Pular para o conteúdo principal

Cachoeirenses em 1928 em foto de Massote Photo.


Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Próxima imagem: Manoel Ferreiro Avelino de dona Maria de Souza.
Imagem anterior: Um personagem a ser identificado em Carmo da Cachoeira.

Comentários

Anônimo disse…
Continuação. Nomes que aparecem em documentos manuscritos pelo do Projeto Partilha:
Manuel da Costa
João Bernardes da Costa
Pedro, filho de Bernardo J. da Costa
Joaquim Carvalho da Costa
Gabriel Flávio da Costa
Francisco Daniel da Costa
Joaquim Pinto da Costa
Gabriel Flávio da Costa Júnior
Marianna Jesuína da Costa
José Marciano da Costa
Joaquim Flávio da Costa
Joaquim José da Costa
João Domingos da Costa
Anna Jacintha da Costa
Augusto dos Reis Costa
Domingos dos Reis Costa
Joaquim Praxedes da Costa
Francisco de Nação Costa
José Pinto da Costa
Bernardo José da Costa
André Pinto da Costa
Gabriela, filha de Francisco A. da Costa
Balduína da Costa
Ana Cândida da Costa
Ana, filha de José Pinto da Costa
Pedro, filho de Bernardo da Costa
Olívia Batista da Costa e José Correia de Abreu
Antonio Paulino de Abreu
Mário Alves da Costa
José Alves da Costa Baltazar Custódio da Costa
Lázara Cipriano da Costa
Inácia Leopoldina da Costa José Francisco da Costa
Ana Cândida da Costa
Justino Geralcino Alves Ferreira da Costa
Ildefonso Monteiro da Costa
João Caetano da Costa
Francisco Oliveira da Costa
Silvério Alves da Costa
Joanna da Costa
Ermenegildo Gaudêncio da Costa
José Ramos da Costa
Joaquim Rodrigues da Costa
Maria Lucindra (Lucinda) da Costa
Cassemiro José da Costa
Antonio Joaquim Alves da Costa
Antonio Jacinto da Costa
João Francisco da Costa Cândida Gabriela da Costa
Antonio Martins da Costa
Antonio Joaquim Alves da Costa.
(continua)
Anônimo disse…
Manoel Ferreira Avelino é o Mané Saraiva de Carmo da Cachoeira, Sul de Minas Gerais. Avô do Neca, o contador de histórias, casos e causos, pelas ruas da cidade. Mané Saraiva, tropeiro, nasceu na Fazenda Pinheirinho (Angahy Velho), Ingaí, Minas Gerais. Mané Saraiva se casou com dona Maria de Souza, irmã de Eugênio de Souza, e vieram para Carmo da Cachoeira, onde até hoje estão seus descendentes. Na mais completa obra de genealogia local - a da Família Junqueira, apoiada em pesquisas realizadas pesquisas de MARTA AMATO, p.40 encontramos referência sobre a "Fazenda Berço", não só dos avós do Neca, mas também da família, conhecida como "Pratinha" de Cachoeira. Desta família saiu um representante na Câmara Municipal, para a gestão 2009/12, e morador na COHAB, irmão do Geraldinho do som e eventos (de atuação regionalizada).
Diz na referida obra que em 28 de abril de 1725 (fls.189 do Livro de Sesmarias, lavrada em Vila Rica - atual Ouro Preto, lavrada em 03/05/1725), foi concedida a ANTÔNIO RODRIGUES DA FONSECA, morador do Caminho Velho, na PARAGEM chamada INGAHY, quatro léguas quadradas de terras, para que nelas se criasse gado, destinado ao abastecimento da Província de Minas Gerais; e que tivessem largueza suficiente para o gado "tenham largueza de terras e pastos em que se sustentem". Segundo a obra, "É interessante assinalar que essa sesmaria ficava distante de localidade e terrenos destinados à mineração do ouro em São João del-Rei e, também, distante do Caminho Velho para não atrapalhar os viandantes mas e, principalmente, não interferir na mineração do ouro". Esta Sesmaria foi vendida ao capitão José Francisco Nunes, nascido em Guaratinguetá e casado com dona Francisca Ribeiro. Foram pais de
Manuel Nunes Viana, casado com Isabel (ou Joana) Pires de Menezes, natural de Sorocaba e filha de Sebastião Pires de Menezes e de Domingas Assunção.
Em 1754 a Sesmaria foi vendida novamente. O novo proprietário foi o capitão José Vieira de Almeida, e aconteceu antes de 1745. Na demarcação de 15 de outubro, a Sesmaria do Favacho e Angahy já era posse "já anos antes estava ele Suplicante, na mais pacífica posse da sobredita sesmaria ..." e nela já havia construído sete casas de morada, engenho de pilões para fazer farinha e criava gado. Entre as casas a CAPELA - a de SÃO JOSÉ DO FAVACHO. José Vieira de Almeida era casado com dona Ana Maria de Oliveira. O casal desistiu de 2 léguas e meia. Segundo José Américo Junqueira de Matos, "A légua e meia restante penso ser razoável supor a ser da FAZENDA ANGAHY, de propriedade de JOÃO DE SOUZA MEIRELLES e MARIANNA ANTÔNIA DE JESUS, o Patriarca da Família Souza Meirelles.
Anônimo disse…
Na carta de confirmação da Sesmaria do Favacho Angahy, arquivada no Arquivo Ultramarino - Rolo 78 - p..531/547 - CD 25-CX 88. DOC 4, 9 de junho de 1766, os termos são os de que, o Capitão José Vieira de Almeida, "assistente no sítio do ENGAHY ABAIXO, freguesia de Baependi, termo da vila de São João del-Rei, Comarca do Rio das Mortes (...) remetendo para esta Corte a própria carta de mercê no ano de 1755, sucedeu queimarem no incêndio sucessivo ao terremoto do mesmo ano por cujo motivo lhe foi preciso mandar a cópia por certidão segunda e terceira vez para pedira a confirmação (...). O justificante, José Vieira de Almeida, 1765. Pouso das Carrancas."Autuação de uma petição para justificação da acima mencionada divisas distribuídas a Pimenta". Juiz da Sesmaria, "me apresentaram uma petição (...) com itens despachada pelo doutor Gomes da Silveira, digo da Silva Pereira Reis, Juiz da Sesmaria. O escrivão, Antonio Francisco Pimenta." As testemunhas citadas, foram: Ignácio Francisco Torres,natural da Bahia (hoje Salvador) e que não é Inácio Franco, patriarca da Família Franco. A testemunha é filho de José Franco Torres e de Teresa da Silveira. Foi casado com Maria Porciuncula Barbosa, paulista de Guaratinguetá/SP.

- testemunha, NICOLAU ANTONIO NOGUEIRA, que vive de sua fazenda.

- testemunha, JOSÉ DE SOUZA GONÇALVES, que vive de seu negócio.

Na certidão dos Autos de Sesmarias com quatro léguas, que correram para a banda dos morros que ficam do poente muito fora da estrada e se dão em quadra principiando aonde se acham as terras e demarcações do dito CAMINHO VELHO (...) concedida no seu sitio do INGAHI/INGAHY (...)

Cf. p. 42, obra: Família Junqueira.

Observação: para além dos morros do POENTE (isto é, mais para oeste) ficavam as TRÊS PONTES, sendo que uma delas dava acesso ao território, que buscamos estudar com a finalidade de conhecer MANOEL ANTONIO RATES, primeiro morador da CACHOEIRA DOS RATES, no Ribeirão do Carmo, aos pés do Morro do Cruzeiro, no imenso sertão dos Cataguazes.
Anônimo disse…
Respondendo com os dados de que o Projeto Partilha conhece. O projeto só mantêm os dados, em função de sua busca por MARIA DA PENHA ou PENA/PENNA, mulher de JOSÉ DA COSTA MORAES, filho de MANOEL ANTONIO RATES, primeiro morador na CACHOEIRA do Ribeirão do Carmo, que desagua no RIBEIRÃO DO COURO DO CERVO. (rio do Cervo e Rio Grande).

A referência está na confirmação da Sesmaria FAVACHO E INGAHY, "sita na sua maior extensão na freguesia de Baependi, e em uma pequena parte na das Carrancas do termo da Vila de São João del-Rey, Comarca do Rio das Mortes, cuja fazenda comparara ao Capitão José Francisco Nunes, que a possuíra com o título de sesmaria, que se lhe perdeu; as quais terras confrontavam de uma parte com terras de LLUIZ FREIRE de SOUZA, por outra com as de JOSÉ GARCIA DUARTE, por outra com as de João Francisco Junqueira, por outra com Ignácio Franco Torres, e finalmente com outras com as do Alferes JOÃO GONÇALVES PENHA, e com as de Manuel Dias Maia, e compreendiam o espaço de duas léguas e meia em quadra".

Cf. p.49, MATTOS, José Américo de
Família Junqueira: sua história e genealogia. Rio de Janeiro: Família Junqueira, 2004. 5 v. (2000p). ISBN 85-98504-01-7
Anônimo disse…
José Vieira de Almeida encaminhou seu pedido à CAMARA DOS PROPRIETÁRIOS EM LISBOA, aos 18 de janeiro de 1762.
Anônimo disse…
Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência - PROERD, forma alunos em CARMO DA CACHOEIRA, Minas Gerais.

A cerimônia de entrega de diplomas aconteceu hoje, no horário das 17:30, deste dia 23 de outubro de 2008, na Casa da Criança Cachoeirense, Praça Santo Antonio - s/n - Carmo da Cachoeira, Minas Gerais.
Estavam presentes a solenidade de formatura dos alunos do PROERD, entre outros integrantes da Polícia Militar, o terceiro Sargento, PM Gilberto Carlos dos Santos, o vice-prefeito, Hélio Pereira de Souza, o presidente da Câmara Municipal, Walmir Caldeira, a secretária da Educação. professsora Suely Duque Rodarte, supervisores, coordenadores, diretoras, professoras das Escola Municipais e particulares, pais, representantes de organizações não governamentais e população em geral.
A solenidade foi aberta com o HINO NACIONAL, interpretado pela Banda Cachoeirense. Pontos altos da cerimônia foram, o juramento e a a entrega de medalhas aos alunos que, de uma forma ou outra, se destacaram durante os 3 meses de curso.
Parabéns aos formandos e sua instrutora - do PROERD, a Prefeitura Municipal de Carmo da Cachoeira, aos pais, professores, diretores, aos policiais e a todos os presentes.
Anônimo disse…
Continuação. Alguns nomes que aparecem em documentos do Projeto Partilha:
João Baptista Ferreira Costa
Thomé Monteiro da Costa
Augusto Henrique d´Azevedo e Costa
Francisco de Paula Ferreira Costa
Antonio Rosa da Costa
Generosa da Costa
Gabriel Rodrigues da Costa
Joaquim Bernardes da Costa
Ortência Costa
José Severino da Costa
Braulino José da Costa
Bento José da Costa
Antonio Rodrigues da Costa
Marciano José da Costa
Antônio Hygino da Costa
José Augusto Ferreira da Costa
Anônimo disse…
Continuação. Alguns nomes que aparecem nos manuscritos do Projeto Partilha:
Maria Ângela da Cunha
Otoniel Cunha (Othoniel)
Bazilio Antônio da Cruz
Alexandrina da Cruz
João Francisco da Cruz
Antônio Caetano das Chagas
Francisco José das Chagas
Francisco Nunes das Chagas
Justiniano Francisco das Chagas
José Godinho Chagas
Francisco Dionísio das Chagas
Francisco Dinis das Chagas Diniz)
Francisco Genciano das Chagas
Antonio da Silva Chaves
Antonio Teixeira da Silva Chaves
Antonio Ferreira da Silva Chaves
Joaquim Batista Carneiro (Baptista)
Francisco Antônio Denir, casado com Prudência Carolina de Jesus
Aureliano Venâncio Diniz
Antonio de Souza Diniz
Inês Josefa das Dores
Maria das Dores
Antonio Garcia Duarte
José Floriano
Antonio Leandro Espíndola
José da Costa Faria
José Pedro Fernandes
Joaquim Fernandes
Alexandre José Pinto
Anônimo disse…
Severino Ribeiro de Rezende, em 20 de fevereiro de 1841, casou-se com dona Ignácia Leopodina da Costa. Ignácia aparece na Genealogia da Família Junqueira. Severino é filho do casal da FAZENDA DAS ABELHAS, no Distrito da Boa Vista, Joaquim Fernandes Ribeiro de Rezende e dona Jacyntha Ponciana Branquinho.
O pai de dona Ignácia Leopodina, Joaquim Bernardes da Costa (ou cap. João Bernardo da Costa, p.1093. Fam. Junq.) é citado por Guimarães, vol.1, 1990 p.214, como sendo filho de HENRIQUE DA COSTA e de dona Jerônima Maria de Jesus.

Cf. Site: Campanha MG: Primeiros moradores da cidade de Campanha - Windows Internet Explorer
http://andreluizferreira.blogspot.com/2008/08 , a seguinte informação:

HENRIQUE DA COSTA, natural de Caparica, Lisboa, casado com Jerônima Maria de Jesus, natural de Baependi e ali moradores, anteriormente.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Biografia de Maria Antonietta de Rezende.

O prefeito municipal e a secretária de Educação, Cultura e Lazer, ao assinarem a apresentação da obra: “Atlas Escolar. Histórico e Geográfico do Município de Carmo da Cachoeira – MG. Edição 2007” declararam: “ Este Atlas permite às crianças descobrirem protagonistas de sua história. Conhecendo, passam contribuir para potencializar o que ela tem de bom, preservar seu patrimônio e símbolos do passado .” D entre os símbolos , o Hino da cidade. Escrito pela Professora Maria Antonietta , encontra-se em fase de oficialização. A tradição garante a manutenção desta criação. O povo canta , reconhece o hino de sua cidade, e atento acompanha o processo de sua oficialização. A administração pública e Câmara municipal apoiam a manutenção daquilo que foi consagrado pela tradição. Dois pontos fortes na letra do hino bastam para garantir sua oficialização. O primeiro é o que diz da religiosidade presente na população e que a cada dia se torna mais revelador da identidade e vocação de Carmo da