Pular para o conteúdo principal

Igreja do distrito de Palmital em Carmo da Cachoeira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

O importante Guia do Município de Carmo da Cachoeira, periódico de informações e instrumento de consulta de todos os cidadãos cachoeirenses, publicou um grupo de fotos onde mostra os principais pontos turísticos, culturais da cidade.

Próxima imagem: Diverso estilos arquitetônicos convivem lado a lado.
Imagem anterior: O GAPA e o direito de todos os seres de nosso planeta.

Comentários

Anônimo disse…
A Igreja barroca, símbolo de Carmo da Cachoeira, e que identifica o Projeto Partilha para os internautas foi demolida em 1929 e substituída pela arquitetura que se vê na foto. Foram com estas palavras que o professor Wanderley Ferreira de Rezende nos relata a substituição: "Em 1928, veio para Carmo da Cachoeira, como vigário da paróquia, o Cônego José Dias Machado, baiano de grande cultura, orador extraordinário e que, com as suas pregações, apreciadas até pelos não católicos e a organização de associações religiosas, conseguiu atrair o povo para o arraial, de tal sorte que os domingos e dias santificados se tornaram como dias de festa em anos anteriores. Resolveu desmanchar a velha matriz e construir outra mais de acordo com as necessidades da paróquia. Eis o resultado aí. Hoje não é mais esta da foto. Já passou por outras reformas.
Anônimo disse…
Errata. Tipo de erro: conceitual. Esta é a Igreja Matriz de Nossa Senhora do Carmo, em Carmo da Cachoeira, e NÃO no Distrito do Palmital do Cervo, conforme especificação. Os bancos que aparecem na foto servem ainda hoje como ponto de descanso e entretenimento para crianças, jovens e pessoas idosas. Buscam refrigério, no frescor das frondosas árvores ali existentes. A praça é mais procurada nos fins da tarde. Seu Rosendo (ele, sim, é um genuíno, do PALMITAL DO CERVO), fica de olho em tudo. Apareceu gente estranha, lá vai ele tentando aproximação, buscando uma conversa de cá, outra de lá, até ganhar confiança. É um guardião do local, e o pessoal o respeita. São poucas as pessoas que sentam para leituras, no entanto, tenho visto algumas. Em Carmo da Cachoeira, é pouco comum ver pessoas com revistas ou livros nas mãos. Elas aparecem, normalmente, com estudantes e em horários escolares. A praça serve para atividades físicas, onde professores são vistos com grupos de crianças. Brincam de roda, com bolas. É uma praça extremamente agradável. Algo que diferencia a Praça do Carmo, de outras pracinhas do interior, é a falta de sorveterias ou lojas de artesanato, e outras miudezas. As casas que a circundam são residenciais.
Anônimo disse…
Luiz José Álvares Rubião, em sua obra "Álbum da Varginha", editado pelo Estabelecimento Graphico: Casa Maltese - Varginha - Minas Gerais, edição não paginada, conta a história do Município de Varginha, no qual Carmo da Cachoeira está inserida, como Distrito que é deste município. Diz ele:
CHOROGRAPHIA DO MUNICÍPIO

O aspecto do município de Varginha, como de toda zona do Sul de Minas, é montanhoso. Suas elevações mais notáveis são: a S.E. a serra dos Tachos e a N.E. a serra de Três Pontas.
O maior curso dagua que banha o município é o Rio Verde do que o separa do Município de Eloy Mendes e da Campanha. Esse magnífico curso dagua, de feição encachoeirada e de grande queda, constitue uma das maiores riquezas naturaes do município; pois, pela vivacidade de sua corrente, quebrada por numerosas cachoeiras, representa uma rica jazida de "hulha Branca" que será futuramente explorada, como já é, em parte, pela companhia Vivaldi que tem grande represa a 6 kilometros desta cidade.
Depois, as margens do RIO VERDE ricas e belíssimas paisagens, são fertilíssimas, prestando-se especialmente para o cultivo do arroz em larga escala. Suas águas, apezar de sempre toldadas pelos rezíduos das mineirações de ouro do XICÃO e de SANTA LUZIA, são habitadas por magníficos variedades de peixes. O ribeirão do Tacho que passa à 14 kilometros da cidade separa este município do de Três Corações. - O MASCATINHO corre a 12 quilometros da cidade e determina a diviza de Varginha com o município de Três Pontas.
O Município de Varginha possue magníficas quedas de água, sendo a salientar as seguintes:
Cachoeira da Varginha
Cachoeira das Sete Cachoeiras
Cachoeira do Caixão
Cachoeira do Salto Grande.
A companhia Vivaldi, como ficou dito, desde o anno de 1914, utiliza-se de uma poderosa usina hydro-eléctrica, aproveitando a queda do RIO VERDE, com força de 1.500 cavalos ou 780 K W, podendo fornecer energia electrica a esta cidade e às localidades visinhas.
Anônimo disse…
O Distrito de Carmo da Cachoeira, Município de Varginha, está inserida na fala de Luiz José Álvares Rubião, por ocasião da GRIPPE HESPANHOLA. Diz ele:
Em primeiro de novembro deste anno (o exemplar que temos em mãos não traz referencial que indique data), apezar do dia chuvoso, do atrazo havido nos trabalhos agrícolas, da epidemia reinante, o eleitorado da Varginha acudiu, patrioticamente, às urnas, suffragando os nomes dos futuros vereadores municipaes.
A divergência política se fazia sentir, ha quatro annos no município, como uma sombra nuvem, dissipou-se sob os esforços dos chefes políticos Cel. Domingos Ribeiro de Rezende e o Cel. Antonio Justiniano de Rezende Xavier que obtendo de seus correligionários concessões e transigencias mutuas, firmaram memoravel accordo
E é de lastimar que esta solução, embora não rezolva plenamente o problema da paz e harmonia do município, chegou tão tarde, depois de um triennio esbanjado em luctas estereis e improductivas.
A pandemia da GRIPE HESPANHOLA que já se fazia sentir nesta cidade desde outubro, tomou grande incremento no mez de novembro, principalmente entre a classe pobre.
Felizmente, espíritos caridosos, muito auxiliados pelos Irmãos Maristas, puderam, ainda em tempo, organizar improvizados socorros, que muito alliviaram os soffrimentos dos desprotegidos da sorte, fornecendo-lhes alimentos, roupas recursos médicos e medicamentos.
Foi, por isto, organizado, no prédio da Casa de Caridade, um pequeno hospital, donde, sem medir esforços nem olhar perigos, acudiram as senhoras varginhenses, exemplo de solidariedade humana, para curar os attacados da assoladora pandemia.
Anônimo disse…
O Projeto Partilha pede desculpas, e espera compreensão por parte de todos. A Igreja que aparece na foto é a de NOSSA SENHORA APARECIDA, no Distrito do Palmital do Cervo.
Por conta de que ocorreu o equívoco. Foram dois motivos:
- a semelhança da atual arquitetura, com a da Igreja Nossa Senhora do Carmo, a época da referida reforma citada no comentário anterior;
- as fotos do arquivo do Projeto Partilha, feitas por Evando Pazzini, no ano do Sesquicentenário da Paróquia Nossa Senhora do Carmo, 2007. Na ocasião, a Igreja era toda cercada de Cipistres. Hoje, a praça está reestruturada e apresenta-se, muito semelhante a Pça Nossa Senhora do Carmo, dos primeiros anos do século XX.
Anônimo disse…
O Projeto Partilha busca ouvir, através de diversos autores, um pouco de sua história. Com esse objetivo, conhece o pensamento Luiz José Álvares Rubião, através de sua obra: ÁLBUM DA VARGINHA, editado pela Casa Maltese, Varginha, Minas Gerais. Vamos ouvir seu depoimento sobre a antiga sesmaria de Padre Bento Ferreira que, "começando no Córrego do Palmital indo até o Rio do Peixe". Lembrando aos internautas que Carmo da Cachoeira, a época dos referidos escritos, pertencia ao Município de Varginha, portanto, sua história faz parte da história de Espírito Santo da Varginha e, devido a este sentido de pertencimento, é que o autor enfoca a vida e os fatos referentes a época histórica.
Agora, a palavra está com RUBIÃO:

IMPORTANTE PLEITO

O memorável pleito judicial, que reivindicou as terras do patrimonio da capella de S. Bento do Campo Bello, é um monumento perene do espírito religioso dos CACHOEIRENSES.
E, uma lacuna ficaria, se nestas páginas não lembrassemos dessa grande pugna.
Vejamos em traços ligeiros, o histórico da questão.
Nos fins do século XVIII, o Padre Bento Ferreira, dono de importante sesmaria de 3 léguas que, começando no córrego do Palmital até o Rio do Peixe, construíu a actual capela de S. Bento, dando-lhe como patrimônio parte de suas terras. O restante da sesmaria ficou constituindo a fazenda do Campo Bello que até hoje perdura com o mesmo nome.
Por morte do Padre Bento, verificada no anno de 1784, ficou a capella em abandono, ou antes, entregue aos cuidados dos pobres moradores daqueles descampados.
Dez annos depois da morte do Padre Bento, Manoel Francisco Ferreira construíu o primeiro prédio no patrimonio, que mais tarde foi doado a São Bento.
Que esta capella sempre foi venerada, é certo;pois seu relativo estado de conservação revella que mãos piedosas não descuravam de sua santa casa. E mesmo, as pessoas antigas dizem que outr´ora se fizeram na venerável capella esplendidas festas religiosas acompanhadas das tradicionaes "cavalhadas".
Afinal, o patrimonio da capella, sem uma demarcação em forma, pois a própria escriptura da doação desaparecera; foi, por isso, pouco a pouco invadida pelos proprietários vinhos que, afinal, acabaram por assenhorearem-se de todas as terras da capella.
Estavam as cousas neste pé, quando os CATHOLICOS CACHOEIRENSES, por intermédio da fábrica da Matriz de Nossa Senhora do Carmo, iniciaram a demarcação judicial do patrimonio de São Bento, sendo advogado do glorioso Santo o Dr. José Marcondes de Andrade Figueira. Este pleito, que durou annos, teve como epílogo o triumpho completo da Matriz, que reinvindicou o ptrimonio de São Bento. Sendo a luminosa sentença desse memorável pleito, lavrada pelo Dr. Francisco Carneiro Ribeiro da Luz, então Juiz de Direito da Comarca.
Hoje(leia-se, mais ou menos, 1920), a capella de São Bento, forma o núcleo de um florescente povoado que conta para mais de cem casas cobertas de telhas e assoalhadas: 8 casas de commercio etc., etc.
O povoado é servido pela estação do "SALTO" na Estrada de Ferro Rede Sul-Mineira, no Ramal de Três Corações, da qual dista 12 kilometros (do centro administrativo de Varginha).
É alma do progresso do novo povoado o Reverendíssimo Padre João Pina do Amaral, vigário da FREGUESIA DO CARMO DA CACHOEIRA, que não descança, estimulando as iniciativas dos moradores, servindo também de intermediário com os chefes políticos do districto quando se trata de propugnar pelos melhoramentos do povoado.
Interferência esta, que tem produzido sempre excellentes resultados.

OBSERVAÇÃO: No centro da página onde foi apresentado o artigo está a foto do PROFESSOR , senhor ARLINDO CRUZ.
Anônimo disse…
RIO VERDE - ESTAÇÃO FLORA.

Luiz José Álvares Rubião, ao descrever, como ele chama de, "NOSSAS FAZENDAS", fala da Fazenda dos TACHOS. Conta detalhes, utilizando algumas folhas de seu trabalho, entre fotos e detalhamentos da propriedade do Cel. Emilio Justiniano de Rezende e Silva. Num dos trechos diz: "A Fazenda dos Tachos dista 10 kilometros da Estrada de Ferro Rêde Sul-Mineira, onde se prende por uma excellente estrada de rodagem que se desdobrando pelo valle do RIBEIRÃO DOS TACHOS vae ter a ESTAÇÃO DE FLORA (rever dados em citações anteriores já estudados pelo Projeto Partilha. Veja a FAZENDA DA BARRA DE TRÊS CORAÇÕES, com a "FAMÍLIA PINTO BARRA").

RUBIÃO fala do proprietário da FAZENDA DOS TACHOS em tom apaixonado. "Além da cabeça pensante um coração sempre prompto a socorrer e proteger aquelles que abeiram de sua sombra".
Anônimo disse…
DOIS RIBEIRÕES: O Ribeirão do PARAÍZO e o Ribeirão São José.


RIBEIRÃO DO PARAIZO. Ele existe, e é o que fornece água para a fazenda do capitão GABRIEL PENHA DE PAIVA.

FAZENDA DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS, na fala de RUBIÃO:

A fazenda do capitão Gabriel Penha de Paiva é uma das melhores propriedades do Município de Varginha. Começando por suas terras nos subúrbios desta cidade, extende-se em direcção da cidade de Três Pontas numa distância de 7 kilômetros. Sua área de 400 alqueires é como de todas as fazendas deste município, cultivada no seu limite extremo de producção. Suas terras de excellente "cultura, de composição francamente vulcânica, são altas e soalheiras. Prestando-se, deste modo, a cultura do café e de pastagens, pois a geada, mesmo a grande geada, só tem attingido limitadas orlas marginaes aos córregos. No mais, uma primavera eterna domina suas encostas. Seus cafezaes, alguns em franca producção, outros, no seu início, produzem actualmente 6.000 arrobas de magnifico café. Suas invernadas, que começam nas imediações desta cidade extendem-se em ondulações suaves pelos valles do ribeirão São José, cortando a linha férrea em dois pontos.
400 cabeças de gado, enchem suas magnfícas pastagens, entre as quaes sobresahem magníficos especimes de caracú, o typo dominante da fazenda.
DOIS RIBEIRÕES, O DO PARAÍZO e o de SÃO JOSÉ, fornecem bôas aguadas, sendo de notar que este último, pela sua altura de nível, bôa qualidade de suas águas e proximidade da cidade, poderá ser futuramente aproveitado para o abastecimento de agua potável da nossa urbs.
A Chácara do Sagrado Coração de Jesus, onde reside o seu proprietário, é uma das vivendas mais pictorescas das que existem neste município. Edificado no espigão, águas vertentes, que divide as águas do córrego do PINHEIRO e do ribeirão de São José, em situação mais alta que os pontos mais altos da cidade, offerece aos olhos do forasteiro uma das mais bellas perspectivas que se imaginar possa.
Ao Sul, desdobra-se a serra da CAMPANHA em linha recta como riscada a régua.
Nas brechas e contra forte das montanhas mais próximas, apparece, cá e lá, como uma lapide de azulejos o sombranceiro vulto da magestosa Mantiqueira.
Lançando-se um olhar mais ao perto, decortina-se, em meia folha, num traço de pintura panorâmica, a cidade Varginha, que offerece ao golpe do visual do neophito da paisagem, um scenario phantastico, magico e incomprehensível. As casas e edifícios vários, encastellam-se num amontoamento de titans, entre tufos e vagas do arvoredo, onde despontam estipedes de palmeiras, num crescer e afogar de copas de jaboticabeiras e mangueiras da côr característica do verde inglez. As ruas desaparecem e o alinhamento das praças e avenidas parece inexistente.
O capitão Gabriel Penha de Paiva , trabalhador, methodico, cheio de iniciativas, intelligente, amigo extremado desta terra, impõe-se na estima geral de todos os seus conterraneos. Depois, é um espírito caridoso e democrático: estimado em extremo de seus aggregados, camaradas e colonos a quem trata com confiança e estima.
E essa dedicação do Capitão Gabriel Penha de Paiva aos seus, ficou bem patenteada na última epidemia da "grippe hespanhola" em que prestou relevantes serviços, soccorrendo, com médicos e medicamentos, aos doentes da sua fazenda. E mesmo a pobreza desta cidade prestou seu inestimável concurso, fornecendo gratuitamente todo o leite da sua fazenda, para alimentação dos indigentes.


OBSERVAÇÃO: José da Costa Moraes, filho de MANOEL ANTONIO RATES, casado com dona Maria da Penha, foram moradores na Fazenda Pouso Alegre, nas imediações desta, citada por RUBIÃO.
Anônimo disse…
Leia-se no comentário anterior: FAZENDA PEDRA NEGRA, local de residência de José da Costa Moraes, filho de MANOEL ANTONIO RATES, e sua mulher MARIA DA PENHA.

RIBEIRÃO DA CAVA.

Na margem do "RIBEIRÃO DA CAVA", próxima à estrada de rodagem que vae da cidade de Varginha à FREGUESIA DO CARMO DA CACHOEIRA, fica a FAZENDA DO LEME.
Dista desta cidade (Varginha) 17 kilômetros e 13 kilômetros da FREGUESIA DO CARMO DA CACHOEIRA. Sua área é de 300 alqueires; sendo 180 de invernadas de capim gordura e 120 de capoeirões e mattas, riquíssimas em madeiras.
Suas terras férteis são ricas de boas aguadas. Tem 25 alqueires de terreno plantado em cafezaes de 1 a 2 annos de idade que apresentam bellissimo aspecto.
Actualmente, nas pastagens encontram-se 400 cabeças de gado vaccum de criar e de engorda.
Fica próxima a Fazenda Pedra Negra, onde JOSÉ DA COSTA MORAES, e dona Maria da Penha deixaram seus testamentos.
Anônimo disse…
FAZENDA "RETIRO DO MATTO".

Esta importante propriedade agrícola surge a uma légua e meia da FREGUEZIA DO CARMO DA CACHOEIRA, sede do Districto a que pertence. É uma parte da antiga e vetusta fazenda "SAQUAREMA", herdada pelo Capitão Antenor Teixeira Reis. O córrego "Retiro do Matto", que passa a beira dos cafezaes, como uma ampla franja espumosa, empresta-lhe o nome, separando-a das outras propriedades agrícolas.
A colheita do café produz cinco mil arrobas, alcançando, em média, o typo N. 3. A sua exportação se faz pela ESTAÇÃO DO CARMO DA CACHOEIRA, depois de aproveitar uma das machinas que, perto da fazenda, acham-se installadas, para rebenefício.
Anônimo disse…
Passaremos a ouvir Sylvestre Fonseca e João Liberal, através de sua obra, ALBUM DE VARGINHA. Ano de 1918. p.118:

FAZENDA SÃO JOSÉ DO CURRALINHO.

Propriedade do Capitão JOSÉ SEVERO DA COSTA. Distante 12 kilômetros da cidade (Varginha), abrange uma área de 330 alqueires de terras, sendo 140 em mattos e capoeiras.


SÍTIO DA SERRA.

Propriedade do Capitão LUIZ SEVERO DA COSTA. Situado a seis kilômetros da cidade (Varginha). Área de 200 e tantos alqueires de terras, contendo 20 alqueires de cafezaes, produzindo em média 2.500arrobas por anno. 195 alqueires de pastagens de capim gorgura. O Capitão Luiz Severo vende, da raça caracú, novilhos e novilhas.


FAZENDA DA CACHOEIRA

Propriedade agrícola do Capitão Francisco de Paula Reis. Distante doze quilômetros da cidade, abarca uma área de 180 alqueires de terras, todas ellas de superiores culturas e pastagens. A FAZENDA CACHOEIRINHA é de propriedade de MANOEL PROCÓPIO BUENO, situa-se a nove quilômetros da cidade (Varginha). Bem pequena, porém, toda ella composta de superiores terras de culturas.


FAZENDA DO CAMPESTRE

Propriedade do Cel. Manoel Alves Teixeira, dirigida e administrada por seu filho Antonio Alves Teixeira. Situa-se a nove quilômetros da cidade (Varginha)


FAZENDA DA CAVA

Propriedade do coronel Manoel Alves Teixeira, situada a 15 kilômetros da cidade e com uma área de 550 alqueires de terras, inclusive as fazendas do CAMPESTRE E BREJINHO, administrada por Júlio Alves Teixeira, filho de Manoel Alves Teixeira.


FONSECA/LIBERAL trata como sendo duas propriedades distintas as chamadas: Fazenda São José e a Fazenda São José do Curralinho.
A Fazenda SÃO JOSÉ é, segundo eles, a que fica próxima ao RIBEIRÃO DO PARAIZO. Em seu estudo, p. 128 diz:
Fazenda São José, residência e propriedade do capitão José Alfredo de Rezende, dista 15 quilômetros da cidade (Varginha), abrange uma área de 50 alqueires de terras, todas de fecunda e uberrimas culturas.

FAZENDA DO LAGEADO

Propriedade agrícola do capitão José Bernardes de Rezende. Situada a seis quilômetros da cidade (Varginha), tem 60 alqueires de terras, e é uma boa fazenda.

FAZENDA JACUTINGA

Propriedade do senhor Francisco da Silva Paiva. Página 130, dista da cidade 6 kilometros. Na p.147, diz, "FAZENDA DA JACUTINGA, propriedade agrícola do Capitão João Baptista de Carvalho, situada a 6 quilômetros da cidade (Varginha).

FAZENDA DA ESTAÇÃO DA ESPERA

Residência do Capitão Sebastião Octaviano da Silva. A benção da fazenda se deu pelo Reverendo Padre Picimini.

FAZENDA DO BOM RETIRO
Propriedade do cap. João Baptista Bueno. d
Distante 6 kilômetros da cidade (Varginha), com 120 alqueires de terras.

FAZENDA BOA VISTA

Propriedade do Cel. Joaquim Pinto de Oliveira. Situaada a 9 kilômetros da cidad (Varginha), em a MARGEM DO RIO VERDE.
Anônimo disse…
A igreja que aparece a cima fica localizada no distrito de palmital do cervo!!

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhôas de José Guimarães.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. F oi, seguido deste singelo bilhetinho que a obra " As Três Ilhoas " de José Guimarães, está em nossas mãos: Prezada Leonor Vai aqui o livro, uma Obra Póstuma, de meu marido José Guimarães. O livro vem completar a coleção da genealogia das Três Ilhoas, lançada em 1989. Agradeço a grande pesquisadora e genealogista Marta Maria Amato , pelo enriquecimento proporcionado pelas suas pesquisas. Gostei de saber que o Projeto Partilha está colaborando com o resgate da "História de Carmo da Cachoeira". Temos em nosso arquivo alguns dados das paróquias de Campanha, onde tem alguma coisa sobre sua cidade:a terra do Pe. José Bento Ferreira. Será? Atenciosamente Leyde M. Guimarães. Ouro Fino, 15-08-2006 Próxima imagem: O Capitão Diog

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

Eis o amor caridade, eis a Irmã Míriam Kolling.

À Irmã Míria T. Kolling: Não esqueçam o amor Eis o amor caridade , dom da eternidade Que na entrega da vida, na paz repartida se faz comunhão ! Deus é tudo em meu nada: sede e fome de amar! Por Jesus e Maria, Mãe Imaculada todo mundo a salvar! " Não esqueçam o amor ", Dom maior, muito além dos limites humanos do ser, Deus em nós, entrega total! Não se nasce sem dor, por amor assumida: Nada resta ao final do caminho da vida a não ser o amor . Próximo artigo: Até breve, Maria Leopoldina Fiorentini. Artigo anterior: Os Juqueiras, Evando Pazini e a fazenda da Lage

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.

F Luiz José Álvares Rubião, em publicação da obra, Álbum da Varginha pela Casa Maltese, às fls. (a publicação não contempla, nem ano, nem nº de páginas), descreve a Fazenda da Serra da seguinte forma: “A uma légua da freguesia do Carmo da Cachoeira, está situada a Fazenda da Serra, propriedade do Cel. Antônio Justiniano dos Reis”. Se diz: Freguesia, leia-se, após, 1857. Em publicação, no ano de 1918, Sylvestre Fonseca e João Liberal, às fls. 149, dizem: “O Cel. Antônio Justiniano dos Reis falecido o anno passado, foi um dos mais importantes fazendeiros do Distrido do Carmo da Cachoeira”. Ary Florenzano, genealogista, cita a Fazenda da Serra, apresentando-a como sendo o lugar onde pela primeira vez, aparece o nome Carmo da Cachoeira, em documento. O 21º Anuário Eclesiástico da Diocese da Campanha, 1959, fls. 28: “Aos onze dias do mês de novembro do ano de mil oitocentos e dezenove, na Ermida de Nossa Senhora do Carmo da Cachoeira, desta freguesia de São João Del Rei, receberam

Padre José Procópio Júnior em Carmo da Cachoeira

Paróquia Nossa Senhora do Carmo sob nova guiança Editorial Sai Pe. Daniel Menezes, e assume como administrador paroquial da acolhedora cidade de Carmo da Cachoeira, em fevereiro de 2019, o Pe. José  Procópio Júnior. "Não cabe à pedra escolher o lugar que deve ocupar no edifício. Assim também não cabe à nós criaturas ditar ao Criador o que deve acontecer em nossa vida, pois Deus é quem sabe e dispõe com sabedoria própria." − Dom Servílio Conti, IMC Como página que observa os acontecimentos neste pedaço de chão mineiro, limitado por montanhas e que, segundo o cachoeirense Padre Godinho, “todas são azuis”, registramos o remanejamento ocorrido entre padres ligados a Diocese da Campanha no ano de 2019. Entre as mudanças encontra-se a Paróquia Nossa Senhora do Carmo/Carmo da Cachoeira – MG. Sai nosso querido Padre Daniel Menezes. Por ele continuamos a rezar e o devolvemos, entre lágrimas e a esperança de um dia tê-lo entre nós. Somos eternamente gratos e devedores. Entr