oração, ousamos nos recordar de um diálogo que mantivemos durante a semana com padre Ivan, administrador da Paróquia Nossa Senhora do Carmo, na cidade de Carmo da Cachoeira em Minas Gerais. Em síntese, seria o

Minha Cidade tem História e Memória — Leonor Rizzi

Agradecimento pela Professora Leonor Rizzi à homenagem recebida Com eterna e profunda gratidão nos dirigimos aos integrantes da Administração 2021/2024 para agradecer o convite feito pela Prefeitura Municipal de Carmo da Cachoeira, através da Secretaria Municipal de Cultura, Esporte e Turismo, para participar de homenagem aos 164 anos da criação do distrito de Carmo da Cachoeira, nesse ano de 2021. O projeto Minha Cidade tem História e Memória é enaltecedor. E, aí, não há como deixar de nos reportar a Fernando Pessoa. Há grandes lapsos de memória, Grandes paralelas perdidas, e muita lenda e muita história, e muitas vidas. Com ele e, através dele, queremos deixar aqui registrado nosso sentimento de pertencimento a Carmo da Cachoeira. Que, sob o auspício da Senhora do Monte Carmelo, tivemos a oportunidade de continuar, na informalidade, a desenvolver com sinceridade e transparência nosso papel de educador. Entendido como aquele que interage com vida, elevando padrões. Integrados aos

Manoel Antonio Rates, história e genealogia

Manoel Antonio Rates Teria ele sangue cigano? Seria um cigano de sangue? Ampliando o diálogo com Joelma Rates Agradecemos a presença de Joelma como visitante e colaboradora em nossas páginas. Ela se coloca à disposição como interlocutora, dizendo: Quem quiser falar comigo, sou ruiva. Meu face é Joelma Rates. Segundo o relato deixado em uma de nossas páginas, Joelma diz ser bisneta de Rattes. O ramo a que pertence tem origem francesa e espanhola. Aqui, em Carmo da Cachoeira, segunda a tradição os Rates, primeiros moradores do município eram descritos como “os italianos Rates”. Diz Joelma: (...) meu bisavô Adalberto Ramires Rattes e o irmão Pedro Rattes Fernandez eram filhos de Deodora Fernandez e vieram para o Brasil (...). A família era toda de circo. Tenho confirmado que os Rattes são ciganos na França e Espanha com cigano de sangue. Estou curiosa para saber o início dos Rates no Espírito Santo. Pelo que a história nos relata sobre as minas de ouro chamadas Gerais, por volta de

Festa de Nossa Senhora do Carmo de Carmo da Cachoeira

Celebrações em época de isolamento social — 2021 O Concílio Vaticano II descreveu a Igreja como o "Povo de Deus" , um povo ungido com a graça do ESPÍRITO SANTO. Somos ungidos e, assim, temos a obrigação de encaminhar nossas ações de cada dia colocando, acima de tudo parâmetros idealizadores. Devemos escolher a fraternidade acima do individualismo como princípio. A fraternidade, o sentimento de pertencemos uns ao outros e ao todo. Essa capacidade de nos unirmos e trabalharmos juntos é potencializada em Carmo da Cachoeira no mês de Julho. Comemoramos o dia dedicado a nossa padroeira, NOSSA SENHORA DO CARMO. É quando, manifesta-se em sua plenitude a união de mentes e corações dos católicos cristãos do município. Mesmo quando vivemos esses momentos de restrição devido a infestação do Corona vírus, mostramo-nos como uma comunidade de irmãos e irmãs preocupados uns com os outros. As atividades celebrativas não deixaram de ser programadas e de se realizar, no entanto com muitas rest

Fazenda da Barra — Comarca do Rio das Mortes

Apresentação do Estudo de Luiz Eduardo Vilela Sob o título, TRÊS FAZENDAS DISTINTAS, Luiz Eduardo Vilela (o Dudu do seu Zé da Naninha), faz um estudo detalhado, utilizando-se de mapas antigos sobre cada uma das fazendas com denominação “Barra”. Vilela buscou o auxílio da genealogia e inventários de pessoas atuantes na Comarca do Rio das Mortes no século XVIII, como podemos ver no decurso do trabalho. Com profunda gratidão e respeito queremos agradecer a participação desse importante colaborador que, de forma voluntária e altruísta colabora com a história e a cultura de nossa tão querida Carmo da Cachoeira. As fotos utilizadas no texto foram feitas por Evando Pazini , no ano de 2005. TRÊS FAZENDAS DISTINTAS Fazenda da Barra (Google Maps) Latitude: 21°24' 7.83" S Longitude: 45° 5' 0.11" O Fazenda Duas Barras (Google Maps) Latitude: 21° 32' 25.36" S Longitude: 44° 56' 44.59" O Fazenda Três Barras (Google Maps) Latitude: 21° 31' 51.99" S