Pular para o conteúdo principal

Uma só humanidade, um grito pela liberdade.

Percebemos, com muita frequência, dentro de nós, aquele sentimento de que a humanidade é uma só, independente de raça ou nação, que todos os homens são iguais.
Sempre ouvimos, desde a infância, que devemos ser autênticos, não podemos ser fingidos, ter uma atitude dentro do lar e outra, diferente, lá fora.
É, talvez, um importante princípio cristão.

Se observarmos o mundo, vamos concluir que esta autenticidade não existe ao nível das nações.
Os países que estabeleceram uma hegemonia no mundo sempre têm um discurso para o seu uso interno e atitudes, às vezes, até agressivas, para o exterior.
Eles querem os países periféricos - ainda com grandes parcelas da sua população em dificuldades - com suas fronteiras inteiramente abertas para a entrada dos seus produtos, mas estabelecem todos os obstáculos possíveis, com taxas e barreiras, para dificultar a chegada dos produtos externos. Protegem, de todos os modos, a sua produção interna. Querem seu povo com emprego, vivendo decentemente. Que se danem os outros!

Os "danados", somos nós!
Segurando toda a tecnologia
e usando-a como poder e força para impor vantagens próprias, não permitem que haja sequer uma norma, no direito internacional, que proteja os países periféricos do sistema de dependência. Há uma terrível exploração, como resultado de suas riquezas naturais. Os que produzem, colhem, ou retiram os produtos naturais têm uma paga aviltada que mal lhes permite sobreviver.
O sentimento de uma só humanidade implicaria, obrigatoriamente, no atendimento das necessidades básicas de todos e traria, como atitude fundamental, a condenação de todas as estratégias de dominação, colonização e escravização de boa parcela da humanidade.

Sob a desculpa de "proteção ambiental" os países dominantes (exploradores) bloqueiam projetos que trariam melhoria de vida para regiões e até países. Eles não assinem tratados para diminuir a poluição ou limitar a produção de gás carbônico internos. Os outros que se danem!
Apontam deslizes e violências em governos de países periféricos, mas lançam pesticidas em grandes quantidades ou bombas com ogivas radioativas que produzirão câncer por muitos anos, sem a menor preocupação ética, vangloriando-se da superioridade tecnológica e dizimando indefesos. Sob a capa de defender liberdade, impõe muito sofrimento a várias populações.
Temos de pensar com humanitarismo e agir localmente.

Rejeite, não aceite o "Faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço".
Contribua para proteger e valorizar as coisas da sua terra e construir uma comunidade e um país melhor.
Os dominantes valorizam o que é seu.
A busca da felicidade não pode ser isolada, abrange a família, o bairro, a comunidade, o país, para finalmente, ser mundial.

SABER FAZER.
FAZER AQUI.
ISTO É LIBERDADE, INDEPENDÊNCIA.

Contatos com o autor pelos endereços eletrônicos:
rui.sol@bol.com.br
rui.sol@ambr.com.br

Comentários

Anônimo disse…
PALAVRAS QUE COMUNICAM

O maravilhoso dom de expressar idéias pelos sons articulados.
Perceba! Você diz a palavra e o outro brasileiro, à sua frente, a entende e pode criar na sua imaginação exatamente o que você pensou. Isto ocorre em qualquer lugar deste país!

Era um sonho dantesco ... o tombadilho
Que das luzernas avermelha o brilho,
Em sangue a se banhar.
Tinir de ferros ... estalar de açoite ...
Legiões de homens negros como a noite,
Horrendos a dançar ...

"Vibrai rijo o chicote, marinheiros!
Fazei-os mais dançar! ..."

Castro Alves, em seu Navio Negreiro, destacava: "fazei-os dançar" mas, na longa viagem, predominava o "fazei-os falar".
Se os escravos ditos ladinos - os que sabiam falar alguma coisa em português - tinham muito valor que os boçais - aqueles que não falavam nada em português -, é perfeitamente lógico que os feitores aproveitassem a longa viagem para obrigá-los a aprender, ao menos, palavras essenciais de nossa língua.
Nos navios negreiros sempre misturavam escravos de etnias diversas, falando diferentes dialetos, impedindo, desta forma, a comunicação entre eles e, assim, evitando revoltas durante a longa travessia.
Já no Brasil, vendidos e levados para o interior, tinham a língua portuguesa com único meio de comunicação.
Você não pode, com seu espírito humanista, enxugar as lágrimas que já foram derramadas, mas pode prestar atenção para não destruírem, com invasões culturais, a unidade linguística que nos legaram à custa de muito sofrimento.
As palavras duras, as ásperas, as doces, as belas, as que identificam os objetos, as que expressam os sentimentos, as que traduzem os pensamentos são as do nosso idioma e são importantes, pois é como a língua materna que as crianças aprendem a pensar.
Valorize, incentive o nosso idioma, impeça a confusão na mente em formação dos nossos filhos, bloqueando a invasão cultural e o uso desnecessário de palavras estranhas ao nosso idioma.
Assim, veremos nossas crianças com raciocínio mais límpido, pensamentos mais densos, reflexões mais profundas.
Colabore para a pureza da língua que colocará nossas comunidades no caminho da melhoria e da transformação da nossa terra num lugar harmônico, bom de se viver, neste século XXI.

DEFENDA A NOSSA LÍNGUA!

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

Hino do Centenário de Carmo da Cachoeira

letra: Haroldo Ambrósio Caldeira música: Álvaro Arcanjo Athaíde interpretação: Glória Caldeira teclado: Teresa Maciel do Nascimento estúdio de som: João Paulo Alves Costa - DjeCia edição de vídeo: Rícard Wagner Rizzi Letra do Hino do Centenário Cem anos de existência bem vivido Cantemos este hino de alegria Saudando essa data memorável do nosso centenário nesse dia. Cachoeira, Carmo da Cachoeira, Berço de um povo acolhedor Ergue hoje um pavilhão Rendendo Graças ao Senhor.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Biografia de Maria Antonietta de Rezende

Tendo como berço Carmo da Cachoeira, Maria Antonietta Rezende , nasceu a 9 de outubro de 1934 no seio de uma das mais tradicionais famílias do município – a Família Rezende . A professora Maria Antonietta deixou seu legado, o “modelo de compromisso e envolvimento com a terra em que nasceu” . Trabalhou consciências, procurando desenvolvê-las, elevá-las. Fazia isto com seus alunos, com os componentes dos grupos musicais que coordenava, com as crianças ligadas à Igreja, enfim, com toda população. Foi um exemplo vivo de “compromisso com a tradição” e um elo da longa corrente que chegou até nós neste ano comemorativo. Fez sua parte. Nós fazemos a nossa – manter a tradição. No dia-a-dia deixou o exemplo de vida e através de publicações, sua visão de mundo. Editou “Evocações daqui e de além” , “Encontro e desencontros” e “Coletânea de hinos litúrgicos” . Dedicou sua vida ao estudo, à educação e à sua Igreja, como catequista, cantora e liturgista. Patrick A. Carvalho, ao prefaciar sua obra “

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Corpus Christi em Carmo da Cachoeira 2022

 A Comunidade São Pedro de Rates na Solenidade de Corpus Chisti Celebrando Corpus Christi a Comunidade São Pedro de Rates participou da confecção dos tapetes coloridos nas ruas de Carmo da Cachoeira para a passagem de Jesus Eucarístico pela procissão de Corpus Christi juntamente com toda a Paróquia Nossa Senhora do Carmo. Figuras da Sagrada Eucaristia, Divino Espírito Santo, do Cálice da Ceia e demais motivos eucarísticos embelezam as vias graças aos voluntários das diversas comunidades urbanas e rurais da Paróquia Nossa Senhora do Carmo na Diocese da Campanha em Minas Gerais. Celebrando a festa de Jesus presente na Eucaristia, sobretudo fazendo memória à Quinta-Feira Santa e o início da Eucaristia, no Pão e no Vinho, este dia nos remete uma verdadeira gratidão que nós cristãos devemos ter pelo grande mistério da morte e ressurreição de Cristo, Nosso Senhor. Ao desenhar símbolos religiosos nas ruas cachoeirenses, o povo se une em torno da arte e fé.  Simbolicamente retira a intermediaç

Rostos na multidão na antiga Carmo da Cachoeira

Se você deseja compreender completamente a história (...), analise cuidadosamente os retratos. Há sempre no rosto das pessoas alguma coisa de história da sua época a ser lida, se soubermos como ler. — Giovanni Morelli Cônego Manoel Francisco Maciel presente a cerimônia ao lado da Igreja da Matriz