Pular para o conteúdo principal

O casamento arranjado e a noiva infeliz.

(...)

Chupando com prazer as fumaças do seu cigarro, Venâncio deu continuação à sua narrativa:

O apaixonado de Jacinta passou uma longa temporada sem voltar À Boa Vista. Quando a moça já respirava tranquila, julgando ter se libertado do importuno Romeu, inesperadamente ele surgiu e desta vez acompanhado de um irmão mais velho. Mas não traziam tropa, nem foram para o rancho, como de costume: foram diretamente para a casa dos Branquinhos, e naquela noite, para desespero de Jacinta, o casamento era contratado e marcado para dali a um ano. Demorou´se ainda o tropeiro com seu irmão alguns dias na Boa Vista, regressando depois para a casa de seus pais, não sei onde, creio que lá para as bandas de São Paulo.

Aqui, Venâncio fez nova pausa, reacendeu o cigarro puxou mais algumas fumaças e depois continuou:

Este nosso mundo é mesmo uma coisa interessante e cheia de contradições; a criatura humana não encontra limites para o seu egoísmo, a sua ambição e para satisfazer a esse egoísmo a essa ambição salta todos os obstáculos, muito embora nesses obstáculos esteja representada a sua própria felicidade. Viver só em busca do dinheiro e outros bens materiais, de que nos serve? O seu valor é muito relativo e os possuí-los nem sempre nos traz a tranquilidade, o bem-estar por que todos nós ansiamos. Não é verdade?

Tem toda a razão, Sr. Venâncio. Mas em vez de filosofia, preferimos a continuação de sua história, que muito nos está interessando.

Como se costuma dizer, não estou dando ponto sem nó, porque o que acabo de dizer tem a sua relação com o caso de que tratamos, como veremos em seguida; porém, antes de chegar ao desenlace, vamos ver o que acontecia durante o tempo do noivado. Jacinta, como já sabem, não concordava de modo nenhum com o casamento que lhe era imposto pelo pai e dava tratos à bola para encontrar um meio de evitar que ele se consumasse. Em duas ou três passagens de Joaquim Fernandes pela Boa Vista, ela, pelos bilhetes levados pela escrava sua confidente, dizia-lhe que tivesse confiança, que aguardasse, pois ela haveria de encontrar um modo de desmanchar o noivado. Entretanto o tempo corria, Jacinta desesperava-se e o meio de libertar-se do compromisso assumido pelo pai não aparecia.

E o tempo foi passando, passando, e finalmente chegou o dia do casamento e nada de Jacinta encontrar uma escapatória e Joaquim Fernandes lá no rancho esperando para ver onde iriam parar as coisas. Sobre as festas preparadas nada poderei dizer porque também meu bisavô não soube contar; sei apenas que quase uma semana antes começaram a chegar os convidados e não sei onde desencavaram um padre, que também aportou na Boa Vista, nas vésperas do casório. No dia anterior chegou o noivo com o seu indispensável acompanhamento, enfim tudo corria às mil maravilhas, quando despontou o dia que, para outros poderia ser de grande alegria mas, para Jacinta, seria o do seu sacrifício. Desde manhã cedinho começou a lufa-lufa, a fim de que tudo fosse preparado para o ato religiosos. A ermida, que cheguei a conhecer, fora caprichosamente ornamentada com flores de várias cores; lá do terreiro subia o cheirinho gostoso das leitoas e dos frangos assados, enquanto as cozinheiras, numa azáfama dos diabos, preparavam os quitutes para o jantar.

continua ...

Prof Wanderley Ferreira de Rezende

trecho do Livro: Gaveta Velha.

Próximo trecho: O casamento do tropeiro e a cobiçada besta branca.
Trecho anterior: O tropeiro e a história dos Branquinhos e Rezendes.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Biografia de Maria Antonietta de Rezende.

O prefeito municipal e a secretária de Educação, Cultura e Lazer, ao assinarem a apresentação da obra: “Atlas Escolar. Histórico e Geográfico do Município de Carmo da Cachoeira – MG. Edição 2007” declararam: “ Este Atlas permite às crianças descobrirem protagonistas de sua história. Conhecendo, passam contribuir para potencializar o que ela tem de bom, preservar seu patrimônio e símbolos do passado .” D entre os símbolos , o Hino da cidade. Escrito pela Professora Maria Antonietta , encontra-se em fase de oficialização. A tradição garante a manutenção desta criação. O povo canta , reconhece o hino de sua cidade, e atento acompanha o processo de sua oficialização. A administração pública e Câmara municipal apoiam a manutenção daquilo que foi consagrado pela tradição. Dois pontos fortes na letra do hino bastam para garantir sua oficialização. O primeiro é o que diz da religiosidade presente na população e que a cada dia se torna mais revelador da identidade e vocação de Carmo da

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se

A pedra de moinho da fazenda Caxambu.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Ary Silva da família Dias de Oliveira - Bueno. Imagem anterior: Nuvens sobre a tradicional fazenda Caxambu.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948