Pular para o conteúdo principal

Ronaldo Urgel Nogueira e a evolução laborial sul-mineira.


Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Próxima imagem: As imediações do prédio do antigo Educandário.
Imagem anterior: Antiga igreja barroca de Nossa Senhora do Carmo.

Comentários

Anônimo disse…
A Associação Comercial de Três Corações, Minas Gerais foi fundada no ano de 1940, pelos comerciantes agricultores e industriais. Marisa Procópio Sarrapio, ao prefaciar a obra diz: "Ronaldo Urgel Nogueira conta a trajetória de homens e mulheres que construíram os dias do passado, constroem o presente e construirão o futuro". Na terra onde ecoa os sons de passado, ficaram impregnados na memória popular o ir e vir constantes do carro dos bois, do apito da Maria Fumaça, das aventuras e desventuras dos mascastes. Cachoeira e Três Corações se interligavam, não apenas através das patas dos bois, mas também, através de homens ligados a cultura e tradições. Foi nas páginas deste livro que encontramos referência a família Archanjo Athaide, cujo nome está ligado a antiga Banda Cachoeirense. Seu Rubens Rezende Vilela, instrumentista na Banda Cachoeirense e nela presente desde seus primórdios, lembra com muito carinho do Maestro Álvaro Arcanjo Athaíde. Aqui deixou a marca de uma de suas composições que aparece no CD comemorativo do Sesquicentenário da Freguesia do Carmo da Cachoeira, no ano de 2007. O autor Urgel Nogueira conta que, Álvaro Archanjo Athaide era campanhense de nascimento e morador em Três Corações. Regia as Bandas União Rioverdense e a Cachoeirense. Diz, "sob a batuta firme do Maestro Álvaro Archanjo a Banda abrilhantava festividades. Gozava de grande conceito em toda a região. Por ocasião da morte do Maestro , em 1976, o Maestro Tenente Luiz Alberto Ferreira de Brito, amigo particular da família, veio especialmente de Três Pontas, reger a Banda no cortejo fúnebre do Maestro Álvaro, prestando-lhe assim, sua última homenagem". Continua dizendo: Eram comuns em noites enluaradas as seretas, que faziam a população sonhar deliciando-se com as melodiosas valsas e as composições de Álvaro Archanjo Athaíde, cujo arquivo era imenso. Seu centenário foi comemorado em 1980.
O Projeto Partilha homenageia este cidadão, cujo nome ainda é lembrando por muitos em Carmo da Cachoeira.
Anônimo disse…
Lá, no Ribeirão do Paraizo, local com boas aguadas. A Fazenda do Sagrado Coração de Jesus, de Gabriel Penha de Paiva, genro de Matheus Tavares da Silva, descrito por José Roberto Sales como sendo "rico proprietário de terras, casas, gado, cafezais e fazendas, cuja extensão territorial correspondia a aproximadamente têm mil alqueires distribuídos pelos municípios de Varginha Três Pontas e Carmo da Cachoeira. Casou-se com dona Mariana Tavares da Silva, com quem teve 4 filhos: Manoel Tavares da Silva; Matheus Tavares da Silva Filho; Filomena Silva Paiva e Maria Balbina Silva Paiva. Filomena casou-se com Antônio Justiniano de Paiva, e, Maria Balbina, com Gabriel Penha de Paiva.
Diz Sales: "Para melhor compreender os fatos a seguir, é necessário tecer alguns comentários sobre a personalidade de Matheus Tavares. Ele era um homem com espírito de bandeirante, dinâmico, enérgico e, às vezes, castigava seus escravos. Talvez fosse um tanto rude e impulsivo, mas muito pragmático, parecia ter o perfil que hoje chamamos de homem de resultados. Preferia que os netos o chamassem de padrinho Matheus. Gostava de festas na roça, onde as promovia para os camponeses. Na época da colheita do café, levantava-se às duas horas da manhã. Autodenominava-se progressista. Consta, segundo relato oral de alguns, constestado por outros, que Joaquim Eloy Mendes, o Barão de Varginha, impediu que a via férrea passasse por onde hoje é a cidade de Elói Mendes. Matheus Tavares da Silva teve atitude contrária, ele não só quis que a ferrovia passasse por Varginha mas arrumou com recursos financeiros próprios a efetivação desse projeto. Quando foi abolida a escravatura, trouxe imigrantes italianos para trabalhar em suas fazendas".
Anônimo disse…
Na obra Espírito Santo da Vaginha, José Roberto Sales relata o seguinte fato, ocorrido no ano de 1890. O projeto inicial da Rede Mineira de Viação, responsável pela construção da ferrovia, não previa a passagem por Varginha. A estrada de ferro, margeando o RIO VERDE, ligaria a cidade de Cruzeiro, Estado de São Paulo, até Gaspar Lopes, cidade mineira, próxima a Muzambinho. A maior parte do trabalho foi braçal pois não havia equipamentos suficientes e a topografia da região dificultava o uso dos maquinários disponíveis na época. As pontes foram construídas usando-se cimento importado da Alemanha.
No dossiê "Estação Ferroviária" (1999), o texto "Informe histórico da Estação Ferroviária", o Conselho Deliberativo do Patrimônio Cultural de Varginha - CODEPAC, apresenta a seguinte versão: "(...) Possivelmente, Matheus Tavares da Silva, Domingos Teixeira de Carvalho, João Gonzaga Branquinho, Pedro Rocha Braga, Dr. Antonio Pinto de Oliveira, Major Venâncio Franco de Carvalho, Gabriel Severo da Costa, foram os que negociaram a mudança do traçado da Ferrovia, trazendo os engenheiros para Varginha, para que fossem feitos estudos das condições do terreno e elaboração dos cálculos necessários".
Anônimo disse…
José Roberto Sales, p.82 de Espírito Santo da Varginha relata:
Matheus Tavares morava na Fazenda da Figueira, nas proximidades do Bairro da Vargem. numa das tardes daquele ano de 1890, Matheus Tavares veio à cavalo para a cidade. Apeou em frente à pensão de D. Ambrozina.
- D. Ambrozina, boa noite!
- Boa noite, coronel. Em que posso servi-lo?
- Soube que o engenheiro responsável pelas obras da ferrovia pernoita aqui. Ele já chegou?
- Sim - responde D. Ambrosina, mostrando-lhe o homem que lia um jornal na sala.
- A senhora me dá licença de dirigir-lhe algumas palavras?
- À vontade.
Matheus Tavares entrou na sala iluminada pela insuficiente luz do gasômetro mas que ainda assim permitia ao homem ler o jornal.
- Senhor engenheiro?
- Sim?
- O senhor pode dar-me atenção por um momento?
- Pois não, coronel - responde ele deixando o jornal de lado.
- Eu quero que a estrada de ferro passe aqui em Varginha - diz Matheus Tavares, de sopetão, sem preâmbulos, o que causou espanto no engenheiro.
- Como??
- Isso mesmo.
O engenheiro se recupera aos poucos da surpresa.
- Não será possível, coronel. Os terrenos aqui são mais elevados que o nível do rio e os custos subirão muito.
- Não quero saber se sobe ou desce ou quanto custa. Eu quero que passe aqui de qualquer jeito, fique o preço que ficar.
O engenheiro assustou-se. Depois de pensar um pouco, perguntou-lhe:
O senhor me assina um documento garantindo nossa conversa, o compromisso da mudança do traçado da ferrovia?
Matheus Tavares garantiu-lhe o compromisso, e após assinado o documento, levantou-se:
- Minha conversa é só esta.
Quando amanheceu, o engenheiro pegou seu cavalo, foi até a Jurití.
Pegou o trole para Cruzeiro e, chegando lá, comunicou à direção da Rede que um fazendeiro de Varginha queria que o trajeto da ferrovia fosse alterado. A diretoria da Rede encomendou estudo de novo traçado que demorou três meses para ficar pronto. Muitos duvidaram que a ferrovia pudesse chegar até a cidade e criticaram Matheus Tavares, Decorridos três meses, o mesmo engenheiro mandou chamar Matheus Tavares na Fazenda da Figueira. Encontraram-se novamente na Pensão de D. Ambrozina. O engenheiro mostro-lhe os estudos, o projeto e o valor da obra:
- São cem contos de réis! - disso o engenheiro.
- O senhor quer o dinheiro hoje ou amanhã?
O pagamento foi feito em moeda corrente. Emitiu-se dois recibos, cada um no valor de cinquenta contos de réis, um em nome de Antônio Justiniano de Paiva, e outro em nome de Gabriel Penha de Paiva, genros de Matheus Tavares.
O pequeno vilarejo que Varginha era em 1890 tomou um fantástico impulso com a passagem da via férrea. Foi a partir desta data que a cidade recebeu a alcunha de Princesa do Sul, segundo versão dos descendentes de Matheus Tavares da Silva.
Atualmente (2003), olhando o mapa da cidade de Varginha, percebe-se que a linha ondulante da via férrea a atravessa em toda sua extensão, dividindo-a em duas metades quase iguais. A expansão urbana seguiu o curso da ferrovia. Fato semelhante ocorreu com a inauguração da rodovia BR-381, conhecida como Fernão Dias, na década de 1960 e duplicada na década de 1990. A rodovia passa a poucos quilômetros da cidade e impulsionou o crescimento urbano naquela direção.
Anônimo disse…
O Barão de Alfenas foi casado na Família MORAES.

Gabriel Francisco Junqueira nasceu em 1782. Seu casamento aconteceu em 11 de junho de 1808, com Ignácia Constança de Andrade( da Família MORAES), neta de Maria de MORAES Ribeiro, filha de André do Vale Ribeiro de Tereza de Moraes.
Maria de MORAES Ribeiro era irmã de Ângela de MORAES Ribeiro (Ribeira), mãe de JOSÉ JOAQUIM GOMES BRANQUINHO, da Fazenda da Boa Vista, sede do Distrito da Boa Vista, do município de Lavras do Funil, Minas Gerais.
Anônimo disse…
Em Carmo da Cachoeira tudo é "PARAIZO". Depois de passar pela casa de MANOEL ANTONIO RATES, e subindo o Morro do Cruzeiro, a primeira paragem que se vê, é a da FAZENDA DOS COQUEIROS, hoje propriedade de Jorge Fernando Vilela, autor de "O SERTÃO DO CAMPO VELHO". Não precisa ir longe. É perguntar aí mesmo, e para ele: "Jorge, tem algum ponto aqui chamado de PARAIZO?"

Ele irá responder: - "segue em frente companheiro, logo adiante, O BOM SUCESSO DO PARAIZO. É logo aí".
- "se seguir em direção ao poente, você chegará na Ermida das Dores do Paraizo, na Fazenda Paraíso"

- " se seguir em direção a Varginha, pela estrada de terra, você irá encontrar o Ribeirão PARAIZO". Aliás, "TUDO AQUI É PARAIZO".
Anônimo disse…
O Projeto Partilha vai buscar apoio em quem mais entende da Família JUNQUEIRA, a genealogista, Marta Amato. Ela diz:
"Gabriel Francisco Junqueira casou-se em 11 de junho de 1808, com Ignácia Constança de Andrade, filha de José de Andrade Peixoto e Mariana Vitória do Nascimento. Segundo Brotero (segunda edição p.745, era neta paterna do capitão Antônio de Brito Peixoto, nascido em Braga a 28 de fevereiro de 1758, e de Maria de MORAES Ribeiro, filha de André do Vale Ribeiro e Tereza de MORAES. Silva Leme (vol. VI e VIII). Ainda de acordo com Brotero, Ignácia era neta materna de um outro português casado com uma paulista descendente dos fundadores da Capitania de São Paulo. Com isso, fica estabelecida a ligação dos descendentes do Barão de Alfenas e de Ignácia Constança com a Genealogia Paulistana".

Arquivo

Mostrar mais

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiro s ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” T odos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cump

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

Carmo da Cachoeira — uma mistura de raças

Mulatos, negros africanos e criolos em finais do século XVII e meados do século XVIII Os idos anos de 1995 e o posterior 2008 nos presenteou com duas obras, resultadas de pesquisas históricas de autoria de Tarcísio José Martins : Quilombo do Campo Grande , a história de Minas, roubada do povo Quilombo do Campo Grande, a história de Minas que se devolve ao povo Na duas obras, vimo-nos inseridos como “Quilombo do Gondu com 80 casas” , e somos informados de que “não consta do mapa do capitão Antônio Francisco França a indicação (roteiro) de que este quilombo de Carmo da Cachoeira tenha sido atacado em 1760 ”.  A localização do referido quilombo, ou seja, à latitude 21° 27’ Sul e longitude 45° 23’ 25” Oeste era um espaço periférico. Diz o prof. Wanderley Ferreira de Rezende : “Sabemos que as terras localizadas mais ou menos a noroeste do DESERTO DOURADO e onde se encontra situado o município de Carmo da Cachoeira eram conhecidas pelo nome de DESERTO DESNUDO ”. No entanto, antecipando

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

Distrito do Palmital em Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. O importante Guia do Município de Carmo da Cachoeira , periódico de informações e instrumento de consulta de todos os cidadãos cachoeirenses, publicou um grupo de fotos onde mostra os principais pontos turísticos, culturais da cidade. Próxima imagem: O Porto dos Mendes de Nepomuceno e sua Capela. Imagem anterior: Prédio da Câmara Municipal de Varginha em 1920.

Cemitério dos Escravos em Carmo da Cachoeira no Sul de Minas Gerais

Nosso passado quilombola Jorge Villela Não há como negar a origem quilombola do povoado do Gundú , nome primitivo do Sítio da Cachoeira dos Rates , atual município de Carmo da Cachoeira. O quilombo do Gundú aparece no mapa elaborado pelo Capitão Francisco França em 1760 , por ocasião da destruição do quilombo do Cascalho , na região de Paraguaçu . No mapa o povoado do Gundú está localizado nas proximidades do encontro do ribeirão do Carmo com o ribeirão do Salto , formadores do ribeirão Couro do Cervo , este também representado no mapa do Capitão França. Qual teria sido a origem do quilombo do Gundú? Quem teria sido seu chefe? Qual é o significado da expressão Gundú? Quando o quilombo teria sido destruído? Porque ele sobreviveu na forma de povoado com 80 casas? Para responder tais questões temos que recuar no tempo, reportando-nos a um documento mais antigo que o mapa do Capitão França. Trata-se de uma carta do Capitão Mor de Baependi, Thomé Rodrigues Nogueira do Ó , dirigida ao gove

A origem do sobrenome da família Rattes

Fico inclinado a considerar duas possibilidades para a origem do sobrenome Rates ou Rattes : se toponímica, deriva da freguesia portuguesa de Rates, no concelho de Póvoa de Varzim; se antropomórfica, advém da palavra ratto (ou ratti , no plural), que em italiano e significa “rato”, designando agilidade e rapidez em heráldica. Parecendo certo que as referências mais remotas que se tem no Brasil apontam a Pedro de Rates Henequim e Manoel Antonio Rates . Na Europa antiga, de um modo geral, não existia o sobrenome (patronímico ou nome de família). Muitas pessoas eram conhecidas pelo seu nome associado à sua origem geográfica, seja o nome de sua cidade ou do seu feudo: Pedro de Rates, Juan de Toledo; Louis de Borgonha; John York, entre outros. No Brasil, imigrantes adotaram como patronímico o nome da região de origem. Por conta disso, concentrarei as pesquisas em Portugal, direção que me parece mais coerente com a história. Carmo da Cachoeira não é a única localidade cujo nome está vincul

O livro da família Reis, coragem e trabalho.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: 24º Anuário Eclesiástico - Diocese da Campanha Imagem anterior: A fuga dos colonizadores da Capitania de S. Paulo

A Paróquia Nª. Srª. do Carmo completa 155 anos.

O decreto de criação da Paróquia foi assinado pela Assembléia Legislativa Provincial no dia 3 de julho de 1857. Pela Lei nº 805 , a Capela foi elevada para Freguesia, pertencendo ao Município de Lavras do Funil e ficando suas atividades sob a responsabilidade dos Conselhos Paroquiais. O Primeiro prédio da Igreja foi construído em estilo barroco , em cujo altar celebraram 18 párocos . No ano de 1929, esse templo foi demolido, durante a administração do Cônego José Dias Machado . Padre Godinho , cachoeirense, nascido em 23 de janeiro de 1920, em sua obra " Todas as Montanhas são Azuis ", conta-nos: "Nasci em meio a montanhas e serras em uma aldeia que, ao tempo, levava o nome de arraial. (...) Nâo me sentia cidadão por não ser oriundo de cidade. A montanha é velha guardiã de mistérios. Os dias eram vazios de qualquer acontecimento." Ao se referir ao Templo físico dizia: "Minha mãe cuidava do jardim pensando em colher o melhor para os altares da Matriz

O distrito de São Pedro de Rates em Guaçuí-ES..

Localizado no Estado do Espírito Santo . A sede do distrito é Guaçuí e sua história diz: “ ... procedentes de Minas Gerais, os desbravadores da região comandados pelo capitão-mor Manoel José Esteves Lima, ultrapassaram os contrafortes da serra do Caparão , de norte para sul e promoveram a instalação de uma povoação, às margens do rio do Veado, início do século XIX ”.

Simpósio Filosófico-Teológico em Mariana

Aproxima-se a conclusão das obras de restauração na Catedral Basílica de Nossa Senhora da Assunção, Igreja Mãe de nossa Arquidiocese. Trata-se de expressivo monumento religioso, histórico e artístico, tombado no âmbito federal pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). A Arquidiocese de Mariana, a Faculdade Dom Luciano Mendes (FDLM) e o Instituto Teológico São José (ITSJ) organizam este Simpósio com o objetivo de refletir sobre os trabalhos de restauro que em breve serão entregues à comunidade, bem como debater o significado deste templo, em relação aos aspectos teológicos e sua importância artística e arquitetônica em mais de três séculos de existência. Programação : de 25 à 27 DE MAIO DE 2022 25/05/2022 – Quarta-feira Local: Seminário Maior São José-Instituto de Teologia 19h - SAUDAÇÃO INICIAL - Côn. Nédson Pereira de Assis Pároco da Catedral - Mons. Celso Murilo Sousa Reis Reitor do Seminário de Mariana - Pe. José Carlos dos Santos Diretor da Faculdade Dom