Pular para o conteúdo principal

A importância da dúvida e o senso comum.


Dúvida é a incerteza sobre a realidade de um fato ou a verdade de uma asserção.
A dificuldade em crer.

Não devemos aceitar como definitiva nenhuma palavra, nenhum discurso, mesmo que venha de autoridade ou seja divulgado pelos meios de comunicação, ainda que sob ares de verdade.

A dúvida é a mãe do senso crítico.
O senso crítico é a matriz da maturidade.

Mantenha-se firme no desejo de preservar até o fim na busca da verdade, do equilíbrio, sem trilhar o caminho da indecisão ou do céptico.
Seja um baluarte para impedir a massificação da mente humana e a automatização das atitudes das pessoas.
Esteja atento para não cair na rede dos conceitos preconcebidos, no embotamento da mente, presa em frases feitas sem conteúdo e alienantes que ditas e repetidas insinuam-se como verdade definitiva.
Lembre-se que a essência do efeito da propaganda é a repetição.
Repetição e repetição exaustiva para ocupar todos os espaços do pensamento e transformá-lo em executor de ações maquinais e sem vontade própria.

Como se multiplicam os anúncios de um só produto!

Sem a dúvida não se desenvolve o espírito crítico para perceber o que está por trás das belas apresentações, das atraentes embalagens, das frases repisadas.
Duvide, busque os objetivos escondidos.

Participe, com tantas pessoas quantas puder, do maravilhoso processo de renovação e melhoria da vida humana pelo poder do senso crítico.
Qualifique o seu espírito com a benção da dúvida.

Contatos com o autor pelos endereços eletrônicos:

Comentários

rui nogueira disse…
DESPERTA!

Não deixe que a acomodação e a rotina engessem sua vida.
O "Isso não é comigo" tem de desaparecer da sua mente.
Execute cada tarefa com a visão renovada e o imenso amor de querer um mundo melhor para todos. Isso trará alegria para você mesmo.
Renove, em cada manhã, o seu armazenamento de idéias e alegrias para construir o viver bem, sabendo criticar e rejeitar as explorações da minoria que escraviza o mundo.
Sinta a grandeza da simplicidade.
Para que sucos cheios de aditivos e corantes que prejudicam a sua saúde, se existem os sucos naturais, muito melhores?
Alerte seu companheiro que ainda não se libertou da propaganda enganosa.
Que tal cuscuz em vez de pão com bromato?
Não seria melhor a manteiga daqui, em vez da margarina com quilômetros de viagem carregando os seus aditivos?
Tenha a alegria de ver o seu filho brincando com brinquedo artesanal, em vez de uma geringonça importada.
Antes de mais nada, temos de valorizar o que é produzido próximo de casa. Assim, este seu vizinho produtor terá como criar os seus filhos e todos nós teremos uma comunidade melhor.
Esta é a maneira de humanizarmos a nossa comunidade, combatendo o gigantismo das grandes empresas "virtuais" transnacionais.
Lá, de longe, elas apenas contabilizam lucros extorsivos, após destruir a produção local.
Nós, aqui, conjugamos esforços para uma vida digna e melhor.
Ajude a todos e cumpra, alegremente, a sua tarefa de propiciar a construção de um mundo melhor, neste SÉCULO XXI.

ESTAMOS BEBENDO ÁGUA POLUÍDA.
ÁGUA, AÇUCAR, TINTA E ADITIVOS QUÍMICOS SEM QUALQUER VALOR NUTRITIVO É O QUE ESTÃO EMPURRANDO EM CIMA DE NOSSOS JOVENS.
TUDO PELO DINHEIRO.



As comunidades, principalmente escolares, têm que exercer o seu trabalho educativo, neutralizador da propaganda sórdida, incentivando o consumo de sucos de frutas naturais.
Ary disse…
"Não creiais em coisa alguma pelo fato de vos mostrarem o testemunho escrito de algum sábio antigo. Não creiais em coisa alguma com base na autoridade de mestres e sacerdotes. Aquilo, porém, que se enquadrar na vossa razão e, depois de minucioso estudo, for confirmado pela vossa experiência, conduzindo ao vosso próprio bem e ao de todas as outras coisas vivas : A isso aceitai como Verdade. Por isso, pautai a vossa conduta."
(Sidarta Gautama, 500 A.C)
projeto partilha disse…
Do livro, "encontros e desencontros", Maria Antonietta de Rezende.

ANTIGAMENTE

Antigamente,
Era tudo diferente:
As crianças
Tinham infância,
Eram inocentes,
Brincavam de roda,
De boneca,
E de casinha.
E os adolescentes,
Dificilmente,
Tinham filhos,
De afogadilho.
Preservativos?!
Só no arquivo
Muito secreto
De algum casal
Muito discreto,
Ou na cama da mulher-dama!
Antigamente
Havia amor,
Havia flor
De laranjeira,
Havia calma, Havia alma.
Hoje, há sexo
Muito sem nexo.
Hoje, há pressa
De experimentar,
De gostar
E desgostar,
De amar
E desamar,
De casar
E descasar!
Antigamente,
Era bem diferente!
Mas isso foi
Antigamente!
Seja diferente!
Não tenha pressa,
Seja prudente!
Quem tem pressa
Atravessa,
"Come cru,
E como quente!"

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiros ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” Todos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cumprir …

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.


Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977.
Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Aparições de Nossa Senhora em Carmo da Cachoeira.

A PADROEIRA
Senhora do Carmo
Informativo da Paróquia Nossa Senhora do CarmoEdição ExtraordináriaFEVEREIRO de2012
Carmo da Cachoeira/MG - Diocese da Campanha

NOTA DE ESCLARECIMENTO AOS PAROQUIANOS Pe. André da Cruz


Ultimamente, o fenômeno de supostas “aparições” de Nossa Senhora têm se multiplicado no, Brasil e em outros países, deixando muita gente confusa, tanto na vivência da Fé cristã, como no discernimento da veracidade dos fatos.
Como pastor dos católicos cachoeirenses ou demais participantes da Paróquia Nossa Senhora do Carmo não posso me furtar a trazer algumas reflexões e esclarecimentos de forma refletida, prudente e baseada nos subsídios doutrinais da Igreja Católica e à luz do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Dessa forma, transmito aos prezados paroquianos algumas orientações feitas pela Conferência Nacional dos Bispos no Brasil, que em seu documento “Aparições e Revelações Particulares”, afirma:
Nos últimos anos, o número de “aparições” e “revelações” particulares, princi…

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Paulo Naves dos ReisPróxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas.
Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.

Observando os mapas do Quilombo de São Gonçalo, o da Samambaia e o do Ambrózio, todos com uma duração temporal grande permitindo, em última instância, uma certa estabilidade populacional e social capaz de gerar uma sociedade mais complexa, propiciadora de elementos materiais mais duráveis, percebe-se que eles possuíam muitas semelhanças e dentre elas, a delimitação de seus territórios por fossos, estrepes e trincheiras. Neste território se dava a vida social do grupo, ou seja, as relações econômicas, sociais e provavelmente políticas. As casas dos quilombos estavam divididas entre moradias e casas para atividades específicas, como por exemplo, ferraria, casa do curtume e a casa dos pilões. No Quilombo do Campo Grande, em 1746, foi localizado mais de 600 negros vivendo com “... fortaleza, cautelas e petrechos tais que se entende pretendem se defender-se...”1Uma outra referência sobre o mesmo quilombo, afirma que os quilombolas se defenderam por mais de 24 horas, protegidos por um palan…

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Pedro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas, especialmente de Três Pontas. Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui, descendentes de Joaquina do Pompéu.Pedro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas¹. Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça.Filhos do casal:- Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza;
- Cônego Francisco da Silva Campos, ordenado em São Paulo , a 18.12.1778, foi um catequizador dos índios da Zona da Mata;
- Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09.1759;
- João Romeiro Furtado de Mendonça;
- Joaquim da Silva Campos, Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos AnjosFilhos, segundo informações de familiares:-Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos, primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira, este nascido em Lagoa Dourada³;
- Joaquim da …

Deus Pai, o Divino Espírito e a Sagrada Família.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Evando Pazini - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Manoel Antônio Teixeira da Fazenda Campestre.
Imagem anterior: Antigo telefone da fazenda da Serra.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.
Esta foto foi nos enviada por Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio).
Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Barleus e a imagem do Quilombo dos Palmares.

..., só se conhece uma imagem feita sobre Palmares durante sua existência. Trata-se da feita por Barleus1 em 1647 e reproduzida em Reis2. Infelizmente, esta imagem não possui riquezas de detalhes ou de informações. Aparentemente, trata-se de um posto de observação à beira de um rio que serve de local de pescaria coletiva.
Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: O negro aquilombado e a população colonial.
Texto Anterior: Padre Vieira e a legítima sua organização dos quilombos.
Figura: Imagem de Palmares - Barleus
1 Barleus, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.
2 REIS, João José e GOMES, Flavio dos S. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996. p. 33

A importância e o trabalho dos ferreiros.

Pode-se perceber nos mapasfeitos sobre os quilombos que o espaço interno da estrutura era usado de maneira a indicar uma provável especialização das diferentes construções. Esta espacialidade poderia indicar uma certa hierarquia social dentro da comunidade. O fato de que a casa de ferreiro (São Gonçalo), a Casa do Conselho e do Tear (Perdição), a Casa de audiência (Samambaia) e a Casa do Rei (Braço da Perdição), estarem sempre em local destacado é sugestivo. O que isto pode indicar? É possível a partir destes dados, pressupor que houvesse no interior das comunidades quilombolas uma hierarquização política e social, já que elementos que desempenhavam um papel de destaque para a manutenção dos grupos claramente tinham seu espaço físico igualmente destacado.
O caso das Casas de ferreiro que aparecem no quilombo da Samambaia e no de São Gonçalo é curioso porque pode nos remete à uma prática antiga na África, ou seja, o uso do metal. É provável que os quilombolas utilizaram-se desse conhec…