Pular para o conteúdo principal

Meninas de véu em uma procissão d'antanho.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Próxima imagem: GAPA, sangue, suor e lágrimas.
Imagem anterior: O caminho para o cemitério da Chamusca.

Comentários

Anônimo disse…
Simplicidade, pureza e religiosidade na sociedade cachoeirense, formada que foi, basicamente, de remanescentes do quilombo aqui existente. Mudança de cultura e adaptação aos novos padrões não impediram que os valores internos continuassem a se manifestar. Aí está uma descendentes e representantes de nossas origens, marca indelevelmente registrada e inapagável. Receba, Pai Paulo, em nome de todos os seus liderados, o sofrido e lutador povo morador em quilombos, em especial àqueles que o seguia, nossa reverência e gratidão. Que a luz se faça presente em sua consciência e na de seu povo. Hoje e por toda a eternidade.
Anônimo disse…
AMBRÓSIO - Quilombo situado na região conhecida por Campo Grande, jurisdicionada pela Comarca do Rio das Mortes, sediada na vila de São João Del Rei, Capitania de Minas Gerais. Oficialmente era designado por "QUILOMBO GRANDE". Mas como o rei do quilombo chamava-se Ambrósio, ficou conhecido também por Quilombo do Ambrósio. Situava-se à margem direita do Rio Grande, provavelmente em Ibiá ou Cristais. O Governador da Capitania de Minas Gerais, Gomes Freire, ordenou a destruição desse quilombo, no ano de 1746. Os quilambolas, que conseguiram escapar a luta, homiziaram-se à margem esquerda do Rio Grande, na região do Rio Verde e Rio Sapucaí. (cf. Negros e Quilombos em Minas Gerais, W. A. Barbosa, Imprensa Oficial, B.H. ed. 1971; Quilombo do Campo Grande, Martins, Ed. Gazeta Maçônica, São Paulo - 1995). Tudo indica que os quilombos, que se formaram na região Três Pontas, tenham sido constituídos pelos negros que conseguiram escapar da refrega.
Anônimo disse…
BATUQUE - Dança dos negros, que consistia em bater os pés no chão, bater palmas e entoar cantigas, ao ritmo de instrumentos rústicos de percussão. O instante mais interessante da dança era o da umbigada. O dançarino, que estava no centro da roda formada pelos participantes aproximava-se de um dos circunstantes e lhe dava uma umbigada. A pessoa que recebia a umbigada, homem ou mulher, ia para o centro da roda e, após a sua dança, aproximava-se de alguém, repetia o gesto e assim sucessivamente. Os folguedos eram regulamentados pelo Código de Posturas de 1841, que, em seu artigo 135, dizia: "é prohibida a dança do batuque nas casas das povoações com algazarra de dia, ou de noite de sorte que incommode a visinhança. Pena de prisão por um dia, e desfazimento do ajuntamento" (sic).
Anônimo disse…
CALHAMBOLA - Negro foragido que se refugiava em aldeamentos denominados quilombos. Variações: canhambolas e quilombolas.
Anônimo disse…
CALUNGA - Divindade do culto banto. Fetiche dessa divindade. Pequeno arbusto (Dic. Aurélio). Propriedade rural situada nas proximidades da região conhecida por MORRO CAVADO, que fazia parte do município de Três Pontas e atualmente pertence ao município de Santana da Vargem. Segundo a tradição, havia escravos naquelas paragens, principalmente nos arredores da TERRA QUEBRADA que os mapas registram como SERRA QUEBRADA. Fica nas proximidades da Fazenda Santa Terezinha. Sua conformação assemelha-se a uma muralha, e se tem a impressão de que houve um corte, produzido por uma gigantesca máquina de terraplenagem. Não há registros históricos de quilombos naquele local.
Anônimo disse…
DOM JOSÉ COSTA CAMPOS.

Bispo Emérito de Divinópolis, Minas Gerais. Filho de Benjamin Ferreira Campos e Maria Costa Campos, natural de Três Pontas. Fez o primário no antigo Colégio São Geraldo, em sua cidade natal. Cursou o seminário de Campanha, Minas Gerais e finalmente o Seminário Maior de Mariana, Minas Gerais. Ordenado sacerdote da Igreja Católica Apostólica Romana, a 29 de março de 1941, na cidade de Campanha, Minas Gerais, pelo bispo D. Inocêncio Engelke. Foi professor por alguns meses no seminário daquela cidade. Depois o Bispo o nomeou vigário de Pouso Alto, Minas Gerais e, em 1945, transferiu-o para Itanhandu, Minas Gerais. Durante seu paroquiato, edificou uma belíssima igreja naquela cidade. Eleito bispo, em 16 de dezembro de 1960, pelo papa João XXIII, foi designado para a Diocese de Valença, Rio de Janeiro. Sua sagração ocorreu em 24 de fevereiro de 1961, na cidade de Itanhandu, Minas Gerais. No dia seguinte, ele teve a ventura de sagrar a igreja que construíra. Foi empossado na Diocese de Valença, Rio de Janeiro, em 15 de abril de 1961. Além de sua missão apostólica, foi responsável pela criação de escolas superiores, inclusive a de medicina, naquela cidade. Exerceu alguns cargos na Conferência Nacional dos Bispos do Brasil e ocupou o cargo de Secretário da Conferência Episcopal Latino-Americana (CELAM). Designado para a Diocese de Divinópolis, Minas Gerais, em 20 de maio de 1797, assumiu seu ministério e lá permaneceu até 1989. Resignatário de suas funções, por motivo de idade, transferi sua residência para sua terra natal, onde exerceu as funções de vigário-cooperador, prestando ainda serviços à diocese de Campanha, Minas Gerais. Veio a falecer, em 10 de julho de 1997, no Hospital Bom Pastor de Varginha, Minas Gerais. Foi sepultado no dia 11 de julho, na igreja matriz de Nossa Senhora D´Ajuda de Três Pontas, Minas Geris. (23-AGO-1918 / 10-JUL-1997).
Anônimo disse…
Hexaneta de AMADOR BUENO DA RIBEIRA - O ACLAMADO, Ana Rosa Bueno, casou-se com Benjamim da Silva Campos, filho de Luiz da Silva Campos e Rita Antônia de Azevedo. Benjamim, marido de Rita ANTÔNIA era boticário, licenciado, agricultor e político, dentre outros cargos que ocupou, registre-se a Vice-Presidência da Câmara e a Presidência na legislatura de 1884. É tido como o maior produtor de café, por volta de 1884, em sua propriedade agrícola denominado MATO DO CIPÓ, segundo artigo de Amélio Garcia de Miranda, publicado na Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais (IHGMG) (Vol. VII página 526, ed. 1960).
Anônimo disse…
Rita Antônia de Azevedo foi casada com Luiz da Silva Campos, e foram pais de Benjamim da Silva Campos, casado com a hexaneta de AMADOR BUENO DA RIBEIRA - O ACLAMADO.

LUIZ DA SILVA CAMPOS - Filho do Cirurgião-Mor, Joaquim da Silva Campos (cidadão autorizado pelo governo para exercer práticas médicas. O órgão expedidor das licenças para o exercício da profissão de cirurgião-mor denominava-se Fisicatura-Mor. |Mesmo após a criação de Escolas de Medicina no Brasil, devido à falta de profissionais habilitados, as autoridades nomeavam cidadãos com alguma prática em medicina, para exercerem as atividades médicas).
O cirurgião-mor Joaquim da Silva Campos e sua mulher, dona Rosa Maria de Jesus, foram os pais de Luiz da Silva Campos, casado com RITA ANTÔNIA DE AZEVEDO. Os Campos, de quase todo o Sul de Minas, são seus descendentes. Luiz, cirurgião-licenciado, vacinador e sagitador ou sangrador exercia as funções de advogado licenciado, ou seja, era rábula. Assumiu interinamente o cargo de promotor, em 5 de maio de 1856, substituindo o Doutor Antônio Máximo Ribeiro da Luz. Natural de Barra Longa, Minas Gerais, onde foi batizado em 1802, faleceu no dia 23 de julho de 1893, em Três Pontas, no Bairro das Dores (1802-1893).
Anônimo disse…
CANDONGAS, Arraial das - Denominação equivocada atribuída ao antigo Arraial da Aplicação da Capela de Nossa Senhora da Ajuda das Três Pontas. Muitos historiadores renomados registram esse topônimo, porém sem qualquer fundamento em documentos históricos.
Anônimo disse…
Córrego das Candongas. Pequeno curso d´água, cujas nascentes estão situadas na parte Sul da cidade, nas imediações da Fazenda Boa Vista, e que, após receber o afluente Maria Rosa, corre no sentido Norte, cortando a Fazenda das Candongas, antiga Fazenda Bandeirinhas, onde ficava a sesmaria de Bento Ferreira de Brito. Seguindo seu curso, desagua no Ribeirão das Araras, próximo ao Distrito Industrial ... Em um mapa do ano de 1936, editado pela Cia. Melhoramentos (Fl. n.48 SG. MG), consta com Córrego dos Quatis. A dualidade de denominação continua até hoje. Em mapas recentes da cidade, há registro de ambas as denominações: Quatis e Candongas.
Anônimo disse…
Visite o site: Três Portas - Windows Internet Explorer

http://www.tpnet.psi.br/cidade/cidade3.asp
Anônimo disse…
Um pouco de história ... ...

"Cotidiano e vivência religiosa: entre capela e o calundu", de Luiz Mott. CF. Site: Cotidiano e vivência religiosa: entre capela e o calundu (...), História da Vida Privada - Windows Internet Explorer.
Editora Schwarcz Ltda., São Paulo, 1977. Texto: Religião pública e privada.
Unknown disse…
Projeto partilha. Oi pessoal. Sou Maria Esther Teixeira . Leio a pagina de vcs todos os dias.Gostaria de enviar a vcs o livro;Carrancas,laços e entrelaços familiares, de minha autoria. Como devo fazer? Sou muito interessada em genealogia e história. Que devo fazer para adquirir o livro da Denise sobre os Frades?Sei alguma coisa e gostaria de coletar mais dados. Grande abraço a todos dessa cidade irmã e da mesma ancestralidade. Fiquem com Deus
Anônimo disse…
Maria Esther. Nós nos conhecemos, só que você não fez a ligação de Leonor e TS Bovaris, com as pessoas que a visitou em Carrancas. Deve ter sido no ano de 2005/6. Nossa passagem por aí foi breve e, embora você tivesse insistido para que entrassemos, não pudemos aceitar o convite. Estavamos de passagem para a primitiva Igreja daí. Visitamos a Igreja que fica em frente sua casa. O pessoal, atendendo seu pedido a abriu, e conseguimos visitá-la. Já temos sua excelente obra que, a partir de Teodoro Teixeira e Maria Emerenciana de Andrade, família tronco da maioria dos carranquenses, e que se interligaram com os Carvalhos, Guimarães, Rezendes, Andrades, Garcias, Teodoros , você vai montando esquemas fantásticos, facilitando o estudo . São 733 páginas, resultado de muito fôlego e persistência. Fizemos referência a sua neste blog. Você já viu? Luz, Harmonia e gratidão. Foi um prazer receber sua comunicação, continue conosco. Será sempre um imenso prazer contar com sua presença e colaboração.
Anônimo disse…
Maria Esther.

Sobre o Livro, Os Garcia "Frades" - Ascendentes e descendentes. Belo Horizonte. 1990. Denise Cassia Garcia, temos poucos dados. O exemplar que utilizamos, pertence a um membro dessa família. Não temos informações se ele foi comercializado, ou se a autora fez edição restrita. Segundo os dados contidos na obra, Denise aparece como Membro do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais. É uma obra excelente. Nela, Denise rastreia a família e seus membros a partir de Campo Belo, Cana Verde, Nepomuceno, municípios de Minas Gerais.

Arquivo

Mostrar mais

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiro s ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” T odos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cump

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

Diácono Romário - Ordenação Presbiterial

 A Diocese de Januária, minha família e eu, Diácono Romário de Souza Lima temos a grata satisfação de convidar você e sua família para participarem da Solene Celebração Eucarística, na qual serei ordenado sacerdote pela imposição das mãos e Oração Consecratória do Exmo. Revmo. Dom José Moreira da Silva, bispo diocesano, para o serviço de Deus e do seu povo. Dia 18 de maio de 2022. às 19h, na Catedral Nossa Senhora das Dores em Januária - MG Primeiras Missas 19 de maio às 19hs na Catedral Nª Srª das Dores 20 de maio às 19hs na  Comunidade Santa Terezinha de Januária 21 de maio às 19hs na Comunidade Divino Espírito Santo em Januária Contatos: (38) 99986-6552 e martimdm1@gmail.com Reflexão: João 21, 15 - Disse Jesus a Pedro: "Apascenta meus Cordeiros" Texto de Gledes  D' Aparecida Reis Geovanini O cordeiro é o filhote da ovelha. É conhecido como dócil, manso, obediente. É o símbolo da obediência e submissão. Apascentar refere-se a alimentar, cuidar, proteger e orientar, fu

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A origem do sobrenome da família Rattes

Fico inclinado a considerar duas possibilidades para a origem do sobrenome Rates ou Rattes : se toponímica, deriva da freguesia portuguesa de Rates, no concelho de Póvoa de Varzim; se antropomórfica, advém da palavra ratto (ou ratti , no plural), que em italiano e significa “rato”, designando agilidade e rapidez em heráldica. Parecendo certo que as referências mais remotas que se tem no Brasil apontam a Pedro de Rates Henequim e Manoel Antonio Rates . Na Europa antiga, de um modo geral, não existia o sobrenome (patronímico ou nome de família). Muitas pessoas eram conhecidas pelo seu nome associado à sua origem geográfica, seja o nome de sua cidade ou do seu feudo: Pedro de Rates, Juan de Toledo; Louis de Borgonha; John York, entre outros. No Brasil, imigrantes adotaram como patronímico o nome da região de origem. Por conta disso, concentrarei as pesquisas em Portugal, direção que me parece mais coerente com a história. Carmo da Cachoeira não é a única localidade cujo nome está vincul

Cemitério dos Escravos em Carmo da Cachoeira no Sul de Minas Gerais

Nosso passado quilombola Jorge Villela Não há como negar a origem quilombola do povoado do Gundú , nome primitivo do Sítio da Cachoeira dos Rates , atual município de Carmo da Cachoeira. O quilombo do Gundú aparece no mapa elaborado pelo Capitão Francisco França em 1760 , por ocasião da destruição do quilombo do Cascalho , na região de Paraguaçu . No mapa o povoado do Gundú está localizado nas proximidades do encontro do ribeirão do Carmo com o ribeirão do Salto , formadores do ribeirão Couro do Cervo , este também representado no mapa do Capitão França. Qual teria sido a origem do quilombo do Gundú? Quem teria sido seu chefe? Qual é o significado da expressão Gundú? Quando o quilombo teria sido destruído? Porque ele sobreviveu na forma de povoado com 80 casas? Para responder tais questões temos que recuar no tempo, reportando-nos a um documento mais antigo que o mapa do Capitão França. Trata-se de uma carta do Capitão Mor de Baependi, Thomé Rodrigues Nogueira do Ó , dirigida ao gove

Distrito do Palmital em Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. O importante Guia do Município de Carmo da Cachoeira , periódico de informações e instrumento de consulta de todos os cidadãos cachoeirenses, publicou um grupo de fotos onde mostra os principais pontos turísticos, culturais da cidade. Próxima imagem: O Porto dos Mendes de Nepomuceno e sua Capela. Imagem anterior: Prédio da Câmara Municipal de Varginha em 1920.

Simpósio Filosófico-Teológico em Mariana

Aproxima-se a conclusão das obras de restauração na Catedral Basílica de Nossa Senhora da Assunção, Igreja Mãe de nossa Arquidiocese. Trata-se de expressivo monumento religioso, histórico e artístico, tombado no âmbito federal pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). A Arquidiocese de Mariana, a Faculdade Dom Luciano Mendes (FDLM) e o Instituto Teológico São José (ITSJ) organizam este Simpósio com o objetivo de refletir sobre os trabalhos de restauro que em breve serão entregues à comunidade, bem como debater o significado deste templo, em relação aos aspectos teológicos e sua importância artística e arquitetônica em mais de três séculos de existência. Programação : de 25 à 27 DE MAIO DE 2022 25/05/2022 – Quarta-feira Local: Seminário Maior São José-Instituto de Teologia 19h - SAUDAÇÃO INICIAL - Côn. Nédson Pereira de Assis Pároco da Catedral - Mons. Celso Murilo Sousa Reis Reitor do Seminário de Mariana - Pe. José Carlos dos Santos Diretor da Faculdade Dom

Cemitério dos Escravos de Carmo da Cachoeira

Ativistas culturais preservam nossa memória histórica Fernão Dias Paes Leme  corajosamente embora velho, atendendo ao apelo de seu rei, juntou seus índios agregados e com os seus dois filhos, com seu genro, e alguns amigos que acreditaram nele, partiu de São Paulo chefiando a maior bandeira paulista, entrando no sertão em busca da Lagoa Encantada onde estariam as tão sonhadas esmeraldas. Nesta louca aventura, o Governador das Esmeraldas foi plantando roças e deixando atrás de si “pousos”, para que outros bandeirantes pudessem sobreviver na impiedosa selva pontilhada de perigos. O sertão do Campo Grande estava localizado no trajeto dos bandeirantes quando, em 1739 , Marta Amato encontrou informações de que pertenciam a Carrancas (Freguesia de Nossa Senhora da Conceição das Carrancas ) dois cemitérios que pertenciam a essa freguesia, na Comarca do Rio das Mortes : cemitério do Campo Belo e cemitério do Deserto Dourado (hoje São Bento Abade ) . Segundo Tarcísio José Martins (1995, 1ª

Leonor Rizzi - Biografia

I tu , uma estância turística do Estado de São Paulo , viu nascer em 2 de fevereiro de 1944 a professora e genealogista Leonor Rizzi, uma descendente de imigrantes italianos da região de Gênova , cujos pais foram o ferroviário Diniz Rizzi e a costureira Malvina Demarqui Rizzi . E studou no tradicional Collégio Nossa Senhora do Patrocínio , sob os cuidados das Irmãs de São José de Chambéry ¹ . Aquele local , assim como boa parte de sua terra natal, é constituída de antigos monumentos arquitetônicos oitocentistas. Sendo também catecista e " filha de Maria ". C asou-se em 1964 com o professor Wagner Pereira da Mota e mudaram-se para a cidade de São Paulo em busca de melhores oportunidades de emprego. Lá ela ingressou no magistério público municipal, lecionando em diversos bairros da capital paulista, mas foi principalmente na década de setenta no bairro de Pirituba, no Paque Infantil Piritubinha ² , que desenvolveu uma metodologia de ensino própria que deu origem a obra &quo

Medições de Sesmarias do final do século XVIII.

1764 - Sítio Ilha de Nª Sª da Conceição da Barra - 13 - João Caetano de Abreu - SM-29 1776 - Sítio e Fazenda Santa Fé - José Marcelino de Azevedo - Bento Ferreira - SM-19 1777 - Sesmaria do Campo Bom -Tenente Luiz Gomes Salgado - Pedro da Silva - SM-18 1778 - Santana das Lavras do Funil , no Capão das Abelhas , Caminho da Campanha do Rio Verde - Cipriana Lourença de Jesus - SM-02 1779 - Paragem Moinhos - Luiza Felícia Simfroza de Bustamante - SM-MPT 1779 - Bom Jardim - Antonio Gonçalves Penha - SM-15 1779 - Fazenda Posses , São Bento do Campo Bello , Lavras , Margem do Rio do Peixe - Antonio Teixeira de Gouveia - José Bernardes de Morais - SM-15 Santana das Lavras do Funil, Serra da Boa Esperança das Três Pontas - Antonia Maria Leonarda - SM-15 1794 - Lavras do Funil, Serra da Boa Esperança, suburbios - Capitão Antonio José Ferreira - Francisco José Ferreira 1794 - Fazenda São Jerônimo e Sítio Nª Sª das Dores, aplicação, Sertão do Rio Grande - Josefa Maria Silva - SM-15 179