Pular para o conteúdo principal

Os fundos da Casa Nova dos Rates no sítio Cachoeira.


Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Próxima imagem: Pitoresca casa em Carmo da Cachoeira.
Imagem anterior: Antigo mapa de Carmo da Cachoeira em Minas.

Comentários

Anônimo disse…
A "CASA NOVA DOS RATES", no Sítio Cachoeira. Tomada a partir do Ribeirão do Carmo. Ao longe, no alto, a Igreja de São Antonio hoje demolida (ao sul).
A casa que aparece à esquerda, funcionou como cadeia e existe até hoje. Fica na rua Domingos Ribeiro de Rezende, esquina com rua Odilon Pereira. A "Casa Nova dos Rates" foi demolida e o local é, exatamente, o grande terreno vazio, em frente o recém inaugurado prédio onde funciona a Unidade Básica de Saúde, o Programa Saúde da Família Prefeito Antônio Pereira Chagas.
Os internautas já conhecem a "CASA NOVA DOS RATES", numa tomada de frente (o fundo é o Ribeirão do Carmo, antigo Ribeirão da Capetinga - Capitinga). Hoje estamos conhecendo o fundo da casa situada num terreno de grande declive. Segundo o relato de Dionízia, existia lances de escada no interior do prédio. Aí funcionou a padaria, primeira Casa Paroquial extra-oficial, e também a subdelegacia, na época de José Fernandes Avelino, casado com dona Maria Clara Umbelina e, como viúvo, e em segundas núpcias, com dona Rita Victalina de Souza (Família Souza/Vilela).
Anônimo disse…
A "CASA NOVA DOS RATES" vista pelos fundos, está representada neste trabalho, pela arte de MAURÍCIO JOSÉ NASCIMENTO. Hoje, o artista plástico, MAURÍCIO JOSÉ tem seu "atelier" montado num antigo casarão situado na rua dr. João Octaviano de Veiga Lima, esquina com rua Odilon Pereira, no centro da cidade. É vizinho da sede do Governo Municipal - o cachoeirense diz: "lá, vizinho da Prefeitura".
A "CASA NOVA DOS RATES" ficava dois quarteirões abaixo do "atelier", onde o Maurício está instalado. Neste espaço funcionou a antiga pizzaria "Casarão". Foi neste local que Maurício projetou a "CASA NOVA DOS RATES" vista pelos fundos.
Anônimo disse…
Neste claro domingo de verão, trabalhando ao som de passarada que, em algazarra festeja o amanhecer salta de galho em galho, aos primeiros raios da luz alaranjada que banha os reluzentes lampejos da manhã em Cachoeira, uma figura, me vem a lembrança:

MARIA ANTONIETTA DE REZENDE.

Busco na estante, uma de suas obras. O livro é de poesia. Partilho com os internautas a primeira delas. Da obra, "ENCONTROS E DESENCONTROS". Ano 2001. Gráfica - Editora Correio do Sul. Varginha/MG,

O VASO PARTIDO

Sully Prudhomme
Tradução de Guilherme de Almeida



O vaso azul destas verbenas,
Partiu-o um leque que o tocou:
Golpe sutil, roçou-o apenas,
Pois nem um ruído o revelou.

Mas a ferida persistente,
Mordendo-o sempre e sem sinal,
Fez, firme e imperceptivelmente,
A volta toda do cristal.

A água fugiu calada e fria,
A seiva toda se esgotou;
Ninguém de nada desconfia.
Não toquem, não, que se quebrou.

Assim, a mão de alguém, roçando
Num coração, enche-o de dor;
E ele se vai, calmo, quebrando,
E morre a flor do seu amor;

Embora intacto ao olhar do mundo;
Sente, na sua solidão,
Crescer seu mal fino e profundo.
Já se quebrou: não toquem, não.
Anônimo disse…
SABER-VIVER

Fora da diversidade não há salvação.
Descoberta não pode ser patenteada.
Descobrir um vegetal não dá o direito de ser dono dele.
Ninguém pode ser proprietário do que a natureza nos deu. Isto deve ser extensivo à água e à energia que devem estar sob o domínio da Nação e não de uma pessoa ou de um grupo explorador.
Sem água e energia não há vida, portanto, a ninguém cabe ser dono de nossa vida.
O monopólio das patentes é o caminho da dominação, é a rota da escravidão.
Não é lícito alguém, de longe, ser o dono da semente e dos minérios de nossa terra.
Saber-viver, na NAÇÃO DO SOL, é preservar a maior diversidade vegetal e animal do planeta para o homem brasileiro.
Esta será a fonte de criação de um saber-viver humanístico.
Anônimo disse…
EXALTE O BELO, O BOM.


O que domina os meios de comunicação?
Palavras de desânimo, situações depressivas, divulgação dos aspectos deprimentes e negativos do ser humano.
Defrontar-se com um programa belo, de assuntos que enriquecem a pessoa humana ou com música e arte de qualidade, exige uma procura tenaz e, em geral, não está acessível nos canais grátis que temos à nossa disposição.
A mensagem básica transmitida é a de que, neste país, somente há bandidos, que todos são corruptos e que toda a meninada está na dependência de drogas.
Não parece haver saída.
Entretanto, por mais difícil que nos possa parecer, devemos lembrar que a nossa atenção está sendo direcionada para as exceções!
Observe, numa cidade grande, quantas pessoas são corretas, criando seus filhos com zelo e buscando viver tranquilamente, em harmonia. Elas representam a grande parte da população.
Há uma estranha tendência para o destaque da exceção negativa. Interesses pervertidos, mentalidades deletérias, buscam o amedrontamento da população, a perda da auto-estima dos nossos jovens.
Veja que é possível realizar um esforço para nos ligarmos nos pensamentos de bondade e amor e, assim, se estará ajudando a superar todos os obstáculos para construir, nesta terra, um lugar bom de se viver.
Concretamente todos podemos reclamar, com a maior frequencia possível, dos meio de comunicação. Exigir uma postura positiva: a importância do lado bom da sociedade.
Destaque, para seus filhos, amigos e conhecidos, as coisas boas que observa e conhece.
Pense positivamente. Só assim teremos um SÉCULO XXI melhor, mais feliz e mais CONSCIENTE.
Anônimo disse…
A Vargem das boiadas, no Sítio da Cachoeira, junto ao Ribeirão do Carmo, antigo Ribeirão da Capetinga (Capitinga), é domínio de MANOEL ANTONIO RATES e seus descendentes. Lá, onde o Ribeirão faz VAU, portanto, dá passagem, MANOEL construiu sua casa. Aqui, onde está a representação, através da arte de Maurício José Nascimento, e pouco acima da primeira casa e onde as boiadas seguem para as grandes fazendas do oeste/poente/sueste (sudeste), e municípios vizinhos ( Saquarema; Itamaraty; Olaria e Estaleiro dos Ferreira Avelino, fazenda fronteiriça a fazenda dos Junqueira/Gouvêa (Gouveia do Mizael e Nenzico); Serra, Município de Nepomuceno, de Varginha, e, consequentemente, Três Corações; Fazenda Três Barras, vizinha (aproximada) da Fazenda Flora; Três Pontas, entre outros acessos a grandes fazendas produtoras), a segunda casa da "Família de Rates" - a CASA NOVA DOS RATES, em Carmo da Cachoeira, no Sul das Minas Gerais.
Anônimo disse…
Dr. Marcos Paulo de Souza Miranda, em Jurisdição dos capitães, p.69 esquematiza a localização da chamada, "Jurisdição dos Capitães. A visualização do esquema, nos mostra o imenso território que esta jurisdição abrangia. Dr. Marcos Paulo transcreve trechos de documentos muito interessantes, que valeria a pena ser conhecido por todos. Entre os documentos, citados, existem alguns, referentes a petições feitas por moradores, e dirigidas a Câmara da Vila de São Bento de Tamanduá, referentes "aos Garcias". Mais especificamente Januário, Matheus e Salvador. São Bento - Itapecerica, hoje, fica no limite extremo, ao norte da referida jurisdição. O limite leste fica com a Vila de São João Del Rei, e o sul, com o Vale do Sapucaí e Campanha da Princesa. Dr. Marcos Paulo conclui o Capítulo quarto de sua obra dizendo:

"Como se percebe, vigia em grande parte de Minas Gerais uma jurisdição privada, exercida ao arrepio das leis e à revelia das autoridades portuguesas (...). Era a implacável JURISDIÇÃO DOS CAPITÃES, objeto maior deste nosso trabalho".
Anônimo disse…
O Projeto Partilha busca conhecer um pouco Itapecerica (antigo São Bento do Tamanduá) através da obra de Dom Gil Antônio Moreira, bispo de Jundiaí - São Paulo e Membro da Academia Itapecerica de Letras e Culturas. Sua obra "Matriz de São Bento - Cem anos de bençãos", foi editada em 2005, e é uma homenagem ao MONSENHOR CERQUEIRA. O referida obra trabalha com dados do Livro Tombo da Paróquia de São Bento do Tamanduá. A apresentação da obra diz o seguinte:

"Este trabalho se compõe de cinco capítulos. O primeiro e o último são de minha autoria e os demais são escritos inéditos de Monsenhor Cerqueira ou sobre a sua pessoa, ainda desconhecidos pela maioria dos filhos de Itapecerica. Julgo ser do interesse de todo itapericano que ame sua terra e preza pela sua história, conhecê-los.
Não há aqui, de minha parte, nenhuma pretensão literária, nem qualquer outra que seja, a não ser colaborar para que outros pesquisadores, atuais ou do futuro, possam ter à mão estes importantes dados informativos, que até o momento se encontram somente em manuscritos, alguns sob minha única guarda, como é o caso dos sermões, e outros registrados no arquivo paroquial.
Penso estar assim cumprindo um dever pessoal para com o povo de minha terra natal disponibilizando aos interessados em cultura, estes dados de sua história".
Dom Gil Antônio Moreira.
Anônimo disse…
Dom Gil Antônio Moreira

Ao celebrar os 100 anos da Bênção da Matriz de São Bento, Itapecerica se engalana e canta exultante o seu Magnificat. O preito de gratidão se dirige em primeiro lugar a Mons. José dos Santos Cerqueira, seu principal edificador, mas se estende aos sacerdotes que o precederam nesta obra e a todos mais desde os mais simples serviçais até os arquitetos e artistas e ainda a todos quanto generosamente contribuíram com suas posses para esta edificação.
O coração itapecericano, nesta data jubilar, eleva seus olhos de gratidão e novamente contempla, como em fervorosa oração, as três letras D.O.M., colocadas no alta da principal fachada de nosso esplendoroso templo, como o epílogo de um grande concerto. D.O.M. A Deus, Ótimo e Máximo, este templo foi dedicado. Abençoado solenemente em 1904, foi agora liturgicamente sagrado na belíssima cerimônia de Dedicação dos Templos. Tudo para Deus, em honra de seu servo e nosso patrono, o Patriarca São Bento de Núrcia!
Louvor aos nossos antepassados que nos deixaram não somente esta sólida e artística edificação sagrada, mas, sobretudo o exemplo de fé firme, desprendimento e autêntico amor a Deus e à sua Igreja.
Cristo ontem, Cristo hoje, Cristo sempre!".
Anônimo disse…
Dom Gil Antônio Moreira, em "Matriz de São Bento - Cem anos de Bençãos", p.106, relaciona "Vigários que têm paroquiado esta freguesia de São Bento de Itapecerica, como consta do arquivo da Matriz". São eles:
- Padre José Álvares Gondim (de 15 de fevereiro de 1757 a 1791)
- Padre José Francisco de Sousa, até 1797
- Padre João pimenta da costa, até 1799
- Pe. Álvaro José de Araújo, até 1804
- Pe. Manoel da Cunha Pacheco, até 1812
- Pe. Francisco Ferreira Lemos , até 1819
- Pe. João Antunes Corrêa, até 1854
- Cônego Domiciano Francisco de Oliveira, até 1862
- Cônego Cesário Mendes dos Santos Ribeiro, até 1887
- Monsenhor José dos Santos Cerqueira, até 1930.
Anônimo disse…
Alguns nomes citados por Dom Gil Antônio Moreira, p. 125. Obra: "Matriz (...). Divisas da freguesia de São Bento de Tamanduá, bispado de Mariana". Entre outras citações, as seguintes:

- "dividindo esta freguesia com a da cidade de Formiga;

- "(...) nos fundos da Fazenda de José Custódio dos Santos";

- "Ribeirão dos 'Garcia', dividindo com esta freguesia com a de Nossa Senhora de Candeias";

- "dividindo com a freguesia de São Francisco de Paula";

- " (...) fundos da fazenda de José Francisco Diniz";

- "até frontear com as terras das fazendas de Felisberto Vaz Tostes e dona Messias em um alto de serra, dividindo as fazendas de Felisberto Ribeiro e Felisberto Vaz Tostes, desta ao córrego da Ponte Lavrada, e por este à barra do Rio Santo Antonio com o Rio João de Barras, dividindo esta freguesia, a leste, com a de Nossa Senhora do Desterro. Pelo João de Barras, acima a serra da Boa Esperança e por esta, rumo direito, ao ribeirão do Partidário, por este abaixo ao Capão da Onça, deste ao Córrego do Recanto e por este abaixo ao Ribeirão do Bambuí, por este abaixo a ganhar os altos da Serra da Guarita, por esta, rumo direito às três Barras e destas, sempre rumo direito, a ganhar o Rio Lambari onde tiveram princípio estas divisas".
Anônimo disse…
Ainda com Dom Gil Antônio Moreira, p.135. O ORAGO DE ITAPECERICA.

Concluídos os trabalhos e construção de nossa Matriz, "verdadeira catedral" na expressão do nosso Arcebispo Dom Antonio, "templo dos mais majestosos e impressionantes que conheço", no dizer de nosso Vigário Geral, Monsenhor João Rodrigues, concluídos os trabalhos, digo, o seu empreendedor Vigário Cerqueira, escreveu sobre a Matriz pequena monografia. Extraiu do arquivo paroquial, tomou da tradição oral de documentos e mais fontes autênticas a sua "notícia" histórica e sucinta da fundação da Matriz de Tamanduá, hoje Itapecerica. Neste seu ligeiro bosquejo histórico, relata que o Orago da Paróquia era, a princípio, o Senhor Bom Jesus de Matosinhos, em uma pequena ermida no primitivo povoado. Dizem que os primeiros povoadores, à vista de cobras e mais animais peçonhentos, foram recorrendo a São Bento, até que este passou a ser, em tempos subsequentes, o Orago da freguesia. Há perto de 200 anos, lá se encontra no trono da Matriz a primitiva e única imagem do padroeira de São Bento.
Mede pouco menos de 2 metros de altura e foi fabricada de um cedro extraído especialmente para este fim das matas desta freguesia, pelos colonizadores portugueses que o remeteram a Lisboa. Escreveu Monsenhor Cerqueira: "E tal era a fé e devoção desses nossos antepassados que, aportada ao Rio de Janeiro, a venerada imagem, já concluída, do glorioso São Bento, fizeram seguir daqui muitos serviçais para dali conduzirem-na aos ombros até esta paróquia. Entendiam que outro meio de transporte seria uma falta de respeito à imagem de um santo tão milagroso e venerado de que esperavam amparo e proteção, contra os venenosos ofídios, então muito abundantes neste lugar".
Anônimo disse…
Trabalhadores e artistas da construção da Matriz, ainda, segundo a obra de Dom Gil Antônio Moreira, p.154/55/56:

13/09/1825, é contratado o primeiro mestre pedreiro, vindo de Ouro Preto, Antônio José de Freitas;

1847, contratado, Antônio José da Silva Guimarães;

12/01/1855, morrem 2 oficiais num desabamento. São eles Joaquim Nicácio e João Rodrigues, deixando outros moribundos;

06/02/1856, outro acidente vitimando o coletor Vicente Peixoto de Guimarães;

- 1862 - é contratado um mestre entalhador - Domingos Pinto Coelho - para construir o altar-mor;

- 1892, contratado um terceiro Mestre pedreiro - Antônio Justino de Paulo, procedente de São João Del Rei, juntamente com o hábil carpinteiro Bento José Barbosa, de Itapecerica;

- 1912, um quarto Mestre pedreiro, João Biaggio, italiano, e concluiu todo o serviço.
Anônimo disse…
Conheça os Bispos e Padres nascidos em Itapecerica, (antiga Matriz de Tamanduá; São Bento do Tamanduá; Senhor bom Jesus de Matosinhos).
Untitled Document - Windows Internet Explorer
http://paginas.terra.com.br/arte/itapecerica/ ...

Arquivo

Mostrar mais

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiro s ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” T odos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cump

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

Carmo da Cachoeira — uma mistura de raças

Mulatos, negros africanos e criolos em finais do século XVII e meados do século XVIII Os idos anos de 1995 e o posterior 2008 nos presenteou com duas obras, resultadas de pesquisas históricas de autoria de Tarcísio José Martins : Quilombo do Campo Grande , a história de Minas, roubada do povo Quilombo do Campo Grande, a história de Minas que se devolve ao povo Na duas obras, vimo-nos inseridos como “Quilombo do Gondu com 80 casas” , e somos informados de que “não consta do mapa do capitão Antônio Francisco França a indicação (roteiro) de que este quilombo de Carmo da Cachoeira tenha sido atacado em 1760 ”.  A localização do referido quilombo, ou seja, à latitude 21° 27’ Sul e longitude 45° 23’ 25” Oeste era um espaço periférico. Diz o prof. Wanderley Ferreira de Rezende : “Sabemos que as terras localizadas mais ou menos a noroeste do DESERTO DOURADO e onde se encontra situado o município de Carmo da Cachoeira eram conhecidas pelo nome de DESERTO DESNUDO ”. No entanto, antecipando

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

Distrito do Palmital em Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. O importante Guia do Município de Carmo da Cachoeira , periódico de informações e instrumento de consulta de todos os cidadãos cachoeirenses, publicou um grupo de fotos onde mostra os principais pontos turísticos, culturais da cidade. Próxima imagem: O Porto dos Mendes de Nepomuceno e sua Capela. Imagem anterior: Prédio da Câmara Municipal de Varginha em 1920.

Cemitério dos Escravos em Carmo da Cachoeira no Sul de Minas Gerais

Nosso passado quilombola Jorge Villela Não há como negar a origem quilombola do povoado do Gundú , nome primitivo do Sítio da Cachoeira dos Rates , atual município de Carmo da Cachoeira. O quilombo do Gundú aparece no mapa elaborado pelo Capitão Francisco França em 1760 , por ocasião da destruição do quilombo do Cascalho , na região de Paraguaçu . No mapa o povoado do Gundú está localizado nas proximidades do encontro do ribeirão do Carmo com o ribeirão do Salto , formadores do ribeirão Couro do Cervo , este também representado no mapa do Capitão França. Qual teria sido a origem do quilombo do Gundú? Quem teria sido seu chefe? Qual é o significado da expressão Gundú? Quando o quilombo teria sido destruído? Porque ele sobreviveu na forma de povoado com 80 casas? Para responder tais questões temos que recuar no tempo, reportando-nos a um documento mais antigo que o mapa do Capitão França. Trata-se de uma carta do Capitão Mor de Baependi, Thomé Rodrigues Nogueira do Ó , dirigida ao gove

A origem do sobrenome da família Rattes

Fico inclinado a considerar duas possibilidades para a origem do sobrenome Rates ou Rattes : se toponímica, deriva da freguesia portuguesa de Rates, no concelho de Póvoa de Varzim; se antropomórfica, advém da palavra ratto (ou ratti , no plural), que em italiano e significa “rato”, designando agilidade e rapidez em heráldica. Parecendo certo que as referências mais remotas que se tem no Brasil apontam a Pedro de Rates Henequim e Manoel Antonio Rates . Na Europa antiga, de um modo geral, não existia o sobrenome (patronímico ou nome de família). Muitas pessoas eram conhecidas pelo seu nome associado à sua origem geográfica, seja o nome de sua cidade ou do seu feudo: Pedro de Rates, Juan de Toledo; Louis de Borgonha; John York, entre outros. No Brasil, imigrantes adotaram como patronímico o nome da região de origem. Por conta disso, concentrarei as pesquisas em Portugal, direção que me parece mais coerente com a história. Carmo da Cachoeira não é a única localidade cujo nome está vincul

O livro da família Reis, coragem e trabalho.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: 24º Anuário Eclesiástico - Diocese da Campanha Imagem anterior: A fuga dos colonizadores da Capitania de S. Paulo

A Paróquia Nª. Srª. do Carmo completa 155 anos.

O decreto de criação da Paróquia foi assinado pela Assembléia Legislativa Provincial no dia 3 de julho de 1857. Pela Lei nº 805 , a Capela foi elevada para Freguesia, pertencendo ao Município de Lavras do Funil e ficando suas atividades sob a responsabilidade dos Conselhos Paroquiais. O Primeiro prédio da Igreja foi construído em estilo barroco , em cujo altar celebraram 18 párocos . No ano de 1929, esse templo foi demolido, durante a administração do Cônego José Dias Machado . Padre Godinho , cachoeirense, nascido em 23 de janeiro de 1920, em sua obra " Todas as Montanhas são Azuis ", conta-nos: "Nasci em meio a montanhas e serras em uma aldeia que, ao tempo, levava o nome de arraial. (...) Nâo me sentia cidadão por não ser oriundo de cidade. A montanha é velha guardiã de mistérios. Os dias eram vazios de qualquer acontecimento." Ao se referir ao Templo físico dizia: "Minha mãe cuidava do jardim pensando em colher o melhor para os altares da Matriz

O distrito de São Pedro de Rates em Guaçuí-ES..

Localizado no Estado do Espírito Santo . A sede do distrito é Guaçuí e sua história diz: “ ... procedentes de Minas Gerais, os desbravadores da região comandados pelo capitão-mor Manoel José Esteves Lima, ultrapassaram os contrafortes da serra do Caparão , de norte para sul e promoveram a instalação de uma povoação, às margens do rio do Veado, início do século XIX ”.

Simpósio Filosófico-Teológico em Mariana

Aproxima-se a conclusão das obras de restauração na Catedral Basílica de Nossa Senhora da Assunção, Igreja Mãe de nossa Arquidiocese. Trata-se de expressivo monumento religioso, histórico e artístico, tombado no âmbito federal pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). A Arquidiocese de Mariana, a Faculdade Dom Luciano Mendes (FDLM) e o Instituto Teológico São José (ITSJ) organizam este Simpósio com o objetivo de refletir sobre os trabalhos de restauro que em breve serão entregues à comunidade, bem como debater o significado deste templo, em relação aos aspectos teológicos e sua importância artística e arquitetônica em mais de três séculos de existência. Programação : de 25 à 27 DE MAIO DE 2022 25/05/2022 – Quarta-feira Local: Seminário Maior São José-Instituto de Teologia 19h - SAUDAÇÃO INICIAL - Côn. Nédson Pereira de Assis Pároco da Catedral - Mons. Celso Murilo Sousa Reis Reitor do Seminário de Mariana - Pe. José Carlos dos Santos Diretor da Faculdade Dom