Alguns Moraes e o casamento na Boa Vista.

Dona Francisca de Macedo, casada com Antônio Vieira foram país, entre outros de Antônio Vieira de Moraes, casado com dona Ana Pires. A partir desta geração muito tem sido escrito e provado através de documentação. Elas são fartamente disponibilizadas pela Genealogia Villas-Boas e pelo Projeto Compartilhar.

Antônio Vieira de Moraes, casado com dona Ana Pires, já falecida por ocasião de sua filha Ângela Pires de Moraes em 03-10-1749. Nesta cerimônia de casamento foi uma das testemunhas, Antônio do Vale Ribeiro, irmão de Ângela de Moraes Ribeiro (Ribeira) (Morais), mãe de José Joaquim Gomes Branquinho da fazenda Boa Vista, sede do distrito da Boa Vista, município de Lavras do Funil, antiga sede do distrito, que após sua transferência para a Cachoeira dos Rates, recebeu nova denominação - Carmo da Cachoeira dos Rates, hoje Carmo da Cachoeira.

O casal Antônio Vieira de Moraes e do Ana Pires, filho de Antônio Viera e dona Francisca de Macedo foram pais de cinco filhos:
» Ângela Pires de Moraes, nascida em 1736 e casada com Mathias da Silveira Andrade (Matias), da Ilha do Faial. Nosso foco nesta filha não tem outra intenção, a não ser ligá-la, pela geração, a Manoel Antônio Rates (Rattes), que deve ter nascido nesta mesma época (em meados do século XVIII);
» Maria da Assunção Moraes, falecida em 14-5-1794, casada com Antônio de Brito Peixoto, falecido em 29-2-1758. Entre outros filhos, Maria e Antônio de Brito teve a Manoel Joaquim de Andrade que se casou com dona Laureana de Sousa Monteiro (Souza), pais de dona Venância Constância de Andrade¹;
» José de Moraes e Oliveira;
» Francisco Pires de Moraes;
» Carlos, com 10 anos em 1740.

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Próxima matéria: Parte da genealogia cachoeirense.
Artigo Anterior: Ermida em Três Corações - registro do Séc. XVIII.

1. Em seu testamento, aberto em 1846 e escrito e assinado em 1841, dona Venância diz, fls.06: "fui casada com Manoel Joaquim de Santana. Tivemos três filhos: José Marcelino de Andrade; Maria Emerenciana de Andrade e Laureana Felícia de Andrade (Lauriana)". O casal Venância Constância e Manoel Joaquim fazem a seguinte ligação:
- com Antonio Vieira de Moraes, através de Dona Venância e seus pais;
- com Diogo Garcia e Júlia Maria da Caridade através de Manoel Joaquim de Santana;
- com Maria Pedrosa e Gaspar Vaz da Silveira, através de Maria de Nazaré Andrade, mãe de Manoel Joaquim e filha de Isabel Pedrosa e José Rodrigues Goulart.

Comentários

projeto partilha disse…
Uma contribuição muito especial. Veio através de NILSON NAVES.

ASCENDÊNCIA DE FRANCISCA MACEDO DE MORAES.


M. (?) de MORAES ou Ignez Rodrigues de MORAES (não se sabe o certo), nascida e falecida em Portugal, casou-se com Vasco Peres D´Antas, nascido e falecido em Portugal, descendente de D. Mendo Alam, que viveu durante os reinados de D. Fernando ou Magno (assumiu o trono de Castela em 1035 e faleceu em 1065) e D. Affonso VI (nascido em 1035 e falecido em 1109), que deu origem ao tronco dos "Bragantões". D. Meno foi casado com uma filha do rei da Armênia, que, com o pai, viera em romaria ao túmulo do apóstolo São Tiago na Galiza. Segundo o "Livro Velho de Linhagens", teria tomado a princesa à força.

2 - Affonso Pires de Moraes D´Antas, nascido e falecido em Vimioso (Portugal, casou-se com Aldonça Gonçalves de MORAES, nascido e falecido em Portugal. Viveram ao tempo de D. João I, que reinou de 1385 a 1433.

3 - Mendo Affonso de MORAES D´Antas, Senhor de Vimioso (Portugal), onde nasceu e faleceu, casou-se com Margarida de Vasconcellos, nascida e falecida em Portugal.

4 - Estevão Mendes de MORAES D´Antas, nascido e falecido em Vimioso, casou-se com Maria de Madureira, nascida e falecida em Portugal. Perdeu para a coroa, por um legalismo, no tempo de D. João II (reinou de 1481 a 1495), a alcaiadaria-mor de Vimioso.

Postado por Nilson Naves.
projeto partilha disse…
Segundo Cid Guimarães, em publicação na Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores em História e Genealogia - ASBRAP. Ano - 1999:234-236,dona Francisca Macedo de Moraes foi casada com Antônio Vieira de Moraes. Dona Francisca Macedo de Moraes foi também sogra de André do Vale Ribeiro, casado com dona Teresa de Moraes, pais de dona Ângela de Moraes Ribeiro (Morais)/(Ribeira). Neste ponto, e com a descendência dos "Bragantões" chaga a FAZENDA BOA VISTA, sede do Distrito de Carmo da BOA VISTA, Lavras do Funil, na pessoa de JOSÉ JOAQUIM GOMES BRANQUINHO.
projeto partilha disse…
Como um dos elementos de estudo e apoio, o Projeto Partilha, utilizou-se do estudo do Licenciado em História e Coordenador do Centro de Documentação e Memória de Teresópolis - RJ, PAULO PARANHOS. Existe um artigo escrito por ele e disponibilizado em http://www.historica.arquivoestado.sp.gov/mat...
Tema: Primeiros núcleos populacionais no Sul de Minas Gerais. Neste trabalho são abordados: Baependy/Aiuruoca/Campanha, Municípios, de certa forma, berço de muitos "dos nossos".

Para que possamos conhecer gente que estava na região, e que ainda não tinham sidas apontadas na Genealogia Paulistana, podemos buscar atalhos de apoio em:
- Nogueiras do Brasil - Um Projeto de José Luiz Nogueira - ANNA DE JESUS NOGUEIRA - Windows Internet Explorer.
http://www.hploco.com/ihggi/ANNA_DE_JESUS_NOGUEIRA.html. Neste site vamos encontrar duas irmãs casadas com dois irmãos. Dona Escolástica e dona Brígida, descentes dos "Nogueiras do Ó". Foram casadas com Ignácio Rodrigues de Gouvêa e Matheus Rodrigues de Gouvêa. São filhos de João Rodrigues Villa Verde e de dona Josepha de Gouvêa (portugueses). Este Aporte à Genealogia Paulistana está disponibilizado pelo Projeto Compartilhar. Em JOÃO RODRIGUES VILLA VERDE, vamos encontrar a mulher de Ignácio Rodrigues de Gouvêa, casado com dona Escholástica Maria Nogueira (Escolástica). A irmão de dona Escolástica, dona Brígida Nogueira, casou-se com um irmão de Ignácio, Matheus Rodrigues de Gouvêa.

Ainda sobre Tomé Rodrigues Nogueira do Ó, o fundador de Baependi há dados na Revista ASBRAP n. 1. Ano 1994.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.