Pular para o conteúdo principal

Leonor Rizzi - Biografia

Itu, uma estância turística do Estado de São Paulo, viu nascer em 2 de fevereiro de 1944 a professora e genealogista Leonor Rizzi, uma descendente de imigrantes italianos da região de Gênova, cujos pais foram o ferroviário Diniz Rizzi e a costureira Malvina Demarqui Rizzi.

Estudou no tradicional Collégio Nossa Senhora do Patrocínio, sob os cuidados das Irmãs de São José de Chambéry¹. Aquele local, assim como boa parte de sua terra natal, é constituída de antigos monumentos arquitetônicos oitocentistas. Sendo também catecista e "filha de Maria".

Casou-se em 1964 com o professor Wagner Pereira da Mota e mudaram-se para a cidade de São Paulo em busca de melhores oportunidades de emprego. Lá ela ingressou no magistério público municipal, lecionando em diversos bairros da capital paulista, mas foi principalmente na década de setenta no bairro de Pirituba, no Paque Infantil Piritubinha², que desenvolveu uma metodologia de ensino própria que deu origem a obra "Atividades Lúdicas na Educação da Criança", feito em parceria com a Professora Regina Célia Cazaux, e publicado pela Editora Ática.

Por vários anos dirigiu a Escola Municipal de Educação Infantil Aluísio de Almeida, onde buscou incentivar a participação da comunidade nos problemas escolares. Graças ao trabalho de voluntários e com a ajuda dos pequenos empresários do bairro, conseguiram ampliar e dinamizar a escola. Neste local começou um trabalho de valorização do patrono da escola, o que lhe fez pela primeira vez entrar em contato com um instituto histórico e genealógico.

Ainda em São Paulo, formou-se em pedagogia pela Faculdade Campos Salles, e após sua aposentadoria escolheu viver na cidade de Carmo da Cachoeira, no Sul de Minas Gerais, onde buscou refúgio a vida agitada da megalópole paulista.

A possível possível reativação do Matadouro Municipal no berço da cidade e a criação de um Centro de Zoonoses, fez com que se uni-se a um grupo que veio a formar o GAPA, Grupo de Apoio e Proteção aos Animais. Inicialmente este grupo conseguiu o arquivamento do projeto do Matadouro e iniciou um trabalho de castração e de posse responsável de animais domésticos. Nos primeiros anos deste século, sob sua presidencia, a associação voltou sua atuação para a educação e conscientização da população para a importância de respeito aos animais.

O ambiente familiar e cultural de sua cidade natal, somados ao trabalho de conscientização feito pelo GAPA, fizeram-na paulatinamente desenvolver um trabalho de pesquisa sobre as origens do povo cachoeirense, originando o blog carmodacachoeira.blogspot.com, hoje a principal referência sobre a história e a genealogia da cidade. Ao seu trabalho uniram-se dezenas de cidadão mineiros interessados no engrandecimento e resgate cultural da região, formando o Projeto Partilha.

Em 2007 fez construir com o apoio da comunidade e autorização do sacerdote, um novo ponto de religiosidade na cidade, um pequeno Santuário Mãe Rainha e Vencedora Três Vezes Admirável de Schoenstatt em Carmo da Cachoeira, local hoje utilizado por diversas pessoas diariamente para suas orações.

1. Congregação das Irmãs de São José de Chambéry no interior paulista, 1889-1930: A Congregação feminina francesa irmãs de São José de Chambéry, exerceu durante a República Velha no interior paulista, considerável influência na organização da cultura, mormente sobre as mulheres. A educação religiosa feminina, principal atividade das irmãs, junto a manutenção de hospitais, creches, orfanatos e asilo para idosos, foram demasiadamente difundidas dentro dos propósitos da hierarquia religiosa católica adepta do ultramontanismo, que possuía um determinado conjunto de valores e posicionamentos em parte não condizentes com os propósitos sócio-culturais do novo sistema político que estava sendo estabelecido, a República. A presente comunicação tem o intuito de elucidar a participação desta Congregação no seio da hierarquia católica e, destacadamente, na formação de uma dada cultura feminina no Brasil relacionada em princípio com os grupos sóco-econômicos dominantes. Fonte: Patrícia Carla de Melo Martins - Unirp Unorp – São José do Rio Preto.
2. Atual na atual EMEI "Profª Olga Maria Germano Martins
Domingos".

Comentários

Leonor,
cliquei na sua biografia para me certificar sua residência,se em Carmo da Cachoeira, ou outra localidade - depois conto o motivo.
O interessante de tudo foi"dar de cara"com uma "patrícia" minha (sou cidadã) e de meu marido, Giovanni Boglione,de Revello(CN),a 50km de Turim.
E eu, coincidentemente,cara Leonor,assim como vc,sou neta de italianos vindos para o Brasil antes da virada do séc.XIX.Minha avó se chamava também Malvina ( e olha que este nome não é comum na Itália), Malvina Banterli( costureira tb,além de cabelereira p/homens),filha de Elisa Poletti e Alessandro Banterli- ela de Verona e ele de Nápoles. Se deslocaram para para este país, com os mesmos sonhos dos seus,melhoria da qualidade de vida,principalmente para os filhos,cujas vidas seriam em breve "honradas"com as armas da Pátria em guerra entre as naçõe; o adeus à Velha Pátria fazia-se necessário, como a centenas de milhares de italianos naquele mesmo período abandonaram a Itália!...o Porto de Santos e ... cada um para o lado que lhe aprouvesse... Vieram para o Sul de Minas e se firmaram em Dores da Boa Esperança.
Minha avò muito alegre, habilidosa com qualquer instrumento, piano, bandolim, harpa, acordeon etc... logo se casou - conquistou o marido de imediato, fácil, não lhe parece? com tantos meios de sedução a lhe favorecer?!... com Júlio César de Lara Silva(Família Bernardes de Lara de Carmo do Rio Claro),construtor,responsável por inúmeras antigas residências( luxuosas),hoje tombadas pelo Patrimînio Hist.da Cidade;e minha avó com seu atelieur de costura, além da criação de modelos da moda,belos vestidos em cetim de seda rebordados inteiros c/sotacho,muito usados pelas grandes damas da época.Sua auxiliar direta era Hermínia,a irmã mais velha,sempre atenta às "ordens" de minha avó sempre muito orgulhosa de suas obras de arte!Ainda havia o tio Hugo Banterli c/c Adelaide Freire, tia de Nelson Freire e prima de Newton Freire Maia,o grande cientista brasileiro, meu tio porque casou-se com a irmã caçula de meu pai, Flávia Naves Freire Maia.
Pois é,meu pai era José Lourenço Leite Naves, farmacêutico,poeta e prefeito por 2 mandatos,c/c Eunice Baterli Silva Naves.
E meu pai, caros Leonor e TS Bovaris,integra uma das grandes ramificações de um único tronco: João Naves Damasceno e Anna Vittoria de S.Tomé,onde tb estão o Abilon,o Nilson e tantos outros...Vcs nem podem calcular quantos!?!...
Bom, resido em Belo Horizonte c/meu marido e 1 filho, Stefano Naves Boglione,em junho próximo, advogado,como a mãe e pela mesma Universidade,a PUC, Pont.Univ.Cat.de M.Gerais.
Sou Dorense,como vcs podem perceber,pois, para meu pai "ser dorense"já traduzia uma honrosa qualidade!
Agradeço-lhes de coração pela alegria da recepção-tão raro nos dias atuais.
Se tudo hoje significa uma caixa de surpresa ( não é assim que comentam os "cumprades" e as "cumadres"? Terei sido premiada por vcs dois,e tão pertinho da minha terra,sutilmente,plantada aos pés da linda Serra!!!...
E lembre-se minha amiga, já nascemos com "gen" da Vitória...Paz para vocês!
Meu carinho,um beijo e muito sucesso SEMPRE!
Maria Eunice Naves
Meu e-mail: eunicenaves@terra.com.br
Baci !
Carlos Alberto Caldeira disse…
Parabéns Dona Leonor pela linda biografia e principalmente pelo teu exemplo de cidadania.Um grande abraço de seu amigo.
Anônimo disse…
Boa noite Leonor,

Vi um comentário seu no blog do Roberto Superconsignado, que me remeteu até aqui. Pergunto-lhe se sabe alguma coisa sobre as origens de Ribeirão Vermelho, como primeiros habitantes, fazendas, etc. Se puder entrar em contato comigo meu e-mail é mto1962@terra.com.br
Grato, Marcelo Teodoro
Patrícia Mares Guia disse…
Leonor,

Em primeiro lugar queria dar-lhe os parabéns pelo seu trabalho. Chamo-me Patrícia Mares Guia e sou bisneta de Luis Galvão Corrêa. O "médico dos pobres" de Carmo da Cachoeira. Tenho muita curiosidade de conhecer as descendências do Vô Luis(z).Graças à sua pesquisa, tenho hoje, os nomes dos pais , dos irmãos e data de falecimento. O destino uniu-me a Portugal; Sou casada com um português e pretendemos fazer uma trabalho de pesquisa no próximo agosto em Portugal.Não consegui encontrar o nome da terra onde nasceu meu bisavô. Sei que é da região de Trás-os Montes, mas essa é uma região muito grande. Portanto procuro informações de nome de cidade por onde possa ter passado ou vivido. Agradeço qualquer informação. Hoje fiquei sabendo que vô Luis era muito amigo e conterrâneo de "Seu Valadas", não encontrei nenhuma referência a essa família em Carmo da Cachoeira. Meu email é patricia_mguia@yahoo.com.br
Agradeço antecipadamente. Um abraço; Patrícia
Anônimo disse…
Sra. Leonor,
Sou do Rio de Janeiro, faço pesquisa genealógica, descendente de italianos, austríacos, ..., e um ramo da família brasileira encontrei na Paróquia de Carmo da Cachoeira, uma certidão de casamento dos meus tetravós: Casimiro José Eduardo e Anna Francisca de Jesus do Nascimento, casados na Ermida dos Terras em 24 de junho de 1871. Até conhecer seu blog hoje, nunca tinha encontrado nenhuma referência a tal "Fazenda e Oratório dos Terras". Poderia me ajudar a encontrar algum documento dessa fazenda, onde talvez exista alguma certidão de batismo desses meus tetravós, só assim poderei continuar minha pesquisa. Aguardo seu contato: rodandrian@yahoo.com.br
Agradeço sua atenção.
Rodrigo.
MarceloT. disse…
Olá Leonor,
Vi no blog Família Rattes um comentário seu a respeito da Fazenda Porto Alegre em Ribeirão Vermelho. VOcê tem alguma informação sobre ela e a família de Ana Custódia do Nascimento ?
Grato,
Marcelo Teodoro
mto1962@terra.com.br
Prezado Senhor Marcelo Teodoro,


Conversei com a Profª. Leonor a respeito de seu questionamento e ela sugeriu que o senhor procure o historiado Salviano da cidade de Ribeirão Vermelho. Pede ela tambuém que lhe diga que no blog www.carmodacachoeira.net existem vário dados que podem lhe ajudar. Lhe envio um link que pode lhe ajudar na busca:


Ribeirão Vermelho: http://www.google.com.br/#sclient=psy-ab&hl=pt-BR&rlz=1R2GPCK_pt-BRBR419&source=hp&q=%22Ribeir%C3%A3o+Vermelho%22+site:carmodacachoeira.net&pbx=1&oq=%22Ribeir%C3%A3o+Vermelho%22+site:carmodacachoeira.net&aq=f&aqi=&aql=&gs_sm=e&gs_upl=2305l20113l0l20471l47l46l1l0l0l0l590l11049l2-32.7.1.1l42l0&rlz=1R2GPCK_pt-BRBR419&bav=on.2,or.r_gc.r_pw.r_cp.,cf.osb&fp=d80edc2b7e0980f8&biw=1601&bih=865
Cátia Primon disse…
Oi Le,
desculpe-me por utilizar este espaço, mas foi a única maneira que encontramos para entrar em contato com você. Hoje, seu aniversário, gostaríamos de te desejar muita paz e saúde! Não conseguimos contato por telefone, estamos muito preocupados, por favor nos envie notícias.
Grande beijo,
Cátia, Suelí, Alvaro e Paulinho.
e-mail: catiaprimon@uol.com.br

Arquivo

Mostrar mais

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiro s ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” T odos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cump

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

Carmo da Cachoeira — uma mistura de raças

Mulatos, negros africanos e criolos em finais do século XVII e meados do século XVIII Os idos anos de 1995 e o posterior 2008 nos presenteou com duas obras, resultadas de pesquisas históricas de autoria de Tarcísio José Martins : Quilombo do Campo Grande , a história de Minas, roubada do povo Quilombo do Campo Grande, a história de Minas que se devolve ao povo Na duas obras, vimo-nos inseridos como “Quilombo do Gondu com 80 casas” , e somos informados de que “não consta do mapa do capitão Antônio Francisco França a indicação (roteiro) de que este quilombo de Carmo da Cachoeira tenha sido atacado em 1760 ”.  A localização do referido quilombo, ou seja, à latitude 21° 27’ Sul e longitude 45° 23’ 25” Oeste era um espaço periférico. Diz o prof. Wanderley Ferreira de Rezende : “Sabemos que as terras localizadas mais ou menos a noroeste do DESERTO DOURADO e onde se encontra situado o município de Carmo da Cachoeira eram conhecidas pelo nome de DESERTO DESNUDO ”. No entanto, antecipando

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

Cemitério dos Escravos em Carmo da Cachoeira no Sul de Minas Gerais

Nosso passado quilombola Jorge Villela Não há como negar a origem quilombola do povoado do Gundú , nome primitivo do Sítio da Cachoeira dos Rates , atual município de Carmo da Cachoeira. O quilombo do Gundú aparece no mapa elaborado pelo Capitão Francisco França em 1760 , por ocasião da destruição do quilombo do Cascalho , na região de Paraguaçu . No mapa o povoado do Gundú está localizado nas proximidades do encontro do ribeirão do Carmo com o ribeirão do Salto , formadores do ribeirão Couro do Cervo , este também representado no mapa do Capitão França. Qual teria sido a origem do quilombo do Gundú? Quem teria sido seu chefe? Qual é o significado da expressão Gundú? Quando o quilombo teria sido destruído? Porque ele sobreviveu na forma de povoado com 80 casas? Para responder tais questões temos que recuar no tempo, reportando-nos a um documento mais antigo que o mapa do Capitão França. Trata-se de uma carta do Capitão Mor de Baependi, Thomé Rodrigues Nogueira do Ó , dirigida ao gove

Distrito do Palmital em Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. O importante Guia do Município de Carmo da Cachoeira , periódico de informações e instrumento de consulta de todos os cidadãos cachoeirenses, publicou um grupo de fotos onde mostra os principais pontos turísticos, culturais da cidade. Próxima imagem: O Porto dos Mendes de Nepomuceno e sua Capela. Imagem anterior: Prédio da Câmara Municipal de Varginha em 1920.

O livro da família Reis, coragem e trabalho.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: 24º Anuário Eclesiástico - Diocese da Campanha Imagem anterior: A fuga dos colonizadores da Capitania de S. Paulo

A origem do sobrenome da família Rattes

Fico inclinado a considerar duas possibilidades para a origem do sobrenome Rates ou Rattes : se toponímica, deriva da freguesia portuguesa de Rates, no concelho de Póvoa de Varzim; se antropomórfica, advém da palavra ratto (ou ratti , no plural), que em italiano e significa “rato”, designando agilidade e rapidez em heráldica. Parecendo certo que as referências mais remotas que se tem no Brasil apontam a Pedro de Rates Henequim e Manoel Antonio Rates . Na Europa antiga, de um modo geral, não existia o sobrenome (patronímico ou nome de família). Muitas pessoas eram conhecidas pelo seu nome associado à sua origem geográfica, seja o nome de sua cidade ou do seu feudo: Pedro de Rates, Juan de Toledo; Louis de Borgonha; John York, entre outros. No Brasil, imigrantes adotaram como patronímico o nome da região de origem. Por conta disso, concentrarei as pesquisas em Portugal, direção que me parece mais coerente com a história. Carmo da Cachoeira não é a única localidade cujo nome está vincul

A Paróquia Nª. Srª. do Carmo completa 155 anos.

O decreto de criação da Paróquia foi assinado pela Assembléia Legislativa Provincial no dia 3 de julho de 1857. Pela Lei nº 805 , a Capela foi elevada para Freguesia, pertencendo ao Município de Lavras do Funil e ficando suas atividades sob a responsabilidade dos Conselhos Paroquiais. O Primeiro prédio da Igreja foi construído em estilo barroco , em cujo altar celebraram 18 párocos . No ano de 1929, esse templo foi demolido, durante a administração do Cônego José Dias Machado . Padre Godinho , cachoeirense, nascido em 23 de janeiro de 1920, em sua obra " Todas as Montanhas são Azuis ", conta-nos: "Nasci em meio a montanhas e serras em uma aldeia que, ao tempo, levava o nome de arraial. (...) Nâo me sentia cidadão por não ser oriundo de cidade. A montanha é velha guardiã de mistérios. Os dias eram vazios de qualquer acontecimento." Ao se referir ao Templo físico dizia: "Minha mãe cuidava do jardim pensando em colher o melhor para os altares da Matriz

O distrito de São Pedro de Rates em Guaçuí-ES..

Localizado no Estado do Espírito Santo . A sede do distrito é Guaçuí e sua história diz: “ ... procedentes de Minas Gerais, os desbravadores da região comandados pelo capitão-mor Manoel José Esteves Lima, ultrapassaram os contrafortes da serra do Caparão , de norte para sul e promoveram a instalação de uma povoação, às margens do rio do Veado, início do século XIX ”.

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se