Pular para o conteúdo principal

Antigo Cruzeiro e muro de pedras do Caxambu

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Comentários

Anônimo disse…
O fato de alguém ter tido a idéia (idéia... idéia... idéia..., não refletida. Reflexão ... Reflexão... Reflexão...) de substituir a cruz em madeira, pela atual cruz em alvenaria está dificultando o trâmite do Processo de Tombamento do maior TESOURO CULTURAL DE CARMO DA CACHOEIRA, no Sul de Minas Gerais.
Estariam aí os restos mortais de MANOEL ANTONIO RATES e de MARIA DA COSTA MORAES?

Onde estariam arquivados os documentos nos quais temos o DIREITO de conhecer. Somos maduros o suficiente para reconstruir e compreender a nossa história, mas necessitamos dos TAIS DOCUMENTOS. Esta geração se propôs a devolver sua história as futuras gerações e, para isso isso com o grande mutirão que se aglutinou em torno deste objetivo.
Lutamos pelo conhecimento de nossos idealistas personagens, cuja história nos foi boicotada até este século XXI. Lutamos! ...

Lutamos!...

Lutamos!...

L U T A M O S ...

MANOEL ANTÔNIO RATES, seus restos mortais estariam neste cemitério? Ou estariam no Cemitério dos "DE RATES", no Sítio Cachoeira? E o de sua mulher, Maria da Costa Moraes/Morais? Estariam eles junto dos seus? Onde? Onde? Onde?
Anônimo disse…
Vamos chamar mais uma vez o nome do senhor Célio Brasiliense Naves. Ele diz, ao se referir a sua família: "os Navaiadas" de Cachoeira vieram do Porto do Macaia.
Pois bem, então vamos conferir junto com o pessoal "DE NAVES", no Inventário de João Pedroso Ferreira e Antonia Medina de Oliveira, no ano de 1801. Nele aparece como morador do Porto do Macaia, com sua Ermida de São Bernardo do Macaia, do Termo de São José, FRUTUOSO DIAS DE OLIVEIRA.
- Nesta mesma Ermida, em 05-03-1810 casa-se um filho de João NAVES Damasceno e Ana Vitória de São Tomé.

- em 10-09-1818, na Capela de Perdões, casa-se um filho de VALENTIM FONSECA BUENO, proprietário da FAZENDA MARANHÃO, do Distrito da Boa Vista, Lavras do Funil, Comarca do Rio das Mortes - Constantino Paes Bueno com uma descendente do inventariado.
- Dona Antonia Medina de Oliveira, em 1811 era moradora do Sítio chamado CORGO DO MACAIA, Termo da Vila de São José. Freguesia de São João del Rei. Dona Maria Antonia era filha de Frutuoso.

Conferir - Projeto Compartilhar.
Anônimo disse…
Sobre a questão da busca deste grupo posso falar uma coisa? Olá, de nada vale sonhar, se não temos a força de lutar por nossos ideais. Esse pessoal luta, pelo que tenho seguido. Outra coisa: quem acredita sempre alcança, dúvida? pois, nunca duvide, é só estar completamente presente a cada momento da busca. Presente com o coração para que o poder da consciência possa manifestar-se. Consciência não é pensamento, é maior que ele. Simples, né? Olhar sem pensar é consciência. Viver a vida é "estar nela com consciência" no aqui/agora e o tempo todo. Aí se verá o que se passa dentro e fora de nós, ... ... é óbvio ululante, uaí.
Anônimo disse…
CONTINUAÇÃO)
Assunto: Histórico Resumido das Paróquias.
Procedência: Dados enviados pela arqueóloga Maria Luiza de Luna Dias ao Projeto Partilha.

Já foram citadas anteriormente as seguintes paróquias: Sant´Ana do Capivari, Baependi, Caxambu, Aiuruoca, Carrancas, Serranos e Lavras. Segue, neste comentário:

ALAGOA - (N. Sra. do Rosário). Forma protética (?) de lagoa, nome de mais de 50 povoações portuguesas e brasileiras e que lembra a existência de um lago adjacente. Foi erecta capela em 1730 e confirmada em 1752. Paróquia pela lei provincial n.728, de 18 de maio de 1855.

CONCEIÇÃO DO RIO VERDE - (N. Sra. da Conceição). Fundada por Inácio Carlos da Silveira, em 1732. Teve o nome de Campina do Rio Verde e foi capela desde 1736. Criada Paróquia pela lei min. n.1528, de 9 de março de 1868. Com o Seminário São José, Ginásio Coração de Jesus e o Hospital São Francisco de Assis.

ITANHANDU (N. Sra. da Conceição). Topônimo tupi, com a tradução: pedra da ema ou pedra escarpada. Esse nome, desde 1783 é conhecido na região, através de um riacho que percorre o Município, porém sua aplicação é recente. Teve as denominações de Barra do Rio Verde e Estação de Capivari. Criada Paróquia pelo decreto diocesano de 20 de janeiro de 1927. Com a Escola Norma, o Ginásio Coração Eucarístico, o Ginásio Sulmineiro e a Casa de Caridade.

CAMPANHA - (Santo Antônio. Deve o nome aos extensos campos do Rio Verde, quando das bandeiras paulistas. Foi descoberta por Cipriano José da Rocha, em 1737. Paróquia de instituição canônica de 1739, declarada colativa pela ordem régia de 6 de fevereiro de 1752. Com o Seminário N. Sra. das Dores, o Ginásio N. Sra. de Sion, o Colégio S. João, a Santa Casa de Misericórdia e o Instituto São José.
Anônimo disse…
(CONTINUAÇÃO do comentário anterior)

SÃO GONÇALO DO SAPUCAÍ - (S. Gonçalo do Amarante). Povoada por volta do ano de 1740, foi criada Paróquia pela resolução régia de 23 de julho de 1819. Com uma Escola Normal e a Santa Casa de Misericórdia.

NATÉRCIA - (Santa Catarina). Anagrama de Caterina, que aparece nos Lusíadas de Camões (Da Catarina de Ataíde, filha de D. Antônio de Lima, mordomo do infante D. Duarte). Teve, outrora, o nome de Santa Catarina. A Paróquia foi povoada por volta do ano de 1743. Capela desde 1749, foi erigida canônicamente pelo decreto de 5 de outubro de 1762. Criada Paróquia pelo alvará régio de 9 de maio de 1822.

POUSO ALTO - (Nossa Senhora da Conceição). Caminho natural dos bandeirantes, foi povoada por Manuel Garcia, por volta do ano de 1736. Paróquia de instituição canônica de 1748, foi declarada de natureza colativa a 16 de janeiro de 1752.

TRÊS CORAÇÕES - (Sagrada Família). O topônimo é de origem religiosa: a devoção aos Santíssimos Corações de Jesus, Maria e José. Fundada pelos alferes Tomé Martins Ribeiro, em 1760, teve sua instituição canônica de capela a 31 de março de 1761. Criada Paróquia pelo decreto imperial de 14 de julho de 1832 e de instituição canônica de 24 de abril de 1837. Com os Colégios Três Corações e N. Sra. de Fátima, Hospital São Sebastião.

TRÊS PONTAS - (N. Sra. da Ajuda). O topônimo vem de uma serra próxima, que apresenta a figura de três pontas. Chamou-se, antigamente, ao que consta, CANDONGA, nome que foi logo mudado para N. Sra. da Ajuda. povoada pelo ano de 1760, foi provisionada capela a 5 de outubro de 1768. Criada Paróquia pela resolução régia de 14 de julho de 1832, teve sua instituição canônica a 27 de setembro de 1833. Com o Ginásio São Luís, Escola Normal e Ginásio Sagrado Coração de Jesus, Hospital São Francisco de Assis, Maternidade N. Sra. de Fátima e Casa da Criança.

ITUTINGA - (Santo Antônio). Teve o nome de Santo Antônio da Ponte Nova, outrora. Povoação desde 1760, era capela já em 1796. Criada Paróquia pela lei min. n.2702, de 30 de novembro de 1880 e com instituição canônica de 21 de julho de 1891, restaurada a 3 de agosto de 1944. O topônimo, de origem tupi, traduz-se por salto branco.

PEDRALVA - (São Sebastião). Teve os nomes de São Sebastião da Capituba e Pedra Branca, que se aglutinou em Pedralva e que lembra uma grande pedra, nas adjacências. Capela fundada pelo Pe. Manuel Antônio Teixeira de Miranda, com provisão episcopal de 27 de novembro de 1769, posteriormente reestabelecida, em 1823. Criada Paróquia pelo decreto imperial de 14 de julho de 1832. Com um Ginásio e uma Santa Casa.

(CONTINUA)
Anônimo disse…
(continuação)
Histórico Resumidos das Paróquias.

CAREAÇU - (N. Sra. da Conceição). Topônimo tupi que traduz, imperfeitamente, o nome antigo Volta Redonda, primeira denominação da localidade. Já era capela em 1770. Paróquia pela lei min n.2779, de 19 de setembro de 1881 e de instituição canônica a 17 de dezembro de 1896.

SÃO THOMÉ DAS LETRAS - (o apóstolo São Tomé). Capela a 23 de março de 1770, foi criada Paróquia pela lei n.164, de 9 de março de 1840.

BOA ESPERANÇA - (N. Sra. das Dores). Teve os nomes de Dores do Pântano e Dores da Boa Esperança, tendo permanecido a segunda parte do nome, em alusão a uma serra da localidade. Fundada, ao que consta, por João Sousa Bueno, teve sua provisão canônica de capela a 29 de março de 1774. Criada Paróquia pelo alvará de 19 de julho de 1813 e declarada de natureza colativa a 19 de junho de 1814. Com Ginásio.

NEPOMUCENO - (S. João Nepomuceno). Capela desde 1776. Criada Paróquia pela lei min. n.209, de 7 de abril de 1841 e instituída canonicamente a 17 de maio de 1843. Com o Ginásio São José.

LAMBARI - (Nossa Senhora da Saúde). Suas águas minerais foram descobertas em 1780, por Antônio de Araújo Dantas. Teve o nome de Águas Virtuosas. O topônimo, de origem tupi, lembra um peixinho de igual denominação, traduzindo-se por "rio de peixe côr de prata". Capela desde 1838, foi criada Paróquia pela lei n.487, de 28 de julho de 1850. Com o Asilo São Vicente de Paulo e o Ginásio Santa Teresinha.

CAMPOS GERAIS - (N. Sra. do Carmo). Já se chamou Divisa Nova e Carmo do Campo Grande. Capela desde 1786 foi declarada Paróquia pela lei min. n.1655. de 14 de setembro de 1870. Com uma Escola Normal, um Ginásio para meninos e o Dispensário.

COQUEIRAL - (Espírito Santo). Teve os nomes: Espírito Santo dos Sertões da Trombuca, Espírito Santo do Sapé e Espírito Santo dos Coqueiros. Capela desde 1792, foi criada Paróquia pela lei prov. n.729, de 18 de maio de 1855.

VARGINHA - (Espírito Santo). Teve primitivamente o nome de Catanduva. Sua capela é do ano de 1795, referendada pelo decreto diocesano de 14 de julho de 1832. Criado Paróquia pela lei min. n.471, de 1 de junho de 1850. Com o Colégio Coração de Jesus, o Ginásio Santos Anjos, o Hospital Regional do Sul de Minas, a Maternidade, o Educandário Olegário Maciel, o Orfanato Dr. José Pinto, a Escola Regina Pacis e a Casa das Meninas.

CÓRREGO DO OURO - (N. Sra. do Rosário). Capela desde 1795, foi criada Paróquia pela lei prov. n. 1473, de 18 de maio de 1855.

SÃO VICENTE DE MINAS - (São Vicente Ferrer). Teve os nomes de São Vicente Ferrer e Francisco Sales. A capela foi fundada em 1797 e teve a confirmação canônica a 17 de fevereiro de 1814. Foi criada a Paróquia pela lei min. n.726, de 2 de maio de 1856.

LUMINÁRIAS - (N. Sra. do Carmo). Capela fundada em 1798, por dona Maria do Espírito Santo. Criada Paróquia pela lei min. n.2001, de 14 de novembro de 1873.

CARMO DE MINAS - (N. Sra. do Carmo. Já se chamou Carmo (do Pouso Alto, da Cristina, do Rio Verde) e Silvestre Ferraz. Capela provisionada a 28 de agosto de 1809, foi declarada Paróquia pelo decreto Imperial de 14 (ilegível).

CARMO DA CACHOEIRA - (N. Sra. do Carmo). Teve os nomes: CACHOEIRA DO CARMO DA BOA VISTA e CACHOEIRA DOS RATES. Capela desde 1854, foi criada Paróquia pela lei min.805, de 3 de julho de 1857.

(CONTINUA)
Anônimo disse…
(Continuação) Última parte. Histórico Resumido das Paróquias.

BARRANCO ALTO - (São João Batista), à margem do Rio Sapucaí, donde o nome. Paróquia pela lei mineira n.2087, de 24 de dezembro de 1874 e reconhecida pelo Bispado de São Paulo, quando de sua instituição canônica, a 7 de outubro de 1878.

HELIADORA (Santa Isabel). Teve os nomes de Santa Isabel dos Coqueiros e Senador Lemos. O nome Heliadora lembra Guilhermina Silveira, esposa do poeta-inconfidente Inácio José de Alvarenga Peixoto, que residiram em uma localidade próxima. Fundada por volta do ano de 1874, foi criada Paróquia pela lei n.2454, de 19 de outubro de 1878.

CRUZÍLIA - (São Sebastião). Teve os nomes de Encruzilhada e Cruz da Estrada (este de pequena duração), Capela desde 1874; foi criada Paróquia pela lei n.1995, de 14 de novembro de 1873. Com o Ginásio Paroquial São Sebastião e o Hospital Dr. Cândido Junqueira.

CAMPO DO MEIO - (Nossa Senhora Aparecida). Povoada por volta de 1877. Paróquia pelo decreto diocesano de 11 de maio de 1938. Com o Instituto Profissional e Agrícola São José.

SANT´ANA DA VARGEM - (Sant´Ana). Data do seu passado, seu povoamento. capela por volta do ano de 1862, foi criada Paróquia pela lei (?) n.2402, de 5 de novembro de 1877 (Mombuca)

CARVALHOS - (Sagrado Coração de Jesus). Povoação desde o século passado e capela provisionada a 20 de janeiro de 1888. Paróquia pelo decreto diocesano de 23 de abril de 1945.

SÃO LOURENÇO - (S. Lourenço). Chamou-se, antigamente, Águas do Viana. O topônimo lembra o mártir São Lourenço, bem como Lourenço Xavier da Veiga, cuja família por primeiro explorou as águas minerais. Capela a 10 de agosto de 1891, foi criada Paróquia a 22 de novembro de 1927. Com a Escola Normal Santa Úrsula, a Casa de Caridade São Lourenço e um Orfanato.

SÃO SEBASTIÃO DO RIO VERDE - (São Sebastião). Teve o nome de Estação do Pouso Alto. Capela a 23 de março de 1891, foi declarada Paróquia pelo decreto diocesano de 27 de abril de 1941.

MONSENHOR PAULO - (Nossa Senhora da Conceição). Teve os nomes de Vota Grande e Ponte Alta. O atual nome foi-lhe imposto em homenagem a Mons. Paulo Emílio Moinhos de Vilhena, primeiro Vigário Geral do Bispado e Cura da Catedral. Data do final do século passado, sua povoação. Paróquia em virtude de decreto diocesano de 27 de setembro de 1941.

CURATO SANTA FÉ - (Colônia de hansenianos, próxima a Três Corações). Declarado Curato pelo decreto diocesano de 3 de agosto de 1944.

PAREDES DO SAPUCAÍ - (Sagrado Coração de Jesus). Data do século passado, seu povoamento. O topônimo lembra as barrancas do Sapucaí, que lhe passa próximo e lhe é limite. Paróquia pelo decreto diocesano de 23 de abril de 1945.

COTIA - (Sagrado Coração de Jesus). Nome de um dos bairros da cidade de Três Corações, de onde foi desmembrada a Paróquia, pelo decreto de erecção canônica de 8 de janeiro de 1952.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhôas de José Guimarães.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. F oi, seguido deste singelo bilhetinho que a obra " As Três Ilhoas " de José Guimarães, está em nossas mãos: Prezada Leonor Vai aqui o livro, uma Obra Póstuma, de meu marido José Guimarães. O livro vem completar a coleção da genealogia das Três Ilhoas, lançada em 1989. Agradeço a grande pesquisadora e genealogista Marta Maria Amato , pelo enriquecimento proporcionado pelas suas pesquisas. Gostei de saber que o Projeto Partilha está colaborando com o resgate da "História de Carmo da Cachoeira". Temos em nosso arquivo alguns dados das paróquias de Campanha, onde tem alguma coisa sobre sua cidade:a terra do Pe. José Bento Ferreira. Será? Atenciosamente Leyde M. Guimarães. Ouro Fino, 15-08-2006 Próxima imagem: O Capitão Diog

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Eis o amor caridade, eis a Irmã Míriam Kolling.

À Irmã Míria T. Kolling: Não esqueçam o amor Eis o amor caridade , dom da eternidade Que na entrega da vida, na paz repartida se faz comunhão ! Deus é tudo em meu nada: sede e fome de amar! Por Jesus e Maria, Mãe Imaculada todo mundo a salvar! " Não esqueçam o amor ", Dom maior, muito além dos limites humanos do ser, Deus em nós, entrega total! Não se nasce sem dor, por amor assumida: Nada resta ao final do caminho da vida a não ser o amor . Próximo artigo: Até breve, Maria Leopoldina Fiorentini. Artigo anterior: Os Juqueiras, Evando Pazini e a fazenda da Lage

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

Padre José Procópio Júnior em Carmo da Cachoeira

Paróquia Nossa Senhora do Carmo sob nova guiança Editorial Sai Pe. Daniel Menezes, e assume como administrador paroquial da acolhedora cidade de Carmo da Cachoeira, em fevereiro de 2019, o Pe. José  Procópio Júnior. "Não cabe à pedra escolher o lugar que deve ocupar no edifício. Assim também não cabe à nós criaturas ditar ao Criador o que deve acontecer em nossa vida, pois Deus é quem sabe e dispõe com sabedoria própria." − Dom Servílio Conti, IMC Como página que observa os acontecimentos neste pedaço de chão mineiro, limitado por montanhas e que, segundo o cachoeirense Padre Godinho, “todas são azuis”, registramos o remanejamento ocorrido entre padres ligados a Diocese da Campanha no ano de 2019. Entre as mudanças encontra-se a Paróquia Nossa Senhora do Carmo/Carmo da Cachoeira – MG. Sai nosso querido Padre Daniel Menezes. Por ele continuamos a rezar e o devolvemos, entre lágrimas e a esperança de um dia tê-lo entre nós. Somos eternamente gratos e devedores. Entr

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.

F Luiz José Álvares Rubião, em publicação da obra, Álbum da Varginha pela Casa Maltese, às fls. (a publicação não contempla, nem ano, nem nº de páginas), descreve a Fazenda da Serra da seguinte forma: “A uma légua da freguesia do Carmo da Cachoeira, está situada a Fazenda da Serra, propriedade do Cel. Antônio Justiniano dos Reis”. Se diz: Freguesia, leia-se, após, 1857. Em publicação, no ano de 1918, Sylvestre Fonseca e João Liberal, às fls. 149, dizem: “O Cel. Antônio Justiniano dos Reis falecido o anno passado, foi um dos mais importantes fazendeiros do Distrido do Carmo da Cachoeira”. Ary Florenzano, genealogista, cita a Fazenda da Serra, apresentando-a como sendo o lugar onde pela primeira vez, aparece o nome Carmo da Cachoeira, em documento. O 21º Anuário Eclesiástico da Diocese da Campanha, 1959, fls. 28: “Aos onze dias do mês de novembro do ano de mil oitocentos e dezenove, na Ermida de Nossa Senhora do Carmo da Cachoeira, desta freguesia de São João Del Rei, receberam

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948