Pular para o conteúdo principal

Congada em homenagem às raízes africanas.

O terno de congada de Carmo da Cachoeira chama-se é Terno de Congada de São Benedito. Pai Paulo é uma figura histórica local. Viveu nos idos anos do século XVIII, antes da extinção dos quilombos da região e a ele se deve o nome de uma cachoeira, a Cachoeira de Pai Paulo ou como errôneamente é chamada Cachoeira de Pai Polo.

Segundo o pesquisador Jorge Fernando Vilela, Pai Paulo foi o Rei do Quilombo Gondu, na região de Carmo da Cachoeira. Ele esteve por aqui em algum momento de sua trajetória de vida, marcada por fugas contínuas, lutas e desafios, sempre em busca de refúgio e proteção de seu grupo. O fato ocorria devido a ação exterminadora levada avante pelo projeto do império colonial português. O objetivo da extinção era limpar a área para organizar uma colônia com base em seu padrão ideológico e que viesse atender as necessidades da coroa.

Dr. Tarcísio José Martins estudou os Quilombos do Campo Grande. Sua riquíssima obra contém 1033 páginas, e foi publicada no ano de 2008, pela Editora Produção de Livros, de Contagem, Minas Gerais. O historiador Paulo Costa Campos define o termo quilombo como sendo "Aldeamento formado por negros fugidos. Havia, entre a população dos quilombos muitos brancos. A estrutura governamental era incipiente, com um rei ou chefe, auxiliares equivalentes a ministros e uma organização militar elementar, além de encarregados do plantio e de outras tarefas. O sentimento comunitário entre os seus membros era muito forte. Tudo era produzido na aldeia destinava-se à comunidade e era armazenado em paióis construídos pelos quilombolas".

Júnior Caldeira está buscando criar condições para que a história do Quilombo do Gondu e o Termo de Congada de Carmo de São Benedito, sejam incluídos nos calendários de atividades culturais de Carmo da Cachoeira, como uma forma de trazer o presente as lutas de nosso passado.

Foto: Maria do Carmo - Arte: TS Bovaris - Texto: Profª. Leonor Rizzi

Próxima imagem:
Imagem anterior: Cachoeira do Pai Paulo, Carmo da Cachoeira MG

Comentários

projeto partilha disse…
"Fiquei pensando nas dificuldades enfrentadas no passado pois, a despeito de um certo "progresso", resultante de um distanciamento de mais de 100(cem)anos do tempos da escravidão, o estado da Fazenda ainda é bastante precário. Aos poucos a imaginação foi criando imagens sobre a fase escravista no Brasil". Fábio da Silva Machado.

Fábio da Silva Machado apresentou seu trabalho como conclusão do curso de mestrado profissionalizante em bens culturais e projetos sociais. pela Fundação Getúlio Vargas. Centro de Pesquisas e Documentação de História Contemporânea do Brasil - CPDOC. Programa de Pós-Graduação em História Política e bens culturais - PPHPBC. O tema escolhido por ele foi, Fazenda Machadinha: Memória e tradições culturais em uma comunidade de descendentes de escravos. Aprovado em 24-03-2006 pelos doutores e examinadores: Dulce Chaves Pandolfi; Angela Maria de Castro Gomes; Hebe Maria Mattos; Carlos Eduardo Barbosa Sarmento.
A Fazenda Machadinha, uma comunidade localizada em Quissamã, é formada por descendentes de escravos. Fica no Estado do Rio de Janeiro, antigo Distrito de Macaé, conhecida também por Campos dos Goytacazes, pertenceu à Capitania de São Tomé. O trabalho analisa a importância das tradições culturais na manutenção da identidade e na sustentabilidade econômica daquela comunidade quilambola.
Embora o trabalho diga respeito a uma comunidade específica - Quissamã, por falta de trabalho específico sobre o dia-a-dia do QUILOMBO GONDU, e por ser a questão "ESCRAVIDÃO" um tema nacional, sentimo-nos nele incluídos. De maneira geral as documentações são raras no que diz respeito aos excluídos. Marieta de Moraes Ferreira, em "História oral: um inventário das diferenças", pág.9, acentua: "Na recuperação da história dos excluídos, os depoimentos orais podem servir não apenas a objetivos acadêmicos, como constituir-se em instrumentos de construção de identidade e transformação social. Cf.: FERREIRA, Marieta de Moraes; ABREU, Alzira Alves de ... (et al.). "Entre - vistas: abordagens e usos da história oral". Rio de Janeiro, Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1994, p.9.
Cf.: www.cpdoc.fgv/cursos/bensculturais/teses/
projeto partilha disse…
Joaquim Ferreira d' Azevedo era proprietário "na rua de baixo da povoação", Carmo da Cachoeira, Minas Gerais, "no ano de mil novecentos e diseceis", conforme documento deixado na caixa do correio tradicional da Comunidade. Diz o seguinte:
"Escriptura de compra e venda que entre si fazem, a saber: como outorgante vendedor JOSÉ FELIS DA COSTA e sua mulher e como outorgada compradora, Manni Simão Helena (Heleni), como adiante se vê:
Saibam quanto este público instrumento de escriptura de compra e venda virem que, sendo no anno do Nascimento de Nosso Senhor Jesus Christo de mil nove centos e diseceis, nos vinte e cinco dias do mes de maio do mesmo anno, neste districto do Carmo da Cachoeira, Comarca de Varginha, Estado de Minas Geraes, compareceram em meo cartorio como outorgante e outorgada reciprocamente, de uma parte JOSÉ FELIX da Costa e sua mulher Maria Luiza da Conceição e de outra Manni Simão Heleni, moradores neste districto, cada um de sua parte e, conhecidos todos de mim Tabelião e das duas testemunhas a diante nomeadas e assignadas, e estas também de meo conhecimento, de que dou fé, e pelos outorgantes e outorgados, em presença das testemunhas foi (ilegível) dito que, sendo os primeiros outorgantes possuidores de uma casa coberta de telhas e seu terreno e suas benfeitorias sita na rua de baixo desta povoação, sendo a mesma casa e seu terreno dividido e comprehendido nas divisas seguintes: principiando por uma lado com ANNA SIRYNO DA COSTA e por outro com Antônio, vulgo São Marcos, pelos fundos com JOAQUIM FERREIRA D´AZEVEDO, e pela frente com a mesma rua, cuja casa, e suas benfeitorias e terreno acima descriptos, houveram por sucessão de seu finado sogro e pai CAMILLO JOÃO MARTINS e possuem livres e desembaraçado. Assina como testemunha Antonio Joaquim Martins (é tudo o que o documento contem)
projeto partilha disse…
Maria Silvéria do Nascimento, mãe de Joaquim Alves Garcia, casado com Maria Custódia da Veiga, nascida em 1866, filha do coronel Francisco Custódio da Veiga (III) e de Clara Paulina de Sousa, deixou muitos descendentes em Carmo da Cachoeira, onde muitos ainda vivem aí hoje. Outro filho de Francisco Custódio e Clara Paulina foi José Custódio da Veiga, nascido em 1861 em Nepomuceno. A Família Custódio da Veiga era ligada por laços de parentesco com as Famílias Garcia, Correia e Ribeiro (Cf. site Portal Mackenzie: Coronel José Custódio da Veiga (1851-1954) - Windows Internet Explorer
www.mackenzie.br/10199.html
www.mackenzie.br/13872.html
Francisco Custódio da Veiga (II), falecido em 1861 é avô de Francisco Custódio, casado com Clara Paulina de Sousa e filho de outro do mesmo nome, casado com Helena Maria de Jesus (Cf.:Projeto Compartilhar. Inventariante, a viúva, Francisca Rosa Tavares. O neto Francisco foi morador em Lavras e segundo o referido inventário, é filho de Mariana Custódia e Joaquim Tomás de Aquino. Francisco e Francisca Rosa deixaram em testamento, "minha terça a meu filho Justino que estão dentro do pasto L ...(?) que divide por um lado com Joaquim da Costa Abreu de outro com o Rio Aiuruoca. Entre seus bens havia 140 cabeças de gado vacum e 56 escravos, 7 deles libertados em testamento.
projeto partilha disse…
Francisco Custódio da Veiga aparece como louvado no inventário de Maria Umbelina de Souza. O Inventariante foi seu genro, Francisco Alves Vilela, no ano de 1876 (Cf.: Projeto Compartilhar). "... declarou que sua sogra faleceu sem testamento, sendo herdeiros os filhos que teve de seu consórcio com o finado Manoel Antonio da Costa Lima. Entre os bens de raiz: "partes da Fazenda (...), havidas do Capitão José Custódio Pereira (...)".

Um documento interessante onde JOSÉ CUSTÓDIO PEREIRA, em Carmo da Cachoeira, Minas Gerais, em 8 de julho de 1918, faz procuração em que a outorgante, sua mulher, Bilizandra de Paula Villasbôas não assina, e sim "a rogo da outorgante Francisco Antonio de Rezende. O teor da procuração é o seguinte:

Procuração bastante que faz JOSÉ CUSTÓDIO PEREIRA e sua mulher dona Belizandra de Paula Villasbôas, como adiante se vê:
Saibam quantos este instrumento de procuração virem que sendo no anno de Nascimento de Nosso Senhor Jesus Christo de mil novecentos e dezoito, aos vinte dias do mes de julho do mesmo anno, neste districto do Carmo da Cachoeira, Comarca de Varginha, Estado de Minas Gerais, compareceram em meu cartório como outorgantes JOSÉ CUSTÓDIO PEREIRA e sua mulher dona Bilizandra de Paula VillasBôas, moradores na fazenda da Chamusca, reconhecidas pelos de mim Tabelião, e por elles outorgantes me foi dito perante as testemunhas abaixo assignadas que, por este público instrumento de Procuração bastante e na melhor forma de direito que lei outorga, nomeiam e constituem seu bastante procurador a seu filho CUSTÓDIO PEREIRA NETTO residente na Estação de Francisco Sales districto de Lavras, com poderes especiais para vender uma parte de terras sita na Pedra Negra sita no mesmo districto de Lavras propriedade de seu casal, podendo o seu referido procurador dar escriptura, assignar e fazer o que for mister para realização deste mandato, e o de substabelecer os poderes desta em quem convier. E assim o disseram e outorgaram do que dou fé e me pediram fizesse o presente instrumento em minhas notas que lhes sendo lido por mim acharam conforme, aceitaram e assignam com as testemunhas presentes ao (ilegível) sobre estampilha federais no valor de dois mil réis perante mim Tabelliaão que esta escrevi e assigno. ADELINO EUST´CHIO DE CARVALHO. Assignando a rogo da outorgante por esta dizer não saber ler e escrever a mesma testemunha FRANCISCO ANTONIO DE REZENDE.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Biografia de Maria Antonietta de Rezende.

O prefeito municipal e a secretária de Educação, Cultura e Lazer, ao assinarem a apresentação da obra: “Atlas Escolar. Histórico e Geográfico do Município de Carmo da Cachoeira – MG. Edição 2007” declararam: “ Este Atlas permite às crianças descobrirem protagonistas de sua história. Conhecendo, passam contribuir para potencializar o que ela tem de bom, preservar seu patrimônio e símbolos do passado .” D entre os símbolos , o Hino da cidade. Escrito pela Professora Maria Antonietta , encontra-se em fase de oficialização. A tradição garante a manutenção desta criação. O povo canta , reconhece o hino de sua cidade, e atento acompanha o processo de sua oficialização. A administração pública e Câmara municipal apoiam a manutenção daquilo que foi consagrado pela tradição. Dois pontos fortes na letra do hino bastam para garantir sua oficialização. O primeiro é o que diz da religiosidade presente na população e que a cada dia se torna mais revelador da identidade e vocação de Carmo da