Pular para o conteúdo principal

Um cão domina a idílica São Tomé das Letras.


Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Próxima imagem:
Imagem anterior: Pitoresca casa em Carmo da Cachoeira.

Comentários

Anônimo disse…
Esta foto foi enviada ao Projeto Partilha por Ary Vaz de Lima Júnior. Ele é protecionista e morador em Carmo da Cachoeira, Minas Gerais. É guardião de 3 cães, adotados entre os que viviam nas ruas da cidade. Dos 3, um deles, o último a ser adotado, tem uma história muito especial. O cão o adotou, e não abre mão dele. Ary, ao vê-lo na porta de sua casa ofertava alimento, já que ele não saía mesmo de lá. Depois, além do alimento, recolhia-o para dormir em seu quintal. Agora, Ary está de mudanças. A família toda é transferida, inclusive, o amigão, que já faz parte dela. Ah, tem mais, a casa para onde eles irão já tem a canina NINA. Todos castrados e, muito, muito educados.
Gratidão, Ary.
Anônimo disse…
SABER-ENTENDER

Saber-entender é a visão de que não adianta o saber como acúmulo de informações, quando ter conhecimento é saber-entender, é usar todo o senso crítico para analisar o que está sendo oferecido, é procurar perceber o que está por trás das informações e divulgações e ter uma postura epistemológica, a de estudo crítico, mesmo das hipótese resultados das ciências já constituídas.
Saber-entender é buscar na natureza o entendimento do mundo. A microscópica célula tem representado o que existe no corpo inteiro.
Pequeno e grande são escalas diferentes da mesma coisa. Se ao nível pessoal há o saber-entender, pode-se tê-lo no nível comunitário, no País e até no mundo.
A nossa vida não pode se perder nos labirintos do gigantismo das estruturas que despersonalizam e desumanizam as pessoas.
Saber-entender é perceber que a sua vida e o entorno de sua casa, como pequeno, pode ser o alicerce das mudanças do mundo.
Anônimo disse…
SABER QUE VOCÊ FOI CRIADO PARA A FELICIDADE.

Tudo é energia.
A matéria, em sua consistência e forma, esconde toda a energia dos átomos que a compõem.
Percebam a beleza do corpo humano energético, iluminado, pulsando sob o fluxo de milhões e milhões de átomos, captando a energia química dos alimentos, num extraordinário sopro de vida.
Incorporam-se aos átomos de oxigênio, carbono, nitrogênio, hidrogênio dos alimentos. Entra água, sai gás carbônico e os mais variados átomos nos excreta. Fluxos e refluxos constantes, mas ao centro, o ser vivo com sua consistência estável.
Bilhões de bolinhas energéticas interagindo, aproximando-se e afastando-se, construindo, sob a forma de proteínas, armazenando energia com a fotosíntese, libertando-a dos amidos e açucares. Construindo, desagregando e reconstruindo em infinito transcorrer de situações simultâneas, numa grande CONJUNÇÃO universal.
O processo energético que desdobra substâncias mais complexas em componentes simples, o que armazena energia, o que é capaz de fazê-la liberar, todos em CONJUNÇÃO, num pulsar de energia.
Percebendo a energia vibrando em tudo, foge-nos a postura de nos amesquinharmos como se fossemos seres desprezíveis, aprisionados em culpas, sofrimentos e dores.
Como? Estamos isolados? Somos senhores da natureza?
Pense! O átomo que hoje está no chão, amanhã fará parte de uma planta e, depois, ao alimentar-se dela, o mesmo átomo passará a fazer parte do seu corpo.
Somos a natureza!
Portanto, viver é estar em CONJUNÇÃO, é EQUIDADE - em que cada um desenvolve a sua potencialidade própria -, é SIMBIOSE - cada parte levando adiante a sua potencialidade para pôr em prática um todo melhor.
O nosso Brasil e o mundo têm que aflorar um total melhor do que cada uma das partes.
Nunca poderemos deixar fugir da nossa mente a idéia de que fomos criados para a felicidade, em harmonia com o mundo e a natureza!
Neste raciocínio não há pessoas, famílias, comunidades, países "escolhidos", acima da humanidade comum, há uma real CONJUNÇÃO de todos e não perpetuação de privilégios.
Fomos todos criados para a felicidade.
Anônimo disse…
Protecionista e protetor. Parabéns Carmo da Cachoeira. Sul de Portugal, através do grupo que acompanha este blog, se apaixonou por vossa terra. Terra para onde nossos ancestrais se mudaram em busca de fugir do ... ... regime ... de impinge dor sofrimento. Eles, com muita honra, ajudaram a construir este PARAÍSO que temos a condição de ver diariamente, através desta página.
Cada dia uma surpresa. E, sempre, agradável.
Anônimo disse…
SOMOS UM INCRÍVEL EQUILÍBRIO DE BILHÕES DE ÁTOMOS ENERGÉTICOS, NÃO PODEMOS NOS AMESQUINHAR COMO SERES DESPREZÍVEIS, CHEIOS DE CULPAS, PRISIONEIROS DOS SOFRIMENTOS.
Anônimo disse…
Contra o Sistema das Diferentes Castas Sociais na Ìndia: Mestre Sidarta Gautama. Seu evangelho possui aspectos sem sacrifícios, torturas, rituais nem sacerdotes. Foi uma doutrina revolucionária, com RUI NOGUEIRA, também um REVOLUCINÁRIO DO BEM E DO AMOR UNIVERSALIZADO.
Rui Nogueira você é um grande médico, de almas.
Anônimo disse…
Oi, senhor Prudêncio. Se o senhor nos permite, gostaríamos de colocar, as VERDADES contidas no evangelho original de GAUTAMA (Buda). Foram 4, não?
- As nobres verdades do sofrimento
- As origens do sofrimento
- A destruição do sofrimento
- O caminho para a destruição do sofrimento.

Aspectos morais de seus mandamentos:
Não matarás
Não roubarás
Não serás lascivo
Não mentirás
Não beberás bebidas intoxicantes
Anônimo disse…
Da obra, "encontros e desencontros", p.57. Maria Antonietta de Rezende.

CÔNEGO ZEQUINHA

Cônego Zequinha, de feliz lembrança,
Que todos nós guardamos na memória,
Que de ajudar a fazer a nossa história,
Que de ajudar o pobre não te cansas,
Aqui chegastes, com amor tamanho,
Com teu sorriso franco e generoso,
Todos nós te amamos, pai bondoso,
E foi fácil conquistar o teu rebanho.


Conselheiro de grande acuidade,
Obreiro da paz e do amor,
Edificando-nos com exemplo de bondade,
Ganhastes corações para o Senhor!


Jamais humilhaste os desvalidos,
Ouvias sempre os problemas com paciência,
Semeando a semente da concórdia
E o verdadeiro sentido da existência.
Por isso, ao partir, órfãos estamos.
E, ao despedir-nos do amigo e companheiro,
Uma lágrima nos olhos nós guardamos.
E neste testemunho comovido,
Choramos hoje a dor de tua ausência,
E a mágoa de não te termos compreendido. 16/12/1980.
Anônimo disse…
Uma trajetória de São Thomé das Letras à Carmo da Cachoeira, através de um antigo ramo paulista. Tendo como avós, Custódio Vilela e dona Felícia Cerqueira (ou Siqueira), dona Mariana Vilela do Espírito Santo, filha do capitão Domingos Vilela e de dona Maria do Espírito Santo, casou-se com um descendente de JOSÉ JOAQUIM GOMES BRANQUINHO (leia-se, MORAES), nascido em Aiuruoca, Manoel dos Reis e Silva (I). Manoel e Mariana tiveram 13 filhos, e um deles, o filho que consta como sendo o inventariante do pai, foi GABRIEL DOS REIS E SILVA. Gabriel, casa-se, mantendo a tradição de casamentos entre parentes, na Família Branquinho/Meirelles, com Bazilissa Cândida Branquinho (Basiliça), filha de Luiz Gonzaga Branquinho e de Ana Cândida de Meirelles. O casamento aconteceu em SÃO THOMÉ DAS LETRAS, como já tivemos oportunidade de estudar.
Dona Bazilissa (Basiliça) era neta materna do capitão João de Souza Meirelles e de dona Mariana Garcia Duarte, e neta paterna de JOAQUIM JOSÉ GOMES BRANQUINHO, da Fazenda sede do Distrito da Boa Vista, do Município de Lavras do Funil. Pela linha materna tinha parentesco com Januário Garcia Leal.
Os filhos deste casal, cujo casamento ocorreu em SÃO THOMÉ DAS LETRAS nasceram em CARMO DA CACHOEIRA, Minas Gerais.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhôas de José Guimarães.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. F oi, seguido deste singelo bilhetinho que a obra " As Três Ilhoas " de José Guimarães, está em nossas mãos: Prezada Leonor Vai aqui o livro, uma Obra Póstuma, de meu marido José Guimarães. O livro vem completar a coleção da genealogia das Três Ilhoas, lançada em 1989. Agradeço a grande pesquisadora e genealogista Marta Maria Amato , pelo enriquecimento proporcionado pelas suas pesquisas. Gostei de saber que o Projeto Partilha está colaborando com o resgate da "História de Carmo da Cachoeira". Temos em nosso arquivo alguns dados das paróquias de Campanha, onde tem alguma coisa sobre sua cidade:a terra do Pe. José Bento Ferreira. Será? Atenciosamente Leyde M. Guimarães. Ouro Fino, 15-08-2006 Próxima imagem: O Capitão Diog

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Eis o amor caridade, eis a Irmã Míriam Kolling.

À Irmã Míria T. Kolling: Não esqueçam o amor Eis o amor caridade , dom da eternidade Que na entrega da vida, na paz repartida se faz comunhão ! Deus é tudo em meu nada: sede e fome de amar! Por Jesus e Maria, Mãe Imaculada todo mundo a salvar! " Não esqueçam o amor ", Dom maior, muito além dos limites humanos do ser, Deus em nós, entrega total! Não se nasce sem dor, por amor assumida: Nada resta ao final do caminho da vida a não ser o amor . Próximo artigo: Até breve, Maria Leopoldina Fiorentini. Artigo anterior: Os Juqueiras, Evando Pazini e a fazenda da Lage

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

Padre José Procópio Júnior em Carmo da Cachoeira

Paróquia Nossa Senhora do Carmo sob nova guiança Editorial Sai Pe. Daniel Menezes, e assume como administrador paroquial da acolhedora cidade de Carmo da Cachoeira, em fevereiro de 2019, o Pe. José  Procópio Júnior. "Não cabe à pedra escolher o lugar que deve ocupar no edifício. Assim também não cabe à nós criaturas ditar ao Criador o que deve acontecer em nossa vida, pois Deus é quem sabe e dispõe com sabedoria própria." − Dom Servílio Conti, IMC Como página que observa os acontecimentos neste pedaço de chão mineiro, limitado por montanhas e que, segundo o cachoeirense Padre Godinho, “todas são azuis”, registramos o remanejamento ocorrido entre padres ligados a Diocese da Campanha no ano de 2019. Entre as mudanças encontra-se a Paróquia Nossa Senhora do Carmo/Carmo da Cachoeira – MG. Sai nosso querido Padre Daniel Menezes. Por ele continuamos a rezar e o devolvemos, entre lágrimas e a esperança de um dia tê-lo entre nós. Somos eternamente gratos e devedores. Entr

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.

F Luiz José Álvares Rubião, em publicação da obra, Álbum da Varginha pela Casa Maltese, às fls. (a publicação não contempla, nem ano, nem nº de páginas), descreve a Fazenda da Serra da seguinte forma: “A uma légua da freguesia do Carmo da Cachoeira, está situada a Fazenda da Serra, propriedade do Cel. Antônio Justiniano dos Reis”. Se diz: Freguesia, leia-se, após, 1857. Em publicação, no ano de 1918, Sylvestre Fonseca e João Liberal, às fls. 149, dizem: “O Cel. Antônio Justiniano dos Reis falecido o anno passado, foi um dos mais importantes fazendeiros do Distrido do Carmo da Cachoeira”. Ary Florenzano, genealogista, cita a Fazenda da Serra, apresentando-a como sendo o lugar onde pela primeira vez, aparece o nome Carmo da Cachoeira, em documento. O 21º Anuário Eclesiástico da Diocese da Campanha, 1959, fls. 28: “Aos onze dias do mês de novembro do ano de mil oitocentos e dezenove, na Ermida de Nossa Senhora do Carmo da Cachoeira, desta freguesia de São João Del Rei, receberam

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948