Pular para o conteúdo principal

Carmo da Cachoeira, sua história e seu povo.

O Almanak Sul Mineiro do ano de 1884, elaborado pelo jornalista Bernardo Saturnino da Veiga da cidade de Campanha, conta-nos sobre o passado da Freguesia do Carmo da Cachoeira, Minas Gerais. Diz ele:

Freguesia do Carmo da Cachoeira
Município de Espírito Santo de Varginha e Comarca de Três Pontas

O artigo primeiro da Lei provincial n.805 de 03 de julho de 1857 creou esta freguesia, de que é padroeira Nossa Senhora do Carmo, que tem patrimonio, uma Igreja Matriz e duas pequenas capelas, a do Pretório¹ e a de Santo Antonio. Aquela é, também sob orago - Santo Antonio, no entanto, é a do povoado da Estação do Couro do Cervo, e ainda não e constava do patrimônio tendo esta última sido construída há poucos annos pelo importante fazendeiro Antonio dos Reis Silva, que para esse fim teve pequeno auxilio de algumas pessoas do lugar.

A matriz, descente e elegantemente reconstruída, deve os reparos notáveis que recebeu à dedicação e iniciativa do prestante cidadão Severino Ribeiro de Rezende, que promoveu uma subscripção para aquelle fim, reunindo quantia superior a 14.000$000. A freguesia que pertence à Comarca Eclesiástica de Dôres, a 9 léguas de distância, - conta presentemente 100 casas, entre as quais se encontra algumas para alugar pelo preço de 2$000 a 20$000, mensaes, e possui em bom estado um cemitério fechado. Há abastecimento d'água à população de modo regular, graças a sua subcripção promovida pelos dignos cidadãos Antonio Severiano de Gouveia, João Alves de Gouvêa, João Esteves dos Reis e Severino Ribeiro de Resende, e outros, que com resultado colhido construiram um rego, que pode levar a todas as casas a água, expontaneamente cedida pelo prestimoso fazendeiro José Esteves dos Reis.

Funcionam no lugar duas salas públicas para ambos os sexos; em uma dellas, que é mixta, a frequência é de 40 alunos, na outra, exclusivamente para o sexo masculino, há 20. Existe mais uma sala particular para meninos, e sob a distinta direcção do Rvmo Vigário Padre Antônio Joaquim da Fonseca, funciona um collegio, que conta cêrca de 30 alunos, e no qual são ensinados todos os preparatórios exigidos para a matrícula nos cursos superiores.

A povoação possue uma Banda de Música regular e 2 pianos.

Entre os homens de merecimento que a freguezia tem perdido nestes últimos annos, conta-se o coronel José Fernandes Avelino, membro influente do Partido Conservador, fazendeiro importante, que deixou de viver em julho de 1878.

A freguezia, que só tem recebido dos cofres públicos a quantia de 2.000$ para auxilio das obras da Matriz, tem de norte a sul 6 léguas de extenção e de este a oeste 5/2 léguas, sendo os seus terrenos na maior parte montanhosos, de campos e sujeitos a geada, não há falta de madeiras de lei, e vende-se a 36$ a dúzia de taboas de cedro e a 16$ e 20$ de pinho. O alqueire de matta custa 80$ e 100$, e de campo 60$ a 80$000. A canna tem sido, como os cereaes e fumo, a cultura mais usada no Carmo da Cachoeira. O desenvolvimento, porém, que vai tendo a plantação de café, que já é calculada em cêrca de 400.000 pés, autoriza a crer que dentro em pouco será essa a primeira cultura da freguezia, onde também se planta o algodão, que chega para o consumo local. Está muito desenvolvida a criação de gados e de porcos, calculando-se a exportação annual para o côrte em 10.000 arroubas de toucinho e de 5 a 6.000 rezes.

Na fazenda do senhor José Esteves dos Reis já é aplicado o arado com muita vantagem nas terras de lavoura, e em breve o mesmo se vai dar nas terras do fazendeiro João Alves de Gouveia. Há na freguesia, cuja população é de 3.000 almas aproximadamente, uma florescente fábrica de vinho nacional, pertencente ao Reverendo Pe. Joaquim Antonio de Rezende, julgando-se de excelente qualidade que já é fabricado em quantidade excedente de 6 pipas. São fabricados queijos de superior qualidade e em larga escala, que são exportados para a côrte, cuja exportação anual é de cêrca de 40.000$, pagando-se 1$800 por arroba de transporte de cargas da côrte, desde a Estação de Bôa Vista. Mata-se uma rez por semana, sendo de 4$ por arroba o preço da carne com osso e 6$ sem osso. Um carneiro custa 4$ e 6$, um frango 240 a 320, ovos 160 a dúzia, leite 80 réis a garrafa, sal a 4$ e 5$ o sacco, açucar a 4$ a 6$ a arroba, carro de lenha a 3$500, carro de pedra a 2$500. Um carpinteiro ganha por dia de 2$ a 3$000. Um trabalhador de roça 600 a 800 réis.

O correio que da Campanha vai a Lavras, de 6 em 6 dias, passa no lugar.

A E. da povoação, e a 7 léguas, está São Thomé das Lettras,, passando-se a 5 léguas o Ribeirão Vermelho; a S. E. e a 5 léguas, Três Corações do Rio Verde, passando-se a 4 léguas do Rio do Peixe; ao S. e a 4 léguas fica Varginha, passando a 21/2 léguas o Ribeirão da Cava, e a 6 léguas Três Pontas; passando-se a légua e quarto, o Ribeirão do Bom Sucesso; a N. O. e a 7 léguas, Sant´Anna da Vargem, passando-se a légua e quarto o Bom Sucesso e a 3 léguas o Ribeirão da Prata; ao N. e a 7 léguas Espírito Santo dos Coqueiros, passando-se os mesmos ribeirões; a N. E., e a 4 léguas e meia, São João Nepomuceno, passando-se o Ribeirão São João, a 2 léguas e meia. A N.E. e a 7 léguas e meia, Lavras. Passando o Rio do Cervo a 3léguas e meia a Serra da Bocaina. Do Carmo da Cachoeira a Campanha 9 léguas; a Ouro Preto, 46, e a Côrte, 70. A E. existe uma Capella filial ao Carmo e consagrada a São Bento. A Capella está isolada, e cercam-na importantes fazendeiros. A meia légua, além e na mesma direção está o bairro - denominado "Tira Couro", com cerca de 30 casas. Ao O., e a um quarto de légua, está o povoado do Córrego de Cima, com 22 casas, a a 21 léguas e meia, o bairro Ribeirão da Cava, com 20 casas. A freguesia do Carmo da Cachoeira pertence ao 13 distrito eleitoral.

(mapa hidrográfico da sede do município - senha: gapa)

Municipalidade
João Batista da Fonseca
Fiscal Distrital

Justiça
Custódio Villela Palmeira, primeiro Juiz e Paz;
José Villela de Rezende, segundo dito;
Severino Ribeiro de Rezende, terceiro dito;
Joaquim Fernandes dos Reis, quarto dito e
Modesto José Pereira, Escrivão de Paz.

Polícia
Manoel dos Reis Silva, Subdelegado;
Modesto José Pereira, escrivão.


Correio
João Nestley, Agente.

Instrução Pública
Augusto de Azevedo Costa, professor
Maria Blandina das Dôres, professora.

Instrução Particular
Corina Eulália de Oliveira, professora;
Maria Amélia Fonseca, professora.

Colégio de São Thomaz de Aquino:
Antonio Joaquim da Fonseca, Vigário e Diretor
Manoel Malaquias de Lana, Vice-diretor;
João Thomaz de Aquino Villela, professor.

Matriz
Antonio Joaquim da Fonseca, Padre e Vigário;
Joaquim Antonio de Rezende, Padre;
Eugênio Benedito da Silva, sacristão;
Antonio Dias Pereira de Oliveira, fabriqueiro.


Eleitores
Ten. cor. José Fernandes Avelino
Antonio Dias Pereira de Oliveira
Domingos José Pinto
João Antonio Naves
Casimiro Gonçalves Pimentel
Joaquim Pedro de Rezende
João Alves de Gouvêia

Ditos - Especiais
Joaquim de Resende Branquinho
José Vilela de Rezende
Teodora Antonio Naves
Antonio Severiano de Gouvêia
João Vilela Fialho
José Celestino Terra
Severino Ribeiro de Rezende.

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Próxima matéria: Os "De Souza Lima" pedem fotos e dados.
Artigo Anterior: Dos patronos até o reconhecimento régio.

1. Qem quiser conhecê-la, é só visitar a Sala Pe. Zequinha, dentro da Igreja Matriz. Lá um quadro, óleo sobre tela denominado, Capela Senhor dos Passos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhôas de José Guimarães.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. F oi, seguido deste singelo bilhetinho que a obra " As Três Ilhoas " de José Guimarães, está em nossas mãos: Prezada Leonor Vai aqui o livro, uma Obra Póstuma, de meu marido José Guimarães. O livro vem completar a coleção da genealogia das Três Ilhoas, lançada em 1989. Agradeço a grande pesquisadora e genealogista Marta Maria Amato , pelo enriquecimento proporcionado pelas suas pesquisas. Gostei de saber que o Projeto Partilha está colaborando com o resgate da "História de Carmo da Cachoeira". Temos em nosso arquivo alguns dados das paróquias de Campanha, onde tem alguma coisa sobre sua cidade:a terra do Pe. José Bento Ferreira. Será? Atenciosamente Leyde M. Guimarães. Ouro Fino, 15-08-2006 Próxima imagem: O Capitão Diog

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Eis o amor caridade, eis a Irmã Míriam Kolling.

À Irmã Míria T. Kolling: Não esqueçam o amor Eis o amor caridade , dom da eternidade Que na entrega da vida, na paz repartida se faz comunhão ! Deus é tudo em meu nada: sede e fome de amar! Por Jesus e Maria, Mãe Imaculada todo mundo a salvar! " Não esqueçam o amor ", Dom maior, muito além dos limites humanos do ser, Deus em nós, entrega total! Não se nasce sem dor, por amor assumida: Nada resta ao final do caminho da vida a não ser o amor . Próximo artigo: Até breve, Maria Leopoldina Fiorentini. Artigo anterior: Os Juqueiras, Evando Pazini e a fazenda da Lage

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.

F Luiz José Álvares Rubião, em publicação da obra, Álbum da Varginha pela Casa Maltese, às fls. (a publicação não contempla, nem ano, nem nº de páginas), descreve a Fazenda da Serra da seguinte forma: “A uma légua da freguesia do Carmo da Cachoeira, está situada a Fazenda da Serra, propriedade do Cel. Antônio Justiniano dos Reis”. Se diz: Freguesia, leia-se, após, 1857. Em publicação, no ano de 1918, Sylvestre Fonseca e João Liberal, às fls. 149, dizem: “O Cel. Antônio Justiniano dos Reis falecido o anno passado, foi um dos mais importantes fazendeiros do Distrido do Carmo da Cachoeira”. Ary Florenzano, genealogista, cita a Fazenda da Serra, apresentando-a como sendo o lugar onde pela primeira vez, aparece o nome Carmo da Cachoeira, em documento. O 21º Anuário Eclesiástico da Diocese da Campanha, 1959, fls. 28: “Aos onze dias do mês de novembro do ano de mil oitocentos e dezenove, na Ermida de Nossa Senhora do Carmo da Cachoeira, desta freguesia de São João Del Rei, receberam

Padre José Procópio Júnior em Carmo da Cachoeira

Paróquia Nossa Senhora do Carmo sob nova guiança Editorial Sai Pe. Daniel Menezes, e assume como administrador paroquial da acolhedora cidade de Carmo da Cachoeira, em fevereiro de 2019, o Pe. José  Procópio Júnior. "Não cabe à pedra escolher o lugar que deve ocupar no edifício. Assim também não cabe à nós criaturas ditar ao Criador o que deve acontecer em nossa vida, pois Deus é quem sabe e dispõe com sabedoria própria." − Dom Servílio Conti, IMC Como página que observa os acontecimentos neste pedaço de chão mineiro, limitado por montanhas e que, segundo o cachoeirense Padre Godinho, “todas são azuis”, registramos o remanejamento ocorrido entre padres ligados a Diocese da Campanha no ano de 2019. Entre as mudanças encontra-se a Paróquia Nossa Senhora do Carmo/Carmo da Cachoeira – MG. Sai nosso querido Padre Daniel Menezes. Por ele continuamos a rezar e o devolvemos, entre lágrimas e a esperança de um dia tê-lo entre nós. Somos eternamente gratos e devedores. Entr