Padre José Procópio Júnior em Carmo da Cachoeira

Imagem
Paróquia Nossa Senhora do Carmo sob nova guiança Editorial Sai Pe. Daniel Menezes, e assume como administrador paroquial da acolhedora cidade de Carmo da Cachoeira, em fevereiro de 2019, o Pe. José  Procópio Júnior.
"Não cabe à pedra escolher o lugar que deve ocupar no edifício. Assim também não cabe à nós criaturas ditar ao Criador o que deve acontecer em nossa vida, pois Deus é quem sabe e dispõe com sabedoria própria." − Dom Servílio Conti, IMC Como página que observa os acontecimentos neste pedaço de chão mineiro, limitado por montanhas e que, segundo o cachoeirense Padre Godinho, “todas são azuis”, registramos o remanejamento ocorrido entre padres ligados a Diocese da Campanha no ano de 2019. Entre as mudanças encontra-se a Paróquia Nossa Senhora do Carmo/Carmo da Cachoeira – MG.

Sai nosso querido Padre Daniel Menezes. Por ele continuamos a rezar e o devolvemos, entre lágrimas e a esperança de um dia tê-lo entre nós. Somos eternamente gratos e devedores. Entra, aureola…

Ermida São Domingos da Barra em Minas Gerais.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Próxima imagem: Antiga Ermida de São Domingos da Barra, Minas.
Imagem anterior: Casa sede da fazenda Duas Barras.

Comentários

Anônimo disse…
Esta é a nova Capela da Fazenda da Barra. A arquitetura, em nada representa a bela e rica Ermida do período colonial, onde foram realizados os batizados e casamentos que se encontram registrados nos livros paroquias de Lavras.
Anônimo disse…
"... De certa praxe no alvorecer da sociedade mineira dos setecentos, a concessão de cargos, patentes e sesmarias entrava em perfeito acordo com os interesses desses homens, ou melhor, fazia parte mesmo de suas estratégias de ação como, por exemplo, o auxilio a D. Antonio de Albuquerque em 1711. Tais realizações os habilitavam a solicitar honras, mercês e privilégios que juntamente com seu braço armado - negros, índios flecheiros, etc, - garantiam-lhes prerrogativas de mando, reforçavam a hierarquia excludente, reafirmavam a condição de nobreza, por fim, davam cores vivas ao caráter corporativista presente nessa sociedade". p.38 - SAECULUM - Revista de História. jan./jun. 2006.

Cf.: O Sistema de Concessão de Mercê como prática governativa no alvorecer da Sociedade Mineira Setecentista: o caso da (Re)Conquista da Praça Fluminense em 1711. Texto: Doutor Carlos Leonardo Kelmer Mathias. Doutor em História pela U.F. R.J.
clkmathias@ig.com.br

Cf. www.cchla.ufpb.br/saeculum/saeculum14.pdf
Departamento de História.
Programa de Pós-Graduação em História.
Universidade Federal da Paraíba.
Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes.
Campus Universitário - Conjunto Humanístico - Bloco V. Castelo Branco - João Pessoa - Paraíba - CEP 58.051-970 - Brasil.

Postagens mais visitadas deste blog

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.