Pular para o conteúdo principal

Ribeirão Couro do Cervo em Minas Gerais.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

O importante Guia do Município de Carmo da Cachoeira, periódico de informações e instrumento de consulta de todos os cidadãos cachoeirenses, publicou um grupo de fotos onde mostra os principais pontos turísticos, culturais da cidade.

O ribeirão do Couro do Cervo, que emprestou seu nome para a fazenda do Couro do Cervo, de João Octaviano de Veiga Lima, conforme o Álbum da Varginha.

"O Ribeirão "Couro do Cervo", que empresta o nome à fazenda, passa volumoso e inquieto a 100 metros da Estação do Carmo da Cachoeira, propriedade do Dr. Octaviano de Veiga Lima, situada na fazenda. As mattas virgens são duma belleza rara. Massas de arvoredos, em que a vista se perde e se confunde, cheia de assombro, naquellas columnatas phantásticas dos "óleos", das peróbas, dos paquitibás, tudo emaranhado, enlaçado encostado n'uma cordoalha de cipós e lianas que sobem, enroscam, trepam em meadas cinzentas como serpentes furiosas a busca do sol"¹.

(...) começa no alto entre as cabeceiras do córrego do Lobo; e do Córrego Carapina, continua pelo divisor de águas entre o ribeirão do Córrego do Cervo e o ribeirão do Cervo, até ao alto do urubu; daí, alcança a cabeceira do Cõrrego do Mata Vaca, continua por ele até sua foz, no rio do Cervo (...)²

Próxima imagem: 1ª edição do livro do Prof. Wanderley - 1975.
Imagem anterior: Teresa Dias Musa esposa de Antônio Musa.

Foto: O responsável por este belíssima imagem foi nosso colaborador, Rogério Vilela.
1. Rubião, Luiz José Álvares - Álbum da Varginha, Estabelecimento Graphico Casa Maltense, Varginha-MG, 1918.
2. Lei 2764, de 30 de dezembro de 1962.

Comentários

Anônimo disse…
José Renato. Conforme o combinado, passo neste comentário da bibliografía que consultamos, neste caso específico:

- MIRANDA, Marcos Paulo de Souza. Jurisdição dos capitães. A história de Januário Garcia Leal, o Sete Orelhas, e seu bando. Belo Horizonte: Del Rey, 2003, p. 21:

4. FRANCISCO RODRIGUES E OS GARCIA DUARTE.

Deste casal provieram, entre outros, os filhos João Garcia e Antônio Garcia, que passaram posteriormente assinar GARCIA DUARTE, formando a base do grupo GARCIA DUARTE no Brasil, para onde se mudaram.
(p.23) Sobre Antônio Garcia, sabemos que o mesmo foi batizado na Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, na Ilha do Faial, em 1 de janeiro de 1692, falecendo em Santana do Garambéu em 1 de maio de 1768. Foi o mesmo casado pela primeira vez (06.02.1719) com Maria Josefa de Santo Antônio (falecida em 19.01.1737) e, pela segunda vez, com Clara Maria de Jesus, deixando descendência de ambos os consórcios.
Não nos ocuparemos de maiores detalhes acerca do tronco GARCIA DUARTE em razão da pouca relação que tiveram seus descendentes na história de Januário Garcia, o Sete Orelhas, embora José Teixeira de Meirelles afirme erroneamente ser este filho de ANTÔNIO GARCIA DUARTE. (MEIRELLES, José Teixeira de. A vida de Januário Garcia, o Sete Orelhas, p. 9).

Vale a pena você adquirir esta obra. É abrangente e enfoca de forma muito especial a sua região de estudo. O autor, Dr. Marcos Paulo de Souza Miranda é Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais e exerce titularidade de Promotoria em Minas Gerais.

Editora/BH Rua Aimorés, 612 - loja 1. Belo Horizonte - MG - CEP 30 140-070. tele-vendas: 0800-314633 - telefax (31) 3273-1684
editora@delreyonline.com.br
Editora/SP
delreysp@uol.com.br

Lojas/BH
goitacases@delreyonline.com.br

contorno@delreyonline.com.br
Anônimo disse…
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse…
Neste domingo, uma lembrança, um agradecimento:

Monsenhor JOSÉ DO PATROCÍNIO LEFORT

"O falecimento do Mons. José do Patrocínio Lefort (Campanha, MG), em 15 de dezembro p.p., abriu enorme lacuna n genealogia brasileira. Autor de extensa pesquisa sobre as raízes mineiras, parte incorporada ao conhecido estudo AS TRÊS ILHOAS, de JOSÉ GUIMARÃES, exerceu por longos anos, o cargo de Chanceler do Bispado de Campanha, cujos arquivos organizou e franqueou aos genealogistas de todo o país". Dados obtidos através da Carta Mensal n.47 do Colégio Brasileiro de Genealogia, relativa ao período de janeiro a março de 1998.

Monsenhor Leforte, nasceu em Campanha, Minas Gerais, em 05 de junho de 1914. Aí morou e estudou. Ordenou-se sacerdote em Mariana, Minas Gerais em 5 de dezembro de 1937. Algumas de suas obras foram: Varginha; O Sul de Minas e as Bandeiras; Descoberta e povoamento do Sul de Minas; A cidade de Campanha e Famílias Campanhenses. É descendente do francês François Lefort, que veio para o Brasil em 1855. Mons. Lefort é filho de Francisco Augusto Lefort e de Palmira Antonieta Alves.
Anônimo disse…
FRANCISCO DA COSTA, no ano de 1744 era proprietário de um Sítio, na Paragem do Rio Grande Acima.

Cf. Site Manoel Lourenço do Amaral - Windows Internet Explorer Manoel Lourenço nasceu na Ilha do Pico e foi casado com dona Isabel Rosa de Jesus, da mesma origem. Seu inventário está arquivado no MSJDR, no ano de 1746 e disponibilizado pelo Projeto Compartilhar. O local onde se procedeu o pedido de abertura de inventário foi "Sítio chamado sardinha, que era de propriedade de FRANCISCO DA COSTA". Dados estes que poderão serem confirmados em,
http://br.geocities.com/projetocompartilhar6/manoellourençodoamaral1744.htm - 13k
Anônimo disse…
José Renato, outra fonte por nós consultada foi o trabalho realizado pelo Irlandês, médico, historiador, genealogista, político e filantropo, residente em Campinas/SP de 1845 a 1893, onde faleceu. Trata-se de Ríchard Gumbleton Daunt, mais conhecido no ramo da genealogia por Ricardo Gumbleton Daunt. Existe uma publicação de São Paulo. Ano 1974. "O capitão Diogo Garcia da Cruz".
O Projeto Partilha trabalhou com esta obra tendo em vista a presença de um dos filhos de Diogo Garcia e Júlia Maria da Caridade, o décimo quarto deles, Mateus Luís Garcia, casado em 11.06.1771, na Igreja de Nossa Senhora da Conceição, Aiuruoca, com dona Francisca Maria de Jesus, filha de José Martins Borralho e de Theodora Barbosa de Lima, nascida e batizada neste mesmo local. Matheus Luís e dona Francisca foram os pais do Capitão Diogo Garcia da Cruz.
Ao Projeto Partilha coube estudo mais detalhado em outro filho do casal - DOMINGOS JOSÉ GARCIA, casado com sua sobrinha Vicência Cândida Cezarina, herdeira da tia e cunhada, Júlia Maria da Caridade (Ilhoa). Eram moradores em Nepomuceno, Minas Gerais, onde aparecem no Censo de 1831. Entre os legatários da tia, estava Júlia Maria da Caridade, afilhada e herdeira, nascida em 1840 e que, em 15.09.1849 casou-se com o alferes FLÁVIO ANTONIO DE MORAES, viúvo de Bernarda Cândida de Aguiar.
O interesse o Projeto Partilha na FAMÍLIA MORAES está fundamentado na origem da mulher de MANOEL ANTÔNIO RATES, dona Maria da Costa MORAES. Depois de anos procurando, ainda não são conhecidas as origens, nem a história, tanto de um com de outro. Desde o fim do ano de 2007 abrimos esta discussão mais geral, no entanto, ainda não chegamos aos resultados. A FAMILIA RATTES também mantêm um blog, que está inserido na busca. Você já o conhece?
familiarattes.blogspot.com
Anônimo disse…
Aproveitando a troca de informações feitas com José Renato, vamos registrar alguns dados, presentes no Inventário de dona Francisca Maria de Jesus, falecida em 1819 (segundo Ofício de Lavras). Constam 25 escravos; objetos de prata, cobre, ferro e terras no valor de 12:211$000. Segundo Ricardo Gumbleton Daunt, segundo cálculo de Arí Florenzano, as terras citadas deveriam corresponder 600 alqueires.

Ao Projeto Partilha interessa, particularmente, saber sobre a descendência do alferes FLÁVIO ANTÔNIO DE MORAES, viúvo de dona Bernarda Cândida de Aguiar e em segundas núpcias casado, em 15.09.1849 com Júlia Maria da Caridade, afilhada e herdeira de Júlia Maria da Caridade (uma das Três Ilhoas). Bernarda tiveram os seguintes filhos:

- José Flávio de Moraes, casado com Emerenciana Cristina de Moraes;

- Policena Claudina de Moraes, casada com José Rufino do Prado;

- Joaquim Flávio de Moraes e Silva, em 06.04.1861, casou-se com Paulina Cândida de Moraes (também chamada de Paulina Honória de Jesus), em Três Corações. Paulina era filha do tenente João Bernardes Pinto e sua segunda mulher Paulina Honória de São José;

Os filhos: Antônio Flávio de Moraes, Laurentina Cândida de Aguiar e João(menor) já falecidos e de cuja herança "era usufrutuário seu falecido pai".

Flávio e Júlia foram pais de:
- Felícia Cândida de Moraes, casada com José Anastácio Barbosa;

- Maria Catarina de Moraes Garcia, com 12 anos e 9 meses;
Vicência Cândida de Moraes, com 9 anos;
- Gabriela Flávia de Moraes, com 2 anos e 2 meses.
Anônimo disse…
TESTAMENTO SERRADO QUE FAZ d. INOCÊNCIA CONSTANÇA DE FIGUEIREDO, COMO AO ADIANTE SE DECLARA.

Documento publicado por Ricardo Gumbleton Daunt, em sua obra, " O Capitão Diogo Garcia da Cruz, nas p.298/299 e 300.

Alguns tópicos que estão diretamente ligados a nossa história:
- Declaro que fiz com meu filho Francisco uma troca de terras pertencente à minha terça na FAZENDA DO PARAÍSO, termo de Lavras, por (...);

- Fiz mais uma doação de terras na FAZENDA DO PARAÍSO ao Pe. Vitoriano Inocêncio Vilela de que passei escritura, a qual também quero que seja firme e valiosa;

- testemunhas presentes: Joaquim Flávio Terra; Manuel Francisco Terra; Joaquim José Pereira; Marciano José Pimenta e Clemente Ribeiro da Silva.

Obs. * Lembrando que Diogo Garcia da Cruz é irmão de Domingos José Garcia, casado com dona Vicência Cândida Cesarino.

* Em Documentos Interessantes, o professor Wanderley Ferreira de Rezende, p.18 de sua obra diz:

" Qualificação dos Jurados do Distrito da Boa Vista. Termo da Vila de Lavras do Funil, com assistência do atual Juiz de Paz, Francisco Daniel da Costa, Reverendíssimo Pe. VICTORIANO INNOCÊNCIO VILLELA e o Capitão Joaquim Fernandes Ribeiro de Rezende, feita no 1 de janeiro de 1840 na forma da Lei".
Anônimo disse…
Sobre DOMINGOS JOSÉ GARCIA, a genealogista Denise Cassia Garcia, em sua obra, "Os Garcia 'Frades'" - ascendentes e descendentes. Belo Horizonte. 1990 diz:
Domingos José Garcia, batizado em 1795 (Lv.1 suplemento, pág.187 - Casa Paroquial de Lavras - Minas Gerais) e não 1792, conforme Ricardo Gumbleton Daunt.
Casou-se com Vîcência Cândida Cezarino.
O inventário de Domingos José Garcia foi feito no Cartório do Segundo Ofício de Lavras, Minas Gerais, em 1864, sendo inventariante, a viúva, VICÊNCIA CÂNDIDA CEZARINO.
Aproximadamente 15 anos depois, faleceu Vicência, sendo também inventariados os seus bens no mesmo Cartório, em 1879, sendo inventariante, RAPHAEL SOARES DA COSTA (Rafael Soares da Costa). Não tivemos acesso a nenhum dos dois inventários, por motivos expostos anteriormente, mas sabe-se que o casal teve dez filhos. Domingos José Garcia também consta na Lista dos Cidadãos do Curato de São João Nepomuceno (Município de Nepomuceno, Minas Gerais), designado pelo Conselho de qualificação que formam a Lista da Reserva dos Guardas Nacionais de 19 de dezembro de 1831 e, a julgar pelo seu registro de batismo, deveria estar com 36 anos de idade e não com 40, conforme consta.

Arquivo

Mostrar mais

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiro s ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” T odos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cump

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

Carmo da Cachoeira — uma mistura de raças

Mulatos, negros africanos e criolos em finais do século XVII e meados do século XVIII Os idos anos de 1995 e o posterior 2008 nos presenteou com duas obras, resultadas de pesquisas históricas de autoria de Tarcísio José Martins : Quilombo do Campo Grande , a história de Minas, roubada do povo Quilombo do Campo Grande, a história de Minas que se devolve ao povo Na duas obras, vimo-nos inseridos como “Quilombo do Gondu com 80 casas” , e somos informados de que “não consta do mapa do capitão Antônio Francisco França a indicação (roteiro) de que este quilombo de Carmo da Cachoeira tenha sido atacado em 1760 ”.  A localização do referido quilombo, ou seja, à latitude 21° 27’ Sul e longitude 45° 23’ 25” Oeste era um espaço periférico. Diz o prof. Wanderley Ferreira de Rezende : “Sabemos que as terras localizadas mais ou menos a noroeste do DESERTO DOURADO e onde se encontra situado o município de Carmo da Cachoeira eram conhecidas pelo nome de DESERTO DESNUDO ”. No entanto, antecipando

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

Distrito do Palmital em Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. O importante Guia do Município de Carmo da Cachoeira , periódico de informações e instrumento de consulta de todos os cidadãos cachoeirenses, publicou um grupo de fotos onde mostra os principais pontos turísticos, culturais da cidade. Próxima imagem: O Porto dos Mendes de Nepomuceno e sua Capela. Imagem anterior: Prédio da Câmara Municipal de Varginha em 1920.

A origem do sobrenome da família Rattes

Fico inclinado a considerar duas possibilidades para a origem do sobrenome Rates ou Rattes : se toponímica, deriva da freguesia portuguesa de Rates, no concelho de Póvoa de Varzim; se antropomórfica, advém da palavra ratto (ou ratti , no plural), que em italiano e significa “rato”, designando agilidade e rapidez em heráldica. Parecendo certo que as referências mais remotas que se tem no Brasil apontam a Pedro de Rates Henequim e Manoel Antonio Rates . Na Europa antiga, de um modo geral, não existia o sobrenome (patronímico ou nome de família). Muitas pessoas eram conhecidas pelo seu nome associado à sua origem geográfica, seja o nome de sua cidade ou do seu feudo: Pedro de Rates, Juan de Toledo; Louis de Borgonha; John York, entre outros. No Brasil, imigrantes adotaram como patronímico o nome da região de origem. Por conta disso, concentrarei as pesquisas em Portugal, direção que me parece mais coerente com a história. Carmo da Cachoeira não é a única localidade cujo nome está vincul

Cemitério dos Escravos em Carmo da Cachoeira no Sul de Minas Gerais

Nosso passado quilombola Jorge Villela Não há como negar a origem quilombola do povoado do Gundú , nome primitivo do Sítio da Cachoeira dos Rates , atual município de Carmo da Cachoeira. O quilombo do Gundú aparece no mapa elaborado pelo Capitão Francisco França em 1760 , por ocasião da destruição do quilombo do Cascalho , na região de Paraguaçu . No mapa o povoado do Gundú está localizado nas proximidades do encontro do ribeirão do Carmo com o ribeirão do Salto , formadores do ribeirão Couro do Cervo , este também representado no mapa do Capitão França. Qual teria sido a origem do quilombo do Gundú? Quem teria sido seu chefe? Qual é o significado da expressão Gundú? Quando o quilombo teria sido destruído? Porque ele sobreviveu na forma de povoado com 80 casas? Para responder tais questões temos que recuar no tempo, reportando-nos a um documento mais antigo que o mapa do Capitão França. Trata-se de uma carta do Capitão Mor de Baependi, Thomé Rodrigues Nogueira do Ó , dirigida ao gove

O livro da família Reis, coragem e trabalho.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: 24º Anuário Eclesiástico - Diocese da Campanha Imagem anterior: A fuga dos colonizadores da Capitania de S. Paulo

A Paróquia Nª. Srª. do Carmo completa 155 anos.

O decreto de criação da Paróquia foi assinado pela Assembléia Legislativa Provincial no dia 3 de julho de 1857. Pela Lei nº 805 , a Capela foi elevada para Freguesia, pertencendo ao Município de Lavras do Funil e ficando suas atividades sob a responsabilidade dos Conselhos Paroquiais. O Primeiro prédio da Igreja foi construído em estilo barroco , em cujo altar celebraram 18 párocos . No ano de 1929, esse templo foi demolido, durante a administração do Cônego José Dias Machado . Padre Godinho , cachoeirense, nascido em 23 de janeiro de 1920, em sua obra " Todas as Montanhas são Azuis ", conta-nos: "Nasci em meio a montanhas e serras em uma aldeia que, ao tempo, levava o nome de arraial. (...) Nâo me sentia cidadão por não ser oriundo de cidade. A montanha é velha guardiã de mistérios. Os dias eram vazios de qualquer acontecimento." Ao se referir ao Templo físico dizia: "Minha mãe cuidava do jardim pensando em colher o melhor para os altares da Matriz

O distrito de São Pedro de Rates em Guaçuí-ES..

Localizado no Estado do Espírito Santo . A sede do distrito é Guaçuí e sua história diz: “ ... procedentes de Minas Gerais, os desbravadores da região comandados pelo capitão-mor Manoel José Esteves Lima, ultrapassaram os contrafortes da serra do Caparão , de norte para sul e promoveram a instalação de uma povoação, às margens do rio do Veado, início do século XIX ”.

Simpósio Filosófico-Teológico em Mariana

Aproxima-se a conclusão das obras de restauração na Catedral Basílica de Nossa Senhora da Assunção, Igreja Mãe de nossa Arquidiocese. Trata-se de expressivo monumento religioso, histórico e artístico, tombado no âmbito federal pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). A Arquidiocese de Mariana, a Faculdade Dom Luciano Mendes (FDLM) e o Instituto Teológico São José (ITSJ) organizam este Simpósio com o objetivo de refletir sobre os trabalhos de restauro que em breve serão entregues à comunidade, bem como debater o significado deste templo, em relação aos aspectos teológicos e sua importância artística e arquitetônica em mais de três séculos de existência. Programação : de 25 à 27 DE MAIO DE 2022 25/05/2022 – Quarta-feira Local: Seminário Maior São José-Instituto de Teologia 19h - SAUDAÇÃO INICIAL - Côn. Nédson Pereira de Assis Pároco da Catedral - Mons. Celso Murilo Sousa Reis Reitor do Seminário de Mariana - Pe. José Carlos dos Santos Diretor da Faculdade Dom