Pular para o conteúdo principal

O sistema que domina a humanidade.


Os homens se distinguem dos animais talvez não por pensarem ou por terem capacidade de imaginação, mas por produzirem seus meios de vida.

Na sua evolução, podemos considerar que o homem sai da condição de animal para a de humano no instante em que, de alguma uma forma, passa a produzir o seu meio de vida, saindo do alheatório, colher, caçar e pescar.

E o homem começa a direcionar transformações dos elementos da natureza para a sua base de sustentação (alimentação). Tudo que se move e se transforma é energia e vem o uso da energia calorífica (fogo) e chega à utilização da energia muscular de outros homens (escravatura).

De qualquer modo, há uma segmentação da humanidade em senhores, escravos e indigentes.

Os senhores do poder, os que começam a controlar as tecnologias, incorporam, como patrimônio exclusivo, as terras das quais se apropriam e até mesmo os homens, que submetem com o uso de alguma tecnologia que lhes permite supremacia: fogo, pólvora, barcos, armas.

Os escravos, ontem nitidamente reconhecidos pela exploração do seu trabalho muscular, principalmente na agricultura e extração de minérios, hoje ganha conotação de "escravos sorridentes", submetidos à condições absurdas de trabalho pela necessidade de alimentar-se para sobreviver.

Os indigentes pululam pelos quatro cantos do mundo, vagando numa vida quase animal, envolvidos pelos vícios ou marginalizados por algum artifício.

Neste contexto, a Europa Ocidental, durante os últimos cinco séculos, arvorou-se em ser a "civilização" e, nesta segmentação, achou-se senhora do mundo, "escolhida" por Deus ou pelo destino para ser hegemônica no mundo.

Durante dois séculos, os países da Europa Ocidental, passaram a ocupar todas as partes do mundo, com viagens ao Caribe, sul da Ásia, China, Pacífico, América, por várias rotas. Inicialmente em descobertas, ao ponto de, em 1780, haverem poucas costas por explorar.

Após as descobertas veio a colonização e a consolidação comercial. Houve uma mercantilização do mundo à medida que os locais descobertos e depois colonizados, ou com pontos comerciais instalados, eram fornecedores de matérias-primas, especiarias e produtos d]que interessem aos europeus, sempre com barganhas e artifícios que os colocavam em situações de troca muito favoráveis.

Os povos de todas as partes do mundo foram envolvidos por um sistema de mercantilismo colonial, com mercados cativos para os manufaturados europeus que iam surgindo. Produziam, fundamentalmente, para o exterior (exportação), sejam especiarias, seja açúcar, minérios. Toda a produção local era controlada e monopolizada pelos europeus, portanto, dirigida para atender aos interesses externos. Aos periféricos reservavam, deste modo, a condição de serem fornecedores das matérias-primas que precisavam para manter o padrão de vida de suas populações.

Para isto, todos os métodos foram usados.Intrigas entre tribos africanas para obter os prisioneiros, transformados em escravos.

Crise artificial de fome, com a compra de toda a produção de arroz estabelecendo um monopólio capaz de impor preços extorsivos. A crise facilitou a dominação que objetivavam - Inglaterra, na Índia.

O ópio foi usado amplamente nos propósitos colonialistas para desagregar e dominar a China.

Entre 1850 e 1913 a África foi dividida em territórios, dominados pelos países europeus. Tinham, assim, as matérias-primas, não existentes na Europa, para o funcionamento de suas indústrias, além de produtos agrícolas.

Nisto tudo há episódios muito sangrentos, mas há, métodos mais sutis, como a catequese dos indígenas, realizada no Brasil.

Se tudo que usamos no nosso dia-a-dia vem da natureza, o aumento da população, o surgimento de variados tipos de manufaturas, alargou em muito a necessidade de matérias-primas e minérios.Os "senhores civilizados" tudo fizeram, então, para perpetuar a segmentação da humanidade e se aliaram à ciência para que o conhecimento não fosse estendido além do necessário para a manutenção da estrutura mercantilista. A religião, também, cooptou-se com os senhores, ao ponto de colocar índios e negros entre os indigentes que nem tinham alma.

Os estudos acadêmicos elegeram "mercado" para ser o equilibrador do mundo.Com o mercantilismo envolvendo o mundo, os "senhores civilizados" europeus firmando, cada vez mais, a expropriação dos países periféricos, propalaram que os mercados nas trocas de mercadorias têm o poder de se auto-equilibrarem, sob a égide de mecanismos de oferta e procura.

Lindo! Mas, como haver livre comércio, equilíbrio de mercados se muitos dos principais produtos do comércio internacional são controlados por pouquíssimas empresas? Que concorrência pode haver?

Diamantes, somente uma empresa controla. Estanho, duas empresas. Petróleo, cerca de seis empresas. A riqueza natural só deve ser vendida por valores que permitam ao produtor criar os seus filhos com dignidade.

Contatos com o autor Rui Nogueira pelos endereços eletrônicos:

próximo texto: A música da vida.
Texto anterior:
Rui Nogueira, questionador e desmistificador.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Biografia de Maria Antonietta de Rezende.

O prefeito municipal e a secretária de Educação, Cultura e Lazer, ao assinarem a apresentação da obra: “Atlas Escolar. Histórico e Geográfico do Município de Carmo da Cachoeira – MG. Edição 2007” declararam: “ Este Atlas permite às crianças descobrirem protagonistas de sua história. Conhecendo, passam contribuir para potencializar o que ela tem de bom, preservar seu patrimônio e símbolos do passado .” D entre os símbolos , o Hino da cidade. Escrito pela Professora Maria Antonietta , encontra-se em fase de oficialização. A tradição garante a manutenção desta criação. O povo canta , reconhece o hino de sua cidade, e atento acompanha o processo de sua oficialização. A administração pública e Câmara municipal apoiam a manutenção daquilo que foi consagrado pela tradição. Dois pontos fortes na letra do hino bastam para garantir sua oficialização. O primeiro é o que diz da religiosidade presente na população e que a cada dia se torna mais revelador da identidade e vocação de Carmo da