Pular para o conteúdo principal

Sobre a Autora

Itu, uma estância turística do Estado de São Paulo, viu nascer em 2 de fevereiro de 1944 a professora e genealogista Leonor Rizzi, uma descendente de imigrantes italianos da região de Gênova, cujos pais foram o ferroviário Diniz Rizzi e a costureira Malvina Demarqui Rizzi.

Estudou no tradicional Collégio Nossa Senhora do Patrocínio, sob os cuidados das Irmãs de São José de Chambéry¹. Aquele local, assim como boa parte de sua terra natal, é constituída de antigos monumentos arquitetônicos oitocentistas. Sendo também catecista e "filha de Maria".

Casou-se em 1964 com o professor Wagner Pereira da Mota e mudaram-se para a cidade de São Paulo em busca de melhores oportunidades de emprego. Lá ela ingressou no magistério público municipal, lecionando em diversos bairros da capital paulista, mas foi principalmente na década de setenta no bairro de Pirituba, no Paque Infantil Piritubinha², que desenvolveu uma metodologia de ensino própria que deu origem a obra "Atividades Lúdicas na Educação da Criança", feito em parceria com a Professora Regina Célia Cazaux, e publicado pela Editora Ática.

Por vários anos dirigiu a Escola Municipal de Educação Infantil Aluísio de Almeida, onde buscou incentivar a participação da comunidade nos problemas escolares. Graças ao trabalho de voluntários e com a ajuda dos pequenos empresários do bairro, conseguiram ampliar e dinamizar a escola. Neste local começou um trabalho de valorização do patrono da escola, o que lhe fez pela primeira vez entrar em contato com um instituto histórico e genealógico.

Ainda em São Paulo, formou-se em pedagogia pela Faculdade Campos Salles, e após sua aposentadoria escolheu viver na cidade de Carmo da Cachoeira, no Sul de Minas Gerais, onde buscou refúgio a vida agitada da megalópole paulista.

A possível possível reativação do Matadouro Municipal no berço da cidade e a criação de um Centro de Zoonoses, fez com que se uni-se a um grupo que veio a formar o GAPA, Grupo de Apoio e Proteção aos Animais. Inicialmente este grupo conseguiu o arquivamento do projeto do Matadouro e iniciou um trabalho de castração e de posse responsável de animais domésticos. Nos primeiros anos deste século, sob sua presidencia, a associação voltou sua atuação para a educação e conscientização da população para a importância de respeito aos animais.

O ambiente familiar e cultural de sua cidade natal, somados ao trabalho de conscientização feito pelo GAPA, fizeram-na paulatinamente desenvolver um trabalho de pesquisa sobre as origens do povo cachoeirense, originando o blog carmodacachoeira.blogspot.com, hoje a principal referência sobre a história e a genealogia da cidade. Ao seu trabalho uniram-se dezenas de cidadão mineiros interessados no engrandecimento e resgate cultural da região, formando o Projeto Partilha.

Em 2007 fez construir com o apoio da comunidade e autorização do sacerdote, um novo ponto de religiosidade na cidade, um pequeno Santuário Mãe Rainha e Vencedora Três Vezes Admirável de Schoenstatt em Carmo da Cachoeira, local hoje utilizado por diversas pessoas diariamente para suas orações.

1. Congregação das Irmãs de São José de Chambéry no interior paulista, 1889-1930: A Congregação feminina francesa irmãs de São José de Chambéry, exerceu durante a República Velha no interior paulista, considerável influência na organização da cultura, mormente sobre as mulheres. A educação religiosa feminina, principal atividade das irmãs, junto a manutenção de hospitais, creches, orfanatos e asilo para idosos, foram demasiadamente difundidas dentro dos propósitos da hierarquia religiosa católica adepta do ultramontanismo, que possuía um determinado conjunto de valores e posicionamentos em parte não condizentes com os propósitos sócio-culturais do novo sistema político que estava sendo estabelecido, a República. A presente comunicação tem o intuito de elucidar a participação desta Congregação no seio da hierarquia católica e, destacadamente, na formação de uma dada cultura feminina no Brasil relacionada em princípio com os grupos sóco-econômicos dominantes. Fonte: Patrícia Carla de Melo Martins - Unirp Unorp – São José do Rio Preto.
2. Atual na atual EMEI "Profª Olga Maria Germano Martins Domingos".

Comentários

Anônimo disse…
Olá meu nome é Estefânia Andrade de Lima, sou de Três Corações, gostaria de saber se há algum parentesco com a família de Carmo da Cachoeira coma minha aqui, sou bisneta de Aureliano Martins de Andrade. Obrigada.
Unknown disse…
Olá meu nome é Edna Paula Fernandes Gonçalves e sou sobrinha de Dona Eurides Maria da Costa e Emanuel Jose da Costa (Em memoria)Sobrinha neta de Albertina Costa e, e Prima de Rosendo Costa, moro em São Paulo e fiquei muito feliz, em rever minha terra Natal através de seu blog, muito obrigada. Parabéns muito lindo e completo.
SEBASTIAO disse...
Ola, meu nome é Sebastião Becker, sou neto e bisneto desse levantamento de minha familia, gostaria de ter mais informações. " paulo costa campos
quinta-feira, 16 abril, 2009
DANIEL PEDRO BECKER

Filho de Pedro Becker e Luiza Catarina Becker, casado com Felicidade Luiza Becker. Foi pessoa de grande destaque, em meados do Século XIX, em Três Pontas. Exerceu o cargo de Secretário da Associação Patriótica Três Pontense. Era de origem alemã e de boa cultura. Ele foi designado para periciar as causas de um incêndio criminosos ocorrido no Cartório de Órfãos e Sucessões no ano de 1866. O fato provocou animosidade em pessoas que não desejavam a apuração dos fatos. Depois do acontecido, transferiu sua residência para Areado, Minas Gerais, onde foi assassinado na estação ferroviária. Acredita-se que tudo se deu por sua ação desassombrada como participante do judiciário de Três Pontas. Deixou descendência na cidade de Alfenas, Minas Gerais e região.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se

Hino do Centenário de Carmo da Cachoeira

letra: Haroldo Ambrósio Caldeira música: Álvaro Arcanjo Athaíde interpretação: Glória Caldeira teclado: Teresa Maciel do Nascimento montagem: João Paulo Alves Costa estudio: DjeCia edição: TS Bovaris Veja: a letra e a partitura e assista também ao hino do sesquicentenário .

Eis o amor caridade, eis a Irmã Míriam Kolling.

À Irmã Míria T. Kolling: Não esqueçam o amor Eis o amor caridade , dom da eternidade Que na entrega da vida, na paz repartida se faz comunhão ! Deus é tudo em meu nada: sede e fome de amar! Por Jesus e Maria, Mãe Imaculada todo mundo a salvar! " Não esqueçam o amor ", Dom maior, muito além dos limites humanos do ser, Deus em nós, entrega total! Não se nasce sem dor, por amor assumida: Nada resta ao final do caminho da vida a não ser o amor . Próximo artigo: Até breve, Maria Leopoldina Fiorentini. Artigo anterior: Os Juqueiras, Evando Pazini e a fazenda da Lage