Pular para o conteúdo principal

“Baba Yetu”: o Pai Nosso em Swahili

O ribeirão do Carmo em Carmo da Cachoeira.

O Ribeirão do Carmo, antigamente chamado de o Ribeirão da Capetinga (Capitinga), desagua no ribeirão do Couro do Cervo. Junto ao ribeirão do Carmo fica a Cachoeira dos Rates, bem próximo do ponto onde desagua. O poeta Fernando Pessoa falou sobre o rio de sua aldeia. Falou de forma muito especial que nos induziu, hoje, ousar fazer uma homenagem ao nosso ribeirão através de suas palavras. O nosso, fica no Sul das Minas Gerais, e recebe as águas vindas do Ribeirão do Carmo. O Ribeirão do Carmo com sua Cachoeira - "a dos Rates" (Rattes).

Por Fernando Pessoa:

O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia,
Mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia
Porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia.

O Tejo tem grandes navios
E navega nele ainda,
Para aqueles que vêem em tudo o que lá não está,
A memória das naus.

O Tejo desce da Espanha
E o Tejo entra no mar de Portugal.
Toda a gente sabe isso.
Mas poucos sabem qual é o rio da minha aldeia
E para onde ele vai
E donde ele vem.

E por isso porque pertence a menos gente,
É mais livre e maior o rio da minha aldeia.
Pelo Tejo vai-se ao Mundo.
Para além do Tejo há a América
E a fortuna daqueles que a encontraram.

Ninguém nunca pensou no que há para além
Do rio da minha aldeia.

O rio da minha aldeia não faz pensar em nada.
Quem está ao pé dele está só ao pé dele.

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Próxima matéria: 1782, o batismo de Joaquina em Aiuruoca-MG.
Artigo Anterior: A família Moraes Raposo entre os povoadores.

Comentários

Anônimo disse…
O RIBEIRÃO DO CARMO. Inicio de nossa história. Aí a casa de MANOEL ANTONIO RATES. No fundo da casa o referido Ribeirão.

ONDE ESTARÃO OS RESTOS MORTAIS DE MANOEL ANTONIO RATES (Rattes)/ "de Rates")?

Incansavelmente gerações tem implementado buscas. Temos convicção que se os documentos não contarem a história que buscamos a terra a contará. Ela guardam, neste livro SAGRADO, a verdadeira história.
Anônimo disse…
"Pés de moleque", ninguém segura, olhos de observador, também não. Um, está na natureza da criança, o outro, no tom embutido dentro de cada homem. Aqui em Cachoeira, caminharam juntos na mesma criança, o menino jogador de bolas e o obervador, das formas, da terra, do ambiente. Jorge Fernando Vilela, não é simples engenheiro. É ARQUITETO. Vê a forma no ambiente. É também pesquisador. Foi este menino que um dia, um pouco intimidado ousou perguntar ao Pe. Manoel: "porque, aqui onde jogamos bola, alguns lugares estão rebaixados?".
Anônimo disse…
O Projeto Partilha recebeu uma contribuição muito importante e gostaria de registrar seu mais profundo agradecimento pela comunicação.

FRANCISCO DA COSTA.

o internauta nos orienta para buscar informações disponibilizadas. Dona ISABEL ROSA DE JESUS foi casada com Francisco da Costa, inventariado no ano de 1746. Seu inventário está arquivado no Museu Regional de São João del Rei, e está disponibilizado pelo PROJETO COMPARTILHAR.

"Na Paragem do RIO GRANDE ACIMA e o Sítio chamado SARDINHA que é de propriedade de FRANCISCO DA COSTA.
Anônimo disse…
MANOEL ANTÔNIO RATES está enterrado no cemitério existente em seu próprio Sítio, ou, o que é menos provável, em São Bento do Campo Belo. É com esta convicção que Jorge Fernando, autor de O SERTÃO DO CAMPO VELHO, se refere ao comentar sobre a questão do antigo cemitério na CACHOEIRA. Quando o Projeto Partilha visitou a biblioteca particular do Prof. Wanderley Ferreira de Rezende, entre os pouquíssimos documentos um, e de suma importância. Em comunicação com o genealogista Ary Florenzano ele mantinha a pergunta, na qual refletia sua dúvida, "você sabe onde ficava o primeiro cemitério de Cachoeira?". Gostaria ele de deixar registrada, e comprovada a presença que a linguagem oral vinha transmitindo.
O Projeto Partilha enquanto buscava os depoimentos ouviu muitos relatos nesse sentido e registrou algumas falas. Assim, não há dificuldade nenhuma em fechar posição com Jorge Fernando Vilela. Havia um cemitério em Cachoeira, 50 anos antes da morte de Manoel dos Reis Silva, no ano de 1844. Este antigo cemitério ficava no Sítio Cachoeira, de Manoel Antonio Rates. Era cercado com bambus inicialmente, e depois com adobe e pedras. TIDA (in memoriam) se lembra dos fins de tarde nos domingos de sua juventude. Dizia ela: "era sentadas no muro de pedras que víamos o belíssimo "Pôr do Sol" em CACHOEIRA".
Seu GERALDO (in memoriam), irmão do preservacionista JOSÉ DA COSTA AVELAR (in memoriam), afirma categoricamente no depoimento que nos deu: "Fica ao lado do pasto do Eusébio. Lembra, José, quanta madeira tinha jogadas lá? O pessoal carregava os corpos nos ombros apoiados nessas tábuas. Enterrava o corpo no lugar cercado e jogava a tábua no pasto".
O local, do qual TIDA e GERALDO se referiam, pertence hoje a FAMÍLIA ALVES COSTA. Seu proprietário tem poucas condições, pela idade, de lembrar-de de pormenores, mas diz com firmeza e muita convicção: "lá tem tesouro enterrado". O tesouro a que se refere, certamente existe, e é de cunho cultural. Nossa maior riqueza - RESÍDUOS DE NOSSO PASSADO. Aí, em suas terras mora o passado. Aí estão nossas raízes, e ele é seu guardião. Em suas mãos este passado aguarda intacto, o momento de se revelar. Aí está, portanto, o nosso tesouro.
MARIA PEREIRA (in memoriam), durante anos a fio, e desde menina, sempre esteve como zeladora a Igreja Matriz. Seu pai lhe contava histórias sobre seu passado. Dizia ele que vinha do sítio onde moravam fazer compras no povoado. Quando terminava tarde aquilo que vinha resolver, pernoita na "Casa Nova dos Rates", quando ela funcionava como Casa Paroquial. Ela, onde morou "Ti Beja", na Rua Domingos Ribeiro de Rezende, distante do Cemitério do Sítio Cachoeira, aproximadamente 500 metros. Nessas ocasiões, sentado com amigos nos "tocos" colocados enfrente a casa, ficavam olhando a fumacinha subir do cercado de pedras e adobe. O padre dizia a eles: "não precisam ter medo, quando os corpos se deterioram soltam gases. E é isto que vocês estão vendo, só gases na atmosfera".
Dona Mariana Vilela do Espírito Santo, em 1844, possivelmente optou por enterrar seu marido onde gostaria também de ver seu corpo enterrado, como foi, na Capela de Nossa Senhora do Carmo. Certamente, a capela foi construída por ela, pequena capelinha sobre o túmulo marido. O professor Wanderley diz das dificuldades encontradas de se transportar os restos mortais do capitão Manoel, ocorrido novembro, época das águas.

Postagens mais visitadas deste blog

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Hino do Centenário de Carmo da Cachoeira

letra: Haroldo Ambrósio Caldeira música: Álvaro Arcanjo Athaíde interpretação: Glória Caldeira teclado: Teresa Maciel do Nascimento estúdio de som: João Paulo Alves Costa - DjeCia edição de vídeo: Rícard Wagner Rizzi Letra do Hino do Centenário Cem anos de existência bem vivido Cantemos este hino de alegria Saudando essa data memorável do nosso centenário nesse dia. Cachoeira, Carmo da Cachoeira, Berço de um povo acolhedor Ergue hoje um pavilhão Rendendo Graças ao Senhor.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Biografia de Maria Antonietta de Rezende

Tendo como berço Carmo da Cachoeira, Maria Antonietta Rezende , nasceu a 9 de outubro de 1934 no seio de uma das mais tradicionais famílias do município – a Família Rezende . A professora Maria Antonietta deixou seu legado, o “modelo de compromisso e envolvimento com a terra em que nasceu” . Trabalhou consciências, procurando desenvolvê-las, elevá-las. Fazia isto com seus alunos, com os componentes dos grupos musicais que coordenava, com as crianças ligadas à Igreja, enfim, com toda população. Foi um exemplo vivo de “compromisso com a tradição” e um elo da longa corrente que chegou até nós neste ano comemorativo. Fez sua parte. Nós fazemos a nossa – manter a tradição. No dia-a-dia deixou o exemplo de vida e através de publicações, sua visão de mundo. Editou “Evocações daqui e de além” , “Encontro e desencontros” e “Coletânea de hinos litúrgicos” . Dedicou sua vida ao estudo, à educação e à sua Igreja, como catequista, cantora e liturgista. Patrick A. Carvalho, ao prefaciar sua obra “

A pedra de moinho da fazenda Caxambu.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Ary Silva da família Dias de Oliveira - Bueno. Imagem anterior: Nuvens sobre a tradicional fazenda Caxambu.

Rostos na multidão na antiga Carmo da Cachoeira

Se você deseja compreender completamente a história (...), analise cuidadosamente os retratos. Há sempre no rosto das pessoas alguma coisa de história da sua época a ser lida, se soubermos como ler. — Giovanni Morelli Cônego Manoel Francisco Maciel presente a cerimônia ao lado da Igreja da Matriz