Pular para o conteúdo principal

O sesmeiro José Joaquim Gomes Branquinho.

Documento encomendado pelo Projeto Partilha.
Transcrição de Edriana Aparecida Nolasco.

Tipo de documento - Sesmaria.
Ano - 1795 Caixa - 08
Sesmeiro - capitão José Joaquim Gomes Branquinho.
Local - São João del Rei.

Fl.01

Auto de medição de uma sesmaria de meia légua.
Data - 26 de agosto de 1795.
Local - Freguesia das Lavras do Funil. Termo da Vila de São João del Rei. Comarca do Rio das Mortes em casas do sesmeiro, o capitão José Joaquim Gomes Branquinho.

Fl.03

Carta de Sesmaria

Luís Antônio Furtado de Castro - Visconde de Barbacena (...)

(...) por sua Petição José Joaquim Gomes Branquinho que na Aplicação da Capela de São Bento do Campo Belo. Freguesia das Lavras do Funil do Termo da Vila de São João del Rei. Comarca do Rio das Mortes se acham terras devolutas que se compõe de campos e matos as quais são situadas nas cabeceiras da Sesmaria e Fazenda chamada a Boa Vista, cujas terras confrontam com a Fazenda chamada o Campo Belo e com outra chamada dos BARREIROS e com terras do suplicante e com as da viúva e herdeiros de Antonio Dias de Gouvêa (Gouveia) (...).

Fl.05v

Auto de Medição e Demarcação

Data - 29 de agosto de 1795.
Local - Aplicação da Capela de São Bento de Campo Belo da Freguesia das Lavras do Funil do Termo da Vila de São João del Rei. Comarca do Rio das Mortes na fazenda da Boa Vista e Paragem das Cabeceiras de lá (...)

Foi eleito para o lugar do Pião um espigão de campo a beira da estrada que vai da casa do sesmeiro para Manoel Francisco Terra.

Seguindo o rumo noroeste mediram noventa e três cordas e meia que findaram em uma costaneira (?) ou Ressacada do Campo que verte de um corgo pequeno que desagua no corgo da Ponte Falsa onde meteram um marco de pedra (...) e parte com terras do mesmo sesmeiro; (...) seguindo o rumo do sueste mediram sessenta e sete cordas e meia que findaram em uma alto de campo ao pé de um mato que verte para esta sesmaria o dito campo e para terras de Manoel Francisco Terra onde meteram um marco de pedra. Seguindo o rumo de oessudueste mediram cinco cordas que findaram em um espigão de campo onde está o Pião onde meteram um marco de pedra (...) e parte este rumo com terras do sesmeiro (...).

Seguindo o rumo lesnordeste mediram trinta e quatro cordas que findaram em uma castaneira (?) de morro entre dois corgos secos que nascem do dito morro vertendo para o corgo do calão chamado do Padre Bento que vai desaguar para o rio Servo onde para divisa meteram um marco de pedra (...) parte este rumo com terras da viúva e herdeiros de Antonio Dias de Gouvêa (Gouveia) (...).

Obs.: O sesmeiro tomou posse em 29 de agosto de 1795.

Fl.07v.

Cópia do Papel de Divisão

Dizemos nós o capitão José Joaquim Gomes Branquinho e sua mulher dona Maria Vitória dos Reis; dona viúva Andreza Dias de Carvalho; Antônio Dias de Souza, digo de Gouvêa (Gouveia) e sua mulher Ana Theresa de Jesus (...) declaramos a nossa divisão na forma seguinte:
Que o Capão chamado do Padre Bento e seus logradouros nós dividimos por vertentes, e caindo para vertentes da Ponte Falsa, tudo quanto verte ao corgo desta, da parte da Boa Vista, corre a divisa pelo corgo do meio do Capão abaixo, até fazer barra em outro corgo que verte de um capão pequeno acima da dita Ponte Falsa perto do campo da estrada, e desta Paragem atravessando a mesma estrada pelo dito campo onde metemos um marco de pedra e caindo para um capão pequeno que verte abaixo da referida estrada por uma grota deste torna a sair em campo buscando o Capão Grande que corre daqui para o Marco da Cobra rodeando-o até o último alto do dito Capão perto do dito marco, pelo alto procurando o mesmo Marco; e deste correndo o rumo de noroeste o que der nas Vertentes da Chamusca, com vertentes do Couro do Servo (Cervo) nos dividimos por onde compreender inteiramente a Sesmaria da Boa Vista; com declaração porém que o Marco do Mato da Cobra para o rumo noroeste pertence a Boa Vista, quem o houver de plantar terá obrigação de fazer metade da tapagem na divisa, e do dito Marco da Cobra buscando o rumo do sueste fará Antônio Dias de Gouvêa (Gouveia) a tapagem a sua custa até um estreito lugar de uma cerca, e daí por diante em toda a divisa será feita a tapagem a custa de ambos, cuja divisa queremos que tenha efeito e validade para nós e nossos sucessores e herdeiros com todas as clausulas necessárias e de como assim temos tratado e ajustado (...) temos como testemunhas:

João Francisco de Carvalho
Coronel Mathias Gonçalves Moinhos de Vilhena
Reverendo João dos Reis Silva
José Soares da Costa

(...) a rogo de Ana Teresa de Jesus assinou seu filho o Furriel João Dias de Gouvêa (Gouveia), em 20 de agosto de 1787. Seguem as assinaturas de:

José Joaquim Gomes Branquinho
Maria Vitória dos Reis
Antônio Dias de Gouvêa
João Dias de Gouvêa
Andreza Dias de Carvalho.

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Comentários

Anônimo disse…
José Joaquim Gomes Branquinho, filho de Ângela Ribeiro de Moraes (Morais)/(Ribeira), sogro de Joaquim Fernandes de Rezende, da Fazenda das Abelhas. Joaquim Fernandes ou Fernando, casado com dona Jacinta é irmão de Geraldo Ribeiro de Rezende, ambos filhos de JOSEFA MARIA DE REZENDE, batizada em 17-4-1743 e que casou-se no Sítio do Carandaí, freguesia de Prados, no Oratório de Nossa Senhora da Conceição, com Severino Ribeiro, moradores na Fazenda da Cachoeira, da então Capela de Santo Antônio da Lagoa Dourada.
Josefa, filha de João Rezende Costa, segundo José Guimarães, p.23, era irmã do Pe. João de Rezende Costa; Maria Helena de Jesus; José de Rezende Costa; Antônio Nunes de Rezende; Julião; Ana Maria de São Joaquim; Manuel da Costa Rezende; Pe. Gabriel da Costa Rezende; Helena Maria de Rezende; Teresa Maria de Jesus; Julião da Costa Rezende; Gonçalo; Joaquim José de Rezende e Ana Joaquina de Rezende.
Da filha Maria Helena de Jesus, batizada em 17-4-1729 e casada com José Antonio da Silva, nascido em 17-12-1708, nasce Elias Antonio da Silva Rezende, casado duas vezes. O primeiro casamento foi com Ana de Jesus de Góes e Lara, filha de Francisco Pinto Rodrigues e Ana Maria Bernardes. Enviuvando-se, casou-se com Ana Joaquina de Jesus Ribeiro (p.24/25/26 José Guimarães). Elias Antônio e Ana foram pais, entre outros, de Joaquina de Rezende Branquinho (nome de casada. Joaquina casou-se com o Capitão João Damasceno Gomes Branquinho. Moravam na FAZENDA DA BOA VISTA, em CARMO DA CACHOEIRA. João Damasceno é filho de JOSEÉ JOAQUIM GOMES BRANQUINHO e neto de dona ÂNGELA DE MORAES RIBEIRO (Morais)/(Ribeira). O irmão de Joaquina, portanto, cunhado de João Damasceno, o GABRIEL ANTÔNIO DA SILVA REZENDE, casado com Inês Higina da Silva Tavares, filha de Joaquim Pio da Silva Tavares e de Maria Inês de Souza Magalhães, possuidores da Fazenda de Capivari, no município de Caldas, onde residiam, foram pais de dona IRIA DA SILVA COSTA JUNQUEIRA, casada com Joaquim Bernardes da COSTA Junqueira (p.29, José Guimarães).
Josefa era irmã de Antônio Nunes de Rezende, nascido na Fazenda do Engenho Velho e batizado em 13-11-1731 e casou-se com MARIA PEDROSA DE MORAES (Morais), filha de JOÃO ALVES PRETO e de MARIA PEDROSA DE MORAIS, estes falecidos na Aplicação de N. S. da Penha de França da Lagoa da Lage, filial da freguesia de Santo Antonio da Vila de São João del-Rei. Entre os filhos de Antônio Nunes e Maria Pedrosa, a MARIA PEDROSA DE MORAIS (MORAES0 ou de REZENDE, em 1808 já era viúva do alferes Manuel Pacheco Monteiro, português. (p.57, José Guimarães.

Obs. * Antonio Marques Monteiro com Catarina Alves de Moraes (Álvares), falecida em 1794, foram pais de Francisca de Paula de Moraes, casada como o alferes José Coelho dos Santos.

* André da Fonte de Moraes (Morais), pai de Manuel de Rezende, batizado em 17 de abril de 1650, batizado na Matriz da Vila do Porto, na Igreja de Nossa Senhora da Assunção, e sogro de ANA COSTA ou ANA DE MATOS, como também é conhecida e aparece em alguns termos de batismo de seus filhos. Esta faleceu em Vila do Porto, aos 12 de dezembro de 1717. Era filha de Antônio Vaz de Fontes e de Maria Fernandes, estes casados na referida Matriz do Porto, aos 24 de fevereiro de 1647.
Manuel e Ana foram pais de Francisco da Costa, casado com Maria da Silva e avós, através deste de André de Rezende Costa, casado com Francisca Teresa de Jesus, filha de Domingos Francisco Terra e ISABEL PIRES DE MORAES. Bisavós de JOAQUIM, batizado em 2 de maio de 1772, afilhado de RITA JOAQUINA DO ROSÁRIO, mulher de Acácio José da Cruz.
Anônimo disse…
Férias combina com leitura. Uma dica:

Livro, cujo Título é CARTOGRAFIA DA CONQUISTA DO TERRITÓRIO DAS MINAS. Edição: Editora UFMG e Kapa Editorial.
Organizadores: Antônio Gilberto Costa, Friedrich Ewaldo Renger, Júnia Ferreira Furtado e Márcia Maria Duarte dos Santos.
Informações - (31)3499-4642.

O livro reproduz material cartográfico do período marcado pela "caça aos tesouros e pela ocupação do sertão brasileiro". Traz também aquarelas feitas pelos viajantes cartográficos e botânicos da colônia.
Anônimo disse…
Um trabalho acadêmico que é interessante ser conhecido. Foi desenvolvido por Rossana Samarani Verron e analisa documentação levantada, no Século XVIII, pela equipe do naturalista Alexandre Rodrigues Ferreira, cujo foco é "O ÌNDIO", inclusive da região Centro-Oeste do Brasil. A viagem do Naturalista ocorreu entre os anos de 1783 e 1792.
Anônimo disse…
Transcrição de Edriana Aparecida Nolasco a pedido do Projeto Partilha.

Tipo de documento - Inventário
Ano - 1838 Caixa - 398
Inventariado - Alferes João Ribeiro de Resende
Inventariante - Ana Cláudia de Mendonça.
Local - São José

Fl.01
Inventário dos bens que ficaram por falecimento do alferes João Ribeiro de Resende de que é viúva e Inventariante dona Ana Cláudia de Mendonça.
Data - 10 de maio de 1838
Local - Vila de São José, Minas e Comarca do Rio das Mortes.

Fl.02
Diz dona Ana Cláudia de Mendonça moradora no Carandaí deste Termo que tendo falecido da vida presente seu marido o alferes João Ribeiro de Resende (...)

Fl.04v
DECLARAÇÃO
Declarou a Inventariante que seu marido falecera aos vinte e sete dias do mês de dezembro do ano próximo passado de mil oitocentos e trinta e sete sem testamento, e que foi casado primeira vez com a falecida dona Eugenia Francisca de Jesus, e segunda vez com ela Inventariante (...)

Fl.04
FILHO DO PRIMEIRO MATRIMÔNIO
01 - Francisco de Paula Ribeiro, falecido, casado que foi cm dona Maria da Purificação, deixou filhos.

NETOS. FILHOS DO HERDEIRO FRANCISCO DE PAULA RIBEIRO
01 - José, de idade de treze anos
02 - João, de idade de cinco anos.

FILHOS DO SEGUNDO MATRIMÔNIO
01 - Carlos Cláudio Ribeiro de Mendonça, casado com dona MARIA CÂNDIDA DE MORAES.

Fl.05ss
BENS
INSTRUMENTOS - 06 tachos de cobre; 02 remuinhos; 02 escumadeiras; 01 alambique; 01 balança de pesar açucar; 01 serrote; 16 enxadas; 16 foices; 50 garrafas pretas; 01 armário no Escritório; 01 tear com todos os seus pertences; 03 tabuleiros; 09 gamelas; 01 parol grande de aguardente; 24 formas de açucar; 05 rodas de fiar; 12 barris de tampa; 03 carros usados.

ANIMAIS - 34 bois de carro; 10 vacas parideiras; 10 novilhas; 01 touro; 15 éguas; 07 poldros; 07 crias; 33 carneiros; 20 porcos de terreiro.

ESCRAVOS - 29

Fl.11
BENS DE RAIZ
A Fazenda denominada Engenho Novo que se compõem de terras de cultura e campos de criar que de um lado divide com terras de seu cunhado o Coronel GERALDO RIBEIRO DE RESENDE e de outro com terras de dona JOAQUINA THOMÁSIA e com terras de JOÃO LUÍS DE CAMPOS com cento e trinta e um alqueires de cultura, contendo matos virgens e campos e vários carrascais ........ 6:342$000

- o terreiro da dita Fazenda do Engenho Novo, com casas de sobrado, paiol, moinho, monjolo, senzalas, currais cercado de pedras e madeiras, quintal com árvores de espinhos, engenho de cana com seus pertences mas com roda muito arruinada... 1:600$000

- uma pequena parte de terras de cultura no lugar denominado FIGUEIRAS em sociedade com o seu cunhado o coronel GERALDO RIBEIRO DE RESENDE por si, e como testamenteiro e herdeiro do falecido Padre Antônio Ribeiro também sócio ....304#000

- Treze alqueires de terras de cultura que seu falecido marido houve por compra a ANTÔNIO BORGES DE ANDRADE cujas terras se acham unidas às da FIGUEIRA ... 260$000

- uma morada de casas bastantemente arruinadas sitas no subúrbio do Arraial de Prados com um caixão velho dentro e uma mesa pequena tendo seu quintal e mais pertences que de um lado se divide com Antônio Pedro e por outro com as crioulas de Manoel João..100$000

- Títulos de terras e águas minerais que o falecido seu marido houve por herança de seus falecidos pais, o Coronel Severino Ribeiro e dona Josefa Maria de Resende .........222$554

- um canavial para se moer no presente ano muito arruinado......200$000

- um canavial de cana nova bem principiado ....200$000

(continua)
Anônimo disse…
Cf. Inventário no Projeto Compartilhar - Francisco Coelho dos Santos Monteiro. Ano - 1878.

"(...) diz Valeriano Coelho dos Santos que na qualidade de sobrinho, filho de irmão germano e herdeiro do falecido tio Francisco de Paula Santos (...) não desejando (...) a favor de sua tia dona MARIA CÂNDIDA DE MORAES".
Anônimo disse…
Diz o Major Manoel Coelho dos Santos Monteiro (...) co-herdeiros: Ana Alves de Moraes; Hipólita Cândida de Moraes; Jesuína Cândida de Almeida (...) Fazenda da Lage (...).

Cf.: Projeto Compartilhar - Inventário de José Coelho dos Santos. Ano 1857.
Anônimo disse…
(continuação)
Inventário - Alferes João Ribeiro de Resende, ano 1838.

fl.21
DÍVIDAS ATIVAS
Manoel Ribeiro de Resende 72$960
Cor. Severino Eulógio Ribeiro de Resende 62$147
Antonio Carvalho de Magalhães 9$350
Antonio Nunes de Morais 5$700
Joaquim Rodrigues Corrêa 20$113
Antonio Pedro da Silva 29$792
Eduardo Gonçalves da Mata 12$800
Antônio de Oliveira 40$435
Antônio José da Silva, morador na Gamarra 1$020
Francisco de Paula Meirelles 1$800
Cirurgião mor José Joaquim de Santana 11$680
Francisco Antônio de Vasconcellos 10$340
Manoel Antônio de Souza, morador no Bichinho 20$240
a falecida dona Ana Constança de Paula 19$650
Joaquim Antônio morador no Barroso 1$320
Manoel Antônio da Silva 174$000

Fl.13v
DÍVIDAS PASSIVAS
Manoel Pinto, crioulo, forro 67$840
João de Resende Silva 28$545
Antônio Joaquim de Almeida 9$160
d. Ana Feliciana de Resende 261$940
Gervásio Pereira do Carmo 61$118
Cor. Geraldo Ribeiro de Resende 345$159
à casa do falecido sargento mor João Antonio de Campos 1:177$437
Manoel Luís de Campos 172$750
Cap. João Coelho dos Santos 300$000
João de Resende Silva 422$354
Liandro da Costa Souto 171$630
herdeiros de Manoel João Marmelo ou herdeiros de José Barbosa 45$207
falecido Padre Manoel de Souza Ribeiro 4$850
Nicolau Ferreira de Matos 30$600
herd. de Manoel Alves Braga 34$483
a sua nora dona Maria da Purificação 236$802

Fl. 14v
DECLARAÇÃO
Declarou ela viúva Inventariante que falecendo seu Irmão o Vigário Joaquim Cláudio de Mendonça instituiu por seus herdeiros e Testamenteiros ao falecido marido dela Inventariante e ao Coronel Geraldo Ribeiro de Resende por ser casado com uma Irmã dela Inventariante (...) ainda não foi possível concluir a Testamentária na Corte do Rio de Janeiro (...).

Fl.19
PROCURAÇÃO

Procuradores Nomeados - Rufino Lopes da Silva; José Joaquim de Santa Ana.
Data - 22 de maio de 1838
Local - Fazenda do Engenho Novo da Freguesia de Prados. Termo da Vila de São José. Minas e Comarca do Rio das Mortes em casas de morada do falecido Alferes João Ribeiro de Resende.
Que faz - Carlos Cláudio Ribeiro de Mendonça (filho do Inventariado).

Fl.26
PROCURAÇÃO
Procuradores nomeados - Rufino Lopes da Silva; José Joaquim Santa Ana.
Data - 22 de maio de 1838
Local - Fazenda do Engenho Novo. Freguesia de Prados. Termo da Vila de São José. Minas e Comarca do Rio das Mortes em casas do falecido Alferes João Ribeiro de Resende.
Que faz - Dona Ana Claudina de Mendonça viúva do falecido.

Fl.33
Diz o Coronel Geraldo Ribeiro de Resende que a herança de seu Irmão o alferes João Ribeiro de Resende (...)

Monte mor - 20:500$211
Monte líquido 16:405$477
Meação - 8:202$738

Fl.69
Diz dona Maria Cândida de Moraes viúva de Carlos Cláudio Ribeiro de Mendonça que tendo sido este nomeado Tutor dos órfãos seus sobrinhos José e João, filhos do falecido seu |Irmão Francisco de Paula Ribeiro (...) depois do falecimento deste seu marido passou a Tutela ao Major Hipólito José da Silva Moura, (...) o qual escusou (...).

Fl.70
PROCURAÇÃO
Procurador Nomeado ao solicitador de causas José Joaquim de Santa Ana.
Data - 08 de abril de 1851
Local - Fazenda dos Coqueiros. Distrito da Lage. Comarca do Rio das Mortes.
Que faz - dona Maria Cândida de Moraes (viúva do falecido Carlos Cláudio Ribeiro de Mendonça )
FINS - Remoção das terras que pertenciam a seus filhos órfãos a saber: Francisco; Eugênio; Carlos (netos do Inventariado), na Fazenda do Engenho Novo vendidas a dona Esméria e dona Maria da Purificação.
marcos disse…
É admirável a influência genealógica dos Rezende em Minas Gerais.Veja bem,sou descendente dos Arvellos de Portugal,que foram os primeiros Sesmeiros da região de Resende Costa.Minha bisavó,do lado paterno,chamava-se:Gabriela Maria Rezende.Sobre o Elias Antônio da Silva Rezende,ele foi um dos herdeiros da Fazenda do Tanque,em Entre Rios Rios de Minas/MG,que posteriomente passou a pertencer a família do Coronel Cassiano Antônio da Silva Campolina.O Elias Antônio,era pai também de José Antônio da Silva,o Barão de Bertioga,um dos fundadores da cidade de Juiz de Fora.

Arquivo

Mostrar mais

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiro s ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” T odos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cump

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

Carmo da Cachoeira — uma mistura de raças

Mulatos, negros africanos e criolos em finais do século XVII e meados do século XVIII Os idos anos de 1995 e o posterior 2008 nos presenteou com duas obras, resultadas de pesquisas históricas de autoria de Tarcísio José Martins : Quilombo do Campo Grande , a história de Minas, roubada do povo Quilombo do Campo Grande, a história de Minas que se devolve ao povo Na duas obras, vimo-nos inseridos como “Quilombo do Gondu com 80 casas” , e somos informados de que “não consta do mapa do capitão Antônio Francisco França a indicação (roteiro) de que este quilombo de Carmo da Cachoeira tenha sido atacado em 1760 ”.  A localização do referido quilombo, ou seja, à latitude 21° 27’ Sul e longitude 45° 23’ 25” Oeste era um espaço periférico. Diz o prof. Wanderley Ferreira de Rezende : “Sabemos que as terras localizadas mais ou menos a noroeste do DESERTO DOURADO e onde se encontra situado o município de Carmo da Cachoeira eram conhecidas pelo nome de DESERTO DESNUDO ”. No entanto, antecipando

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

Distrito do Palmital em Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. O importante Guia do Município de Carmo da Cachoeira , periódico de informações e instrumento de consulta de todos os cidadãos cachoeirenses, publicou um grupo de fotos onde mostra os principais pontos turísticos, culturais da cidade. Próxima imagem: O Porto dos Mendes de Nepomuceno e sua Capela. Imagem anterior: Prédio da Câmara Municipal de Varginha em 1920.

Cemitério dos Escravos em Carmo da Cachoeira no Sul de Minas Gerais

Nosso passado quilombola Jorge Villela Não há como negar a origem quilombola do povoado do Gundú , nome primitivo do Sítio da Cachoeira dos Rates , atual município de Carmo da Cachoeira. O quilombo do Gundú aparece no mapa elaborado pelo Capitão Francisco França em 1760 , por ocasião da destruição do quilombo do Cascalho , na região de Paraguaçu . No mapa o povoado do Gundú está localizado nas proximidades do encontro do ribeirão do Carmo com o ribeirão do Salto , formadores do ribeirão Couro do Cervo , este também representado no mapa do Capitão França. Qual teria sido a origem do quilombo do Gundú? Quem teria sido seu chefe? Qual é o significado da expressão Gundú? Quando o quilombo teria sido destruído? Porque ele sobreviveu na forma de povoado com 80 casas? Para responder tais questões temos que recuar no tempo, reportando-nos a um documento mais antigo que o mapa do Capitão França. Trata-se de uma carta do Capitão Mor de Baependi, Thomé Rodrigues Nogueira do Ó , dirigida ao gove

A origem do sobrenome da família Rattes

Fico inclinado a considerar duas possibilidades para a origem do sobrenome Rates ou Rattes : se toponímica, deriva da freguesia portuguesa de Rates, no concelho de Póvoa de Varzim; se antropomórfica, advém da palavra ratto (ou ratti , no plural), que em italiano e significa “rato”, designando agilidade e rapidez em heráldica. Parecendo certo que as referências mais remotas que se tem no Brasil apontam a Pedro de Rates Henequim e Manoel Antonio Rates . Na Europa antiga, de um modo geral, não existia o sobrenome (patronímico ou nome de família). Muitas pessoas eram conhecidas pelo seu nome associado à sua origem geográfica, seja o nome de sua cidade ou do seu feudo: Pedro de Rates, Juan de Toledo; Louis de Borgonha; John York, entre outros. No Brasil, imigrantes adotaram como patronímico o nome da região de origem. Por conta disso, concentrarei as pesquisas em Portugal, direção que me parece mais coerente com a história. Carmo da Cachoeira não é a única localidade cujo nome está vincul

O livro da família Reis, coragem e trabalho.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: 24º Anuário Eclesiástico - Diocese da Campanha Imagem anterior: A fuga dos colonizadores da Capitania de S. Paulo

A Paróquia Nª. Srª. do Carmo completa 155 anos.

O decreto de criação da Paróquia foi assinado pela Assembléia Legislativa Provincial no dia 3 de julho de 1857. Pela Lei nº 805 , a Capela foi elevada para Freguesia, pertencendo ao Município de Lavras do Funil e ficando suas atividades sob a responsabilidade dos Conselhos Paroquiais. O Primeiro prédio da Igreja foi construído em estilo barroco , em cujo altar celebraram 18 párocos . No ano de 1929, esse templo foi demolido, durante a administração do Cônego José Dias Machado . Padre Godinho , cachoeirense, nascido em 23 de janeiro de 1920, em sua obra " Todas as Montanhas são Azuis ", conta-nos: "Nasci em meio a montanhas e serras em uma aldeia que, ao tempo, levava o nome de arraial. (...) Nâo me sentia cidadão por não ser oriundo de cidade. A montanha é velha guardiã de mistérios. Os dias eram vazios de qualquer acontecimento." Ao se referir ao Templo físico dizia: "Minha mãe cuidava do jardim pensando em colher o melhor para os altares da Matriz

O distrito de São Pedro de Rates em Guaçuí-ES..

Localizado no Estado do Espírito Santo . A sede do distrito é Guaçuí e sua história diz: “ ... procedentes de Minas Gerais, os desbravadores da região comandados pelo capitão-mor Manoel José Esteves Lima, ultrapassaram os contrafortes da serra do Caparão , de norte para sul e promoveram a instalação de uma povoação, às margens do rio do Veado, início do século XIX ”.

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se