Pular para o conteúdo principal

Correspondência recebida:





de: Rui Nogueira

O saber é o sol da vida!

Como um sol, irradie os seus conhecimentos. Como o sol irradia a sua energia permitindo a construção e a própria existência da vida, distribua os seus conhecimentos estimulando o crescimento de sua comunidade na direção de termos o mundo como um lugar bom para todos viverem.O seu saber pode ser um sol para muitas vidas!

O Saber!

A verdadeira sabedoria é a de buscar estudar e aprender coisas úteis e proveitosas para você e para o o próximo.

Saber viver é ganhar experiência com os erros dos outros, portanto, aprenda o mais que puder em todos os ramos do saber para iluminar, ao máximo, o seu espírito e errar o menos nos percalços da vida.

Aproveite todos os minutos, lembrando que a leitura é um poderoso instrumento para aumentar os seus conhecimentos. Com o livro podemos aprender o que os outros sabem.

Não pense exclusivamente no saber livresco, no decorar autores e em citações de trechos, nem mesmo no acúmulo de informações que os meios de comunicação entulham na nossa mente. Não confunda informação com cultura e esta com sabedoria.

Saber não é ser expectador da vida. Assistir jogos não nos torna capazes de jogá-los.

Quanta coisa vem de fora para dentro, penetra pelos olhos e ouvidos, há o que se fixa em nosso cérebro e o que transita sem atenção. Isto pode formar um lastro de cultura, dados que se acumulam e se assemelham nas mesmas comunidades.

Procure, entretanto, a sabedoria que nasce, que surge de dentro de nós, formada a partir de muito pensar, reflexões e meditações.

Esta não é a sabedoria privilégio dos letrados, dos vaidosos, exibidores de cultura, mas dos que souberam meditar e cultivar em suas almas as grandes verdades.

O saber é o sol da vida humana porque é energia que faz as transformações da vida, a energia dos movimentos de renovação do pensar humano.

Saber o que somos, ter conhecimento, conhecer a essência, é fonte de evolução e transfiguração da vida humana.

O saber é o sol da vida humana.

Quanto sofrimento surge pela falta de conhecimento!

Sei que a vacina evita a doença.

Sei que preciso de uma alimentação equilibrada.

Sei das coisas que devem ser evitadas.

Seu que todos os objetos e alimentos que usamos vêm da natureza.

Comentários

Anônimo disse…
SABER-FAZER

O saber-fazer é o cerne da atividade humana.
Saber-fazer é conhecer, é dominar a tecnologia.
Na prática, para a sua sobrevivência, para o atendimento de suas próprias necessidades básicas, o que você sabe fazer?
Um calçado? O seu sapato?
Uma folha de papel?
As roupas que usa? Será capaz de fazer alguma coisa?
Nas cidades não existe o plantar para comer, mas há quem saiba fazer a sua própria comida.
Sem árvores frutíferas à volta não há o que comer, apenas o comprar. Mas há o saber-fazer doce, saladas, bolos, biscoitos.
Mas há situações ótimas! Saber-fazer para atender o gosto da ingenuidade infantil - o saber-fazer um carrinho, uma pipa, papagaio ou pandorga, um boneco.
Não é só você que precisa saber-fazer, é muito importante a sua comunidade saber fazer o lque é de seu uso. Por que fazer fora?
Desenvolver a SIMBIOSE - um ajuda o outro a viver -, preferindo os produtos da própria comunidade e, aí, o conjunto terá uma vida melhor.
O leite produzido no município, a manteiga, as verduras, os cereais, os doces, as roupas, os calçados, quantas coisas podem ser feitas na própria comunidade!
Por outro lado, quantas comunidades, povoações e até nações já não foram dizimadas por falta de conhecimento, por não saber-fazer.
Um terrível exemplo é o confronto entre os que conhecem a pólvora - com armas de fogo e canhões -, contra os que conhecem apenas tacape, arco e flecha. Madeira não tem chance contra ferro e pólvora.
Portanto, não é só o saber-fazer individual, mas o coletivo, o da comunidade, o do País, que é muito importante.
Quanta coisa! Que lista enorme de conhecimento e saber-fazer pode ser elaborada numa Nação!
Do plantar ao industrializar.
Dos pequenos objetos ao avião.
Quanta coisa a extraordinária capacidade brasileira desenvolveu no saber-fazer!
Mais de seiscentos componentes tecnológicos dos aviões de EMBRAER.
Boa parte das fibras ópticas usadas nas comunicações.
Os cartões magnéticos para os telefones. O registro do número do telefone que está originando a chama (BINA).
Toda a tecnologia dos motores à álcool e o funcionamento com óleos vegetais - combustíveis renováveis e não poluentes.
O álcool foi o único substituto encontrado no mundo para tomar o lugar da gasolina e com muita vantagem!
Toda a tecnologia de prospecção de petróleo a grandes profundidades (PETROBRÁS).
Saber-fazer é conhecer, é dominar a tecnologia. Conquista que envolve o estímulo à leitura, o estudo, a discussão, o debate de idéias, o caminho para atingí-lo.
O monopólio do saber-fazer, a tecnologia, tem sido há séculos uma maneira de dominar e escravizar populações.
Permaneceremos, neste novo século, com a mesma mentalidade atrasada e o mesmo sistema perverso de privilégios?
Ajude! O mundo tem de ser um lugar bom para todos viverem.
O Saber-fazer é o cerne da atividade humana.
Anônimo disse…
A postagem acima´faz parte do conteúdo do livro 'NOVA CONSCIÊNCIA - Século XXI". Autor e direitos autorais concedidos a RUI NOGUEIRA. Primeira edição, abril de 2005. Editoração e diagramação: Jerônimo Navajas.
Capa Rui Nogueira (concepção) e Jerônimo Navajas (arte final).
Ilustrações: Juarez Leite.
Logo NAÇÃO DO SOL - marca registrada autorizada.

Contatos com o autor pelos endereços eletrônicos:
rui.sol@bol.com.br
rui.sol@ambr.com.br

Impresso nas oficinas da Imprinta Gráfica e Editora Ltda.
Rua João Romariz, 285 - Parte - Ramos - Rio de Janeiro.

CDU 171
CDD 170.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Biografia de Maria Antonietta de Rezende.

O prefeito municipal e a secretária de Educação, Cultura e Lazer, ao assinarem a apresentação da obra: “Atlas Escolar. Histórico e Geográfico do Município de Carmo da Cachoeira – MG. Edição 2007” declararam: “ Este Atlas permite às crianças descobrirem protagonistas de sua história. Conhecendo, passam contribuir para potencializar o que ela tem de bom, preservar seu patrimônio e símbolos do passado .” D entre os símbolos , o Hino da cidade. Escrito pela Professora Maria Antonietta , encontra-se em fase de oficialização. A tradição garante a manutenção desta criação. O povo canta , reconhece o hino de sua cidade, e atento acompanha o processo de sua oficialização. A administração pública e Câmara municipal apoiam a manutenção daquilo que foi consagrado pela tradição. Dois pontos fortes na letra do hino bastam para garantir sua oficialização. O primeiro é o que diz da religiosidade presente na população e que a cada dia se torna mais revelador da identidade e vocação de Carmo da

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se

A pedra de moinho da fazenda Caxambu.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Ary Silva da família Dias de Oliveira - Bueno. Imagem anterior: Nuvens sobre a tradicional fazenda Caxambu.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948