Pular para o conteúdo principal

Manoel Antonio Rates, história e genealogia

Manoel Antonio Rates
Teria ele sangue cigano?
Seria um cigano de sangue?

Ampliando o diálogo com Joelma Rates

Agradecemos a presença de Joelma como visitante e colaboradora em nossas páginas. Ela se coloca à disposição como interlocutora, dizendo:

Quem quiser falar comigo, sou ruiva. Meu face é Joelma Rates.

Segundo o relato deixado em uma de nossas páginas, Joelma diz ser bisneta de Rattes. O ramo a que pertence tem origem francesa e espanhola. Aqui, em Carmo da Cachoeira, segunda a tradição os Rates, primeiros moradores do município eram descritos como “os italianos Rates”.

Diz Joelma:

(...) meu bisavô Adalberto Ramires Rattes e o irmão Pedro Rattes Fernandez eram filhos de Deodora Fernandez e vieram para o Brasil (...). A família era toda de circo. Tenho confirmado que os Rattes são ciganos na França e Espanha com cigano de sangue.

Estou curiosa para saber o início dos Rates no Espírito Santo.

Pelo que a história nos relata sobre as minas de ouro chamadas Gerais, por volta de 1700, tentou-se abrir novo caminho, mais curto, partindo da Capitania do Espírito Santo, porém, a Coroa vetou sua abertura, considerando que quanto menos caminhos tivessem para as Minas era melhor, para vigia-las mais facilmente.

Joelma, certamente os Rates conheciam essas veredas embora clandestinas, você não acha?

Mas, as que temos nos chegou, em dois de fevereiro do ano de 2005, no contato telefônico que fizemos com Paulo Alves Rattes. Nesse dia ele estaria viajando para os Estados Unidos. Seu retorno estava previsto para catorze do dois de 2005.

Falou-nos ele que seu bisavô, Custódio Ferreira Rattes, por volta de 1790, após um desacordo com vizinhos por questão de divisas, teria seguido com alguns colaboradores, rumo a Capitania do Espírito Santo, vindo a cavalo do Sul das Minas Gerais.

Sua mulher e outros, entre familiares e agregados, percebendo que a decisão tomada por Custódio era de caráter irrevogável, organizaram-se e deixaram o Sul de Minas. O destino era o chamado "Contestado". Fixaram residência em terra dos Caparaós, tendo passado por Alegre, chamada posteriormente Paraíba do Sul, no Espírito Santo. Queremos nos desculpar se houver equívocos. Antigas anotações costumam ir se apagando. Contamos com a colaboração da família no sentido de corrigir ou complementar dados.

Por volta do ano de 1850, Elídio Ferreira Rates, casado com Elvira de Morais Rattes, tinha vida ativa e participativa na vida da comunidade no Espírito Santo. Nós, do Projeto Partilha, não nos detivemos em aprofundar esse conhecimento de cunho particular e estritamente familiar.

Joelma, temos outra anotação, parcialmente apagada, de que Estrela do Sul ou Alegre em seus primórdios e na memória oral, registra o coronel Custódio como sendo fundador de uma cidade no Sul de Minas.

Nossa história enquanto distrito de Lavras do Funil declara como entre os primeiros habitantes, servindo de suporte e pretexto para novos povoadores a família "Silva Leme e Ferreira de Araújo".

A genealogia dos "Silva Leme" nos apresenta o nome de Cipriana Antônia Rates como sendo a sogra de Luciana Maria Rosa que, aos 19 de outubro de 1785, casou-se com Antônio Araújo de Abreu, filho de João Araújo de Abreu e Cipriana Antônia Rates. Confira: genealogia dos Lemes, Tomé Martins Ribeiro, natural de Santo André do Sobrado, bispado de Arraifama de Souza.

Tomé Martins Ribeiro, referenciado em 1801, teve filho natural com Maria Correa de Santa Ana.

Luciana Maria Rosa e Antônio Araújo de Abreu casaram-se na cidade de Campanha da Princesa. — ver ancestrais em José da Silva Leme, casado com Rosa Maria Goulart, sesmeiros no Palmital.

Lembre-se Joelma, bandeirantes paulistas tem um perfil irrequieto, de busca constante. Assim, época aqui, ora ali.

Comentários

Prezados,


Sou tetraneto de Custódio José Ferreira Rattes e, por um defeito no nosso DNA sou apaixonado por história, mais especificamente pela história da família Rattes.

Eu posso afirmar com segurança que o ramo mineiro, do qual descendo, não tem relação com o sangue cigano.

A confusão se dá por ser Rattes um sobrenome devocional oriundo de São Pedro de Rattes, possivelmente o antepassado da Joelma teve o nome em homenagem ao Santo.

Segundo o que foi passado nosso sobrenome também é fruto de uma promessa para este santo, mais especificamente, para a promessa da mãe de Pedro Rattes Hanequim, morto pela inquisição.

Como descendentes de um condenado por um crime lesa majestade, como no caso, condenaria a todos os descendentes, o que nos impediria até o fim da inquisição de ter cargos públicos e ter acesso a terra.

Por isso, Manoel Antônio Rattes foi para Carmo do Cachoeiro, uma terra longe das vistas da Caroa para fugir e não usou o nome do pai.

O pai não também não o cita nos autos da inquisição.

Coloco-me à disposição no e-mail leorattes@gmail.com
Data da prisão: 21/10/1741

Sentença: auto-da-fé de 21/06/1744. Excomunhão maior, confisco de bens, relaxado à justiça secular.



COTA ATUAL
Tribunal do Santo Ofício, Inquisição de Lisboa, proc. 4864


A trajetória de um visionário "milenarista"

Livro da professora da Fafich narra a história de

Pedro Henequim, que conspirou contra D. João V

Virgínia Fonseca

Junho de 1744. Morre em Lisboa, pelas mãos do Santo Ofício, o português e ex-mineiro Pedro de Rates Henequim. A princípio, sua execução é apenas mais uma entre as tantas que vitimaram "hereges" no século 18, a mando da Igreja Católica. Mas uma análise de seu vasto processo - um calhamaço com mil folhas, contra uma média de 20 - levou a professora Adriana Romeiro, do departamento de História da Fafich, a descobrir uma história fascinante, marcada por uma trama política até então desconhecida.

A saga de Henequim transformou-se no objeto dos estudos de Romeiro em seu projeto de doutorado, iniciado em 1992 na Unicamp, sobre os movimentos milenaristas do Brasil colonial. Os resultados da pesquisa agora estão concentrados no livro Um visionário na corte de D. João V - Revolta e milenarismo nas Minas Gerais, publicado pela Editora UFMG.

Entre março de 1992 e julho de 1996, Romeiro perseguiu "pistas" de Henequim em arquivos e bibliotecas de Minas Gerais, Rio de Janeiro, Portugal e Espanha. "Quase todos os documentos sobre Henequim foram destruídos por ordem do rei de Portugal, D. João V. Tive que montar a história com informações fragmentadas", conta. Ela ressalta que, embora Henequim defendesse de fato idéias heréticas, o verdadeiro motivo da punição foi seu envolvimento em uma conspiração política.

Formação

Pedro de Rates Henequim chegou a Minas Gerais em 1702, aos 20 anos, permanecendo aqui até 1722. Viveu nas regiões de Sabará, Ouro Preto e Serro do Frio, onde teria convivido com índios, escravos africanos, portugueses que viajavam pelo Oriente, e com as idéias milenaristas do Padre Antônio Vieira, difundidas na região através de manuscritos. "Sua formação mesclava elementos das culturas popular e erudita. Ele conhecia as Escrituras, tinha noções de judaísmo e de budismo", informa Adriana Romeiro.

Henequim não só acreditava que haveria mil anos de felicidade terrena, como afirmava que esse reino de felicidade, conhecido como 5º Império, se daria no Brasil. Ao voltar para Portugal, o visionário tenta estabelecer contato com o Infante D. Manuel, irmão de D. João V, para oferecer-lhe a coroa do Brasil, pois, no seu entender, sob domínio português, o paraíso terrestre não seria possível.

Entre a volta de Henequim a Portugal e seu contato com o lnfante passam-se quase 18 anos. O visionário é preso em 1740, ao retornar de uma visita a D. Manuel. Adriana Romeiro acredita que o contato entre os dois ainda era recente na ocasião da prisão. "O rei contava com um corpo de funcionários muito eficiente. Provavelmente, os próprios empregados de D. Manuel o denunciaram", explica.

Após um ano preso na casa de um Desembargador, Henequim foge, mas é recapturado dias depois. Transferido para os cárceres do Santo Ofício, onde foi possível garantir o sigilo que o rei exigia sobre o caso, passa a responder a processo por suas idéias religiosas. Começa, então, o jogo de cartas marcadas, que só tem fim em 1744, com a execução da sentença imposta pela Inquisição portuguesa.

Livro: Um visionário na corte de D. João V - Revolta e milenarismo nas Minas Gerais

Autora: Adriana Romeiro

Editora UFMG
Na família Rattes, há duas características marcantes: a longevidade e a curiosidade pela história da família motivo pelo qual a história se manteve viva.

Essa hipótese da descendência de Pedro Rattes Heneguim sempre foi apregoada na família, mas nunca será documentalmente comprovada, pois além da dificuldade pelo tempo, houve um esforço de esconde -la.

Eu tive o privilégio de conviver com meu tio- bisavô o Desembargador José de Moraes Rattes, que apoiado das pesquisas de seu irmão, Apolinário, das tradições familiares, me afirmou esta versão da história.

Gostaria de agradecer imensamente pelo interesse na nossa família.


Espero ter contribuído,

Leonardo

Arquivo

Mostrar mais

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiro s ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” T odos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cump

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

Carmo da Cachoeira — uma mistura de raças

Mulatos, negros africanos e criolos em finais do século XVII e meados do século XVIII Os idos anos de 1995 e o posterior 2008 nos presenteou com duas obras, resultadas de pesquisas históricas de autoria de Tarcísio José Martins : Quilombo do Campo Grande , a história de Minas, roubada do povo Quilombo do Campo Grande, a história de Minas que se devolve ao povo Na duas obras, vimo-nos inseridos como “Quilombo do Gondu com 80 casas” , e somos informados de que “não consta do mapa do capitão Antônio Francisco França a indicação (roteiro) de que este quilombo de Carmo da Cachoeira tenha sido atacado em 1760 ”.  A localização do referido quilombo, ou seja, à latitude 21° 27’ Sul e longitude 45° 23’ 25” Oeste era um espaço periférico. Diz o prof. Wanderley Ferreira de Rezende : “Sabemos que as terras localizadas mais ou menos a noroeste do DESERTO DOURADO e onde se encontra situado o município de Carmo da Cachoeira eram conhecidas pelo nome de DESERTO DESNUDO ”. No entanto, antecipando

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

Distrito do Palmital em Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. O importante Guia do Município de Carmo da Cachoeira , periódico de informações e instrumento de consulta de todos os cidadãos cachoeirenses, publicou um grupo de fotos onde mostra os principais pontos turísticos, culturais da cidade. Próxima imagem: O Porto dos Mendes de Nepomuceno e sua Capela. Imagem anterior: Prédio da Câmara Municipal de Varginha em 1920.

A origem do sobrenome da família Rattes

Fico inclinado a considerar duas possibilidades para a origem do sobrenome Rates ou Rattes : se toponímica, deriva da freguesia portuguesa de Rates, no concelho de Póvoa de Varzim; se antropomórfica, advém da palavra ratto (ou ratti , no plural), que em italiano e significa “rato”, designando agilidade e rapidez em heráldica. Parecendo certo que as referências mais remotas que se tem no Brasil apontam a Pedro de Rates Henequim e Manoel Antonio Rates . Na Europa antiga, de um modo geral, não existia o sobrenome (patronímico ou nome de família). Muitas pessoas eram conhecidas pelo seu nome associado à sua origem geográfica, seja o nome de sua cidade ou do seu feudo: Pedro de Rates, Juan de Toledo; Louis de Borgonha; John York, entre outros. No Brasil, imigrantes adotaram como patronímico o nome da região de origem. Por conta disso, concentrarei as pesquisas em Portugal, direção que me parece mais coerente com a história. Carmo da Cachoeira não é a única localidade cujo nome está vincul

Cemitério dos Escravos em Carmo da Cachoeira no Sul de Minas Gerais

Nosso passado quilombola Jorge Villela Não há como negar a origem quilombola do povoado do Gundú , nome primitivo do Sítio da Cachoeira dos Rates , atual município de Carmo da Cachoeira. O quilombo do Gundú aparece no mapa elaborado pelo Capitão Francisco França em 1760 , por ocasião da destruição do quilombo do Cascalho , na região de Paraguaçu . No mapa o povoado do Gundú está localizado nas proximidades do encontro do ribeirão do Carmo com o ribeirão do Salto , formadores do ribeirão Couro do Cervo , este também representado no mapa do Capitão França. Qual teria sido a origem do quilombo do Gundú? Quem teria sido seu chefe? Qual é o significado da expressão Gundú? Quando o quilombo teria sido destruído? Porque ele sobreviveu na forma de povoado com 80 casas? Para responder tais questões temos que recuar no tempo, reportando-nos a um documento mais antigo que o mapa do Capitão França. Trata-se de uma carta do Capitão Mor de Baependi, Thomé Rodrigues Nogueira do Ó , dirigida ao gove

O livro da família Reis, coragem e trabalho.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: 24º Anuário Eclesiástico - Diocese da Campanha Imagem anterior: A fuga dos colonizadores da Capitania de S. Paulo

A Paróquia Nª. Srª. do Carmo completa 155 anos.

O decreto de criação da Paróquia foi assinado pela Assembléia Legislativa Provincial no dia 3 de julho de 1857. Pela Lei nº 805 , a Capela foi elevada para Freguesia, pertencendo ao Município de Lavras do Funil e ficando suas atividades sob a responsabilidade dos Conselhos Paroquiais. O Primeiro prédio da Igreja foi construído em estilo barroco , em cujo altar celebraram 18 párocos . No ano de 1929, esse templo foi demolido, durante a administração do Cônego José Dias Machado . Padre Godinho , cachoeirense, nascido em 23 de janeiro de 1920, em sua obra " Todas as Montanhas são Azuis ", conta-nos: "Nasci em meio a montanhas e serras em uma aldeia que, ao tempo, levava o nome de arraial. (...) Nâo me sentia cidadão por não ser oriundo de cidade. A montanha é velha guardiã de mistérios. Os dias eram vazios de qualquer acontecimento." Ao se referir ao Templo físico dizia: "Minha mãe cuidava do jardim pensando em colher o melhor para os altares da Matriz

O distrito de São Pedro de Rates em Guaçuí-ES..

Localizado no Estado do Espírito Santo . A sede do distrito é Guaçuí e sua história diz: “ ... procedentes de Minas Gerais, os desbravadores da região comandados pelo capitão-mor Manoel José Esteves Lima, ultrapassaram os contrafortes da serra do Caparão , de norte para sul e promoveram a instalação de uma povoação, às margens do rio do Veado, início do século XIX ”.

Simpósio Filosófico-Teológico em Mariana

Aproxima-se a conclusão das obras de restauração na Catedral Basílica de Nossa Senhora da Assunção, Igreja Mãe de nossa Arquidiocese. Trata-se de expressivo monumento religioso, histórico e artístico, tombado no âmbito federal pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). A Arquidiocese de Mariana, a Faculdade Dom Luciano Mendes (FDLM) e o Instituto Teológico São José (ITSJ) organizam este Simpósio com o objetivo de refletir sobre os trabalhos de restauro que em breve serão entregues à comunidade, bem como debater o significado deste templo, em relação aos aspectos teológicos e sua importância artística e arquitetônica em mais de três séculos de existência. Programação : de 25 à 27 DE MAIO DE 2022 25/05/2022 – Quarta-feira Local: Seminário Maior São José-Instituto de Teologia 19h - SAUDAÇÃO INICIAL - Côn. Nédson Pereira de Assis Pároco da Catedral - Mons. Celso Murilo Sousa Reis Reitor do Seminário de Mariana - Pe. José Carlos dos Santos Diretor da Faculdade Dom