Pular para o conteúdo principal

A origem de José Roberto Reis.

De um casamento em São Thomé das Letras, no ano de 1813, chegou-se neste ano de 2008 a um apaixonado por genealogia, José Roberto Reis. Ele tem em seus ancestrais a linhagem dos "Branquinhos da Boa Vista", através de dona Bazilissa Cândida Branquinho, filha do alferes Luiz Gonzaga Branquinho e de dona Ana Cândida Meireles.

O casamento em São Thomé das Letras foi o casal mostrado nesta foto enviada por José Roberto, e que temos o prazer que registrar em nossas páginas. Deste casamento de Gabriel dos Reis e Silva, da fazenda Morro Grande, em Carmo da Cachoeira, e dona Basiliça, os internautas já estão familiarizados com um nome - a dona Zilah do Percy. Agora, deste mesmo tronco, apresentamos José Roberto Reis, nosso colaborador.

Dona Zilah descende de um dos filhos de Gabriel e Basilissa, o Antônio Justiniano dos Reis. Antônio Justiniano, da Serra, foi pai de Gabriel nascido na fazenda da Serra, em Carmo da Cachoeira, no ano de 1885, e morador na fazenda da Capitinga (Capetinga) e casado com dona Mariana Teixeira Reis, em primeiras núpcias e com a mãe de dona Zilah, Ana Reis (Naninha), em segundas núpcias.

Do mesmo Antônio Justiniano descende o José Roberto Reis, através de um irmão de Gabriel Justiniano, o Dr. João Batista Reis, pai de Dr. João Batista Reis, médico e fazendeiro, fazenda Figueira, município de Varginha, nascido na fazenda da Serra, em 11 de agosto de 1886. Foi casado com dona Mariana Paiva Reis (Nanica). Era neta do primeiro prefeito da cidade de Varginha - Major Matheus Tavares, nascida na fazenda do Mato da Onça, Município de Varginha. Da filha Norma Aparecida Reis, nascida em 1928 na cidade de Três Pontas, casada com seu primo José Maria Reis, fazendeiro, fazenda Bom Retiro, nasceu o nosso colaborador, José Roberto Reis, irmão de Antenor José Teixeira Reis, segundo a genealogia da Família Reis.

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Próxima matéria: Januário Garcia Leal e a fazenda Ventania.
Artigo Anterior: José de Moraes Raposo.

Comentários

Anônimo disse…
TRANSCRIÇÃO PELEOGRÁFICA

Enviada por José Geraldo Begname, ao Projeto Partilha.

Transcrição Paleográfica de Provisões existentes nos Livros de Registro Geral da Cúria arquivados no Arquivo Eclesiástico da Arquidiocese de Mariana, conforme referências.

Primeiro Documento:
Provisão de Pia batismal ao Alferes Bernardo Gonçalves Chaves e sua mulher Francisca Maria de Mendonça.
Livro de Provisão 1761-1764, Tomo I.
(fl. 21v) "Provisão para Pia baptismal. Em 4 de Dezembro de 1761 se registrou hua Provisam a favor do Alferes Bernardo Gonçalves Chaves/ e sua mulher para terem Pia baptismal na sua Ermida que pretendem Eregir com Invocação/ da Senhora Santa Anna do teor seguinte etc. Dom Frei Manoel da Cruz Bispo etc. Fazemos saber que/ attendendo nos ao que por sua petiçam retro nos enviou a dizer o Alferes Bernardo Gonçalves Chaves e sua mulher/ Francisca Maia Mendonça havemos por bem de lhes conceder licença pela prezente nossa Provisam para que/ devem ter Pia baptismal na Ermida da Senhora Santa Anna que pertendem eregir em uma das/ paragens declaradas na petiçam retro para nella se baptizarem as pessoas que naquelle destrito/ necessitarem deste Sacramento comtando (sic) que seja Pia de pedra bem lavrada com/ capacidade de nella se administrar o baptismo por immerção que esteja bem vedada, e lim-/pa em lugar decente feixada com chave que tenha por dentro alguma invenção artificial/ para se tapar, e destapar o sumidouro de agoa que não ficara dentro da dita Pia de/ hum dia para outro mas tanto que se administrar o baptismo se destapara logo o sumidor-/ro havera hum almario feixado com chave junto a Pia onde estarão as ambulas/ dos Santos oleos que serão ao menos de estanho, e fara os tau baptizados o Reverendo Paroco ou com/ licença sua outro qualquer sacerdote sem prejuizo algum dos direitos Parochiaes o qual/ fara com sua suficiente digo fara com toda a clareza os assentos e os entregar dentro/ de hum Mês ao Reverendo Paroco para os lansar nos livros delles, e havera hum Ritual Rommano per-/tencente a Fabrica da mesma Ermida para por elle se fazerem os Baptizados, e ser/ registada esta onde pertencer. Dada e passada nesta cidade de Marianna sobo nosso sgnal/ (fl.22) signal e sello de nossas Armas aos 13 de Dezembro de 1761. Eu Antonio Monteiro/ de Noronha Escrivam Ajudante da Câmara Episcopal que a escrevy e estava a Rubrica de Sua Excelentíssima Reverendíssima/ e no olugar do sello Monteiro. Chancela 3000". Nada mais havia no referido registro.
Anônimo disse…
TRANSCRIÇÃO PELEOGRÁFICA.

Enviada ao Projeto Partilha pelo historiador e historiador, José Geraldo Begname, Mariana, Minas Gerais.

Segundo Documento:
Provisão para Ermida ao Alferes Bernardo Gonçalves Chaves e sua mulher Francisca Maria de Mendonça.
Livro de Provisão 1761-1764, Tomo I.
(fl.22) "Provisão para Ermida. Em 4 de Dezembro de 1761 se registrou hua Provisam a favor do Alferes Bernardo Gonçalves/ Chaves e sua mulher Francisca Maria de Mendonça para eregirem hua Ermida com Invocação da Senhora/Santa Anna do teor seguinte etc. Dom Frei Manoel Bispo de Marianna etc. Fazemos saber que/ attendendo nos ao que por sua petiçam retro nos enviou a dizer o Alferes Bernardo Gonçalvez Chaves e sua mulher Francisca Maria de Mendonça havemos por bem de lhe conceder licença pelo/ presente nossa Provisam para que possão edificar hua Ermida com seu altar em que/commodamente se possa celebrar o Santo Sacrifício da Missa com Invocação da/ Senhora Santa Anna em huma das paragens declaradas na petiçam retro onde mais comve-/niente for na qual podera celebrar o Santo Sacrificio da Missa qualquer sacer / dote por nos aprrovado não só nos Domingos, e dias Santos mas também como nos / de trabalho tendo para isso todos os paramentos necessários, e ornamentos da cor / competente ao dia em que se celebrar, e poderão juntamente fazer a roda da / mesma Ermida hum cemiterio cercado para nelle enterrarem os defun / tos sem prejuizo dos direitos Parochiaes, com condição porem de fazerem / dentro do tempo de 3 annos pelos quaes somente lhe concedemos esta graça / hua capella sufuciente para a celebração dos officios Divinos e depois de as- /sim feitos e acabados a dita Ermida e cemiterio o seu Reverendo Paroco as visitara / e benzera somente o cemiterio na forma do Ritual Romano e achando / a dita Ermida decentemente paramentada lhe dara licença para nella se celebrar / o Santo Sacrificio da Missa, e que fara de tudo certidam nas costas desta para / a todo o tempo constar, e sera registrada onde pertencer. Dada e passada / nesta cidade de Marianna sob nosso signal, chancela, e sello de Ajudante da Camara Episcopal a Escrevy, e estava a Rubrica de sua Excelentíssima Reverendíssima / e no lugar do sello Monteiro. Chancela 2$200".
Nada mais havia no referido registro.
Anônimo disse…
TRANSCRIÇÃO PELEOGRÁFICA

Enviado pelo pesquisador e historiador José Geraldo Begname ao Projeto Partilha.

Terceiro Documento.
Provisão para Ermida ao Alferes Bernardo Gonçalves Chaves.
Livro de Provisão 1768-1770.
(fl.88v) "Ermida. Em o dito dia (12 de dezembro de 1769) se registrou hua Provisam para Ermida do teor / seguinte. Vicente Gonçalvez Joze de Almeida Conego prebendado na Santa Se de Marianna nella, e em todo o Bispado Vigário Ca- / pitular pelo Ilustríssimo Reverendíssimo Cabido sede vacante etc. / Fazemos saber a todos os nossos subditos saude e paz para sempre em Jesus Xpo nosso Senhor que atendendo nos aos que / por sua petiçam nos enviou a dizer a Alferes Bernardo Gonçalves / Chaves morador na comarca do Rio das Mortes, havemos por bem / conceder-lhe licença pela prezente nossa Provisam por tempo de / 3 annos para poder eregir hua Ermida com formalidade de ca- / pella tendo porta franca para a rua, sendo totalmente separada / (fl.89) das cazas de vivinde livres de comunicaçõens (profanas), e / uzos domésticos com seu altar proporcionado para nelle se poder de- / centemente celebrar o Sacro Santo Sacrifício da Missa tendo pedra / de Ara sagrada de suficiente grandeza todos os paramentos necessários / com mantos de 4 cores de que usa a igreja, e determinão os / cerimoniaes, e depois de assim satisfeito asinara nas costas com / o seu Reverendo Paroco termo pelo qual se obrigue asistir com todo o guizamento / necessario para a celebração do Santo Sacrificio, sem prejuizo porem / dos Direitos Parochiaes e de Fabrica da Matriz, e findos os 3 anos / pelos que somente lhe concedemos esta licença ficara esta de nenhum vi- / gor e sera registrada onde pertencer. Dada e passada nesta cidade/ Marianna sob nosso sinal, e sello da Meza Capitulara aos 12 de De / zembro de 1769. Eu Padre João Soares de Araujo escrivam da / Comarca. Nada mais havia no referido documento.
Anônimo disse…
Em seu testamento, entre tantas outras recomendações, Bernardo Gonçalves Chaves, casado com dona FRANCISCA MARIA DE MENDONÇA, diz:

" (...) 40 missas ditas pelo Pe. Alexandre Gomes Salgado, ou quem ele quizer na MINHA CAPELA DE SÃO BERNARDO (...)

Ermida e Capela de São Bernardo do Macaia, da Aplicação de Ibituruna (...).

O inventário tanto de dona Francisca, quanto do alferes Bernardo estão disponibilizados pelo Projeto Compartilhar. Ele nos informa da presença de alguns de seus descendentes em Pitangui. Ao ler os inventários temos que ter presente o lado paulista, na formação deste casal, e se lembrar de que até aproximadamente 1720 (pouco mais ou menos) a presença paulista em Pitangui era maciça. Daí, por força de política governamental, buscaram novas paragens. Ibituruna e seus arredores foi uma das opções no momento. Lembrar também que uma de suas filhas casou-se na FAMÍLIA MORAES (Antonio de Moraes Pessoa) (I). O Antonio de Moraes Pessoa (II) casou-se na Família Figueiredo, com Maria Teodora Figueiredo, filha de José Alves Figueiredo e de dona Maria Villela do Espírito Santo.

Arquivo

Mostrar mais

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiro s ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” T odos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cump

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

Carmo da Cachoeira — uma mistura de raças

Mulatos, negros africanos e criolos em finais do século XVII e meados do século XVIII Os idos anos de 1995 e o posterior 2008 nos presenteou com duas obras, resultadas de pesquisas históricas de autoria de Tarcísio José Martins : Quilombo do Campo Grande , a história de Minas, roubada do povo Quilombo do Campo Grande, a história de Minas que se devolve ao povo Na duas obras, vimo-nos inseridos como “Quilombo do Gondu com 80 casas” , e somos informados de que “não consta do mapa do capitão Antônio Francisco França a indicação (roteiro) de que este quilombo de Carmo da Cachoeira tenha sido atacado em 1760 ”.  A localização do referido quilombo, ou seja, à latitude 21° 27’ Sul e longitude 45° 23’ 25” Oeste era um espaço periférico. Diz o prof. Wanderley Ferreira de Rezende : “Sabemos que as terras localizadas mais ou menos a noroeste do DESERTO DOURADO e onde se encontra situado o município de Carmo da Cachoeira eram conhecidas pelo nome de DESERTO DESNUDO ”. No entanto, antecipando

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

Distrito do Palmital em Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. O importante Guia do Município de Carmo da Cachoeira , periódico de informações e instrumento de consulta de todos os cidadãos cachoeirenses, publicou um grupo de fotos onde mostra os principais pontos turísticos, culturais da cidade. Próxima imagem: O Porto dos Mendes de Nepomuceno e sua Capela. Imagem anterior: Prédio da Câmara Municipal de Varginha em 1920.

A origem do sobrenome da família Rattes

Fico inclinado a considerar duas possibilidades para a origem do sobrenome Rates ou Rattes : se toponímica, deriva da freguesia portuguesa de Rates, no concelho de Póvoa de Varzim; se antropomórfica, advém da palavra ratto (ou ratti , no plural), que em italiano e significa “rato”, designando agilidade e rapidez em heráldica. Parecendo certo que as referências mais remotas que se tem no Brasil apontam a Pedro de Rates Henequim e Manoel Antonio Rates . Na Europa antiga, de um modo geral, não existia o sobrenome (patronímico ou nome de família). Muitas pessoas eram conhecidas pelo seu nome associado à sua origem geográfica, seja o nome de sua cidade ou do seu feudo: Pedro de Rates, Juan de Toledo; Louis de Borgonha; John York, entre outros. No Brasil, imigrantes adotaram como patronímico o nome da região de origem. Por conta disso, concentrarei as pesquisas em Portugal, direção que me parece mais coerente com a história. Carmo da Cachoeira não é a única localidade cujo nome está vincul

Cemitério dos Escravos em Carmo da Cachoeira no Sul de Minas Gerais

Nosso passado quilombola Jorge Villela Não há como negar a origem quilombola do povoado do Gundú , nome primitivo do Sítio da Cachoeira dos Rates , atual município de Carmo da Cachoeira. O quilombo do Gundú aparece no mapa elaborado pelo Capitão Francisco França em 1760 , por ocasião da destruição do quilombo do Cascalho , na região de Paraguaçu . No mapa o povoado do Gundú está localizado nas proximidades do encontro do ribeirão do Carmo com o ribeirão do Salto , formadores do ribeirão Couro do Cervo , este também representado no mapa do Capitão França. Qual teria sido a origem do quilombo do Gundú? Quem teria sido seu chefe? Qual é o significado da expressão Gundú? Quando o quilombo teria sido destruído? Porque ele sobreviveu na forma de povoado com 80 casas? Para responder tais questões temos que recuar no tempo, reportando-nos a um documento mais antigo que o mapa do Capitão França. Trata-se de uma carta do Capitão Mor de Baependi, Thomé Rodrigues Nogueira do Ó , dirigida ao gove

O livro da família Reis, coragem e trabalho.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: 24º Anuário Eclesiástico - Diocese da Campanha Imagem anterior: A fuga dos colonizadores da Capitania de S. Paulo

A Paróquia Nª. Srª. do Carmo completa 155 anos.

O decreto de criação da Paróquia foi assinado pela Assembléia Legislativa Provincial no dia 3 de julho de 1857. Pela Lei nº 805 , a Capela foi elevada para Freguesia, pertencendo ao Município de Lavras do Funil e ficando suas atividades sob a responsabilidade dos Conselhos Paroquiais. O Primeiro prédio da Igreja foi construído em estilo barroco , em cujo altar celebraram 18 párocos . No ano de 1929, esse templo foi demolido, durante a administração do Cônego José Dias Machado . Padre Godinho , cachoeirense, nascido em 23 de janeiro de 1920, em sua obra " Todas as Montanhas são Azuis ", conta-nos: "Nasci em meio a montanhas e serras em uma aldeia que, ao tempo, levava o nome de arraial. (...) Nâo me sentia cidadão por não ser oriundo de cidade. A montanha é velha guardiã de mistérios. Os dias eram vazios de qualquer acontecimento." Ao se referir ao Templo físico dizia: "Minha mãe cuidava do jardim pensando em colher o melhor para os altares da Matriz

O distrito de São Pedro de Rates em Guaçuí-ES..

Localizado no Estado do Espírito Santo . A sede do distrito é Guaçuí e sua história diz: “ ... procedentes de Minas Gerais, os desbravadores da região comandados pelo capitão-mor Manoel José Esteves Lima, ultrapassaram os contrafortes da serra do Caparão , de norte para sul e promoveram a instalação de uma povoação, às margens do rio do Veado, início do século XIX ”.

Simpósio Filosófico-Teológico em Mariana

Aproxima-se a conclusão das obras de restauração na Catedral Basílica de Nossa Senhora da Assunção, Igreja Mãe de nossa Arquidiocese. Trata-se de expressivo monumento religioso, histórico e artístico, tombado no âmbito federal pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). A Arquidiocese de Mariana, a Faculdade Dom Luciano Mendes (FDLM) e o Instituto Teológico São José (ITSJ) organizam este Simpósio com o objetivo de refletir sobre os trabalhos de restauro que em breve serão entregues à comunidade, bem como debater o significado deste templo, em relação aos aspectos teológicos e sua importância artística e arquitetônica em mais de três séculos de existência. Programação : de 25 à 27 DE MAIO DE 2022 25/05/2022 – Quarta-feira Local: Seminário Maior São José-Instituto de Teologia 19h - SAUDAÇÃO INICIAL - Côn. Nédson Pereira de Assis Pároco da Catedral - Mons. Celso Murilo Sousa Reis Reitor do Seminário de Mariana - Pe. José Carlos dos Santos Diretor da Faculdade Dom