Manoel Ferreira Avelino é o Mané Saraiva.

Manoel Ferreira Avelino é o Mané Saraiva de Carmo da Cachoeira, Sul de Minas Gerais. Avô do Neca, o contador de histórias, casos e causos, pelas ruas da cidade. Mané Saraiva, tropeiro, nasceu na fazenda Pinheirinho (Angahy Velho), Ingaí, Minas Gerais.

Mané Saraiva se casou com dona Maria de Souza, irmã de Eugênio de Souza, e vieram para Carmo da Cachoeira, onde até hoje estão seus descendentes. Na mais completa obra de genealogia local - a da Família Junqueira, apoiada em pesquisas realizadas pesquisas de Marta Amato encontramos referência sobre a "fazenda Berço", não só dos avós do Neca, mas também da família, conhecida como "Pratinha" de Cachoeira. Desta família saiu um representante na Câmara Municipal, para a gestão 2009/12, e morador na COHAB, irmão do Geraldinho do som e eventos (de atuação regionalizada).

Diz na referida obra que em 28 de abril de 17251, foi concedida a Antônio Rodrigues da Fonseca, morador do Caminho Velho, na paragem chamada Ingahy, quatro léguas quadradas de terras, para que nelas se criasse gado, destinado ao abastecimento da Província de Minas Gerais; e que tivessem largueza suficiente para o gado "tenham largueza de terras e pastos em que se sustentem". Segundo a obra, "É interessante assinalar que essa sesmaria ficava distante de localidade e terrenos destinados à mineração do ouro em São João del-Rei e, também, distante do Caminho Velho para não atrapalhar os viandantes mas e, principalmente, não interferir na mineração do ouro". Esta Sesmaria foi vendida ao capitão José Francisco Nunes, nascido em Guaratinguetá e casado com dona Francisca Ribeiro. Foram pais deManuel Nunes Viana, casado com Isabel Pires de Menezes (ou Joana Pires de Menezes), natural de Sorocaba e filha de Sebastião Pires de Menezes e de Domingas Assunção.

Em 1754 a Sesmaria foi vendida novamente. O novo proprietário foi o capitão José Vieira de Almeida, e aconteceu antes de 1745. Na demarcação de 15 de outubro, a Sesmaria do Favacho e Angahy já era posse "já anos antes estava ele Suplicante, na mais pacífica posse da sobredita sesmaria ..." e nela já havia construído sete casas de morada, engenho de pilões para fazer farinha e criava gado. Entre as casas a capela - a de São José do Favacho. José Vieira de Almeida era casado com dona Ana Maria de Oliveira. O casal desistiu de 2 léguas e meia. Segundo José Américo Junqueira de Matos, "A légua e meia restante penso ser razoável supor a ser da fazenda Angahy, de propriedade de João de Souza Meirelles e Marianna Antônia de Jesus" o patriarca da família Souza Meirelles.

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Próxima matéria: O Engahy e o Caminho Velho sul-mineiro.
Artigo Anterior: Francisco de Assis de Oliveira de Carmo da Cachoeira.

1. fls.189 do Livro de Sesmarias, lavrada em Vila Rica - atual Ouro Preto, lavrada em 03/05/1725.

Comentários

projeto partilha disse…
O BARÃO DE INGAÍ, TEM SANGUE DA FAMÍLIA MORAES.

CUSTÓDIO DE SOUZA PINTO, filho de José Andrade Peixoto e neto paterno de MARIA DE MORAES RIBEIRO e ANTONIO DE BRITO PEIXOTO. Foi casado com Ana Esméria de Andrade.

Cf. Inventário e Testamento de Maria de Morais Ribeiro - Windows Internet Explorer.
http://www.genealogia,villasboas.nom.br/

fls.254 "Dizem Mariana Vitória do Nascimento, viúva de José de Andrade Peixoto como tutora de seus filhos (...) Custódio de Souza Pinto; José Joaquim de Andrade; Ana Esméria de Andrade; Francisco de Andrade; Rita Maria de Andrade; Maria Marcelina do Nascimento ..."
projeto partilha disse…
Importante não deixar de perceber, para poder diferenciar ANGAHY presente em duas situações geográficas: "o debaixo"
"o velho", segundo como consta no mapa que se tornou o referencial de busca do projeto Partilha.

Uma, a Fazenda Angahy de João de Souza Meirelles, e citada no auto de confirmação de Sesmaria, no ano de 1766 (ver Família Junqueira). Esta fica nas imediãções de Baependi, Encruzilhada, entre outras, e foi denominada, no referido auto de demarcação com ANGAHY DEBAIXO;

Outra, cuja Fundação foi atribuída a Francisco Pinto de Souza.

Cf. Ingaí - Minas Gerais. Windows Internet Explorer
http://wikimapia.org/4596126/pt/Inga ...

Márcio Salviano Vilela, em sua obra "A Formação Histórica dos Campos de Sant`Ana das lavras do Funil", p.182 diz:

INGAÍ

O antigo arraial do ANGAHY, primitivo nome de Ingaí, também surgiu na rota das bandeiras e mineradores que desbravaram as Minas Gerais.
O distrito foi criado em 23 de maio de 1833 cuja sede foi transferida em 1890 para o lugar denominado PINHEIRINHOS. Reza a tradição que, nessa ocasião, havia ocorrido uma desavença entre os habitantes do arraial da Ponte, onde alguns moradores, entre eles, o Capitão FRANCISCO PINTO DE SOUZA, resolveram sair desse povoado e iniciar um outro no lugar conhecido por Aliança, em que tal lugarejo cresceu e passou a chamar-se PINHEIRINHOS. No ano de 1943, novamente com o nome de Ingaí, o povoado passa a incorporar ao novo município de Itumirim. Nesse município, encontram-se as Serras da Bocaina e Negra.
O mapa utilizado pelo Projeto Partilha denomina o local como sendo, ANGAHY VELHO.

ASSIM, em nossos registros constam:
- Angahy Velho, com o Barão de Ingaí, Custódio de Souza Pinto;

- Angahy Debaixo, presente na genealogia da Família Junqueira.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.