O sargento e o alferes amigos dos negros fugidos.

Entretanto, não eram apenas os escravos das fazendas que auxiliavam os quilombolas. Há vários casos de fazendeiros que faziam a mesma coisa, interessados nos benefícios que o acoutamento dos quilombolas acarretavam.

O Alferes Antonio Moniz de Medeiros foi acusado de dar proteção a alguns escravos fugidos. Por causa de sua postura nada recomendável para o sistema escravista, foi enviada uma expedição em 1782 à região em que ele vivia. O grupo foi comandado por Pedro Gomes Barbosa e tinha como objetivo controlar os excessos cometidos pelos moradores, pelos garimpeiros e pelos escravos1. Em seu relatório afirmou que:

“...Dei busca na casa do Alferes Antonio Moniz de Medeiros, por ter notícia que na dita casa havia uma venda, aonde os negros fugidos e garimpeiros se iam prover de mantimentos; achei a dita venda, fiz tomadia em tudo quanto nela se achava, e avisei ao dito alferes para que não continuasse em ter a dita venda, como sempre até ali tinha feito; porque se eu o tornasse a achar o havia prender...”

Todavia, o Alferes tentou não se comprometer alegando que “... a venda era para os seus negros, e que não vendia a outros...” mas o comandante conhecendo o que se comentava a respeito das relações do Alferes com os quilombolas não acreditou. Para ele, não seria:

“... provável que ele sortisse uma venda de toda a qualidade de mantimentos, e com muita abundância, para vender a três ou quatro negros, que é o mais que podia ter em casa; pois os mais todos estão no contrato; mas ainda no caso de ter muitos, não há pessoa alguma que ignore o ele não vender aos seus negros; mas só aos fugidos e garimpeiros; é tanto assim que nunca deixou de haver quilombo ao pé da sua casa; e com tanta liberdade que até as suas escravas iam de dia ao quilombo conversar com os negros fugidos...”2

O mesmo fizeram na casa do Sargento Mor José Luis França. Nela, acharam a “...venda... porém não tinha mantimentos, só achei cinco barris de aguardente enterrados, os quais quebrei, e um rolo de fumo. Fiz-lhe o mesmo aviso que ao outro..3.

A expedição tentou também destruir um quilombo. Nada conseguiram porque os fugitivos “...tiveram aviso de uma fazenda que está ao pé como é costume de todos; pois a maior parte dos Quilombos estão ao pé das fazendas para destas serem providas de mantimentos e terem aviso de qualquer movimentação haja, como estes tiveram aviso, assim que foi noite fugiram, e de madrugada, indo-se dar no quilombo, não se achou pessoa alguma; seguiram-se pelo rasto todo o dia, porém não se puderam alcançar; porque eles, além de não pararem, deram aviso a dois quilombos mais que estavam no caminho, juntaram-se todos, e foram fugindo sempre; no outro dia acharam-se os anchos deles; cada quilombo tinha 9 ranchos grandes, que pareciam arraiais, e estava um quilombo de fronte do outro...”4

Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: Os índios como parte da comunidade quilombola.
Texto Anterior: Escravos e comerciantes dão abrigo aos fugitivos.

1. APM SC códice 224 Carta de 15.6.1782.
2. ibidem
3. ibidem
4. ibidem

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.

Pesquisando a genealogia italiana