Pular para o conteúdo principal

Paz e prosperidade em belíssima fazenda mineira.

Realmente uma riqueza: a harmonia paira no ar desta fazenda mineira. A família que a mantêm faz questão de dizer que a propriedade está nas mãos da família desde os primórdios do Brasil de Portugal. Para eles, depois dos índios são eles os guardiões deste espaço. É a fazenda dos Tachos e sua capelinha dos antigamente.

Comentários

projeto partilha disse…
Trecho da obra, Jesus Cristo e a Revolução não-Violenta. André Trocmé. Editora Vozes Ltda. Petrópolis. 1973. Tradução de José Alamiro de Andrade, O.F.M. Título do original francês: Jésus-Christ et la Révolution non Violente. Editado por Labor et Fidelis (Genebra). 1961, Magda Trocmé. Em 1973, da tradução portuguesa Editora Vozes Ltda. Rua Frei Luís, l00. Petrópolis, RJ. Brasil. p.223:

Eis que subitamente, no século XX, cessou a agitação improfícua da História. Fustigada por uma força desconhecida, na qual certas pessoas reconhecerão a mão de Deus, o tempo se contrai novamente. Israel, no tempo de Jesus, sentindo vir sobre si o fim do estado judeu, confundia-o com o fim do mundo e pensava em termos apocalípticos. Da mesma forma a civilização ocidental, no ápice de sua glória, sente confusamente que é chegada a sua hora. E a doutrina da eminência retoma sua atualidade.
O racionalismo filosófico das épocas felizes parece já empalidecido pela distância. O refúgio do tradicionalismo, a liturgia ou a mística aparece aos melhores como evasão. A juventude tem sede de ação. Ação para que fim? Ela o ignora: é preciso ir mais depressa, mais alto, mais longe, produzir mais, triunfar custe o que custar. Triunfar sobre o quê? Ninguém sabe!
Contudo, os próprios escritos populares estão cheios da apocalíptica dos tempos novos. Os adolescentes devoram a "ciência-ficção". Sua imaginação os arrasta ora para a esperança de bens terrestres bem próximos, ora para a expectativa de catástrofes, deflagradas pela mão do homem e que aniquilarão a humanidade.
Num tal quadro, é preciso se perguntar se a iminência do Reino de Deus não está prestes e reatualizar-se.
É um mito, gritam os racionalistas! O retorno do Filho do Homem nunca aconteceu e jamais acontecerá. Quem sabe alguma coisa? São os mitos que conduzem a história e não a razão: mito do "laissez-faire" do século XVIII, mitos do "Triunfo da Ciência", do "progresso perpétuo", da "Grande noite" do século XIX, mito do advento inelutável do socialismo ou da "Herrenrasse" do século XX.
E se são estes os mitos que nos conduzem, não é melhor um mito construtor que um destruidor? Melhor sobretudo um mito fundado numa revelação de Deus, que um mito inventado pelo homem e que justifica todas as suas loucuras.
Mas, afinal, o que é um mito? É forçosamente uma mentira? O mito nos oferece, numa forma plástica, uma certa visão da existência humana e de seu fim.
Ora, o homem tão orgulhoso de sua ciência está longe de conhecer o que é o espaço e o tempo, a vida e as idéias. Deve contentar-se em ser um homem e não pode conceber nem sua origem, nem seu fim, a não ser sob a forma de mito.
Em face do mito insensato que faz hoje em dia da raça humana o rival do próprio Criador, eis o mito - chamemo-lo provisoriamente assim - do Deus, que escolheu testemunhas entre os homens para preparar, na terra, a vinda do reino da justiça, da verdade e de amor. Este mito tem a vida dura. Ele sempre reapareceu no curso da história sob diferentes formas, principallmente após os massacres sem fim, onde o homem chegou ao extremo em seus crimes.
A "Sociedade das Nações" de ontem, a Internacional proletária e a O.N.U. de hoje, não são elas os reflexos, certamente que pálidos, mas bem emocionantes, da esperança do homem num Reino de Deus?
Na verdade, a expectativa do Reino de Deus é o guia misterioso que conduz a história. Os fatos econômicos e as descobertas técnicas não são mais que os materiais dos quais se serve a esperança humana para construir um futuro melhor.
Por que rejeitaríamos então admitir a origem revelada da esperança no Reino de Deus?
Por que nossa boca se recusaria a reconhecer: é Cristo que nos ensinou isto?
Quando temos que escolher entre o Reino de Deus e o nada, como não escolher o Reino?
rui nogueira disse…
Respeite todas as religiões

Enquanto observamos, em vários lugares do mundo, lutas fratricidas, muitas vezes sangrentas, entre facções religiosas, estamos num extraordinário país que vive um clima de inigualável sincretismo religioso e fusão de diferentes culturas.
Respeite todas as religiões!
Boa parte dos brasileiros transita tranquilamente por diversos templos, além de participar das mais variadas festas religiosas.
Pense na religião como um caminho que escolheu, não deixe contaminar por sectarismo se tornando intolerante, intransigente, pois, assim, você estará destoando do espírito brasileiro.
Será válida a postura de se acha um "escolhido", diferente, ou acima dos outros?
Lembre-se que estamos todos num mesmo grande frasco de ar e num mesmo grande aquário de todas as águas. Você precisa de oxigênio, de água, da energia química dos alimentos, de atenção, de carinho, de amor, como qualquer outra criatura humana.
Isto demonstra que o seu caminho não é o único. Por direções diferentes chegamos à mesma fonte de água pura, entretanto, devemos questionar os rumos. Sempre é possível encontrar um melhor.
Volte-se para o humanismo, respeite a liberdade de crença dos outros.
Contribua para a harmonia e a equidade que farão a vida boa de se viver, neste século XXI.


NÃO DEIXE QUE O ESPÍRITO ECUMÊNICO BRASILEIRO SEJA DESTRUÍDO.


O ESPÍRITO RELIGIOSO É A CONJUNÇÃO, EQUIDADE. NÃO ACEITE DISCRIMINAÇ~ES INTOLERANTES.
paulo costa campos disse…
Francisco Domingues Regulado

Sesmeiro na Serra da Esperança. Sua sesmaria confrontava com a de Luiz Francisco dos Passos, Manoel Roiz Soares. Esta sesmaria é de importância histórica, pois cita confrontantes ligados ao início da formação do arraial. Dentre eles, Luiz Francisco Passos, que comprou suas terras de Bento Ferreira de Brito, e de Manoel Roiz Soares, também sesmeiros nesta região, desde 3 de fevereiro de 1714. Guerino Casasanta, em História de Três Pontas, p.133 registra, equivocadamente, nome do sesmeiro Francisco Domingos Regulado e não Domingues (SC.12 p.94 e 94v, de 07-SET-1776, Arquivo Público Mineiro).
paulo costa campos disse…
OLINTO DOS REIS CAMPOS

Alto, compleição forte, aloirado, cabelos crespos, aparados tipo "escovinha", olhos azuis e nariz aquilino. Natural da cidade de Três Pontas, filho de Francisco Custódio Vieira Campos e Ana Paulina dos Reis. Casou-se com Astolfina de Brito e foi grande fazendeiro no município, dedicando-se principalmente à cultura do café e gado de corte. Foi um dos primeiros fazendeiros a instalar na propriedade máquinas beneficiadoras de café. Em 1936, houve eleição para escolha de vereadores. Na época havia dois partidos na Comarca: O Partido Progressista, apelidado por Partido Velho, e o Partido Econômico, conhecido por Partido Novo, em decorrência de seus militantes serem antigos ou novos políticos, ou seja, situação e oposição. Foi a primeira eleição após a Revolução de 1930. O Partido Progressista elegeu quatro vereadores e o Partido Econômico três. A Câmara Municipal era constituída por sete vereadores. A eleição, para o cargo de prefeito, era indireta e a escolha recaía entre os membros da Câmara. Disputaram o pleito Olinto dos Reis Campos, pelo Partido Velho e Juvenal Corrêa de Figueiredo, pelo Partido Novo. A vitória coube a Olinto dos Reis Campos, pois seu Partido tinha maioria na Câmara. O resultado da votação foi de quatro a votos a três. O leito exerceu o cargo, de 25 de julho de 1936 a 31 de dezembro de 1940. Foi um prefeito realizador e dinâmico. Iniciou o calçamento da Praça Cônego Victor, com grande júbilo para a população, pois não havia nenhum logradouro com esse melhoramento, (20-AGO-1882 - 05-ABR-1956).
paulo costa campos disse…
RIBEIRÃO DAS TRÊS PONTAS

Curso d´água cujas nascentes estão nas fraldas da Serra de Três Pontas. Na cabeceira, recebe o nome de Ribeirão da Passagem e, após receber as águas de seu afluente Córrego da Mutuca, passa a ter o nome de Ribeirão das Três Pontas. Recebe vários afluentes, em seu curso, corta a rodovia que liga Santana da Vargem a Nepomuceno, onde, por lamentável equívoco do DER, foi colocada uma placa com os dizeres: "Ribeirão do Esmeril." Continuando o seu curso, passa pela Fazenda Fábrica, onde há uma pequena represa. No seu trecho final, é conhecido por Ribeirão do Marimbondo. Na cidade de Boa Esperança, Minas Gerais, desemboca na Represa de Furnas. O Ribeirão das Três Pontas é conhecido desde tempos remotos e, nas suas margens, muitas sesmarias foram concedidas no final do Século XVIII (Rev. Arquivo Público Mineiro, ano XXXVII - 1988, vol.I e II).
paulo costa campos disse…
MANUEL ROIZ SOARES

Requereu uma sesmaria, em 3 de fevereiro de 1714 (SC. 09 p.97 - Arquivo Público Mineiro). É citado como confinante das sesmarias de João da Mota Coelho, localizada no Ribeirão de Três Pontas (SC.206 p.125, em 22-AGO-1777. Arquivo Público Mineiro) e a sesmaria de Francisco Domingues Regulado, este na região de Boa Esperança (SC. 206 p.94 e 94verso,m - 07-SET-1776. Arquivo Público Mineiro). Em trabalho realizado pelo historiador Guerino Casasanta, por ocasião da comemoração do primeiro centenário da elevação de Três Pontas à cidade, em 3 de julho de 1957, há referências ao fato. O trabalho foi depois inserido às páginas 121 a 136, do livro História de Três Pontas, da Editora JC, de Belo Horizonte (1980). Por estes documentos, pode-se concluir que o início do povoamento da região de Três Pontas poderia ter ocorrido no início do século XVIII.
projeto partilha disse…
Procuração bastante que faz Joaquim Ribeiro de Carvalho como adiante se declara:

Saibão quantos este publico instrumento de procuração bastante virem, que no anno do Nascimento de Nosso Senhor Jesus Christo de mil oitocentos e oitenta e três, aos quatorze dias do mes de abril do dito anno, nesta Freguesia da Cachoeira do Carmo, Termo da cidade do Espírito Santo da Varginha, em meu cartório compareceo Joaquim Ribeiro de Carvalho, morador e negociante nesta Freguesia sob a firma social de Carvalho & Rabello constitue por seo bastante Procurador nesta Freguesia ao Cidadão João Nestle com poderes especiais para representar o outorgante como se fora sua própria pessoa em qualquer cazo se fora sua própria pessoa, em qualquer cazo extraordinário que por ventura possa suceder tendente aos seos negócios não só particulares como da firma social (...). Como testemunhas presentes Thomé Monteiro da Costa e Antonio José Pereira, commigo Modesto José Pereira, Escrivão da subdelegacia e Paz e tabellião de notas que o escrevi e assigno em público e razo.
projeto partilha disse…
Um fragmento

Procuração bastante que faz o Reverendo Vigário Antonio Joaquim da Fonseca e sua irmã dona Maria Amélia da Fonseca a Arthur Estolano da Fonseca como abaixo declara:

Saibão quantos este publico instrumento de procuração bastante virem que no anno do nascimento de Nosso Senhor Jesus Christo de mil oitocentos e oitenta e três aos desacete dias do mes de julho do dito Anno nesta Freguesia do Carmo da Cachoeira, termo da Cidade de Varginha, Comarca de Três Pontas em meu Cartório perante mim Tabellião apparecerão o Rvmo. Vigário Antonio Joaquim da Fonseca, dona Maria Amélia da Fonseca e Arthur Estolano da Fonseca reconhecidos pelos próprios de que faze menção e das testemunhas abaixo assignadas, perante as quais por elles foi dito que por este (é tudo o que contém o referido fragmento do documento).
projeto partilha disse…
Izalina, branca, batizada em 14-01-1866 na Freguesia do Carmo da Cachoeira, Minas Geras, filha legítima de Francisco de Assis e Souza e dona Constança Thereza de Jesus, teve como madrinha sua tia Ritta Victallina de Souza que foi a segunda mulher de José Fernandes Avel. Numa Escriptura Particular que consta de nossos arquivos, cujo transmittente foi Amélia Augusta da Silva, vendida em 14 de Junho de 1913, no Extracto de Transcripção de immovel, descreve as seguintes confrontações:
Uma parte de terras em communhão, nas proximidades da Freguezia do Carmo da Cachoeira, que a vendedora houve em herança de seus finados paes - Augusto Silva e Izalina Cândida de Souza, confrontando a communhão cm a estrada real que da Freguesia do Carmo da Cachoeira vae ao logar chamado CHÁCARA, Mizael Dias de Gouvêa, Augusto Ribeiro Naves, viúva do finado Arlindo Mendes da Fonseca.
"Digo eu abaixo-assignado Amélia Augusta da Silva, residente na freguesia do Carmo da Cachoeira, Município de Varginha, Estado de Minas Gerais que, sendo senhora e possuidora de uma parte de terras no lugar denominado PASTO DA ISALINA, herança de meus fallecidos pais - Augusto Silva e Isalina Cândida de Souza (...)
Carmo da Cachoeira, 30 de maio de 1913. Assina como testemunhas: Pedro Pinto de Barros e Álvaro de Oliveira. Collector - João Alves de Miranda da Collectoria estadual de Varginha.

Arquivo

Mostrar mais

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiro s ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” T odos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cump

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

Carmo da Cachoeira — uma mistura de raças

Mulatos, negros africanos e criolos em finais do século XVII e meados do século XVIII Os idos anos de 1995 e o posterior 2008 nos presenteou com duas obras, resultadas de pesquisas históricas de autoria de Tarcísio José Martins : Quilombo do Campo Grande , a história de Minas, roubada do povo Quilombo do Campo Grande, a história de Minas que se devolve ao povo Na duas obras, vimo-nos inseridos como “Quilombo do Gondu com 80 casas” , e somos informados de que “não consta do mapa do capitão Antônio Francisco França a indicação (roteiro) de que este quilombo de Carmo da Cachoeira tenha sido atacado em 1760 ”.  A localização do referido quilombo, ou seja, à latitude 21° 27’ Sul e longitude 45° 23’ 25” Oeste era um espaço periférico. Diz o prof. Wanderley Ferreira de Rezende : “Sabemos que as terras localizadas mais ou menos a noroeste do DESERTO DOURADO e onde se encontra situado o município de Carmo da Cachoeira eram conhecidas pelo nome de DESERTO DESNUDO ”. No entanto, antecipando

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

Distrito do Palmital em Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. O importante Guia do Município de Carmo da Cachoeira , periódico de informações e instrumento de consulta de todos os cidadãos cachoeirenses, publicou um grupo de fotos onde mostra os principais pontos turísticos, culturais da cidade. Próxima imagem: O Porto dos Mendes de Nepomuceno e sua Capela. Imagem anterior: Prédio da Câmara Municipal de Varginha em 1920.

Cemitério dos Escravos em Carmo da Cachoeira no Sul de Minas Gerais

Nosso passado quilombola Jorge Villela Não há como negar a origem quilombola do povoado do Gundú , nome primitivo do Sítio da Cachoeira dos Rates , atual município de Carmo da Cachoeira. O quilombo do Gundú aparece no mapa elaborado pelo Capitão Francisco França em 1760 , por ocasião da destruição do quilombo do Cascalho , na região de Paraguaçu . No mapa o povoado do Gundú está localizado nas proximidades do encontro do ribeirão do Carmo com o ribeirão do Salto , formadores do ribeirão Couro do Cervo , este também representado no mapa do Capitão França. Qual teria sido a origem do quilombo do Gundú? Quem teria sido seu chefe? Qual é o significado da expressão Gundú? Quando o quilombo teria sido destruído? Porque ele sobreviveu na forma de povoado com 80 casas? Para responder tais questões temos que recuar no tempo, reportando-nos a um documento mais antigo que o mapa do Capitão França. Trata-se de uma carta do Capitão Mor de Baependi, Thomé Rodrigues Nogueira do Ó , dirigida ao gove

O livro da família Reis, coragem e trabalho.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: 24º Anuário Eclesiástico - Diocese da Campanha Imagem anterior: A fuga dos colonizadores da Capitania de S. Paulo

A origem do sobrenome da família Rattes

Fico inclinado a considerar duas possibilidades para a origem do sobrenome Rates ou Rattes : se toponímica, deriva da freguesia portuguesa de Rates, no concelho de Póvoa de Varzim; se antropomórfica, advém da palavra ratto (ou ratti , no plural), que em italiano e significa “rato”, designando agilidade e rapidez em heráldica. Parecendo certo que as referências mais remotas que se tem no Brasil apontam a Pedro de Rates Henequim e Manoel Antonio Rates . Na Europa antiga, de um modo geral, não existia o sobrenome (patronímico ou nome de família). Muitas pessoas eram conhecidas pelo seu nome associado à sua origem geográfica, seja o nome de sua cidade ou do seu feudo: Pedro de Rates, Juan de Toledo; Louis de Borgonha; John York, entre outros. No Brasil, imigrantes adotaram como patronímico o nome da região de origem. Por conta disso, concentrarei as pesquisas em Portugal, direção que me parece mais coerente com a história. Carmo da Cachoeira não é a única localidade cujo nome está vincul

A Paróquia Nª. Srª. do Carmo completa 155 anos.

O decreto de criação da Paróquia foi assinado pela Assembléia Legislativa Provincial no dia 3 de julho de 1857. Pela Lei nº 805 , a Capela foi elevada para Freguesia, pertencendo ao Município de Lavras do Funil e ficando suas atividades sob a responsabilidade dos Conselhos Paroquiais. O Primeiro prédio da Igreja foi construído em estilo barroco , em cujo altar celebraram 18 párocos . No ano de 1929, esse templo foi demolido, durante a administração do Cônego José Dias Machado . Padre Godinho , cachoeirense, nascido em 23 de janeiro de 1920, em sua obra " Todas as Montanhas são Azuis ", conta-nos: "Nasci em meio a montanhas e serras em uma aldeia que, ao tempo, levava o nome de arraial. (...) Nâo me sentia cidadão por não ser oriundo de cidade. A montanha é velha guardiã de mistérios. Os dias eram vazios de qualquer acontecimento." Ao se referir ao Templo físico dizia: "Minha mãe cuidava do jardim pensando em colher o melhor para os altares da Matriz

O distrito de São Pedro de Rates em Guaçuí-ES..

Localizado no Estado do Espírito Santo . A sede do distrito é Guaçuí e sua história diz: “ ... procedentes de Minas Gerais, os desbravadores da região comandados pelo capitão-mor Manoel José Esteves Lima, ultrapassaram os contrafortes da serra do Caparão , de norte para sul e promoveram a instalação de uma povoação, às margens do rio do Veado, início do século XIX ”.

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se