Pular para o conteúdo principal

Perdões e Sua História.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Cleuza Carvalho Marques, autora de Perdões e sua História, 2004, é perdoense, filha de José Augusto Pimenta e Ana Augusta de Jesus, é professora de Língua Portuguesa e Literatura Brasileira. Em sua carreira profissional, prestou relevantes serviços às escolas de Perdões, atuando como professora no ensino fundamental e no ensino médio, exercendo também as funçoes de Inspetora Escolar, Vice-Diretora da Escola João Melo Gomide, Diretora da Escola Estadual de Machados e funcionária da Superintendência Regional de Ensino de Montes Claros. No ano de 2001, ocupou o cargo de Secretária Municipal de Educação. Nesse período, assumiu a presidência do Conselho Municipal de Educação, Conselho de Acompanhamento e Controle do Programa de Garantia de Renda Mínima - Bolsa Escola, Conselho do FUNDEF, Conselho de Alimentação Escolar e Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, atuando, ainda, como Secretária Geral da Fundação Monsenhor Luiz Gonzaga - CEPROSUL, em Nepomuceno. Em 2002, iniciou intensos trabalhos de pesquisa que culminaram na publicação de Perdões e sua História.


Próxima imagem: A história de Januário Garcia Leal, o Sete Orelhas.
Imagem anterior: A história faz-se por meio de documentos.

Para adquirir a obra: José Pedro dos Santos ME - Tel: (35) 3864-1939 -
- Av. Régis Bittencourt, 12, Perdões, MG. -

Comentários

Anônimo disse…
Esta obra tem PREFÁCIO de Maria das Graças Carvalho Gomide e Dirlene Carvalho Villela, professoras de Língua Portuguesa e Literatura Brasileira.

PREFÁCIO

Não há pensador que negue a legitimidade, o mérito, o valor inconteste do que já passou para explicar o dia de hoje e os que virão.
Há grandes homens públicos que permanecem indissoluvelmente ligados ao tempo. Foi esse tempo que os suscitou nesta obra, dando-lhe também a medida da grandeza própria.
Em "Perdões e Sua História somos atores e espectadores de várias gerações que, como velas acesas foram se queimando na chama ardente e efêmera do sonho, do ideal, da esperança, da fantasia. E para a realização de tantos sonhos, como se fez necessária a integração das lideranças do País com a ação aglutinadora de nossos dirigentes, seres humanos preocupados com o bem-estar dos habitantes e com o processo de desenvolvimento da terra!
Dois séculos de vida deste chão! Gerações vão se interagindo e superando os limites impostos pelas condições sociais e naturais. E a mente humana de cidadãos despertados para a vida, comprometidos com o próximo, fervorosos em seus talentos e confiantes em seus sonhos, vão renovando conceitos, modelando a cidade em transformação, fazendo-a crescer e abrindo-a ao mundo. Quantas atividades sociais, quantos artistas, quantas festas, quantos bailes marcaram época!
A professora e vereadora CLEUZA CARVALHO MARQUES, ao conduzir sua pesquisa com tanta riqueza de informações, redescobre história e os costumes de seu povo, desde a chegada de Romão Fagundes, não se limitando a realizar um frio levantamento genealógico dos homens e mulheres que construíram esta pequena cidade do Sul de Minas.
Com grande êxito, a autora resgata os feitos, participa deles, contempla os fatos, conta um pouco dos personagens, tentando mantê-los vivos na memória de seus descendentes.
Cumpre assinalar, em favor do mérito desta obra, o inegável valor histórico, o ineditismo de certos documentos ligados à história. Aqui, são narrados e documentados com fatos, foto e correspondências, alguns dos relevantes episódios de nossa terra.
E é prazeroso reviver momentos inesquecíveis de sua vida, de seus vultos, dos grandes acontecimentos sociais e religiosos e acompanhar, passo a passo, o seu desenvolvimento. Pegadas que vão fazendo a história!
Ao agradecer o privilégio de prefaciá-lo, congratulamo-nos com a autora Cleuza, distinta pesquisadora, que buscou também compreender a complexidade dos fatores políticos e sociais envolvidos no contexto histórico.
Convidamos, agora, o leitor a embarcar neste trem para conhecer e recordar a História da "CIDADE AMIZADE", a nossa "terrinha".
Prepare-se, pois é uma viagem longa, cheia de lembranças mescladas de saudade!
Anônimo disse…
"Terra velha do ROMÃO FAGUNDES DO AMARAL.
Onde se plantou o seu primeiro rancho coberto de sapé? Em que veio d´água se dessedentaram os seus primeiros filhos? Em que canto de chão essa boa terra recebeu e abrigou os ossos de seu primeiro filho? Tudo se perdeu na poeira do tempo e no passar dos anos ..."
MARIA*

*Pseudônimo de Dulce de Oliveira.
Anônimo disse…
p. 19. Obra citada. " O primeiro documento histórico do município de Perdões, de que se tem conhecimento, data de 1770 e registra existência de um português, Romão Fagundes do Amaral, como fato determinado. Uma Carta de Sesmaria, concedida a ele, encontra-se no Arquivo Público Mineiro, livro cento e setenta e dois, página sessenta e nove e data de vinte e seis de novembro do ano de 1770. Nesse documento, pode-se constatar que Romão Fagundes era morador da Serra de Ibituruna, Termo da Villa de São José, Comarca do Rio das Mortes e através dele requeria que lhe concedesse terras na serra chamada de Senhor Bom Jesus, onde teve início o povoado de PERDÕES, justificando ter escravos e não ter em que ocupá-los. A ocupação, a que se referia Romão Fagundes, era a procura constante do ouro. A aprovação do pedido de concessão das terras foi firmada por Dom José Luiz de Menezes Abranches Castelo Branco e Noronha, Conde de Valladares, então Governador e Capitão General da Capitania de Minas Gerais. O processo de demarcação da sesmaria, requerido em 1772, encontra-se no Arquivo Regional de São João Del Rei Pró-Memória".
Anônimo disse…
Testamento Padre José Dias de Carvalho:

" (...) rogo a meu irmão Luiz Dias de Carvalho e a meu sobrinho e afilhado Francisco Antunes de Siqueira queiram ambos unidos em um só corpo serem meus testamenteiros e na falta destes o Ajudante Manoel José Pacheco Pina e de todos o Licenciado José Antonio Ferraz queiram por serviço de Deus ser meus testamenteiros (...).
"Declaro que sou natural deste Bispado de Mariana filho legítimo de José Dias de Carvalho e de sua mulher Francisca Pereira da Silva, já falecidos (...)".

Cf.: Projeto Compartilhar 3
http://br.geocities.com/projetocompartilhar3/josediasdecarvalhopadre1809.htm

... ... ... ... ... ...
"Declarou o dito cabeça de casal (JACOB DIAS DE CARVALHO) que a defunta sua mulher fora natural da Vila de Taubaté, Comarca de São Paulo, filha legítima de Manoel Pereira da Silva e de Joana Ayres (...)". Filhos declarados, entre outros:

- ANDREZA, de idade de trinta e um pouco mais ou menos casada com DOMINGOS DOS REIS E SILVA assistente (?) termos da Vila de São João Del Rei desta Comarca.

Obs.: " (...) cujo sítio parte com JOÃO DE ÁVILA e João de Mello, Francisco Xavier de Souza, Manoel Machado Pestana (...)".
Cf.: FRANCISCA PEREIRA DA SILVA.
http://br.geocities.com/projetocompartilhar3/franciscapereiradasilva1765.htm
Anônimo disse…
Segundo o relatório de 03/03/2006, enviado pelo historiador e pesquisador JOSÉ GERALDO BEGNAME ao Projeto Partilha,

Padre JOSÉ DIAS DE CARVALHO.
Referência: Processo de Genere.
Localização: Armário 07.
Pasta: 1113.
Local: Barbacena.

Uma observação do pesquisador:
"procurei retirar dos processos apenas o primordial para uma análise prévia. Havendo necessidade retorno aos mesmos para anotar testemunhas e mais dados sobre os habilitandos". Mariana, 27 de abril de 2006. José Geraldo Begname.
Anônimo disse…
Luiz Dias de Carvalho, filho de JACOB DIAS DE CARVALHO e de dona FRANCISCA PEREIRA DE JESUS, casou-se em Barbacena com dona Maria Joaquina de Souza (ou também, conforme sua certidão de casamentos Joaquina de S. Eufrasia).
Joaquina, filha legítima de Paulo de Souza Caldas e de Eufrásia Maria do Prado, nascida e batizada na freguesia de Baependi. O casamento de Luiz Dias de Carvalho e dona Joaquina ocorreu no ano de 1783 na Capela Santa Ana do Barroso (Barbacena).

Cf. Projeto Compartilhar
Site: Souza Caldas - Windows Internet Explores
http://br.geocities.com/projetocompartilhar/estudoSouzaCaldas.htm
Anônimo disse…
José Dias de Carvalho, o padre. Ano de 1755. Em seu processo de Genere, fl.82v., entre muitos outros dados, o seguinte:

"Certifico que em meu poder e cartório se acham uns autos de Matrimônio em que são contraentes JOCOB DIAS DE CARVALHO e FRANCISCA PEREIRA em que os quais a folha seis verço se acha uma sentença definitiva escrita e assinada pelo Reverendo Vigário que no ano de 1725 servia Antonio de Lima Fagundes cujo teor (...) é da forma e maneira seguinte:
(...) depoimento dos contraentes JACOB DIAS DE CARVALHO e FRANCISCA PEREIRA natural desta Villa serem solteiros e desimpedidos e sem estarem comprometidos em outra parte mais que o mutuo consentimento que tem procedido entre eles de se quererem (...) matrimônio (...).
Cf. Projeto Compartilhar. José Dias de Carvalho. Ano 1755.
Anônimo disse…
Segundo a obra citada, "Perdões e Sua História", p.24:
"Em 1771, Romão Fagundes adquire, por compra, a Sesmaria do Lambari, em Cristais. A extração do ouro atinge uma grande dimensão territorial: o vale do Rio Grande, Rio das Mortes, Cristais, Campo Belo, Cana Verde e Perdões.
O povoado denominado RETIRO DOS PIMENTAS tem sua história diretamente ligada ao arraial do Senhor Bom Jesus dos Perdões, constando, em relatos, a presença de Romão Fagundes nessa localidade, trabalhando a extração do ouro. Consta, ainda, em registros, a construção da Capela de São Sebastião que, com o passar dos anos, foi demolida, sendo outra edificada no mesmo local.
(p.26) Através de documento histórico do Arquivo Público Mineiro (Fragmento manuscrito da Carta de Sesmaria concedida a Manoel Correia Guimarães (Correa), podemos também comprovar sua presença, como morador do distrito da MATA DO SENHOR BOM JESUS DOS PERDÕES, ano de 1772, "terras à beira do Rio Grande".

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhôas de José Guimarães.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. F oi, seguido deste singelo bilhetinho que a obra " As Três Ilhoas " de José Guimarães, está em nossas mãos: Prezada Leonor Vai aqui o livro, uma Obra Póstuma, de meu marido José Guimarães. O livro vem completar a coleção da genealogia das Três Ilhoas, lançada em 1989. Agradeço a grande pesquisadora e genealogista Marta Maria Amato , pelo enriquecimento proporcionado pelas suas pesquisas. Gostei de saber que o Projeto Partilha está colaborando com o resgate da "História de Carmo da Cachoeira". Temos em nosso arquivo alguns dados das paróquias de Campanha, onde tem alguma coisa sobre sua cidade:a terra do Pe. José Bento Ferreira. Será? Atenciosamente Leyde M. Guimarães. Ouro Fino, 15-08-2006 Próxima imagem: O Capitão Diog

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

Eis o amor caridade, eis a Irmã Míriam Kolling.

À Irmã Míria T. Kolling: Não esqueçam o amor Eis o amor caridade , dom da eternidade Que na entrega da vida, na paz repartida se faz comunhão ! Deus é tudo em meu nada: sede e fome de amar! Por Jesus e Maria, Mãe Imaculada todo mundo a salvar! " Não esqueçam o amor ", Dom maior, muito além dos limites humanos do ser, Deus em nós, entrega total! Não se nasce sem dor, por amor assumida: Nada resta ao final do caminho da vida a não ser o amor . Próximo artigo: Até breve, Maria Leopoldina Fiorentini. Artigo anterior: Os Juqueiras, Evando Pazini e a fazenda da Lage

Padre José Procópio Júnior em Carmo da Cachoeira

Paróquia Nossa Senhora do Carmo sob nova guiança Editorial Sai Pe. Daniel Menezes, e assume como administrador paroquial da acolhedora cidade de Carmo da Cachoeira, em fevereiro de 2019, o Pe. José  Procópio Júnior. "Não cabe à pedra escolher o lugar que deve ocupar no edifício. Assim também não cabe à nós criaturas ditar ao Criador o que deve acontecer em nossa vida, pois Deus é quem sabe e dispõe com sabedoria própria." − Dom Servílio Conti, IMC Como página que observa os acontecimentos neste pedaço de chão mineiro, limitado por montanhas e que, segundo o cachoeirense Padre Godinho, “todas são azuis”, registramos o remanejamento ocorrido entre padres ligados a Diocese da Campanha no ano de 2019. Entre as mudanças encontra-se a Paróquia Nossa Senhora do Carmo/Carmo da Cachoeira – MG. Sai nosso querido Padre Daniel Menezes. Por ele continuamos a rezar e o devolvemos, entre lágrimas e a esperança de um dia tê-lo entre nós. Somos eternamente gratos e devedores. Entr

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.

F Luiz José Álvares Rubião, em publicação da obra, Álbum da Varginha pela Casa Maltese, às fls. (a publicação não contempla, nem ano, nem nº de páginas), descreve a Fazenda da Serra da seguinte forma: “A uma légua da freguesia do Carmo da Cachoeira, está situada a Fazenda da Serra, propriedade do Cel. Antônio Justiniano dos Reis”. Se diz: Freguesia, leia-se, após, 1857. Em publicação, no ano de 1918, Sylvestre Fonseca e João Liberal, às fls. 149, dizem: “O Cel. Antônio Justiniano dos Reis falecido o anno passado, foi um dos mais importantes fazendeiros do Distrido do Carmo da Cachoeira”. Ary Florenzano, genealogista, cita a Fazenda da Serra, apresentando-a como sendo o lugar onde pela primeira vez, aparece o nome Carmo da Cachoeira, em documento. O 21º Anuário Eclesiástico da Diocese da Campanha, 1959, fls. 28: “Aos onze dias do mês de novembro do ano de mil oitocentos e dezenove, na Ermida de Nossa Senhora do Carmo da Cachoeira, desta freguesia de São João Del Rei, receberam

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948