Pular para o conteúdo principal

Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Ao visitar o Museu em Campanha pode-se conhecer, junto à escada de acesso ao andar superior do prédio, o mapa regional da região: "Mappa de toda a extenção da campanha da princeza, feixada pelo Rio Grande, e pelos registros, que limitão a Capitania de Minas".¹

O atual Distrito Palmital do Cervo do Município de Carmo da Cachoeira, Minas Gerais, ficava, na época na chamada Comarca do Rio das Mortes - século XVIII em um atalho compreendidos entre Campanha, da Sereníssima Senhora Princeza da Beira, filha dos Sereníssimos Senhores Princepes Reais e Lavras do Funil no Rio Grande, nas terras de Sesmaria do Pe. José Bento Ferreira do Campo Formoso, com seu altar portátil e capela sob o orago de São Bento, hoje Município de São Bento Abade. Neste ano de 2009 a capela do Palmital do Cervo está sob a responsabilidade eclesiástica do Pároco de Carmo da Cachoeira, Pe. André Luiz da Cruz, da Diocese da Campanha.²

O Distrito do Palmital do Cervo, cujo sino pertenceu a Fazenda da Barra de São Domingos eram fazendas bem próximas no século XVIII. Manoel Antônio Rates era morador em seu Sítio, na época situado no Ribeirão do Carmo da Cachoeira dos Rates ("de Rates") e no espaço compreendido entre os Rios Verde/ Ingaí/ Grande, mais abaixo o Sapucaí (Sapucahy) e Campanha da Princesa. A oeste a Serra das Três Pontas. Ao norte a Paragem das Três Pontes. A jurisdição era de São João del Rei.

Foto: Evando Pazini - 2007 - Arte: TS Bovaris

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Próxima imagem: Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.
Imagem anterior: Distrito de Palmital em Carmo da Cachoeira.

1. O termo feixada parece-nos estranho nos dias atuais, no entanto, é encontrado em documentos oficiais da época. Veja, por exemplo:

Vereança de 30 de junho de 1819:

"Aos trinta dias do mês de junho de mil oitocentos e dezanove annos, nesta Villa de Santa Ana de Castro Comarca de Paranaguá e Coritiba em as cazas da camera e pasos do conselho dela para onde forão vindos o Juiz Prezidente Bento da Rocha Carvalhais (...) despachou ce dous requerimentos de negociantes da villa e mais hum dito para carta de data de choens comcedidos na mesma villa, fez correição geral correndo as ruas pellas portas das cazas de negócios que nellas há oficiais de ofícios, e achou ce entre elles Joze Lopes da Silva (José) oficial de ferreiro com a porta feixada (...) Ignácio Jozé da Silva (José) com sua caza de venda feixada na ocazião da correição (...). Eu João Pereira de Oliveira Escrivão ajudante que o escrevi." (texto integral)

2. Para situar o local nos mapas, Cf.: Antônio Gilberto Costa. Caminhos do ouro. Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte. 2005. Cf.: DIGMAP - Discovering our Past World With Digitised Maps - Windows Internet Explorer. Title: Cartografia das Minas Gerais: da Capitania à província - século XVIII e XIX. Creator : Costa, António Gilberto. Renger, Friedrich Ewald. Furtado, Júnia Ferreira. Santos, Márcia Maria Duarte dos Publisher: Editora UFMG - Belo Horizonte. Description - Monografia Subject - 528.93 (084.4) por 912 "18/19" por Monografia. Obra editada com pasta, em cartão, que inclui: o volume de texto acondicionado em saqueta de papel colada no interior da pasta e, 29 folhas soltas, com a reprodução fotográfica de 31 mapas, acondicionadas na pasta: Mapas da Capitania: 1. "Mappa de toda extenção da campanha da princeza, FEIXADA pelo Rio Grande, e pelos registros, que limitão a Capitania de Minas". Mapas regionais: 1. "Mapa das Minas de Ouro e São Paulo e Costa do Mar que lhe pertence".

Comentários

projeto partilha disse…
Nas suas escolhas, opte pelo simples, pelo comum, pelo funcional. O menos vai mal quando se insiste no equipamento PADRÃO DE VIDA. Um dia iluminado a todos.
projeto partilha disse…
Dr. Marcos Paulo de Souza Miranda em sua obra, Jurisdição dos Capitães, DelRey. Belo Horizonte. 2003, p.30, relata:

"Pedro Franco Quaresma, casado com Ana Nunes, foi um desbravador que, desde meados do século XVIII, andava pelo sertão pesquisando minas e combatendo índios em descobrimento de ouro. Foi o descobridor das minas de ouro de Jacuí, onde também deu caça a calhambolas (FRANCO, Francisco de Assis Carvalho. Dicionário de Bandeirantes e Sertanistas, p.322). Aos 7 de outubro de 1755, Pedro Quaresma, juntamente com oficiais da Vila de Jundiaí, tomou posse do sertão do Rio Grande, onde havia descoberto o dito sertanista terras minerais. A demarcação do terreno apossado começava no 'Rio São João (de Jacuí) que faz barra no Rio Grande, e por este acima até onde finalizar o dito Pedro Franco com sua diligência e também todo o sertão além do Rio São João até o Rio Sapucaí das Campanhas de Itajubá, e por ele acima até onde se reparte o distrito das mesmas Campanhas'(DOCUMENTOS Interessantes, v.XI,p.63).
Bartolomeu Bueno do Prado, a quem a família Garcia era ligada por laços de afinidade, segundo Carvalho Franco (FRANCO. Op.cit.,p.306-307), era paulista, filho do Capitão-Mor Domingos Rodrigues do Prado e de sua mulher Leonor Bueno da Silva e foi casado com Isabel Bueno da Fonseca, filha de Francisco Bueno Feio e Maria Jorge Velho. Por volta de 1755, Bartolomeu passou para a região do Palmital, no sertão do Rio Grande, onde residia seu sogro. Naquele local foi buscado pelo governo mineiro para que chefiasse bandeiras contra calhambolas. O Governador da Capitania de Minas, José Antônio Freire de Andrade, deu-lhe patente de comandante de uma expedição nesse sentido, em 12 de maio de 1757. Devido a atrasos nos preparativos teve renovada sua portaria em 8 de junho de 1758 para ir como comandante-geral de uma tropa que devia agir na região de Jacuí e Campo Grande (...)."

Observação: São muitos os locais denominados de "PALMITAL" no Brasil Colonia. Dr. Marcos Paulo não diz: "PALMITAL DO CERVO". Diz, apenas, "PALMITAL". A citação transcrita aqui tem o fito de registrar um acontecimento regional de grande vulto, há mais de um século e no qual esteve envolvido um de nossos ancestrais. Segundo José Teixeira de Meirelles, 1949. Três Corações, ao concluir seu opúsculo, cita Januário, o personagem central de sua obra como sendo alguém que se colocou em defensa de uma instituição de relevante valor - A FAMÍLIA. Sua luta foi "incansável e audaz da mais nobre instituição na humanidade - A FAMÍLIA (p.147. Jurisdição dos Capitães).

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Biografia de Maria Antonietta de Rezende.

O prefeito municipal e a secretária de Educação, Cultura e Lazer, ao assinarem a apresentação da obra: “Atlas Escolar. Histórico e Geográfico do Município de Carmo da Cachoeira – MG. Edição 2007” declararam: “ Este Atlas permite às crianças descobrirem protagonistas de sua história. Conhecendo, passam contribuir para potencializar o que ela tem de bom, preservar seu patrimônio e símbolos do passado .” D entre os símbolos , o Hino da cidade. Escrito pela Professora Maria Antonietta , encontra-se em fase de oficialização. A tradição garante a manutenção desta criação. O povo canta , reconhece o hino de sua cidade, e atento acompanha o processo de sua oficialização. A administração pública e Câmara municipal apoiam a manutenção daquilo que foi consagrado pela tradição. Dois pontos fortes na letra do hino bastam para garantir sua oficialização. O primeiro é o que diz da religiosidade presente na população e que a cada dia se torna mais revelador da identidade e vocação de Carmo da

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se

A pedra de moinho da fazenda Caxambu.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Ary Silva da família Dias de Oliveira - Bueno. Imagem anterior: Nuvens sobre a tradicional fazenda Caxambu.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948