Pular para o conteúdo principal

O Diabo Azul e a pena para os suicidas por amor.

(...)

Porém quadro horrível e que só não me fez arrepias os cabelos da cabeça pelo simples fato de alma não ter cabelos, é o que vou contar-lhes agora. Depois de ter visto muita e muitas coisas estranhas e que, segundo julgo se acham bem acima das cogitações humanas e quando já me dispunha seguir para a Sala dos Despachos, de onde, só então, eu deveria ser sobrecarregado com as penas que me fossem impostas pelos poderes competentes do inferno, naquele exato momento comecei a ouvir gemidos, bandos de dor e lamentações as mais comoventes, que partiam de por trás de um cômodo que se apresentava à minha frente. Não quis ou não pude conter a curiosidade que de mim se apoderou e para aquele local me dirigi, seguindo de perto pelo meu sapientíssimo guia. O quadro que ali se me deparou, meus amigos, seria capaz de comover até a uma rocha: uma alma, entregue ao maior desespero estorcia-se, chorava, dava consigo por terra, talvez na ânsia de encontrar lenitivo para o seu sofrimento.

Eis ali as conseqüências das loucuras da mocidade, disse-me o Diabo Azul1. Aquele espírito animava o corpo de um jovem romântico, exaltado em todos os seus sentimentos e que, esquecendo-se de que na terra tudo é passageiro, tudo é ilusão, deixou-se dominar pela paixão que lhe despertara uma mulher.

Comecei a ficar de orelha em pé, mas o Diabo Azul continuou:

Resultado: certo dia a beldade o mandou, com toda a sua paixão, às urtigas e ele, não podendo suportar as magos resultantes da traição de que se julgava vítima, suicidou-se. Pois bem. É preciso que você fique sabendo desde já que, se já aqui no inferno espíritos que se divertem mais do que sofrem, em o número destes não se podem incluir os que se matam por questões de amor. Para esses desgraçados, não há aqui nenhuma contemplação, nenhuma piedade.

Naquele momento, meus amigos, minhas orelhas já estavam bem empezinhas porque, e isto eu ainda não havia doto, também eu me havia suicidado pro questão de amor. Contudo, desejoso de saber a causa de tão grande desespero, não sei como, ainda tive coragem de perguntar.

Mas afinal o que é que o faz sofrer daquele modo.

Nósreplicou-me o fiel servidor de Satã — temos aqui um castigo terrível, preparado especialmente para essa espécie de condenados às penas eternas e que vem a ser o seguinte: quando o espírito aqui chega nós, por artes diabólicas, como dizem vocês lá na terra, fazemo-los apaixonar-se por uma daquelas mulheres-espíritos que você ainda há pouco viu, mulheres que, afinal, outra coisa não são que verdadeiros demônios disfarçados; depois que o idiota se acha apaixonado quanto baste aos nossos fins, a mulher, isto é, o demônio, começa a fazer-lhe toda a espécie de pirraças, de sorte que o desgraçado termina por desejar outra morte. Damos-lhe, então, para beber, um líquido (a que os vivos dão o nome de filtro), a título de veneno capaz de acabar com a vida de qualquer espírito e ele, tomando-o, cada vez mais louco vai ficando. Digo-lhe ainda, antes de você me pergunte, que, depois de tomar a primeira dose do tal líquido, a que por tapeação damos o nome de Espiriticida, mesmo que não queira, impelido por uma força estranha ele continua a tomá-lo, de sorte que o seu tormento vai crescendo cada vez mais.

Eu é que não quis ouvir mais. Estava satisfeito e enquanto o Diabo Azul piscou um olho e preparava-se para piscar o outro, já eu me encontrava em frente à enorme porta que naquele preciso momento o L. Melo2 havia escancarado para receber o meu Barão de Faria, que também tinha cometido a loucura de matar-se por questões amorosas. Precipitei-me pela porta e agarrando o recém-chegado pela cintura, arrastei-o comigo, berrando: fujamos daqui, desgraçado; será muito melhor sofrer todas as torturas que nos infligem as mulheres lá na terra, do que agüentar no inferno sofrimentos mil vezes piores por amor de demônios fantasiados de mulheres.

E desandamos a descer rumo à terra até que, faltando-me apoio para os pés, precipitei-me de ponta-cabeça no meio do quarto, levando debaixo do braço a almofada da minha cama.
Que pesadelo horrível, meus amigos!

Prof Wanderley Ferreira de Rezende

trecho do Livro: Gaveta Velha.

Próximo trecho: Crisélia, a 10ª Musa do Panteão Greco-brasileiro.
Trecho anterior: Quinzinho continua seu passeio pelo Inferno.

1. Diábo Azul, pseudônimo do agrimensor e rábula varginense Luiz Alves Rubião, autor de uma série de contos regionais muito interessantes, que publicava no “Arauto do Sul”.
2. Leopoldo de Melo Pádua, proprietário e diretor do jornal “Arauto do Sul”, semanário que circulou em Varginha durante muitos anos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Biografia de Maria Antonietta de Rezende.

O prefeito municipal e a secretária de Educação, Cultura e Lazer, ao assinarem a apresentação da obra: “Atlas Escolar. Histórico e Geográfico do Município de Carmo da Cachoeira – MG. Edição 2007” declararam: “ Este Atlas permite às crianças descobrirem protagonistas de sua história. Conhecendo, passam contribuir para potencializar o que ela tem de bom, preservar seu patrimônio e símbolos do passado .” D entre os símbolos , o Hino da cidade. Escrito pela Professora Maria Antonietta , encontra-se em fase de oficialização. A tradição garante a manutenção desta criação. O povo canta , reconhece o hino de sua cidade, e atento acompanha o processo de sua oficialização. A administração pública e Câmara municipal apoiam a manutenção daquilo que foi consagrado pela tradição. Dois pontos fortes na letra do hino bastam para garantir sua oficialização. O primeiro é o que diz da religiosidade presente na população e que a cada dia se torna mais revelador da identidade e vocação de Carmo da

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se

A pedra de moinho da fazenda Caxambu.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Ary Silva da família Dias de Oliveira - Bueno. Imagem anterior: Nuvens sobre a tradicional fazenda Caxambu.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948