Pular para o conteúdo principal

Vida e Luz em Jesus.

Comentários

Anônimo disse…
Evolução. Eis a palavra que aponta para a transição entre o entendimento do quem é 'DEUS'. Ontem, o conceito de DEUS era sentido na forma de, como sendo um velhinho de barbas brancas, envolvido pelas nuvens imaculadas do céu. Hoje, o conceito mudou. Foi substituído pela idéia de um ser sem forma e manifestado na FORÇA, LUZ, AMOR OU SABEDORIA. Esses elementos são a representação de Deus, o Criador. É através desse novo conceito, que nossas crianças conhecerão DEUS nos dias atuais. Mudança. Apenas conceitual. A essência continua sendo a mesma. A expressão desta energia, a Crística, é a de PRESENÇA REVOLUCINÁRIA, de transformação interior, onde cada um deverá ser um ativista, no sentido de mudar-se, transformar-se. No processo de reconstrução, a argamassa a ser utilizada é a do AMOR INCONDICIONAL. A bandeira a ser levantada é a da fé, com compreensão.
Anônimo disse…
A fé cega é fruto do desconhecimento, instalada nas bases mentais dos seres humanos e deverá ser desmistificada. O educador, os leigos, o pedagogo, os catequistas, os instrutores, de mangas arregaçadas se põe em ação para reverter o processo de entendimento. Este clipe é um dos recursos. Parabéns TS Bovaris. Você foi muito feliz na escolha do material pedagógico, Aliás, você é professor?
Anônimo disse…
SOB A ÉGIDE DA ALEGORIA DO FILHO DO TROVÃO

- É o filho do trovão.
- Mata à distância.
-De longe, como alguém pode se defender?
- Estampido aqui, morte dá adiante.
- É o símbolo da covardia, do ânimo traiçoeiro.
- Milênios de pregação de amor, em palavras.
- Realidade de filho do trovão.
- O que mata de longe, sem se arricar.
- Um ser humano pleno de energia vital ...
- Exuberante, belo, vivo, coração batendo energético.
- O filho do trovão pode explodí-lo, a seu bel prazer.
- Reuniu conhecimento e tecnologia.
- Acumulou poder.
- Todo ser humano deve ser atendido em seu anseio e destino de plenitude de vida.
- Morrer bem velho.
- De acordo com o ciclo da vida.
- Mas, há "escolhidos" que se acham acima da vida e da morte.
- Quero a exuberância da vida, no século XXI.
- Sem a segmentação em escolhidos e escravos.
-Filhos do conhecimento.
- Vivendo o desejo inerente de felicidade.
A expressão mais concreta do que representa reter conhecimentos e tecnologia é usá-la para intimidação.
Anônimo disse…
CONJUNÇÃO, EQUIDADE, SIMBIOSE, SOLIDARIEDADE.

CONJUNÇÃO é união, encontro.
Se defendermos CONJUNÇÃO como um princípio filosófico, uma postura ante as situações da vida, temos que apresentar um exemplo concreto que melhor possa esclarecer as pessoas.
Vale salientar que no século XX, há pouco findo, toda a orientação de vida era voltada para o individualismo, a competitividade, você ser uma criatura destacada, acima das outras e objetivando, fundamentalmente, ter sucesso, ou seja, sobrepor-se aos outros em todos ou em qualquer aspecto.
CONJUNÇÃO indica união, encontro, até gramaticalmente, pois é a palavra invariável que liga duas orações ou dois termos semelhantes da mesma oração.
Como sera a CONJUNÇÃO numa comunidade?
Vejamos.
Temos duas casas próximas, num loteamento da periferia de uma cidade grande.
Na primeira, a moradora, com dois filhos, estabeleceu um modo de vida em que permanece no lar, somente o seu esposo sai para trabalhar. Ela preferiu ficar em casa, cuidando dos filhos.
Na segunda, a moradora trabalha fora, sai todos os dias e está, sempre, com problema de como deixar os seus três filhos protegidos e cuidados. Já houve ocasião em que os deixou a sós. Para amenizar as suas preocupações implorava à uma vizinha que desse uma olhada, de vez em quando, nas crianças.
Nessa comunidade ocorreu, então, uma união, um encontro de objetivos.
A mãe que fica em casa, transformou-a num Lar de Apoio e recebe os filhos da que sai para trabalhar.
Houve CONJUNÇÃO, união, para resolver um problema da comunidade. Houve EQUIDADE, pois as duas poderão desenvolver suas potencialidades, uma cuidando das crianças como uma crecheira e a outra, desenvolvendo o seu trabalho com mais tranquilidade.
Em realidade, as atitudes das duas traduzem uma SIMBIOSE - preceito do mundo na própria constituição do ser vivo -, temos um todo com uma realização melhor que cada uma das partes.
As mães realizadas, as crianças tranquilas, protegidas. A comunidade sem crianças soltas nas ruas, o futuro mais garantido.
Tudo aconteceu porque houve SOLIDARIEDADE entre as duas mães. A SOLIDARIEDADE é uma virtude que aparece na necessidade.
Uma pessoa abastada, ao dar uma cesta básica a um carente, em realidade não está sendo solidária, mas sim, fazendo caridade ou dando esmolas.
A SOLIDARIEDADE surge nas pessoas que passam, ou já passaram, pelas mesmas dificuldades.
Na SOLIDARIEDADE há o amor social. Não a compaixão, que é "sofrer com", mas o "fazer com".
No exemplo citado não se esperou por iniciativas governamentais, nem atitudes de políticos. Apenas se uniram, verificaram qual a potencialidade de cada uma e com SOLIDARIEDADE, - a virtude de resolver junto com os outros problemas afins - construíram, localmente, UM MUNDO MELHOR.
Neste aspecto, fizeram o que chamamos de hiper-revolução pessoal. transformaram-se pessoalmente para, com uma NOVA CONSCIÊNCIA, melhorarem a própria vida e a da comunidade.
Poe certo estão felizes e são exemplos para a multiplicação, em escala maior.
Podemos ler, no pequeno, a visão grandiosa do ser. Pequeno e grande são escalas diferentes da mesma coisa.
Numa escala um pouco maior, qualquer associação comunitária pode coordenar um trabalho semelhante ao realizado por estas mães.
Numa escala maior, qualquer pessoa identifica situações que estão carecendo desta filosofia de CONJUNÇÃO, EQUIDADE, SIMBIOSE E SOLIDARIEDADE.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Biografia de Maria Antonietta de Rezende.

O prefeito municipal e a secretária de Educação, Cultura e Lazer, ao assinarem a apresentação da obra: “Atlas Escolar. Histórico e Geográfico do Município de Carmo da Cachoeira – MG. Edição 2007” declararam: “ Este Atlas permite às crianças descobrirem protagonistas de sua história. Conhecendo, passam contribuir para potencializar o que ela tem de bom, preservar seu patrimônio e símbolos do passado .” D entre os símbolos , o Hino da cidade. Escrito pela Professora Maria Antonietta , encontra-se em fase de oficialização. A tradição garante a manutenção desta criação. O povo canta , reconhece o hino de sua cidade, e atento acompanha o processo de sua oficialização. A administração pública e Câmara municipal apoiam a manutenção daquilo que foi consagrado pela tradição. Dois pontos fortes na letra do hino bastam para garantir sua oficialização. O primeiro é o que diz da religiosidade presente na população e que a cada dia se torna mais revelador da identidade e vocação de Carmo da

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se

A pedra de moinho da fazenda Caxambu.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Ary Silva da família Dias de Oliveira - Bueno. Imagem anterior: Nuvens sobre a tradicional fazenda Caxambu.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948