Pular para o conteúdo principal

Mapa de 1898 da região de Lavras.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Próxima imagem: Mapa parcial do Rio das Mortes de 1898.
Imagem anterior: Fé no Sul de Minas, do Pe. Victor à Nhá Chica.

Comentários

Anônimo disse…
Esta primeira parte, e publicada acima nos mostra várias trajetórias. No caminho das águas o Rio Grande, na altura da Barra do Ribeirão Vermelho com o Ribeirão do mesmo nome. Nesta região, hoje situa-se o Município de Ribeirão Vermelho. Mais acima, a Ponte do Funil. Os caminhos terrestres que aparecem interligam vários núcleos, sendo que pode-se evidenciar a distância entre a PONTE DO FUNIL e o povoado Lavras do Funil. A Estrada de Ferro Oeste de Minas, que acompanha o Rio Grande, num de seus sentidos tem, em Ribeirão Vermelho outro terminal que segue até a cidade de Catalão, no Estado de Goiás.outro ramo liga Ribeirão Vermelho até a cidade de Barra Mansa na Central do Brasil.
Anônimo disse…
Dona Helena de Moraes foi casada como Jacome Fernandes das Neves. Helena é irmã de Teres de Moraes, casada com André do Vale Ribeiro, portanto, Helena é tia de Ângela de Moraes Ribeiro (Morais)/(Ribeira), mãe de José Joaquim Gomes Branquinho do Distrito da Boa Vista, de Lavras do Funil.
Helena é avó de Tristão Afonso Azevedo, através de seu filho José Fernandes das Neves e de sua nora Rosa Maria de Campos. Tristão se casou com dona Eulália Leodora de Miranda, nascida no ano de 1790, filha do Tenente Antônio Pinto de Miranda e de sua mulher Rosa Angélica da Conceição, moradores na Fazenda do Rio Grande do Funil, Freguesia de Lavras do Funil.

Cf. Projeto Compartilhar.
Inventário Ten. Antonio Pinto de Miranda. Ano 1794.
Anônimo disse…
Vamos ouvir MÁRCIO SALVIANO VILELA, através de sua obra, EMENTÁRIO DA HISTÓRIA DE RIBEIRÃO VERMELHO, p.15.

A navegação do Rio Grande tece seus estudos preliminares indicados em 1850, pelo Dr. José Jorge da Silva, agente executivo de Lavras, que propôs ao governo da Província de Minas o estabelecimento de uma navegação no Rio Grande, começando na barra do Ribeirão Vermelho, margem esquerda do Rio Grande, afastada de Lavras por aproximadamente 8 km. Porém, essa brilhante idéia de explorar dezenas de léguas com a navegação do Rio Grande só veio ocorrer quando o cônego Joaquim José de Sant´Ana, comendador da Ordem de Cristo e vice-presidente da Província de Minas Gerais, decretou a Lei n.2.754 de 18 de dezembro de 1880. A exploração da navegação do Rio Grande, no trecho entre a barra do Ribeirão Vermelho e a Cachoeira da Bocaina (Capetinga), no município de Puimhí, numa extensão de 208 km rio abaixo.
Nesse tempo, com a implantação da navegação do Rio Grande, forma-se o primitivo povoamento, em razão do centro comercial organizado à margem do rio, com a denominação de "PORTO ALEGRE", primeiro nome de Ribeirão Vermelho.
O estabelecimento dessa navegação, entretanto, num percurso de mais de 200 km, constituiu, igualmente, assunto de interesse da Cia. Estrada de Ferro Oeste de Minas, pelas grandes vantagens que ela poderia obter, por se tratar de uma zona banhada por um mesmo rio, de terras ubérrimas e ricas matas, sem vias de comunicação rápida e barata.
Assim, procurando meios para seu desenvolvimento, uma vez que a região percorrida era falha de recursos por ser pouco habitada, a Cia. Estrada de Ferro Oeste de Minas pensou em prolongar suas linhas, tratando logo de adquirir a concessão, então existente, de uma estrada de ferro que, partindo de São João del Rei se dirigisse a Oliveira, com um ramal para "PORTO ALEGRE".
Em 14 de abril de 1888, foi inaugurada na margem direita do Rio Grande, a Estação de Ribeirão Vermelho, na ocasião, com o nome de ESTAÇÃO DE LAVRAS.
Anônimo disse…
Uma breve retrospectiva sobre a organização territorial de Carmo da Cachoeira a época do mapa acima postado. Em 1857, cujas comemorações do Sesquicentenário ocorreram no ano passado (2007), a Capela passou a Freguesia do Carmo da Cachoeira e teve seus limites estabelecidos pela Lei, conforme publicações em postagens anteriores a esta. Continuou, no entanto, ligada a Lavras do Funil. O entendimento de que se tem, ao ver elevada a Capela existente no povoado da Cachoeira à Freguesia é o de uma mudança, ou como dizem outros, uma transferência de sede. O movimento mais intenso até então acontecia na Capela de São Bento do Campo Belo e mais próxima a sede do Distrito da Boa Vista. A sede estava instalada na Fazenda dos herdeiros de José Joaquim Gomes Branquinho. Com a Criação da Freguesia, o foco passou a ser CACHOEIRA. O nome foi alterado também. De Distrito do CARMO da Boa Vista, passou a ser, Freguesia do CARMO da Cachoeira. Na referida Lei, fazia parte da Freguesia do Carmo da Cachoeira, o Distrito de São Bento do Campo Belo, hoje, Município de São Bento Abade.
No ano de 1881, a Lei n.1785, de 22 de setembro, a Assembléia Legislativa Provincial decretou a criação do Município do Espírito Santo da Varginha, "composto da freguesia deste nome, elevada à categoria de villa, e da (Freguesia) DO CARMO DA CACHOEIRA, desmembradas, a primeira do Município de Três Pontas e a segunda do de LAVRAS".
O Livro da Lei Mineira contem a Lei de n.556 1911, de 30 de agosto de 1911. Nela, o seguinte:

As divisas do Município de Lavras são as seguintes: A partir da confluência do Rio Aiuruoca com o Rio Grande, ponto da divisa com o districto da Madre de Deus, do Município do Turvo, descendo a linha de limite a margem esquerda do Rio Grande e dividindo o Município de Lavras do Município do Turvo, até frontear a embocadura do Ribeirão das Vacas, e daí por diante dividindo o mesmo município de Lavras do de São João del Rei até frontear a embocadura do Rio das Mortes, e deste ponto em diante dividindo-o do Município de Bom Sucesso pelo mesmo Rio Grande até encontrar a divisa do Distrito de Perdões como o distrito de Ribeirão Vermelho, e seguindo por essa divisa até a confluência do córrego do Barreiro com o Rio Grande, e por este abaixo até a confluência do Rio do Cervo, limite do Distrito de São João Nepomuceno com o de Lavras; subindo, em continuação, o Rio do Cervo até a linha imaginária traçada no Mapa da Comissão Geográfica até o Rio do Peixe, e por este abaixo até a confluência do RIBEIRÃO VERMELHO, NO DISTRITO DE SÃO TOMÉ, e por este ribeirão acima até o ponto da linha imaginária traçada no mesmo mapa, e com as alterações ultimamente feitas e que passaram para o Município de Lavras a Fazenda do Jardim, da Viscondessa de Caldas, e outras, e deixando a linha já traçada no referido mapa, no ponto em que abandona o rio INGAÍ, próximo a Fazenda do Capim, e desse ponto continuando a subida pelo rio Ingaí até a confluência do ribeirão da Traituba, e por este acima até a Serra do Mindorim e por esta, a direita, em linha reta, até o Ribeirão dos Carneiros e descendo por este até o ribeirão dos Pitangueiras e por este abaixo até o Rio Aiuruoca, por este abaixo até a confluência com o Rio Grande, onde começou a divisa ficando incorporados ao Município todos os terrenos compreendidos dentro da demarcação assinalada.
Anônimo disse…
A Geografia do Campo Grande


Texto contido na p.171 da obra, "O Quilombo do Campo Grande". A História de Minas Gerais Roubada do Povo. Tarcísio José Martins - mineiro, autor da referida obra, advogado pela USP. Obra editada por "A Gazeta Maçonica. São Paulo.1995.

A informação primeira que nos trouxe a esperança de desvendar o mistério da localização do Quilombo do Ambrósio é dada também pelo Prof. Waldemar de Almeida Barbosa:
"(...) Ora, no mapa de todo o campo grande, tanto da parte da Conquista, que parte com a Campanha do Rio Verde e São Paulo, como do Piuí e Goiases, e no qual figuram os nossos quilombos, inclusive o de Caetés, não consta Quilombo do Creça, mas nele figura o do Careca, aliás como dos maiores, com 110 casas. Nesse mesmo mapa, em vez de Quilombo do 'Bamboí', lê-se 'Mambói'. Quer nos parecer, assim que Creça e Careca sejam o mesmo Quilombo. Questão de ortografia. Há ainda o auto de posse do Quilombo do Morro da Angola; nesse foram presos 25 negros, algumas crias, quase todos de nação Angola. Circunstância digna de registro é essa de um quilombo com predominância da mesma nacionalidade". (Negros e Quilombos em Minas Gerais, p.50).
Waldemar de Almeida Barbosa não cita a sua fonte para tais afirmativas.
Francisco de Assis Carvalho Franco menciona que "nesse mesmo ano (1760), a 26 de novembro, comunicava Bartolomeu Bueno ao governador de Minas tudo quanto fizera nas guerilhas contra os calhambolas, TENDO LEVANTADO UM MAPA, FEITO DE SEU PRÓPRIO PUNHO, COM MINUCIOSA LOCALIZAÇÃO DOS MOCAMBOS QUE DESTRUIU, PEÇA QUE LEGOU A SEU NETO VICENTE FERREIRA DE PAULO BUENO". (Dicionário de Bandeirantes e Sertanistas do Brasil", p.313).
Durante mais de cinco anos andamos a procura do citado mapa, sem nada conseguir. Finalmente, através do Dr. Hélio Gravatá, alto funcionário do APM, em Belo Horizonte, obtivemos uma cópia xerox do citado mapa contido numa das revistas do APM. A cópia, porém, era muito pequena e pouco nítida. O Dr. Gravatá, grande conhecedor da pesquisa histórica, informou-nos de que o documento original, integrante da Coleção Almeida Prado, poderia ser encontrado na Universidade de São Paulo, junto ao Instituto de Estudos Brasileiros.
Realmente, localizamos o mapa, conforme nos fora informado pelo Dr. Gravatá, sem catalogação específica e em meio a inúmeros outros mapas e desenhos. Mandamos fotografá-lo e o reproduzimos em tamanho natural de 60 cm-X-40cm. (...).
Além do mapa, o documento traz um texto-legenda explicativo que reproduzimos a seguir:

"MAPA DE TODO O CAMPO GRANDE, TANTO DA PARTE DA CONQUISTA, QUE PARTE COM A CAMPANHA DO RIO VERDE, E SÃO PAULO, COMO COM PIHUI, CABECEIRAS DO RIO DE SÃO FRANCISCO E GOISASES".

"NA ENTRADA QUE SE FEZ A PÓS sertões das conquistas do Campo Grande por ordem do ilustríssimo Sr. Conde de Bobadela, como ordenou ao capitão Antônio Francisco França, o qual agora põe na presença do ilustríssimo e Ex.mo. Sr. general Diogo Lobo da Silva, como do presente ordena o seguinte:

"Saímos da Povoação dos Buenos ao Arraial de Sta. Anna das Lavras, que são quatro léguas, de onde se prosseguiu a viagem por terra entre o Rio Grande e o Rio Verde, em partes têm de distância de um a outro de 25 a 30 léguas. Primeiramente se passaram dois ribeirotes grandes chamados Servo em rumo direito à Serra das Três Pontas, até chegar ao quilombo queimado chamado a Boa Vista,já há tempos demolido, o qual estava situado entre o Rio Verde e o Rio Grande, como se mostra no título do mapa e em todos os mais daquele continente; e fazendo-se experiência de ouro em toda aquela campanha não mostrou coisa alguma; e somente pegada a Serra da Cordilheira das Esperanças mostrou tênues faíscas, cuja diligência prosseguiu o capitão Antônio Francisco França enquanto se foi a destruir o Quilombo chamado Cascalho que se achava nas cabeceiras do Ribeirão da Conquista, o qual é de limitada faisqueira; e para cima da outra banda do Sapucaí ficam os ribeirões do Cabo Verde e Águas Claras, donde hoje é o descoberto chamado do Espíndola, e para as cabeceiras do Rio das Velhas e de S. Francisco havia feito o capitão Bartolomeu Bueno do Prado algumas experiências em que achou faisqueiras de jornal de (...) até seis vinténs por dia em dois corgos somente; e por respeito de entrarem as águas e adoecer muita gente de bexigas saímos para fora com toda a gente e cavalgaduras para o Arraial de St. Anna, deixando estradas e pontes em em todos os rios e corgos que se julga serem do Rio Sapucaí, que fica adiante do Ribeirão das Araras, até a capital de Vila Rica do Ouro Preto 50 léguas mais ou menos; embarcamos no Porto Real abaixo de Sta. Anna, pelo Rio Grande abaixo, até as cachoeiras das Esperanças, donde se fizeram várias experiências de ouro e no Rio, em algumas (...) e hoje se acharam algumas faíscas de ouro, porém, nas grupiaras que vertem ao Rio Grande (...) para o sertão em que hoje se acha o descoberto de São Pedro de Alcantra, e provando-se em várias partes se acharem faisqueiras de três quartos de oitava por semana e nas margens do dito Rio Grande se fizeram algumas experiências e se achou ser de tênues faisqueiras; como depois desta diligência se entrou a povoar com gente que concorreu de São Paulo e Goiases e destas Gerais, em que já esta Crisma próxima passada se desobrigaram mil e cem pessoas, pouco mais ou menos".
A legenda poderia ter sido escrita após 1763 (posse do governador Luiz Diogo); o mapa, porém, foi feito no ano de 1760.

Arquivo

Mostrar mais

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiro s ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” T odos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cump

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

Carmo da Cachoeira — uma mistura de raças

Mulatos, negros africanos e criolos em finais do século XVII e meados do século XVIII Os idos anos de 1995 e o posterior 2008 nos presenteou com duas obras, resultadas de pesquisas históricas de autoria de Tarcísio José Martins : Quilombo do Campo Grande , a história de Minas, roubada do povo Quilombo do Campo Grande, a história de Minas que se devolve ao povo Na duas obras, vimo-nos inseridos como “Quilombo do Gondu com 80 casas” , e somos informados de que “não consta do mapa do capitão Antônio Francisco França a indicação (roteiro) de que este quilombo de Carmo da Cachoeira tenha sido atacado em 1760 ”.  A localização do referido quilombo, ou seja, à latitude 21° 27’ Sul e longitude 45° 23’ 25” Oeste era um espaço periférico. Diz o prof. Wanderley Ferreira de Rezende : “Sabemos que as terras localizadas mais ou menos a noroeste do DESERTO DOURADO e onde se encontra situado o município de Carmo da Cachoeira eram conhecidas pelo nome de DESERTO DESNUDO ”. No entanto, antecipando

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

Distrito do Palmital em Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. O importante Guia do Município de Carmo da Cachoeira , periódico de informações e instrumento de consulta de todos os cidadãos cachoeirenses, publicou um grupo de fotos onde mostra os principais pontos turísticos, culturais da cidade. Próxima imagem: O Porto dos Mendes de Nepomuceno e sua Capela. Imagem anterior: Prédio da Câmara Municipal de Varginha em 1920.

A origem do sobrenome da família Rattes

Fico inclinado a considerar duas possibilidades para a origem do sobrenome Rates ou Rattes : se toponímica, deriva da freguesia portuguesa de Rates, no concelho de Póvoa de Varzim; se antropomórfica, advém da palavra ratto (ou ratti , no plural), que em italiano e significa “rato”, designando agilidade e rapidez em heráldica. Parecendo certo que as referências mais remotas que se tem no Brasil apontam a Pedro de Rates Henequim e Manoel Antonio Rates . Na Europa antiga, de um modo geral, não existia o sobrenome (patronímico ou nome de família). Muitas pessoas eram conhecidas pelo seu nome associado à sua origem geográfica, seja o nome de sua cidade ou do seu feudo: Pedro de Rates, Juan de Toledo; Louis de Borgonha; John York, entre outros. No Brasil, imigrantes adotaram como patronímico o nome da região de origem. Por conta disso, concentrarei as pesquisas em Portugal, direção que me parece mais coerente com a história. Carmo da Cachoeira não é a única localidade cujo nome está vincul

Cemitério dos Escravos em Carmo da Cachoeira no Sul de Minas Gerais

Nosso passado quilombola Jorge Villela Não há como negar a origem quilombola do povoado do Gundú , nome primitivo do Sítio da Cachoeira dos Rates , atual município de Carmo da Cachoeira. O quilombo do Gundú aparece no mapa elaborado pelo Capitão Francisco França em 1760 , por ocasião da destruição do quilombo do Cascalho , na região de Paraguaçu . No mapa o povoado do Gundú está localizado nas proximidades do encontro do ribeirão do Carmo com o ribeirão do Salto , formadores do ribeirão Couro do Cervo , este também representado no mapa do Capitão França. Qual teria sido a origem do quilombo do Gundú? Quem teria sido seu chefe? Qual é o significado da expressão Gundú? Quando o quilombo teria sido destruído? Porque ele sobreviveu na forma de povoado com 80 casas? Para responder tais questões temos que recuar no tempo, reportando-nos a um documento mais antigo que o mapa do Capitão França. Trata-se de uma carta do Capitão Mor de Baependi, Thomé Rodrigues Nogueira do Ó , dirigida ao gove

Diácono Romário - Ordenação Presbiterial

 A Diocese de Januária, minha família e eu, Diácono Romário de Souza Lima temos a grata satisfação de convidar você e sua família para participarem da Solene Celebração Eucarística, na qual serei ordenado sacerdote pela imposição das mãos e Oração Consecratória do Exmo. Revmo. Dom José Moreira da Silva, bispo diocesano, para o serviço de Deus e do seu povo. Dia 18 de maio de 2022. às 19h, na Catedral Nossa Senhora das Dores em Januária - MG Primeiras Missas 19 de maio às 19hs na Catedral Nª Srª das Dores 20 de maio às 19hs na  Comunidade Santa Terezinha de Januária 21 de maio às 19hs na Comunidade Divino Espírito Santo em Januária Contatos: (38) 99986-6552 e martimdm1@gmail.com Reflexão: João 21, 15 - Disse Jesus a Pedro: "Apascenta meus Cordeiros" Texto de Gledes  D' Aparecida Reis Geovanini O cordeiro é o filhote da ovelha. É conhecido como dócil, manso, obediente. É o símbolo da obediência e submissão. Apascentar refere-se a alimentar, cuidar, proteger e orientar, fu

A Paróquia Nª. Srª. do Carmo completa 155 anos.

O decreto de criação da Paróquia foi assinado pela Assembléia Legislativa Provincial no dia 3 de julho de 1857. Pela Lei nº 805 , a Capela foi elevada para Freguesia, pertencendo ao Município de Lavras do Funil e ficando suas atividades sob a responsabilidade dos Conselhos Paroquiais. O Primeiro prédio da Igreja foi construído em estilo barroco , em cujo altar celebraram 18 párocos . No ano de 1929, esse templo foi demolido, durante a administração do Cônego José Dias Machado . Padre Godinho , cachoeirense, nascido em 23 de janeiro de 1920, em sua obra " Todas as Montanhas são Azuis ", conta-nos: "Nasci em meio a montanhas e serras em uma aldeia que, ao tempo, levava o nome de arraial. (...) Nâo me sentia cidadão por não ser oriundo de cidade. A montanha é velha guardiã de mistérios. Os dias eram vazios de qualquer acontecimento." Ao se referir ao Templo físico dizia: "Minha mãe cuidava do jardim pensando em colher o melhor para os altares da Matriz

O livro da família Reis, coragem e trabalho.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: 24º Anuário Eclesiástico - Diocese da Campanha Imagem anterior: A fuga dos colonizadores da Capitania de S. Paulo

Simpósio Filosófico-Teológico em Mariana

Aproxima-se a conclusão das obras de restauração na Catedral Basílica de Nossa Senhora da Assunção, Igreja Mãe de nossa Arquidiocese. Trata-se de expressivo monumento religioso, histórico e artístico, tombado no âmbito federal pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). A Arquidiocese de Mariana, a Faculdade Dom Luciano Mendes (FDLM) e o Instituto Teológico São José (ITSJ) organizam este Simpósio com o objetivo de refletir sobre os trabalhos de restauro que em breve serão entregues à comunidade, bem como debater o significado deste templo, em relação aos aspectos teológicos e sua importância artística e arquitetônica em mais de três séculos de existência. Programação : de 25 à 27 DE MAIO DE 2022 25/05/2022 – Quarta-feira Local: Seminário Maior São José-Instituto de Teologia 19h - SAUDAÇÃO INICIAL - Côn. Nédson Pereira de Assis Pároco da Catedral - Mons. Celso Murilo Sousa Reis Reitor do Seminário de Mariana - Pe. José Carlos dos Santos Diretor da Faculdade Dom