Pular para o conteúdo principal

Terno de Congada, uma festa afro cachoeirense.


Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Próxima imagem: Mensagem de Natal da Câmara Municipal.
Imagem anterior: Bandeira da Congada de São Benedito.

Comentários

Anônimo disse…
PASTORAL NEGRA DE CARMO DA CACHOEIRA.

Este evento ocorreu no dia 30 de novembro deste ano. Foi a Festa da Congada em homenagem a São Benedito e Nossa Senhora do Rosário. Sob a idealização e coordenação de Mauro Benedito Filho. O que se vê na foto, é o Terno de Congada Moçambique, da cidade de Oliveira, Minas Gerais, no momento final e que encerravam-se as atividades do dia, depois da Cerimônia do Descimento do Mastro, que foi dirigida pelo Terno de Congada Cachoeirense.
Hoje pela manhã, tivemos oportunidade de falar ao telefone com Eloisa, do setor de comunicações do Grupo Moçambique. Pediu que enviasse as internautas os votos de um FELIZ NATAL. Reiterou o pedido deixado por eles quando de sua visita a Carmo da Cachoeira: "Que outras oportunidades nos sejam oferecidas, e que a Cultura da cidade de Cachoeira não se esqueça de nós".
Anônimo disse…
O Projeto Partilha agradece a presença do Terno de Congada Moçambique. Faz votos de que novas oportunidades lhe seja dada. Lembrando a todos sobre as nossas origens, QUILOMBO, cuja cultura JAMAIS deveria ser esquecida. PAI PAULO, cujo nome deu origem ao nome de uma CACHOEIRA DA CIDADE, é um nome que carece ser estudado. Líder de Quilombo aqui esteve,no entanto, não foi aqui que morreu em defesa de seu povo. Uma homenagem justa seria o TERNO DE CONGADA de Cachoeira levar o seu nome. Ficaria assim:

TERNO DE CONGADA PAI PAULO.
CARMO DA CACHOEIRA-Minas Gerais.

Com muito orgulho, gratidão, reverência e satisfação, fica a sugestão.
Anônimo disse…
"A festa realizou-se pelo grande esforço do organizador e pela ajuda da comunidade.
No entanto, percebe-se a necessidade de apoio e organização para o TERNO (PAI PAULO?)de nossa cidade para que não deixemos acabar suas culturas e tradições".
Anônimo disse…
O TERNO DE CONGADA DE CACHOEIRA chama-se TERNO DE CONGADA DE CACHOEIRA PAI PAULO? Legal. Só tem uma coisa. Vamos ensinar direitinho o povo a pronunciar PAI PAULO, e não Pai Polo, como muitos dizem. O nome do líder deve ser dito com todas as letras. Ei, Mauro Benedito e Ana Paula, o que vocês acham disto. Jorge Fernando Vilela já tem uma parte da história deste líder escrita. Tem acompanhado seus passos e suas lutas. Que tal vocês conversarem com ele. É um bom começo, vocês não acham? Falem também com o Júnior Caldeira. Ontem, ele se prontificou a servir "de ponte" para manifestar, junto ao grupo de transição governamental a que pertence, propostas de inserção cultural.
Pensem com carinho neste assunto. É uma forma de IMORTALIZAR o grande lutar pelo QUILOMBO GONDU.
Anônimo disse…
Vamos ouvir Dr. Tarcísio José Martins. Obra - Quilombo do Campo Grande. A História de Minas, Roubada do Povo. Gazeta Maçonica. 1995. São Paulo.

Lembrando que, no ano de 2005, ao fazer o pedido de envio de exemplares, gratuitamente ofertados pelo autor, foi lembrado a ele da necessidade de mais de um exemplar, lembrando de que seria importante que a biblioteca da cidade e a Biblioteca da Casa da Cultura Maria Antonieta de Rezende (na ocasião era uma sala dentro da Escola prof. Wanderley Ferreira de Rezende), e a prof. de História da cidade, na ocasião a prof. Marcia Avelar, necessitariam de exemplares. Dr. Tarcísio prontamente nos atendeu o pedido, e eu, pessoalmente fiz a entrega da referida obra nos pontos citados. Assim, Mauro Benedito e Ana Paula, é só ir lá e conferir o que o Dr. Tarcísio coloca, na p.177:

"Vejamos, portanto, uma a uma, as indicações do mapa do capitão França em confronto com o levantamento topográfico.

O ribeirão do "Servo" desagua na margem esquerda do rio Grande. Suas nascentes, segundo o mapa de França, ficam próximas ou no rumo da serra das Carrancas; apresenta DOIS afluentes esquerdos. O primeiro deles, que é o ribeirão do Couro do "Servo", se bifurca em suas nascentes, tendo a nascente esquerda próxima do ribeirão das Araras e a nascente direita apontando para o sopé da serra das Carrancas. O Quilombo do GONDU é apontado dentro desta forquilha.
LOCALIZAÇÃO
Sudoeste do município de CARMO DA CACHOEIRA.

Evidências
O riberão do Couro do Cervo, apontado por França, é hoje o ribeirão do Carmo. Em frente à Fazenda Nestle, que fica na margem direita, esse ribeirão tem o nome de ribeirão do Salto; a Oeste do município recebe na sua margem esquerda um afluente que advém de três outros:
a) - rio do Carmo;
b) - ribeirão do Carmo;
c) - ribeirão São Marcos.
O local onde se situa a Fazenda Nestle é chamado "Couro do Cervo", nome que, aliás, foi adotado por esta fazenda. A forquilha dos ribeirotes fica, mais ou menos, à latitude 21 graus 27' e longitude 45graus 23/25'.
Segundo Dicionário Aurélio, GUNDU, palavra de origem africana, s.f., significa 'excrescências ósseas que se desenvolvem simetricamente sobre os ossos próprios de nariz e maxilar superior'. Como se vê, um ribeirão chama-se "do Servo" e, outro, "do Couro do Servo". Um cervo SEM o couro seria a caveira de um cervo; neste tipo de animal, a cava existente no lugar do nariz em sua caveira é o que há de mais notório.

OUTRA EVIDÊNCIA
Registramos, também, à margem direita do ribeirão do Salto, um "ribeirão do Paiol", cujas nascentes ficam à latitude 21 graus e 29' e longitude 45 graus 08'. Este pode ser o Paiol do QUILOMBO DO GONDU. É curioso notar que, apesar de povoado (tinha 80 casas) não consta do mapa de França a indicação (roteiro) de que este QUILOMBO DE CARMO DA CACHOEIRA tenha sido atacado.


Gostaríamos de agradecer imensamente ao Dr. Tarcísio José Martins, e lhe dizer neste Natal de 2008, o quanto seu trabalho tem sido importante para o desenvolvimento de nossa busca.
FRATERNALMENTE,
PROJETO PARTILHA.
Anônimo disse…
Como apreendemos da leitura de Quilombo do Campo Grande, na obra de Tarcísio José Martins, o Quilombo Gondu, não aparecia no mapa do Capitão França. A que período corresponde a investida contra os Quilombos? O Dicionário de Bandeirantes e Sertanistas do Brasil, de Francisco de Assis de Carvalho Franco. Itatiaia/EDUSP. 18 1989, p.170 diz: "Sertanistas das Minas Gerais que por ordem do governo datada de 2 de setembro de 1760, andou juntamente com o guardamor Diogo Bueno da Fonseca, pela Região do Campo Grande, fazendo pesquisas de minas de ouro".

Em relação a distribuição de Sesmaria, em nossa região de estudo, encontra-se as em nome de Pe. José Bento Ferreira (1752), e a de DOMINGOS LEYTÃO COELHO, em 17-04-1750. Cita a área de sertão e os rios Cervo e o do Couro do Cervo.
Anônimo disse…
Um guerreiro, amante da Liberdade, da República e da Dignidade do Brasil faz parte de nossa gente, os "BUENO DA FONSECA", mais especificamente da descendência de Gertrudes de Siqueira. Nilson Naves o apresentou em seu estudo. Trata-se do neto de SALVADOR BUENO DA FONSECA, o ANTONIO DE SOUZA NETO, falecido em 1866 em Corrientes, filho de José de Souza Neto e de dona Teotônia Bueno da Fonseca, nascida em Vacaria. Neto paterno de Francisco de Souza Soares e de dona Ana Alexandra Fernandes. Neto materno de SALVADOR BUENO DA FONSECA e de sua prima, nascida em Itu (SP), Ignácia Antonia de Araújo da Rocha.
Anônimo disse…
A REVOLUÇÃO FARROPILHA ou Guerra dos Farrapos.

O General ANTÔNIO DE SOUZA NETO, neto de Salvador Bueno da Fonseca, teria 205 anos neste ano de 2008. O bicentenário de seu nascimento aconteceu no ano de 2003 (1803 - 1866). Foi o proclamador da República Riograndense e comandante da Vanguarda do Exército de Osório na invasão do Paraguai e da atuação destacada na vitória brasileira em Tuiuti, em 24 de maio de 1866, a maior batalha campal da América do Sul.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Biografia de Maria Antonietta de Rezende

Tendo como berço Carmo da Cachoeira, Maria Antonietta Rezende , nasceu a 9 de outubro de 1934 no seio de uma das mais tradicionais famílias do município – a Família Rezende . A professora Maria Antonietta deixou seu legado, o “modelo de compromisso e envolvimento com a terra em que nasceu” . Trabalhou consciências, procurando desenvolvê-las, elevá-las. Fazia isto com seus alunos, com os componentes dos grupos musicais que coordenava, com as crianças ligadas à Igreja, enfim, com toda população. Foi um exemplo vivo de “compromisso com a tradição” e um elo da longa corrente que chegou até nós neste ano comemorativo. Fez sua parte. Nós fazemos a nossa – manter a tradição. No dia-a-dia deixou o exemplo de vida e através de publicações, sua visão de mundo. Editou “Evocações daqui e de além” , “Encontro e desencontros” e “Coletânea de hinos litúrgicos” . Dedicou sua vida ao estudo, à educação e à sua Igreja, como catequista, cantora e liturgista. Patrick A. Carvalho, ao prefaciar sua obra “

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

A pedra de moinho da fazenda Caxambu.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Ary Silva da família Dias de Oliveira - Bueno. Imagem anterior: Nuvens sobre a tradicional fazenda Caxambu.

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se