Pular para o conteúdo principal

Imagem do Cruzeiro do Lobo Juá no Morro do Paulista.


Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Próxima imagem: Um personagem a ser identificado em Carmo da Cachoeira.
Imagem anterior: Projeto Inclusão Digital em Palmital do Cervo, Minas.

Comentários

projeto partilha disse…
Errata. tipo de erro: Conceitual.
O LOBO JUÁ, fica no Distrito da Boa Vista.

O MORRO DO PAULISTA, bem próximo da CACHOEIRA DOS RATES, no poente.

No século XVIII, nos idos anos de 1780/90, onde está Carmo da Cachoeira hoje, estava sendo formado 2 núcleos populacionais bem próximos: um, na Sesmaria de Pe. Bento, junto a Ermida de São Bento do Campo Bello, hoje, o Município de São Bento. O outro núcleo, junto a CACHOEIRA DOS RATES, em cujo horizonte se visualiza o MORRO DO PAULISTA. Os dois núcleos estavam compreendidos entre os RIOS: Verde/Peixe e o Rio Grande. Mais ao sul, o Vale do Sapucaí. No sentido Leste/oeste, o Rio Ingaí, com o Ribeirão Parapetinga e a Serra de Três Pontas. Motivos, ainda a serem pesquisados e aprofundados, definiam e determinavam uma forma de "agir e atuar do dia-a-dia", de cada um desses núcleos.

A Imagem, representada através da arte de Maurício José Nascimento, foi baseada numa foto pertencente aos arquivos dos descendentes de Antonio de Rezende Vilela (prefeito em Carmo da Cachoeira, Minas Gerais). Fica no Distrito da Boa Vista e O Morro do Paulista, na Cachoeira dos Rates.
projeto partilha disse…
Manoel Ferreira Mendes, na genealogia da Família Junqueira, p.531, descendência do Patriarca. O filho, João Francisco Junqueira.

O capitão João Francisco Junqueira, deve ter nascido provavelmente em 1759, irmão de Maria Francisca da Encarnação. Casou-se com Maria Ignácia do Espírito Santo (AMATO, diz: "é a forma como aparece nos batizados de seus filhos, ou seja, sem o sobrenome FERREIRA". Segundo Brotero (segunda edição, p.13), sua esposa era natural de Campanha - Minas Gerais. Filha única de MARIA FRANCISCA DO ESPÍRITO SANTO ou seja, Maria Francisca Ferreira, natural de Carrancas, e de seu primeiro marido, MANOEL FERREIRA MENDES.

LEMBRETE: * Miguel Antonio Rates, casou-se na Família MENDES ANDRADE.

Filhos de dona Maria Francisca do Espírito Santo, portanto netos de MANOEL FERREIRA MENDES apontados na genealogia da Família Junqueira, "tiveram 9 filhos, sendo que Maria Claudina, e Ana Dolina não deixaram descendência". No auto de prestação de contas, publicado na íntegra por Junqueira Bastos (1999,p.135-165) em que a viúva Maria Ignácia do Espírito Santo (ou Ferreira), em 14 de julho de 1818,o faz ao sargento-mor Domiciano José Monteiro de Noronha, Juiz de Órfãos da Vila de Baependi, então comarca de Carrancas, de como ela vinha administrando os bens dos órfãos: "Genoveva, com 17; Manoel, com 15 e finalmente José Frausino, com 11 anos". Na p.536 estão assim relacionados os filhos:
Maria Claudina Junqueira
João Francisco Diniz Junqueira
Ana Dolina (Honória)Junqueira
Francisco Antônio Junqueira
Helena Constança Junqueira
Genoveva Flora Junqueira
Manoel Ananias de Assis Junqueira
Major José Frauzino Junqueira.
projeto partilha disse…
Símbolo de Integração e Religiosidade: O Cruzeiro do LOBO JUÁ.

Ainda hoje, é só perguntar para descendentes da Família Branquinho/Rezende sobre esta presença e como resposta ouvir: "é lá que vamos levar água (aos pés do Cruzeiros) e pedir que a chuva venha". Fica entre uma plantação de eucalíptos, mas o pessoal sabe direitinho o ponto. Vai até lá, rega o ponto e pede chuva, na época de longa esteagem.
O CRUZEIRO foi um marco referencial de encontro, na enorme extensão territorial dos descendentes de JOSÉ JOAQUIM GOMES BRAQUINHO (leia-se - Família MORAES). O Cruzeiro ficava entre 4 fazendas: TAQUARAL, PINHEIROS, BOA VISTA e LAJE. Local de encontro para orações coletivas.
projeto partilha disse…
Continuação: alguns nomes que aparecem nos manuscritos do arquivo do Projeto Partilha:
Joaquim Rodrigues de Assis
Manoel Vicente de Assis e Marcelina Cândida de Paiva
Joaquim Rodrigues de Assis
José Felizardo de Assis
Octávio Barreto de Oliveira
Joaquim Pereira Braga
Estevam Braga
João Baptista Braga
João F. Barros
Antonio Pinto de Barros
Antonio da Costa Barros
Francisco de Paula Batista (Baptista)
Florêncio A. Batista Baptista), com 80 anos em 05/02/1866
João Ferreira Barbosa e Francelina Francisca
Manoel Joaquim Silva Bittencourt
Antonio Bittencourt (Amarante)
Silvério de Mello Botelho
Antônio Joaquim Botelho
Joaquim Bonifácio Baptista
projeto partilha disse…
Manoel Ferreira Mendes

Maria Ignácia do Espírito Santo, ou Maria Ignácia Ferreira, filha de MANOEL FERREIRA MENDES, paulista, natural de Campinas foi uma MULHER zelosa, exemplar e cuidadosa, segundo o que se lê (Fam. Junq. p.531). Em auto de Prestação de Contas executado em 1818 e 1819, "Declara Maria Ignácia: As dívidas descritas (são arrolados 19 devedores) não tem cobrado mais do que o declaro a folhas dez e onze et sequenti, porque a maior parte dos devedores são existentes na Vila de Rezende, Capitania do Rio de Janeiro, e a Constituinte em razão de seu sexo não pode por si mesma promover a dita cobrança, e conhecer quanto são dispendiosos os meios judiciais e temer entregar as ditas cobranças a algum sujeito que não só diminuísse as legítimas dos Órfãs no pagamento dos tantos por cento mas até que consumisse o líquido das cobranças por cujo motivo vagarosamente mas seguramente tem cuidado nas ditas cobranças pelas pessoas de seus filhos emancipados (cap. João Francisco Diniz Junqueira e o ten. Francisco Antônio Junqueira)"
projeto partilha disse…
Um grande patrimônio de dona MARIA IGNÁCIA FERREIRA ou Maria Ignácia do Espírito Santo, filha única de Maria do Espírito Santo e de MANOEL FERREIRA MENDES - escravos.

Cf. Fam. Junq., p.531: "Menciona ainda Maria Ignácia, a vultuosa quantia de mais três contos de réis, que lhe devia o ten. Manoel Rofino Arantes. Esclarece também as dificuldades de se cobrar o capitão-mor Manoel José de Melo, morador da Vila de Guaratinguetá, Comarca de São Paulo.
Além disso, o capitão João Francisco Junqueira (seu marido) deixou o EXPRESSIVO NÚMERO DE 43 ESCRAVOS, AVALIADOS EM 6:874$000, ou seja, esse capital tão importante que representavam os escravos era cerca de 6 vezes menor que os créditos possuídos".
projeto partilha disse…
No comentário anterior leia-se: "filha de MARIA FRANCISCA DO ESPÍRITO SANTO e de seu marido MANOEL FERREIRA MENDES", e não como constou, Maria do Espírito Santo, com omissão de Francisca".
projeto partilha disse…
Saint-Hilaire, 1822, p. 67:

"Registro da Mantiqueira, 15 de março. - O tempo esteve horrível todo o dia e como me disseram que a passagem da serra torna-se extremamente perigosa quando chove, deliberei ficar aqui.
Apesar da chuva, várias tropas que haviam tomado lugar ontem à noite no rancho puseram-se a caminho esta manhã. Pertencem a ricos particulares da vizinhança e levam fumo ao Rio de Janeiro. Um dos proprietários dessas tropas possui 300.000 cruzados, e todavia seus filhos tangem os burros. Nas comarcas de Sabará e Serro Frio, os pais fazem, muitas vezes, grandes sacrifícios para dar alguma educação aos filhos. Nesta de São João, liga-se muito menos importância à instrução. Isto provém de que os homens mais ricos desta região, como por exemplo este que acabo de citar, são europeus, que, nas suas pátrias, pertenciam às mais baixas classes da sociedade e nada aprenderam.
A ignorância não os impedia de enriquecer, gozam da consideração que se prende ao dinheiro. Não devem, por conseguinte, sentir a utilidade da educação para os filhos. Os proprietários ricos daqui têm mais ou menos o mesmo gênero de negócios que os de Minas Novas. Vão procurar negros, no Rio de Janeiro; revendem-nos a longo prazo aos cultivadores menos abastados, aceitam fumo em troca e ganham assim muitas vezes o valor de seu capital".
projeto partilha disse…
João Francisco Diniz Junqueira, neto de Manoel Ferreira Mendes e de Maria Ignácia Ferreira, ou Maria Ignácia do Espírito Santo, foi casado duas vezes. A primeira com dona Ana Hipólita Vilela, e a segunda com dona Antônia Clara de Jesus. João Francisco é nomeado tenente-coronel e chefe do Estado Maior da Guarda Nacional em Franca, segundo Briochi, 1985 p.193.
projeto partilha disse…
Dr. José Américo Junqueira Mattos, em sua obra - genealogia e história da Família Junqueira, realizada com apoio da genealogista Marta Amato, fala sobre a neta de Manoel Ferreira Mendes e Maria Francisca, Ana Dolina Junqueira (Cf. p.537 da referida obra):

"Não dispomos de documentos que comprovem a data de nascimento de Ana Dolina. Porém, sua mãe, Maria Ignácia do Espírito Santo (e ou Ferreira), por ocasião da morte de João Francisco Junqueira, seu esposo, declara (por volta de 1812) qu "Ana Dolina tinha 17 anos mais ou menos". Podemos concluir então que, Ana Dolina, nasceu por volta de 1795.
Casou-se com o ten. cel. Antônio Luís de Noronha e Silva, com quem não teve filhos. Porém, o ten. cel. Antônio Luís de Noronha e Silva fora casado em primeiras núpcias com Inácia Fortes da Silva, com quem teve uma filha, Ignácia Carolina Fortes da Silva. Ignácia Carolina casou-se com o major José Frausino, irmão de Ana Dolina. Portanto, o ten. cor. Antônio Luís de Noronha e Silva era, ao mesmo tempo, sogro e cunhado do major José Frausino. O ten. cel. Antônio Luís foi o primeiro proprietário da FAZENDA DO CAMPO LINDO", ligação com o CAVALO MANGALARGA, um dos marcos e ponto forte no antigo DISTRITO DA BOA VISTA, Lavras do Funil, Comarca do Rio das Mortes.
projeto partilha disse…
O site: Sargento mor Manoel Dias Ladeira - Windows Internet Explorer apresenta-se ricamente constituído por famílias, velhas conhecidas do Projeto Partilha. Entre elas, as "Pereira de Carvalho", a "Alves Ferreira", a "Figueiredo", descendentes de José Garcia Duarte, entre outras.
projeto partilha disse…
continuação. Nomes presentes nos manuscritos o Projeto Partilha. Alguns deles:
Maria Víctória de Carvalho
Joaquim Cândido de Carvalho
Augusto Horlense de Carvalho
Joaquim Cândido de Carvalho
José Procópio de Abreu de Carvalho
Andreza Dias de Carvalho
José Pereira de Carvalho
José Pereira de Carvalho
Anna Umbelina Villela de Carvalho
Domingos José Teixeira de Carvalho
Graciana Antônia de Carvalho
João Alves de Carvalho
Luiz Antonio de Carvalho
Adelino Eustáquio de Carvalho
José Vicente de Carvalho
Ana Luiza de Carvalho
Domingos Teixeira de Carvalho
Antonio José Gomes de Carvalho
Joaquim Ribeiro de Carvalho
Ana Alexandrina de Carvalho
Maria Theodora de Carvalho
Antonio Dias de Carvalho
Osório Brasileiro de Castro
Nair Alcina de Castro
Affonso de Oliveira Castro
José da Silveira Caldeira
Josefina Caldeira
Sebastião Caldeira.
projeto partilha disse…
Descendente como filha única Manoel Ferreira Mendes e Maria Francisca Ferreira ou do Espírito Santo, dona Maria Ignácia e seu marido, o filho primogênito do Patricarca da Família Junqueira, foram pais zelosos e atenciosos em relação a educação e a cultura a ser transmitida a seus descendentes. A obra Genealogia e Histórias da Família Junqueira, p.544, conta que João Francisco foi um homem avançado para seu tempo. Evidências disso eram as luxuosas e confortáveis casas em que vivia (incomuns na época), e o grande interesse em dar aos filhos a melhor educação possível, inclusive para as mulheres. Suas filha estudavam no Colégio Nossa Senhora do Patrocínio, em ITU, o melhor daquela época. Para se chegar até ele, eram necessários vários dias de viagem a cavalo até Mogi Mirim, de onde, então, pegava-se o trem. Por se tratar de viagem tão penosa, as meninas eram mandadas a Itu e só regressavam quando os estudos já estavam concluídos. No entanto,, por ocasião de uma epidemia de febre amarela, o Colégio Nossa Senhora do Patrocínio foi obrigado a fechar suas portas, o que obrigou João Francisco a empreender viagem para buscar duas de suas filhas que lá se encontravam: Maria Augusta e Elisa. Essa viria a ser a última viagem do valente ten. cel. João Francisco Diniz Junqueira. Quando já se encontrava a caminho de volta sentiu-se gravemente doente. Percebeu que não conseguiria concluir a viagem e procupoou-se pois estava distante e não podia abandonar as filhas sob os cuidado dos escravos e empregados. Imprimiu então esforço sobre-humano para atingir Ribeirão Preto, onde chegou em estado deplorável, quase que completamente vencido pela doença, provavelmente febre tifóide. Encontrou abrigo na casa da prima e amiga Ana Claudina, esposa de Domingos Vilela de Andrade.
projeto partilha disse…
FRANCISCO DE ASSIS DE OLIVEIRA é citado por Thomazelli, fl.150, da seguinte forma:
"Maria Rita, filha legítimo de Rita Umbelina de Cássia, irmã de Vicência, e de Francisco de Assis de Oliveira do Carmo da Cachoeira". A citação segue abaixo contextuada:
fls.137 diz: Antônia Josefa da Conceição Oliveira e Gomes Antônio do Nascimento, que encabeçam este Capítulo, foram pais de 14 filhos. O quarto, Francisco Antonio do Nascimento, com 20 anos em 1836. Casou-se com Antônia Cândida de São José, filha legítima de Francisco Gomes do Nascimento e de (?). Ele irmão de Gomes Antônio do Nascimento. Francisco Antonio havia se casado em segundas núpcias com Ana Cândida do Bom Sucesso. A filha Ana Maria (ou Teodora) da Conceição, casou-se com João Antonio de Campos, filho legítimo de Antônio Manuel de Campos e de dona Vicência Umbelina de Cássia. Pais de Persciliana Umbelina de Castro, casada em São Tomé em 28/12/1889, com Joaquim Antônio de Campos, filho legítimo de Antônio Manuel de Campos e de dona Vicência Umbelina de Cássia, seu tio, já viúvo de sua prima Maria Rita, filha legítima de Rita Umbelina de Cássia, irmã de Vicência, e de Francisco de Assis e Oliveira, do Carmo da Cachoeira. Testemunharam: Manuel José Maria Pereira e Francisco da Costa Resende.

Uma outra citação: (fls.153) "Joaquim Antônio de Campos Campos, natural de Carmo da Cachoeira, casou-se em São Thomé das Letras, em primeiras núpcias com dona Maria Rita (citada acima), filha de Francisco Assis Oliveira e de dona Rita Umbelina de Cássia, irmã de dona Vicência Umbelina".

Antônia Josefa da Conceição de Oliveira, filha legítima de ANTÔNIO LUÍS DOS SANTOS e de dona MARIA JOSEFA DA CONCEIÇÃO (fls.123), casaram-se em Campanha no ano de 1794. Dona Maria Josefa da Conceição era filha legítima de Manuel de Magalhães da Silva, natural de Aiuruoca e de dona Joana Nogueira de Jesus, natural, também de Aiuruoca.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiros ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” Todos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cumprir …

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.


Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977.
Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Aparições de Nossa Senhora em Carmo da Cachoeira.

A PADROEIRA
Senhora do Carmo
Informativo da Paróquia Nossa Senhora do CarmoEdição ExtraordináriaFEVEREIRO de2012
Carmo da Cachoeira/MG - Diocese da Campanha

NOTA DE ESCLARECIMENTO AOS PAROQUIANOS Pe. André da Cruz


Ultimamente, o fenômeno de supostas “aparições” de Nossa Senhora têm se multiplicado no, Brasil e em outros países, deixando muita gente confusa, tanto na vivência da Fé cristã, como no discernimento da veracidade dos fatos.
Como pastor dos católicos cachoeirenses ou demais participantes da Paróquia Nossa Senhora do Carmo não posso me furtar a trazer algumas reflexões e esclarecimentos de forma refletida, prudente e baseada nos subsídios doutrinais da Igreja Católica e à luz do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Dessa forma, transmito aos prezados paroquianos algumas orientações feitas pela Conferência Nacional dos Bispos no Brasil, que em seu documento “Aparições e Revelações Particulares”, afirma:
Nos últimos anos, o número de “aparições” e “revelações” particulares, princi…

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Paulo Naves dos ReisPróxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas.
Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.

Observando os mapas do Quilombo de São Gonçalo, o da Samambaia e o do Ambrózio, todos com uma duração temporal grande permitindo, em última instância, uma certa estabilidade populacional e social capaz de gerar uma sociedade mais complexa, propiciadora de elementos materiais mais duráveis, percebe-se que eles possuíam muitas semelhanças e dentre elas, a delimitação de seus territórios por fossos, estrepes e trincheiras. Neste território se dava a vida social do grupo, ou seja, as relações econômicas, sociais e provavelmente políticas. As casas dos quilombos estavam divididas entre moradias e casas para atividades específicas, como por exemplo, ferraria, casa do curtume e a casa dos pilões. No Quilombo do Campo Grande, em 1746, foi localizado mais de 600 negros vivendo com “... fortaleza, cautelas e petrechos tais que se entende pretendem se defender-se...”1Uma outra referência sobre o mesmo quilombo, afirma que os quilombolas se defenderam por mais de 24 horas, protegidos por um palan…

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Pedro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas, especialmente de Três Pontas. Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui, descendentes de Joaquina do Pompéu.Pedro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas¹. Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça.Filhos do casal:- Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza;
- Cônego Francisco da Silva Campos, ordenado em São Paulo , a 18.12.1778, foi um catequizador dos índios da Zona da Mata;
- Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09.1759;
- João Romeiro Furtado de Mendonça;
- Joaquim da Silva Campos, Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos AnjosFilhos, segundo informações de familiares:-Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos, primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira, este nascido em Lagoa Dourada³;
- Joaquim da …

Deus Pai, o Divino Espírito e a Sagrada Família.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Evando Pazini - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Manoel Antônio Teixeira da Fazenda Campestre.
Imagem anterior: Antigo telefone da fazenda da Serra.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.
Esta foto foi nos enviada por Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio).
Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Barleus e a imagem do Quilombo dos Palmares.

..., só se conhece uma imagem feita sobre Palmares durante sua existência. Trata-se da feita por Barleus1 em 1647 e reproduzida em Reis2. Infelizmente, esta imagem não possui riquezas de detalhes ou de informações. Aparentemente, trata-se de um posto de observação à beira de um rio que serve de local de pescaria coletiva.
Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: O negro aquilombado e a população colonial.
Texto Anterior: Padre Vieira e a legítima sua organização dos quilombos.
Figura: Imagem de Palmares - Barleus
1 Barleus, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.
2 REIS, João José e GOMES, Flavio dos S. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996. p. 33

A importância e o trabalho dos ferreiros.

Pode-se perceber nos mapasfeitos sobre os quilombos que o espaço interno da estrutura era usado de maneira a indicar uma provável especialização das diferentes construções. Esta espacialidade poderia indicar uma certa hierarquia social dentro da comunidade. O fato de que a casa de ferreiro (São Gonçalo), a Casa do Conselho e do Tear (Perdição), a Casa de audiência (Samambaia) e a Casa do Rei (Braço da Perdição), estarem sempre em local destacado é sugestivo. O que isto pode indicar? É possível a partir destes dados, pressupor que houvesse no interior das comunidades quilombolas uma hierarquização política e social, já que elementos que desempenhavam um papel de destaque para a manutenção dos grupos claramente tinham seu espaço físico igualmente destacado.
O caso das Casas de ferreiro que aparecem no quilombo da Samambaia e no de São Gonçalo é curioso porque pode nos remete à uma prática antiga na África, ou seja, o uso do metal. É provável que os quilombolas utilizaram-se desse conhec…