Pular para o conteúdo principal

Foto do arquivo da família Veiga Lima.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Próxima imagem: O muro de pedras da fazenda Caxambu.
Imagem anterior: O forno à lenha da fazenda Capitinga.

Comentários

Anônimo disse…
O Projeto Partilha solicita aos descendentes do Dr. Octaviano de Veiga Lima colaboração. Ajude-nos, por favor, na identificação dos membros desta sua família.
Imagem enviada por Rogério Vilela a pedido de um dos filhos do Dr. Veiga Lima.
Anônimo disse…
Antonio Carlos Reis da Rocha, residente em Resende - Rio de Janeiro e autor da poesia, O TROPEIRO DE CARMO DA CACHOEIRA - marido de Francisca de Paula Teixeira de Rezende - André Fernandes Reis (filho de Joaquim Fernandes Reis e Mariana Cândida Branquinho) é relembrado no dia de hoje pelos cachoeirenses. Sua poesia foi apresentada a todos, na voz do cachoeirense Carlos Alberto Caldeira.

Certa feita, em um pouso, com a tropa a descansar
Estava André o velho tropeiro
Junto ao fogo, seu café a passar
Ia para o Rio de Janeiro
Levando produtos de Carmo da Cachoeira
Lá do interior da terra mineira

De repente um tropel de cavalo ouviu
E à sua frente um cavaleiro surgiu
Disse-lhe o homem: tropeiro, bom dia
A ferragem de meu animal pode verificar?
E apeando com elegância e fidalguia
Começo com ele a prosear

Com seu jeito matreiro, educado, caracteristica do povo mineiro
Pergunta André ao nobre cavaleiro
Quem é o Senhor que não teme andar por esta serra sozinho
Deixando sua comitiva tão longe em seu caminho?

(...)
Falando manso bem baixinho
Nesta vida na guerra lutei
Na linha de frente vários perigos enfrentei
Sou Luís Alves de Lima e Silva
O Duque de Caxias.

Em 7 de janeiro do ano de 2008, o advogado e jornalista Alberto Marques, na página de seu blog, sob o Título BAIXADA URGENTE. TAQUARA - Contribuição à História
albertomarques.blogspot.com
conta o seguinte:
Luiz Alves de Lima e Silva, O Duque de Caxias, nasceu em 1803, na Fazenda São Paulo, na região da TAQUARA. A Igreja do Rosário, no sítio Taquara foi o templo que administrou o batizado de Luiz. A Igreja do Sítio fica a 2 km da Fazenda do avô do inocente, que seria mais tarde conhecido como, DUQUE DE CAXIAS. Dentre seus feitos está a luta pela UNIFICAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO e a DEFESA DO BRASIL NA GUERRA DO PARAGUAI.
Falar em TAQUARA é reportar-se a SERRA DA ESTRELA, que fica nas proximidades. Na Serra da Estrela nascem alguns rios que correm para a Freguesia do Pilar, atravessando três vezes a Estrada Geral de Minas Gerais. Entre os portos fluviais, o PORTO DA ESTRELA.
Duque de Caxias, batizado na Igreja do Rosário, no Sítio Taquara foi construída em 1743. O tio de Duque de Caxias, Padre Luís José de Freitas Bello deu assistência a esta Igreja entre 1809 a 1823.
Anônimo disse…
Com relação a esta foto,o nome correto é Dr. João Otaviano da Veiga Lima e não Dr. Octaviano de Veiga Lima. Dr. João Otaviano é o mesmo Dr. Veiga Lima, já falecido e Dr. Otaviano(sem o João)é o seu filho, Psiquiatra residente em Belo Horizonte.
Anônimo disse…
Segundo consta no verso da foto, os nomes são os seguintes: em pé da esquerda pra direita - Francisco Correa, Helena Reis, Tia Judith, Francisco Sandi - assentados da esquerda pra direita - João Cunha, José Vieira, Arisitides Vieira, Tia Ruth, Teodosio Bandeira, Sr. Ítalo e João de Abreu Salgado.
Desculpe por não ter passado junto com a foto.
Anônimo disse…
Passei conforme está escrito no verso da foto - as tias não são minhas tias e sim dos Veiga Lima.
Anônimo disse…
Consta tambem que foi tirada em Três Pontas-MG em 1928.
Anônimo disse…
Gratidão. Que seria do homem sem seus amigos? Ajude-nos, por favor, a manter corretamente os dados. Será o maior presente que poderemos ofertar às futuras gerações. Paz, Luz e Harmonia a todos, hoje e sempre.
Anônimo disse…
Continuação.
Árvore Genealógica da Família DIAS DE OLIVEIRA - BUENO. Pesquisador e genealogista, ARY SILVA. Ano - 1987, p.31.
Ancestrais dos MORAIS DE SÃO PAULO.

17. ORDONHO segundo - Falecido em 924, terceiro Rei de Leão. Casou-se com Munia Elvira, filha do conde D. Mendo Gutierrez e de sua mulher D. Ermisenda, neta de D. Gatão, conde de Bierzo e sua mulher D. Egilona. Pais de:

18. RAMIRO segundo - sexto Rei de Leão. Falecido em 950. Casou-se com D. Urraca Teresa Florentina, filha de D. Sancho Garcia, terceiro Rei de Navarra e sua mulher (segunda) D. Toda Asnar, filha de Asnar Galindez, segundo Conde de Aragão. Pais de:

19. ORONHO terceiro ´sétimo Rei de Leão. Falecido em 955. Casou-se com D. Elvira, filha do conde de Asturias D. Gonçalo e de sua mulher D. Teresa. Pais de:

20. BERMUDO, O GOSTOSO - décimo Rei de Leão. Falecido em 999. Casou-se segunda vez com D. Elvira filha de D. Garcia Fernandes, segundo conde de Castela Independente e de sua mulher D. Ava. Pais de:

21. AFONSO quinto - décimo primeiro Rei de Leão: Falecido em 1027, no cerco de Viseu. Casou-se com D. Elvira Melemdez, filha do conde de Galiza, D. Melendo Gonçalves e de sua mulher D. Mayor. Pais de:

22. D. SANCHA - décima terceira Rainha de Leão pela morte de seu irmão D. Bermudo terceiro, décimo segundo Rei morto na batalha de Tamaron, contra seu cunhado D. Fernando primeiro, rei de Castela e marido de D. Sancha. Ele filho de Sancho terceiro, rei de Navarra e de sua mulher D. Elvira Garcia, quinta Condessa de Castela independente, da qual herdou o trono e se proclamou rei em 1035. Tiveram entre outros filhos:

23. D. ELVIRA DE TÓRO. Nascida em 1034 e falecida em 1099. Senhora de Tóro. Casou-se com seu primo D. Garcia de Naxara, senhor de AZA e terceiro neto de Fernão Gonçalves, conde soberano de Castela independente e de sua mulher D. Sancha, infanta de Navarra. Ambos são troncos dos MORAIS pois seu terceiro neto D. Gonçalo Rodrigues de MORAIS, passou usar este apelido por causa de ser segundo neto de Fortum Lopes de Morales, senhor de Sória e chefe da Família Morales, que passou a Portugal, no tempo do Conde D. Henrique. A linha desta D. Elvira está discriminada no número 30 adiante.

23. bis. AFONSO sexto - décimo quarto Rei de Leão e terceiro de Castela. Nasceu em 1035 e faleceu em 1109. Casou-se pela quinta vez com D. ISABEL DE FRANÇA, filha de Felipe primeiro, rei de França e de sua mulher D. Berta de Holanda e neta de Henrique primeiro e de sua mulher Ana da Rússia, filha do Grão Duque Yeroslaw primeiro e sua mulher Ana da Grécia, soberanos da Rússia, nesse tempo Grão Ducado. Ana da Grécia era irmã dos Imperadores Romanos do Oriente BASÍLICO segundo e CONSTÂNCIO nono todos eles filhos de ROMANO segundo, este filho de CONSTANTINO sétimo e neto de ROMANO primeiro. D. Afonso sexto e D. Isabel, tiveram entre outros filhos.

24. D. ELVIRA ALDERIC - Casou-se a primeira vez com ROGER, rei das Duas Sicilias. Enviuvando deste, voltou para a Espanha onde se casou com o seu parente D. Fernando Mendes de Bragança, o Velho, filho do Rico-Homem D. Mendo Alan de Bragança, e de uma princesa armenia, que tinha vindo à Espanha em companhia do rei seu pai visitar o túmulo do Apóstolo São Tiago. D. Fernando era senhor de Bragança, Mogadouro, Miranda e outras terras de Traz-os-Montes, contemporâneo do conde D. Henrique de Borgonha, seu concunhado. Entre outros filhos tiveram:

25. D. MENDO FERNANDES DE BRAGANÇA, foi Rico-Homem e Alferes-Mór de seu primo Afonso Henriques. Casou-se com D. Sancha Viegas de Bayão, filha de D. Egas de Gozendes, Sr. de Bayão e de sua mulher e prima D. Useu Viegas; neta paterna de D. Gozendo Arnaldes e de sua mulher D. DURCO VIEGAS, filha de D. Egas Hermiges, O Bravo (descendente de D. Ramiro segundo) e de sua mulher D. Gontinha Eris, esta tia de D. Gosendo; bisneta paterna de D. Arnaldo Eris de Bayão e de sua mulher D. UFO filha do Duque D. Gosoindo, irmão de S. GERVÁSIO e de Santa Senhorinha de Basto; trineta paterna de D. ERO ARNALDES e de sua mulher D. Usenda, filha do conde de Lugo D. Godosindo Eris e sua mulher D. INDERQUINA PALAS, esta irmã da Rainha D. Elvira, mulher de D. Ordonho segundo, Rei de Leão ambas filhas do Conde D. Mendo Gutierres; quarta neta paterna de D. Arnaldo de Bayão e sua mulher D. Ermesenda Eris, filha do Conde de Lugo, D. Ero Fernandes, tiveram entre outros filhos: D. FERNANDO MENDES DE BRAGANÇA, o BRAVO.

(continua)
Anônimo disse…
THEODOSIO BANDEIRA CAMPOS

Conhecido pelo apelido carinhoso de Dosico, era de estatura mediana, com acentuada calva, que procurava disfarçar, puxando o cabelo para o lado. Inteligência aguda, grande orador, dotado de invulgar eloquência, bem humorado e espirituoso. Filho de Carlos Bandeira de Gouvêa e Teodósia Vieira Campos, nasceu na cidade de Boa Esperança, Minas Gerais, onde sua mãe foi professora. Com a mais tenra idade veio para Três Pontas, pois perdera a mãe, logo após seu nascimento. Foi criado por uma tia, Rita Vieira Campos, segunda esposa do Tenente Juvêncio Elias de Souza. Exerceu as funções de Presidente da Câmara. Participou da fundação da Companhia Viação Férrea Três Pontana e de sua primeira diretoria. Político de grande prestígio, junto às autoridades governamentais, por ocasião da criação do cargo de prefeito, nas comunas brasileiras, em 1930, foi nomeado o primeiro prefeito de de Três Pontas, Minas Gerais. Por não desejar ocupar o cargo, a 10 de janeiro de 1931, entregou a condução da Prefeitura ao Doutor João Batista Reis. Além de político, foi agricultor e pecuarista. ocupou, por vários anos, a gerência local do Banco da Lavoura de Minas Gerais. Exerceu o magistério nos colégios desta cidade. Eleito deputado à Assembléia Legislativa, para o período 31 de janeiro de 1955 a 31 de janeiro de 1959. Faleceu em Belo Horizonte, Minas Gerais, foi sepultado no Cemitério Municipal de Três Pontas. (28-SET-1889 - 14-DEZ-1960).

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se

Eis o amor caridade, eis a Irmã Míriam Kolling.

À Irmã Míria T. Kolling: Não esqueçam o amor Eis o amor caridade , dom da eternidade Que na entrega da vida, na paz repartida se faz comunhão ! Deus é tudo em meu nada: sede e fome de amar! Por Jesus e Maria, Mãe Imaculada todo mundo a salvar! " Não esqueçam o amor ", Dom maior, muito além dos limites humanos do ser, Deus em nós, entrega total! Não se nasce sem dor, por amor assumida: Nada resta ao final do caminho da vida a não ser o amor . Próximo artigo: Até breve, Maria Leopoldina Fiorentini. Artigo anterior: Os Juqueiras, Evando Pazini e a fazenda da Lage