Pular para o conteúdo principal

O Neca, Manoel Ferreira Dias, e sua mulher.


Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Próxima imagem: O GAPA e o direito de todos os seres de nosso planeta.
Imagem anterior: O Porto dos Mendes de Nepomuceno e sua Capela.

Comentários

Anônimo disse…
Este simpático casal é o Neca - Manoel Ferreira Dias, e sua mulher, da família Mendonça. Estão na Fazenda Chamusca, onde Neca nasceu. Só para lembrar, o Neca é o cidadão cachoeirense que anda pelas ruas da cidade, montado em seu belo animal e assobiando, contando "causos". A Selma está ralacionando alguns com o intuito de partilhar. Neca, o contador de "causos". Memória viva da cidade de Carmo da Cachoeira.
Anônimo disse…
O fim de semana apresenta-se promissor. Abrindo a página está o casal Neca-Selma irradiando alegria. O sol voltou a brilhar e o clima extremamente agradável neste PARAÍSO, que é Carmo da Cachoeira, Minas Gerais.
Da localização onde estão o Neca e a Selma, avista-se, e bem próximo, São Thomé das Letras, cidade limítrofe de São Bento Abade, ex-distrito de Carmo da Cachoeira, Minas Gerais.

Em São Thomé das Letras um responsável pela instrução Pública, ANTONIO CÂNDIDO DOS REIS DINAMARCO, e como fazendeiro, BATISTA CÂNDIDO DA FONSECA.
Um fim de semana iluminado a todos.
Anônimo disse…
O "Neca da Selma", nos antigamente conhecido como, "o Neca da Nenzinha", nasceu na Fazenda Chamusca, e é o contribuente e cidadão cachoeirense MANOEL FERREIRA DIAS, morador em Carmo da Cachoeira, Minas Gerais.
Neste dia primaveril e ensolarado, logo bem cedinho, Neca, Selma e o filho Júlio César, morador em Alfenas, partilham seus "CAUSOS", ao tomar o café da manhã. Num clima de alegria e descontração a família dá muitas gargalhadas, enquanto Neca fala sobre seu passado. Mas Neca diz: "não é só gargalhadas, não. Vocês precisam saber qual é a história de ERNESTO DIAS DE OLIVEIRA". O tom esverdeado da pintura na entrada da casa, torna-se mais brilhante ao receber os primeiros raios de sol, fazendo sobressair uma vida lá existente - uma trepadeira em plena floração. Suas flores lilás recebem os visitantes. O reflexo na parede esverdeada entra na cena, e o palco de espetáculos está montado. Espetáculo para quem? Para os madrugadores, animais, pássaros e pessoas, que em plena sintonia, saudam o amanhecer em CARMO DA CACHOEIRA, Minas Gerais. Flores lilás, luz e calor humano no espaço privilegiado onde vive o casal Neca e Selma, no solo mineiro da Cachoeira dos Rates.
Anônimo disse…
O Júlio César, filho de Neca e Selma, está visitando os pais neste fim de semana. Veio de Alfenas, onde estuda e trabalha, e está curtindo um fim de semana no aconchego familiar. Seu nome, "JULIO", veio em homenagem ao avô paterno - Júlio de Oliveira Dias. Aliás, tanto o Neca, como a Selma pertencem a FAMILIA DIAS. Eles são primos. E aí vem história. Quem conta é o NECA:

Acredito que, foi lá pelos anos de 1880, que meu avô ERNESTO DE OLIVEIRA DIAS saiu de Campanha onde nasceu e se criou. Foi administrar a FAZENDA FIGUEIRA, em Três Pontas, Minas Gerais. Nesta fazenda nasceu meu pai, JÚLIO DE OLIVEIRA DIAS, mais conhecido como Júlio Ernesto, em 09/JUL/1902. Anos depois, Júlio Ernesto se casou com minha mãe, MARIA FERREIRA DIAS, mais conhecida como Nenzinha Saraiva. Maria Ferreira era filha de Manoel Ferreira Avelino e sua mulher, dona Maria Batista de Souza, filha de Eugênio de Souza, irmão de seu Lica, Olimpio Virgulino de Souza.
Na Fazenda Figueira de Três Pontas viviam então, a portuguesa Cândida Azevedo de Jesus, seu Ernesto meu avô, e seus filhos. Com 12 anos meu pai - o filho Júlio, seguido de seus pais e irmãos se mudaram para a FAZENDA FARIA, município de Lavras e vizinha da FAZENDA CHAMUSCA. O momento era marcado pelo impulso desenvolvimentista, com a construção das Estações Ferroviárias. Meu pai, trabalhou na construção da Estação Faria. Entre muitos amigos, minha família tinha uns muito especiais. Era a FAMÍLIA ERMETTO (Ermeto). Hoje, o nome Ermeto, em Lavras, está ligada a tradicional farmácia lá existente. Através desta família, e por meio dela, é que meu pai, lá pelos anos de 1916/20, conseguiu emprego bom e foi inserido num mercado de trabalho mais promissor e fora da construção civil. O emprego foi numa fábrica de tecidos existente em Lavras. Esta fábrica foi transferida posteriormente para Itajuba, Minas Gerais. Regulamentada em 1925, esta empresa recebeu o nome de INDÚSTRIA TEXTIL OLIVEIRA, ainda existente e de propriedade de Rogério de Paula Mascarenhas. Ficava na ÁGUA LIMPA que, segundo meu pai contava, ficava a meia hora da divisa com o Estado de São Paulo, num percurso feito a cavalo. Na ÁGUA LIMPA, hoje nome de um bairro, ficava também o Quarto Batalhão de Engenharia de Combatentes. Foi ali instalado, vindo do Rio Grande do Sul e atendendo uma necessidade a de segurança e com finalidade estratégica. Chegou no local em 1921, quando meu pai havia recém chegado ao local, e estava tralhando na indústria têxtil. Água Limpa é Distrito de Itajubá, e onde nasce o RIO SAPUCAÍ, na Serra do Piquete. Está aí instalada, também, a Usina Luiz Dias, que se chegou ao local para fornecer energia para indústria de tecido CODORNA (1916/1920). Esta pequena indústria foi absorvida logo depois pela presença de muitas outras do mesmo setor. Esta é a ITAJUBA de meu pai. A ITAJUBÁ dos trilhos, da antiga ferrovia aos pés da Serra do Piquete, hoje o Museu Venceslau Braz. Hoje, o Museu é municipal e a ferrovia, pertence ao governo estadual. A ITAJUBÁ, dos prédios construídos em estilo inglês, e que, nada tem de parecido com a Itajubá moderna como a conhecemos hoje. Naquela Itajuba antiga, Júlio, meu pai, se alistou para servir o exército, aliás, SERVIR SUA PÁTRIA. Em 1922, Júlio foi servir sua Pátria em Juazeiro do Norte/Bahia. Foi momento de tumulto no Brasil. Durante o período que lá esteve contraiu "maleita", e ficou internado durante 3 anos. Curado, voltou para seu Batalhão e na função de cabo especializado em eletricidade. Ficou aí até sua baixa, no ano de 1934. Como aposentado trabalho na Fazenda Chamusca, Carmo da Cachoeira, Minas Gerais durante mas 35 anos, quando veio a falecer, no ano de 1972.
Anônimo disse…
Dados manuscritos do Livro Fábrica n.1. Freguesia do Carmo da Cachoeira, Minas Gerais. Na íntegra, fl. 27, mantendo as repetições de nomes, conforme o registro original. São eles:
Joaquim Fernandes dos Reis
João Antonio Naves
Maria Francelina de Rezende
Joaquim de Rezende Branquinho
Antonio Justiniano dos Reis
José dos Reis Silva Sobrinho
Marianna Clara de Gouvêa
José Alves de Figueiredo
Maria Cândida de Jesus
Antonio Alphonso Correia (Afonso)
Gabriel José Junqueira Júnior
Francisco de Paula Rezende
Marciano Florêncio Pereira
Manoel Antonio dos Reis
Francisco Alves da Costa
José Marciano da Costa
Banto Esaú dos Santos
João da Matta Ribeiro
José do Carmo
José Dias Ferreira
Urbano dos Reis Silva
Manoel de Sousa Reis
Felícia Generosa Figueiredo
Casimiro Gonçalves Pimentel
Joaquim Flávio da Costa
André Martins de Andrade Junqueira
Joaquim Pedro de Rezende.
Anônimo disse…
Manoel de Souza Reis foi casado com dona Mariana Deolinda, filho do alferes (não confundir como o capitão do mesmo nome) Manoel dos Reis e Silva, casado com dona Ana Generosa de Meireles, falecido em 1874. No inventário lê-se, entre os herdeiros: " Neto - Manoel, 2 anos, filho da herdeira ANA GENEROSA, casada com Bento Esaú dos Santos, tutor de seu filho. Na "Fazenda da Cachoeira", distrito de Carmo da Cachoeira. Termo de Lavras".
Cf. Projeto compartilhar.
Anônimo disse…
Gabriel Ribeiro (Junqueira?) aparece no livro fabrica n. l, quitando a quantia de 10$000, no ano de 1875.

Cf. dados de Gabriel no Projeto compartilhar.
Anônimo disse…
Joaquim José da Costa, no ano de 1875, aparece no livro Fábrica de Carmo da Cachoeira, Minas Gerais, e na coluna de RECEBIDOS, consta a quantia de 10$000.

Arquivo

Mostrar mais

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiro s ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” T odos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cump

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

Diácono Romário - Ordenação Presbiterial

 A Diocese de Januária, minha família e eu, Diácono Romário de Souza Lima temos a grata satisfação de convidar você e sua família para participarem da Solene Celebração Eucarística, na qual serei ordenado sacerdote pela imposição das mãos e Oração Consecratória do Exmo. Revmo. Dom José Moreira da Silva, bispo diocesano, para o serviço de Deus e do seu povo. Dia 18 de maio de 2022. às 19h, na Catedral Nossa Senhora das Dores em Januária - MG Primeiras Missas 19 de maio às 19hs na Catedral Nª Srª das Dores 20 de maio às 19hs na  Comunidade Santa Terezinha de Januária 21 de maio às 19hs na Comunidade Divino Espírito Santo em Januária Contatos: (38) 99986-6552 e martimdm1@gmail.com Reflexão: João 21, 15 - Disse Jesus a Pedro: "Apascenta meus Cordeiros" Texto de Gledes  D' Aparecida Reis Geovanini O cordeiro é o filhote da ovelha. É conhecido como dócil, manso, obediente. É o símbolo da obediência e submissão. Apascentar refere-se a alimentar, cuidar, proteger e orientar, fu

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A origem do sobrenome da família Rattes

Fico inclinado a considerar duas possibilidades para a origem do sobrenome Rates ou Rattes : se toponímica, deriva da freguesia portuguesa de Rates, no concelho de Póvoa de Varzim; se antropomórfica, advém da palavra ratto (ou ratti , no plural), que em italiano e significa “rato”, designando agilidade e rapidez em heráldica. Parecendo certo que as referências mais remotas que se tem no Brasil apontam a Pedro de Rates Henequim e Manoel Antonio Rates . Na Europa antiga, de um modo geral, não existia o sobrenome (patronímico ou nome de família). Muitas pessoas eram conhecidas pelo seu nome associado à sua origem geográfica, seja o nome de sua cidade ou do seu feudo: Pedro de Rates, Juan de Toledo; Louis de Borgonha; John York, entre outros. No Brasil, imigrantes adotaram como patronímico o nome da região de origem. Por conta disso, concentrarei as pesquisas em Portugal, direção que me parece mais coerente com a história. Carmo da Cachoeira não é a única localidade cujo nome está vincul

Distrito do Palmital em Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. O importante Guia do Município de Carmo da Cachoeira , periódico de informações e instrumento de consulta de todos os cidadãos cachoeirenses, publicou um grupo de fotos onde mostra os principais pontos turísticos, culturais da cidade. Próxima imagem: O Porto dos Mendes de Nepomuceno e sua Capela. Imagem anterior: Prédio da Câmara Municipal de Varginha em 1920.

Simpósio Filosófico-Teológico em Mariana

Aproxima-se a conclusão das obras de restauração na Catedral Basílica de Nossa Senhora da Assunção, Igreja Mãe de nossa Arquidiocese. Trata-se de expressivo monumento religioso, histórico e artístico, tombado no âmbito federal pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). A Arquidiocese de Mariana, a Faculdade Dom Luciano Mendes (FDLM) e o Instituto Teológico São José (ITSJ) organizam este Simpósio com o objetivo de refletir sobre os trabalhos de restauro que em breve serão entregues à comunidade, bem como debater o significado deste templo, em relação aos aspectos teológicos e sua importância artística e arquitetônica em mais de três séculos de existência. Programação : de 25 à 27 DE MAIO DE 2022 25/05/2022 – Quarta-feira Local: Seminário Maior São José-Instituto de Teologia 19h - SAUDAÇÃO INICIAL - Côn. Nédson Pereira de Assis Pároco da Catedral - Mons. Celso Murilo Sousa Reis Reitor do Seminário de Mariana - Pe. José Carlos dos Santos Diretor da Faculdade Dom

Cemitério dos Escravos em Carmo da Cachoeira no Sul de Minas Gerais

Nosso passado quilombola Jorge Villela Não há como negar a origem quilombola do povoado do Gundú , nome primitivo do Sítio da Cachoeira dos Rates , atual município de Carmo da Cachoeira. O quilombo do Gundú aparece no mapa elaborado pelo Capitão Francisco França em 1760 , por ocasião da destruição do quilombo do Cascalho , na região de Paraguaçu . No mapa o povoado do Gundú está localizado nas proximidades do encontro do ribeirão do Carmo com o ribeirão do Salto , formadores do ribeirão Couro do Cervo , este também representado no mapa do Capitão França. Qual teria sido a origem do quilombo do Gundú? Quem teria sido seu chefe? Qual é o significado da expressão Gundú? Quando o quilombo teria sido destruído? Porque ele sobreviveu na forma de povoado com 80 casas? Para responder tais questões temos que recuar no tempo, reportando-nos a um documento mais antigo que o mapa do Capitão França. Trata-se de uma carta do Capitão Mor de Baependi, Thomé Rodrigues Nogueira do Ó , dirigida ao gove

Cemitério dos Escravos de Carmo da Cachoeira

Ativistas culturais preservam nossa memória histórica Fernão Dias Paes Leme  corajosamente embora velho, atendendo ao apelo de seu rei, juntou seus índios agregados e com os seus dois filhos, com seu genro, e alguns amigos que acreditaram nele, partiu de São Paulo chefiando a maior bandeira paulista, entrando no sertão em busca da Lagoa Encantada onde estariam as tão sonhadas esmeraldas. Nesta louca aventura, o Governador das Esmeraldas foi plantando roças e deixando atrás de si “pousos”, para que outros bandeirantes pudessem sobreviver na impiedosa selva pontilhada de perigos. O sertão do Campo Grande estava localizado no trajeto dos bandeirantes quando, em 1739 , Marta Amato encontrou informações de que pertenciam a Carrancas (Freguesia de Nossa Senhora da Conceição das Carrancas ) dois cemitérios que pertenciam a essa freguesia, na Comarca do Rio das Mortes : cemitério do Campo Belo e cemitério do Deserto Dourado (hoje São Bento Abade ) . Segundo Tarcísio José Martins (1995, 1ª

Leonor Rizzi - Biografia

I tu , uma estância turística do Estado de São Paulo , viu nascer em 2 de fevereiro de 1944 a professora e genealogista Leonor Rizzi, uma descendente de imigrantes italianos da região de Gênova , cujos pais foram o ferroviário Diniz Rizzi e a costureira Malvina Demarqui Rizzi . E studou no tradicional Collégio Nossa Senhora do Patrocínio , sob os cuidados das Irmãs de São José de Chambéry ¹ . Aquele local , assim como boa parte de sua terra natal, é constituída de antigos monumentos arquitetônicos oitocentistas. Sendo também catecista e " filha de Maria ". C asou-se em 1964 com o professor Wagner Pereira da Mota e mudaram-se para a cidade de São Paulo em busca de melhores oportunidades de emprego. Lá ela ingressou no magistério público municipal, lecionando em diversos bairros da capital paulista, mas foi principalmente na década de setenta no bairro de Pirituba, no Paque Infantil Piritubinha ² , que desenvolveu uma metodologia de ensino própria que deu origem a obra &quo

Medições de Sesmarias do final do século XVIII.

1764 - Sítio Ilha de Nª Sª da Conceição da Barra - 13 - João Caetano de Abreu - SM-29 1776 - Sítio e Fazenda Santa Fé - José Marcelino de Azevedo - Bento Ferreira - SM-19 1777 - Sesmaria do Campo Bom -Tenente Luiz Gomes Salgado - Pedro da Silva - SM-18 1778 - Santana das Lavras do Funil , no Capão das Abelhas , Caminho da Campanha do Rio Verde - Cipriana Lourença de Jesus - SM-02 1779 - Paragem Moinhos - Luiza Felícia Simfroza de Bustamante - SM-MPT 1779 - Bom Jardim - Antonio Gonçalves Penha - SM-15 1779 - Fazenda Posses , São Bento do Campo Bello , Lavras , Margem do Rio do Peixe - Antonio Teixeira de Gouveia - José Bernardes de Morais - SM-15 Santana das Lavras do Funil, Serra da Boa Esperança das Três Pontas - Antonia Maria Leonarda - SM-15 1794 - Lavras do Funil, Serra da Boa Esperança, suburbios - Capitão Antonio José Ferreira - Francisco José Ferreira 1794 - Fazenda São Jerônimo e Sítio Nª Sª das Dores, aplicação, Sertão do Rio Grande - Josefa Maria Silva - SM-15 179