Personagens da Congada cachoeirense.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Grupo de Congada de Oliveira, Minas Gerais em visita a Carmo da Cachoeira.
Foto: Maria do Carmo
- Arte: TS Bovaris

Próxima imagem: Bucólica cena no Distrito do Palmita em Minas.
Imagem anterior: Pau-a-pique em casarão de fazenda mineira.

Comentários

projeto partilha disse…
SERMÃO DO ESPÍRITO SANTO. Pe. Antônio Vieira:

"Porque, para aprender, não basta só ouvir de fora: é necessário entender por dentro. Se a luz de dentro é muita, aprende-se muito; se pouca, pouco; se nenhuma, nada."
projeto partilha disse…
Viva o tempo. É tolice apressar-se em se livrar de uma coisa, a fim de voltar-se para algo "mais importante."
projeto partilha disse…
(...) confesso-lhe que minha memória já não é o que era, esquece facilmente, sobretudo quando não lhe digo que registre o que ouve. Não sabia que a memória ouve, É o segundo ouvido, o de fora só serve para levar o som para dentro (...)

José Saramago - Ensaio Sobre a Lucidez - Windows Internet Explorer
projeto partilha disse…
Um passeio cultural neste 21 de abril poderá ser realizado através de uma leitura elucidadora. Veja, por exemplo, a comunicação de Alexandre Mendes Cunha - Cedeplar/UFMG. Revista Brasileira de História - Espaço, paisagem e população: dinâmicas espaciais e movimentos da população na leitura das vilas de ouro em Minas Gerais a começo do século XIX.
projeto partilha disse…
A vida se separa das externalidades do lugar, enquanto o próprio lugar é solapado pela extensão dos mecanismos de desencaixe. Na maioria das culturas tradicionais, não obstante as migrações de populações que eram relativamente comuns e as longas distâncias às vezes percorridas por alguns, a maior parte da vida social era localizada. O principal fator que alterou essa situação não está no aumento de mobilidade; melhor dizer que o lugar é inteiramente atravessado pelos mecanismos de desencaixe, que recombinam as atividades locais em relações espaço-temporais de amplitude cada vez maior. O lugar se torna fantasmagórico. Embora os meios em que as pessoas vivem permaneçam como fontes de ligações locais, o lugar não constitui parâmetro da experiência; e não oferece a segurança do sempre familiar, característica dos lugares tradicionais. A intensificação da experiência transmitida pela mídia também desempenha um papel aqui. A familiaridade não mais depende apenas, ou mesmo principalmente dos meios locais, segundo GIDDENS, Anthony. 2002. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zohar, p.137.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.