Pular para o conteúdo principal

Frio ao amanhecer na belíssima fazenda dos Tachos

Realmente uma riqueza, esta fazenda se destaca pelos seus encantos naturais, arquitetônicos e de memória cultural. De propriedade de uma tradicional família cachoeirense que faz questão de dizer que a propriedade está nas mãos da família desde os primórdios da colonização do Sul de Minas. Para eles, depois dos índios são eles os guardiões deste espaço. É a fazenda dos Tachos de Carmo da Cachoeira. A capelinha dos antigamente ainda está lá, e mostram com orgulho um espaço da casa, ainda conservadíssima, cujas paredes das salas estão representas de fotos, uma sala onde funcionava a venda que servia aos tropeiros e boiadeiros. Seu ancestral primeiro era o comerciante da arranchação. Hoje moram em Varginha e mantém estas propriedades com muito orgulho. Sabe aquela alameda de palmeiras, utilizada para registro da poesia sobre o sesquicentenário, de autoria de José Keitel? Faz ligação entre a Fazenda dos Tachos e a Fazenda Pouso Alegre.


Comentários

projeto partilha disse…
Esta tomada fotográfica feita por Evando foi por uma das ocasiões em que visitamos as fazendas limítrofes com o Município de Varginha. Toda aquela região é muito especial e, uma das fazendas que a compõe é a FAZENDA MATA NATIVA. Havíamos combinado uma entrevista na Fazenda Pouso Alegre logo ao amanhecer. Evando e um integrante do Projeto Partilha optaram por acessar a POUSO ALEGRE, através da Rodovia Fernão Dias. A estrada vicinal já havia sido percorria na noite anterior, quando da administração do Sacramento da Crisma, com a presença do Bispo Diocesano da Diocese de Campanha, Dom Diamantino Prata. A noite foi de geada e, ao amanhecer foi o que visualizamos na imagem de hoje. Ao percorrer a estrada vicinal que liga a Fernão Dias aos Tachos e a Fazenda Pouso Alegre há uma alameda formada por centenárias árvores - um verdadeiro cartão de visitas.
projeto partilha disse…
Refrescando nossa memória neste domingo de maio:

Torre Singela de São Pedro de Rates.

Cf.: trabalho de pesquisa de Carlos Leite Ribeiro - Marinha Grande - Portugal, no site:
HISTÓRIA DO BRASIL - Tomé de Sousa - Windows Internet Explorer
www.sokarinhos.com.br/HISTORIA/histbr_06.htm
projeto partilha disse…
"O futuro da democracia depende do futuro da autoridade. Reprimir os excessos da democracia pelo desenvolvimento da autoridade será o papel político de numerosas gerações.". Francisco Campos.
Trecho do discurso proferido no fim do curso na Faculdade Livre de Direito de Belo Horizonte em 1910, falando em memória do presidente Afonso Pena. Tema: Democracia e unidade nacional.

Francisco Campos foi responsável pela redação da Constituição brasileira de 1937 e do Ato Institucional do golpe de 1964. É um descendente de Joaquina Bernarda da Silva de Abreu Castelo Branco - Joaquina de Pompéu (Joaquina do Pompeu), casada com o capitão Inácio Oliveira Campos, neto do bandeirante Antônio Rodrigues Velho, um dos fundadores de Pitangui (século XVIII).
projeto partilha disse…
Diz o Cristo: "Deixai vir a mim as criancinhas e não as impeçais, porque o Reino de Deus é daqueles que se parecem com elas." (Lucas 18, 15-17).
projeto partilha disse…
MÁRTIR CRISTÃO

SANCTO PETRO DE RATIS, discípulo de Tiago (SAN PEDRO DE RATES/ São Pedro de Rates).

Do termo de Ratis " ... junta-se-lhe São Pedro de Rates como discípulo de Tiago, o qual teria sido o primeiro bispo de Braga (...).
Cf.: Arquidiocese de Braga-PRIMAZ em Portugal - Windows Internet Explorer
http://apostolicos.en.telepolis.com/9-BRAGA_(Portugal).html
"Os "varões apostólicos", ou fundadores das mais antigas igrejas e episcopais hispânicas, aparecem em Actas escritas pelo séc. VIII. Os seus nomes (...). Teriam sido enviados a Espanha por Pedro e Paulo a partir de Roma (...).

Biografia de SAN PEDRO DE RATES. OBISPO Y MARTIR
www.bn.pt/autores/cienciaweb/memoria biografia thumb 54.htm "San Pedro de Rates fué el primer obispo de Braga, entre los siglos VIII y IX (...) Su fiesta se celebra el 26 de abril".
Cf.:\"Enciclopedia Universal Ilustrada europeo americana\" Madrid: Espasa Calpe, 1979
Información elaborada por: Biblioteca Pública Estado en Huesca (NIC:13698).

Outras informações:
Portugal - Conferencia Episcopal Portuguesa
e-mail press office: agencia@ecclesia.pt
formación permanente Brasil
http:ww.presbiteros.com.br
projeto partilha disse…
Lino de Miranda nasceu em São Pedro de Rates, em 1941, vindo a falecer no Brasil com 49 anos. É autor da obra: São Pedro de Rates e outros casos verdadeiros.
A primeira publicação da obra foi em 1985. Editada pela Associação de Amizade de São Pedro de Rates. A segunda edição foi prefaciada por Armindo Ferreira, presidente da Junta da Freguesia de São Pedro de Rates. Entre tudo o que foi dito, consta o seguinte: "saudades de Rates, dos lugares, dos tempos, das pessoas, da fala, da maneira de cantar ratense.".
projeto partilha disse…
Aqui jaz o corpo de S. Pedro Mártir
Discíplo do Apóstolo S. Thiago
Transladado da egreja de Rates
Mor Dom Balthezar Limpo
Arcebispo de Braga, a esta
Sepultura, que se lhe fez
Por Mayor veneração
E por ser o primeiro prelado
Desta egreja. Aos 17 de outubro de 1552.

Estas são as palavras gravadas na sepultura de São Pedro de Rates, na Sé de Braga, em capela que lhe é própria.
projeto partilha disse…
Fragmentos de um antigo documento em cujo topo da página lê-se: 8 verso de forma manuscrita.

" ... das Mortes em meu Cartório, perante mim Tabelião appareceu o Alferes Joaquim Thomas Vilella e Castro residente nesta mesma Villa e conhecido pelos próprios de mim Tabellião, e das testemunhas, em presença das quaes elle outorgante me foi dito, que por este publico Instrumento, e na melhor forma de Directo, nomeava e constituía por seu bastante Procurador ao Tenente Coronel José Fernandes Avelino com expecialidade para vender hum escravo de propriedade delle outorgante de nome Antonio, Crioulo, solteiro, de idade de vinte quatro annos pouco mais ou menos, natural da Freguesia do Espírito Santo dos Coqueiros deste Termo, assignando o competente título, devendo empregando o seu producto em pagamento do que seu filho Francisco de Paula Vilella, por abono do dito Tenente Coronel Avelino deve a Casa de Mourão & Filho no Rio de Janeiro ao qual concede todos os seus poderes por direito permittidos para que em nome delle outorgante como se presente fosse per si insolidum passar procuração, requerer, allegar e defender o seu direito e justiça, em todas suas dependências particulares, e causas judiciaes, civis e crimes, movidos e por mover em que for Author ou Réo em qualquer Juiso, ou Tribunal Secular, Ecclesiastico, ou Militar: fazer conciliações com amplos e limitados poderes arrecadar (ilegível) toda sua fazenda dinheiro, ouro, prata, escravos, encomendas, carregações, dividas que lhe devão, legados, heranças, dinheiros de cofres públicos, e tudo o mais que por qualquer título lhe pertencer, requerer inventários, e assistir à (...). É tudo o que contém o referido fragmento.
rui nogueira disse…
NÃO FIQUE ABANDONADO

Se você cultiva as amizades, jamais estará abandonado.
Este é o caminho inverso e o que neutralizará o conjunto de hábitos estabelecidos durante o século XX, com a impressão de que são inevitáveis e não modificáveis. Fixou-se um sistema de vida individualista, mecanicista, com valorização crescente das máquinas no lugar da pessoa humana.
Hoje, sempre que possível, tudo é feito sem a presença das pessoas, sem os olhos nos olhos, acarretando condutas subservientes, sem possibilidade de alternativas.
Se você atrasa uma prestação ou tem problema com um cheque, estará, automaticamente, nas listas de restrição de crédito. Não haverá nenhuma consulta, ninguém olhará para o imprevisto que aconteceu ou para o desemprego que surgiu. Nada de emoções humanas, apenas o rigor previsto do funcionamento das máquinas.
No século XX, recém findo, as pessoas foram induzidas a praticar os seus atos sem a intervenção da vontade ou da inteligência. Criaram-se hábitos e estilo aceito por quase toda a população, inclusive em cima de necessidades artificiais. A moda dirige boa parte das decisões.
Somos transformados em passivos serviçais dos interesses da minoria dominante.
Mas, a amizade não deixa haver coisas impessoais. Amor implica em haver um concreto objeto de devoção. Não se ama imagens esfumaçadas, indefinidas. Amo alguém ou algo que está perfeitamente delineado na minha mente.
Se máquinas ou ordens distantes, afastadas da minha realidade, comandam a minha vida.
Se eu luto, apenas, para subir acima dos outros, para me transformar num complemento de alguma geringonça tecnológica, fico vulnerável e submisso, isolado e abandonado ao bel prazer do sistema.
Se tenho amizades, entretanto, somo esperanças, construo futuros melhores e quanto mais cresce o círculo de amizades, mais os pensamentos comuns se fortalecem e mais chances haverão para o mundo mais humano, um lugar melhor para se viver.
É incrível, mas, assim, você jamais sentir-se-á abandonado.

Arquivo

Mostrar mais

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiro s ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” T odos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cump

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

Carmo da Cachoeira — uma mistura de raças

Mulatos, negros africanos e criolos em finais do século XVII e meados do século XVIII Os idos anos de 1995 e o posterior 2008 nos presenteou com duas obras, resultadas de pesquisas históricas de autoria de Tarcísio José Martins : Quilombo do Campo Grande , a história de Minas, roubada do povo Quilombo do Campo Grande, a história de Minas que se devolve ao povo Na duas obras, vimo-nos inseridos como “Quilombo do Gondu com 80 casas” , e somos informados de que “não consta do mapa do capitão Antônio Francisco França a indicação (roteiro) de que este quilombo de Carmo da Cachoeira tenha sido atacado em 1760 ”.  A localização do referido quilombo, ou seja, à latitude 21° 27’ Sul e longitude 45° 23’ 25” Oeste era um espaço periférico. Diz o prof. Wanderley Ferreira de Rezende : “Sabemos que as terras localizadas mais ou menos a noroeste do DESERTO DOURADO e onde se encontra situado o município de Carmo da Cachoeira eram conhecidas pelo nome de DESERTO DESNUDO ”. No entanto, antecipando

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

Distrito do Palmital em Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. O importante Guia do Município de Carmo da Cachoeira , periódico de informações e instrumento de consulta de todos os cidadãos cachoeirenses, publicou um grupo de fotos onde mostra os principais pontos turísticos, culturais da cidade. Próxima imagem: O Porto dos Mendes de Nepomuceno e sua Capela. Imagem anterior: Prédio da Câmara Municipal de Varginha em 1920.

Cemitério dos Escravos em Carmo da Cachoeira no Sul de Minas Gerais

Nosso passado quilombola Jorge Villela Não há como negar a origem quilombola do povoado do Gundú , nome primitivo do Sítio da Cachoeira dos Rates , atual município de Carmo da Cachoeira. O quilombo do Gundú aparece no mapa elaborado pelo Capitão Francisco França em 1760 , por ocasião da destruição do quilombo do Cascalho , na região de Paraguaçu . No mapa o povoado do Gundú está localizado nas proximidades do encontro do ribeirão do Carmo com o ribeirão do Salto , formadores do ribeirão Couro do Cervo , este também representado no mapa do Capitão França. Qual teria sido a origem do quilombo do Gundú? Quem teria sido seu chefe? Qual é o significado da expressão Gundú? Quando o quilombo teria sido destruído? Porque ele sobreviveu na forma de povoado com 80 casas? Para responder tais questões temos que recuar no tempo, reportando-nos a um documento mais antigo que o mapa do Capitão França. Trata-se de uma carta do Capitão Mor de Baependi, Thomé Rodrigues Nogueira do Ó , dirigida ao gove

O livro da família Reis, coragem e trabalho.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: 24º Anuário Eclesiástico - Diocese da Campanha Imagem anterior: A fuga dos colonizadores da Capitania de S. Paulo

A origem do sobrenome da família Rattes

Fico inclinado a considerar duas possibilidades para a origem do sobrenome Rates ou Rattes : se toponímica, deriva da freguesia portuguesa de Rates, no concelho de Póvoa de Varzim; se antropomórfica, advém da palavra ratto (ou ratti , no plural), que em italiano e significa “rato”, designando agilidade e rapidez em heráldica. Parecendo certo que as referências mais remotas que se tem no Brasil apontam a Pedro de Rates Henequim e Manoel Antonio Rates . Na Europa antiga, de um modo geral, não existia o sobrenome (patronímico ou nome de família). Muitas pessoas eram conhecidas pelo seu nome associado à sua origem geográfica, seja o nome de sua cidade ou do seu feudo: Pedro de Rates, Juan de Toledo; Louis de Borgonha; John York, entre outros. No Brasil, imigrantes adotaram como patronímico o nome da região de origem. Por conta disso, concentrarei as pesquisas em Portugal, direção que me parece mais coerente com a história. Carmo da Cachoeira não é a única localidade cujo nome está vincul

A Paróquia Nª. Srª. do Carmo completa 155 anos.

O decreto de criação da Paróquia foi assinado pela Assembléia Legislativa Provincial no dia 3 de julho de 1857. Pela Lei nº 805 , a Capela foi elevada para Freguesia, pertencendo ao Município de Lavras do Funil e ficando suas atividades sob a responsabilidade dos Conselhos Paroquiais. O Primeiro prédio da Igreja foi construído em estilo barroco , em cujo altar celebraram 18 párocos . No ano de 1929, esse templo foi demolido, durante a administração do Cônego José Dias Machado . Padre Godinho , cachoeirense, nascido em 23 de janeiro de 1920, em sua obra " Todas as Montanhas são Azuis ", conta-nos: "Nasci em meio a montanhas e serras em uma aldeia que, ao tempo, levava o nome de arraial. (...) Nâo me sentia cidadão por não ser oriundo de cidade. A montanha é velha guardiã de mistérios. Os dias eram vazios de qualquer acontecimento." Ao se referir ao Templo físico dizia: "Minha mãe cuidava do jardim pensando em colher o melhor para os altares da Matriz

O distrito de São Pedro de Rates em Guaçuí-ES..

Localizado no Estado do Espírito Santo . A sede do distrito é Guaçuí e sua história diz: “ ... procedentes de Minas Gerais, os desbravadores da região comandados pelo capitão-mor Manoel José Esteves Lima, ultrapassaram os contrafortes da serra do Caparão , de norte para sul e promoveram a instalação de uma povoação, às margens do rio do Veado, início do século XIX ”.

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se