Pular para o conteúdo principal

A reconstituição de um importante período.

de: Guarda-Mor

Tínhamos anunciado, aquando da divulgação dos Índices dos Processos de Habilitação para Familiar do Santo Ofício, a publicação em Março-Abril dos "Índices dos Processos dos Tribunais do Santo Ofício de Coimbra, Évora e Lisboa". Entre os cerca de 42.000 aí referidos, o acesso a cerca de 1.000 processos cuja leitura era indispensável para dar por concluído aquele trabalho acabou, no entanto, por ser mais lento do que inicialmente previsto. Vimo-nos por isso forçados a alterar a nossa programação editorial e adiar, em princípio por dois meses, o lançamento daquela publicação. Com lançamento já agendado para Maio, apresentamos agora.

Livros de Matrículas de Moradores da Casa Real - 2 vols.

O incêndio que se seguiu ao grande terremoto do primeiro de Novembro de 1755 e teve os efeitos devastadores que são bem conhecidos destruiu, entre muita outra documentação, os Livros de Registos dos Moradores da Casa Real, de que "havia nesta Secretaria mais de oitenta livros, todos encadernados em pergaminho, que serviram mais de duzentos annos a esta parte", como se refere no Livro Primeiro do "Registo dos Alvarás, Cartas de Propriedade de Ofícios e Apostilas que principiou em Dezembro do ano de 1755", citado por Nuno Gonçalo Pereira Borrego na Introdução ao seu magnífico trabalho sobre aquele Fundo da Torre do Tombo publicado em 2007 e aqui amplamente divulgado.

Em boa verdade, um anterior incêndio, ocorrido em meados de 1680, tinha já destruído os livros de matrícula dos Moradores da Casa dos Reis D. João IV e D. Afonso VI mas este último, por um decreto providencial de seu irmão D. Pedro, príncipe regente, datado de 10 de Outubro de 1682, determinara que, “por se entender que se pode remediar este danno com o Registo das Secretarias de Estado, Mercês e Expediente da Matriculla, do Conselho Ultramarino, das Chancelarias do Reyno e das Ordens, da Torre do Tombo e dos Contos da Chancelaria que estão nos Contos” se procurasse, com a maior celeridade, “reconstituir listas, com seus Alfabetos, de todas as Mercês q nos ditos livros se acharem registadas, com os nomes das pessoas a q se fizerão, e rellações dos serviços e acções de cada huma”.

Essa tarefa, superiormente dirigida pelo Mordomo-Mor, D. João da Silva, marquês de Gouveia e executada por Lourenço Taveira Soares, foi prontamente levada a cabo e deu origem a seis novos livros que acabaram por escapar à fúria destruidora do fogo de 1755. Tal como determinava o decreto, neles se registaram não só os alvarás, cartas, mercês e apostilas de foros e ofícios da Casa Real reconstituídos a partir das diferentes fontes como serviram, dessa data em diante, para neles se prosseguir, nos reinados seguintes, os registos da mesma natureza. Data de 1744 a última referência que aí está registada. Ainda assim, exceptuando um hiato de 11 anos – entre 1744 e 1755 – que se terá perdido em 1755, estes Livros de Matrícula dos Moradores da Casa Real cobrem, em conjunto com a “Mordomia da Casa Real”, os 270 anos que durou a Dinastia Brigantina.

Sobre esta importante informação, publicou a Torre do Tombo em dois volumes, um em 1911, outro em 1917, sem indicação de autor nem qualquer nota explicativa sobre o fundo a que se referia, o "Inventário dos Livros das Matriculas dos Moradores da Casa Real". Seguramente com uma muito reduzida tiragem, este trabalho está praticamente inacessível aos investigadores em geral, já que próprio exemplar existente na Biblioteca Nacional só após uma segunda insistência foi trazido à leitura, sendo primeiro alegado o seu mau estado de conservação para que pudesse ser disponibilizado.

São razões de peso para que Luís Amaral tenha tomado a iniciativa de os transcrever, confrontá-los com os originais, introduzir correcções e actualizar a grafia, acrescentando-lhe também uma nótula histórica sobre a origem deste fundo da Torre do Tombo. Enriquecido com um prefácio de D. Pedro da Costa de Sousa de Macedo (Vila Franca), os Livros de Matrícula dos Moradores da Casa Real - Foros e Ofícios - 1641-1744 - que o Guarda-Mor agora vai editar em 2 volumes, reproduz as mais de 8.000 súmulas aí contidas que incluem o nome do beneficiário, filiação, naturalidade, cargo, ofício ou mercê concedidas e respectivas datas, além de completos índices onomásticos, geográficos e analíticos.

Com o lançamento previsto para o próximo dia 25 de Maio, esta obra em dois volumes de 650 páginas em formato A4 e capa dura está a partir de hoje e até ao próximo dia 15 de Maio em fase de subscrição pelo valor total de 85 euros, sendo comercializada por 95 euros após esta data.
Clique aqui para subscrever.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se

Eis o amor caridade, eis a Irmã Míriam Kolling.

À Irmã Míria T. Kolling: Não esqueçam o amor Eis o amor caridade , dom da eternidade Que na entrega da vida, na paz repartida se faz comunhão ! Deus é tudo em meu nada: sede e fome de amar! Por Jesus e Maria, Mãe Imaculada todo mundo a salvar! " Não esqueçam o amor ", Dom maior, muito além dos limites humanos do ser, Deus em nós, entrega total! Não se nasce sem dor, por amor assumida: Nada resta ao final do caminho da vida a não ser o amor . Próximo artigo: Até breve, Maria Leopoldina Fiorentini. Artigo anterior: Os Juqueiras, Evando Pazini e a fazenda da Lage