Pular para o conteúdo principal

Carapina, a origem do nome.

O termo "carapina", segundo o professor Caio Boschi, eram os profissionais no exercício da profissão do trato da madeira, "...deviam ser menos qualificados" que os oficiais de carpintaria ou marcenaria.

Por não serem portadores de cartas de autorização passadas pelas Câmaras Municipais para o exercício da função, faziam parte dos denominados "carapinas", muitos que, por algum motivo sofriam perseguições, embora não tivessem sido condenados ou julgados por atos que houvessem ferido a lei.

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Próxima matéria: A origem do nome da Escola Lourdes Galvão.
Artigo Anterior: Francisco vende o escravo João à Domingos.

Comentários

projeto partilha disse…
Procuração.
Procuração bastante que faz João Pimenta de Moraes como tutor de seo filho Francisco Alves de Moraes, menor, como adiante se vê:

Saibam quantos este publico instrumento de procuração bastante virem que, sendo no anno do Nascimento de Nosso Senhor Jesus Christo de mil nove centos e quatro, aos vinte oito dias do mes de outubro do mesmo anno neste districto do Carmo da Cachoeira, Comarca de Varginha, Estado de Minas Geraes, em meo cartório compareceu como outorgante João Pimenta de Moraes naturaes moradores neste Município da Varginha, reconhecidos pelos próprios de mim tabellião e das duas testemunhas adiante assignadas e estas também de meo conhecimento, do que de tudo dou fé, por elle outorgante em presença das mesmas testemunhas me foi dito que, por este publico instrumento de procuração e melhor forma de direito que a lei outorga nomeia e constitui seos bastante procuradores aos cidadãos FERNANDO DIAS DE OLIVEIRA e Maria (Mário?) D´Aquino e Pádua, aquelle morador em Perdões e este em Lavras do Funil, com poderes especiais in solidum, para que possão acompanharem os termos de inventário do seu finado sogro e avô Joaquim Alves do Espírito Santo, podendo nomear e approvar louvados, reconhecer dívidas, requerer partilhas, assignar embargos, aggravar, appellar, usar de todo e qualquer recurso; em fim, concedendo todos os poderes em direito permittidos, podendo substabelecer esta se assim for mister. Assim o disse e outorgou, do que dou fé, e me pedio fisesse este instrumento em minhas notas, o qual lhes li e achou conforme, aceitaram assignam com as testemunhas a tudo presentes, assignaturas estas que forão feitas sobre estampilhas federaes no valor de dois mil réis, perante mim tabellião que esta escrevi e assigno. Adelino Eustáchio de Carvalho. Seguem as assinaturas de João Pimenta De Morais e Francisco Alves de Moraes. Testemunhas José Baptista de Sant´Anna e Godofredo José Caldeira.
projeto partilha disse…
Um fragmento ...

(...) Pimenta de Moraes o seu tutelado filho menor Francisco de Moraes, actuaes moradores neste Município da Varginha, reconhecidos pelos próprios e de mim tabellião e das duas testemunhas no fim desta assignadas, e estas também minhas conhecidas, de que de tudo dou fé, em presença das quaes, por elles outorgantes me foi dito que, por este publico instrumento de procuração bastante e na melhor forma de direito que ali outorga,, nomear e constituem seos bastante procuradores - in solidum, os cidadãos, Fernando Dias de Oliveira e Mário d´Aquino Pádua, este morador em a cidade de Lavras do Funil, e aquelle em Perdões de Lavras, com procuradores especiais para que possão acompanhar os termos do inventário de sua fallecida sogra dona Anna Maria de Jesus, avó do seu menor filho e tutellado Francisco Alves de Moraes (...). Seguem as assinaturas de João Pimenta de Morais e Francisco Alves de Moraes. Testemunhas: Nicolau Antônio e Manoel Adelino de Sousa.

Observação: na mesma página, e após as assinaturas, novo registro. A única coisa que se pode ler é: "Procuração bastante que fazem Vergílio José Naves e sua mulher dona Ambrozina Marciana dos Reis, na forma adiante declarada (...). É tudo o que contém o referido fragmento.
projeto partilha disse…
Vamos ouvir o pesquisador e genealogista Ary Silva, em Árvore Genealógica Família DIAS DE OLIVEIRA - BUENO, p.87:

DESCENDENTES DE "AMADOR BUENO" - O Aclamado Rei de São Paulo - 1641.
(Aditamento)
OS BUENOS DA FONSECA

JESUINA CÂNDIDA DE OLIVEIRA (Anuário Genealógico Brasileiro, Vol. VI-1944-São Paulo, pág. 110-Tn-24), filha de João Crisóstomo da Silva Bueno e Luísa Ludovina de Jesus (Dias de Oliveira), foi casada em primeiras núpcias com seu primo Francisco Dias de Oliveira, filho de Francisco Antonio Pereira e Francisca Francelina de Oliveira, irmã de Luísa Ludovina de Jesus.
Filhos do primeiro casamento com Francisco Dias de Oliveira:

- Antonio Dias Pereira de Oliveira;

- Saturnino Dias Pereira de Oliveira;

- Francisca Cândida de Oliveira;

- João Dias de Quadros Aranha.

.ANTONIO DIAS PEREIRA DE OLIVEIRA, nasceu à 1-11-1836, foi casado com Teodolinda Eulália de Carvalho, filha de Alípio José Teixeira de Carvalho, casado em Lavras, à 22-09-1827, com Áurea Maria da Silva, natural de Três Pontas, filha natural de Francisca Maria de Jesus e do ten.-coronel José Pereira da Silva Guimarães, nat. de Portugal. Foram pais de:

1-1 - FERNANDO DIAS DE OLIVIERA foi casado a primeira vez em Perdões a 22-1-1888, com sua prima Augusta Dias de Oliveira, nascida 25-X- ; bat. em Perdões a 8-XII-1869, liv.1,pg.193, filha de João Dias de Quadros Aranha, que foi casado 3 vezes e Cândida Francelina de Oliveira, filha do Coronel Joaquim Francisco da Costa e Teresa de Oliveira (irmã de Francisco Dias Pereira, primeiro esposo de dona Jesuina Cândida de Oliveira ( An. Gen. Bras. São Paulo, Vol.VI, 1944, pg. 117-Pn.199).
Fernando Dias de Oliveira, foi casado a segunda vez com Maria Alvarenga de Oliveira, filha de José Ferreira de Oliveira Rezende c.c Maria Rodrigues de Alvarenga, filha de Paulo José Rodrigues e Ana Moreira de Alvarenga. José Ferreira de Oliveira Rezende, que também usou o nome de José Dias de Rezende, era filho de João Dias de Oliveira e Umbelina Eufrásia de Rezende.

Fernando Dias de Oliveira era irmão de Álvaro Dias de Oliveira, nasc. em 1876 e casado com Anna Augusta Naves (Ana).
projeto partilha disse…
Uma coisa leva a outra ... e, que bem-vindas sejam todas as informações. Todas, sem exclusão, são enriquecedoras.

Ontem, uma pessoa do Projeto Partilha buscava um atestado de óbito, ocorrido em Carmo da Cachoeira, após o mês de outubro de 1951. A informação que se pretendia ter era: quando faleceu José Pedro da Silva (in memoriam) ou José Rita, como é lembrado pelos cachoeirenses mais antigos. José Rita era um trabalhador do campo e desenvolvia suas atividades ligadas a Fazenda do Couro do Cervo. José Rita adquiriu um terreno no arraial onde morou, 50 anos atrás sua filha Teresa (in memoriam). O que se buscava era encontrar a referida certidão e se constatar quem eram seus herdeiros. Durante a busca surge um nome conhecido que, por ter sido homenageado através de denominação de rua, sentimo-nos imbuídos da responsabilidade de partilhar o dado:

Em 27-10-1954, faleceu OLIMPIO VIRGOLINO DE SOUZA, homem de cor branca, filho legítimo de Francisco de Assis e Souza e de Constança Umbelina de Souza, viúvo de Ana Maximiana de Gouveia. Deixou os filhos: Sebastião Gouvêa de Souza e Anita Moreira de Sousa, casados.
projeto partilha disse…
João Dias de Gouveia (Gouvêa) é o Barão de Lavras. Filho de Antonio Dias de Gouveia (Gouvêa) e de Ana Teresa de Jesus (Theresa), moradores na Paragem da Ponta Falsa, Freguesia de Santa Ana das Lavras do Funil, Termo da Vila de São João del Rei e Comarca do Rio das Mortes.
O Juiz de Paz Rafael dos Reis Silva, em 1842 relaciona as fazendas mais importantes existentes num dos Distritos de Lavras do Funil - o Distrito da Boa Vista. Segundo a referida relação, a Fazenda RANCHO, segundo o professor Wanderley Ferreira de Rezende, "uma das mais antigas", pertenceu a Martinho Dias de Gouvêa/ Gouveia. Martinho era irmão de João Dias de Gouveia/Gouvêa - o Barão de Lavras. Martinho faleceu em 1842. Um dos filhos de Martinho, Antonio Severiano de Gouvêa/Gouveia era proprietário da Fazenda Caxambu. Mizael Dias de Gouveia/Gouveia era irmão de Martinho Dias de Gouvêa II/Gouveia e de Antonio Severiano de Gouvêa/Gouveia(II).
projeto partilha disse…
O espaço geográfico motivo do documento abaixo foi o local onde, nos idos anos de 1770, morou Manoel Antonio Rates e sua família.

Fragmentos de antigos documentos contam parte de nossa história. Esta peça é uma parte dela. Em sua composição entram nomes de pessoas que, tradicionalmente, e de forma grandiosa colaboraram em sua formação permitindo que o que existe hoje em termos de memória local não se perdesse. É o caso de dona Hilda Mesquita, descendente do português José Pinto Mesquita. É moradora, ainda hoje na Pça do Carmo, onde seu pai mantinha uma instituição financeira - um banco. Dona Hilda dedicou sua vida a educação. Aposentou-se como diretora escolar. É uma pessoa leve, doce, carinhosa, sorridente, atenciosa e muito, muito religiosa. O fragmento da escriptura abaixo faz nos recordar de seu pai, e conta-nos um pedacinho da história da terra onde Manoel Antonio Rates tinha sua propriedade.

Vendedores: Ana Dias e seu marido José Pinto Mesquita.
compradora: Prefeitura.

(...) E, perante os quais, pelos outorgantes vendedores, me foi dito, que são senhores e legítimos possuidores de dois terrenos à Rua Boiadeira, nesta cidade, e que obtiveram por compra feita de dona Constância Amélia de Carvalho e outras por escritura passada pelo Tabelião, João Baptista Braga no Primeiro Ofício Judicial de Notas de Varginha, em 04 de dezembro de 1928 e registrada no registro de Imóveis de Varginha, no livro n.3E fls.136, sob n.3.961. Tendo o primeiro terreno a área de 3.971 em terreno de pasto, dentro das seguintes confrontações. Confronta com a rua Boiadeira, herdeiras de Francisco Romanielo; Juvenal Olímpio e Benevenuto Rodrigues da Silva Reis; Ribeirão do Carmo da Cachoeira e Ana Dias de Oliveira, tendo o segundo terreno a área de 2.991 em terra de pasto, dentro das seguintes confrontações: confronta coma rua da Estação; Benevuto Rodrigues da Silva Reis, Ribeirão do Carmo da Cachoeira, e de outro lado com Jorge Tomaz da Silva. (...) Certifico que (...) com área de 6.962 metros quadrados, pertencente a(ilegível) e situados à rua Boiadeira (...) está desembaraçado do imposto territorial, que foi pago, sendo o do corrente exercício conforme conhecimento. Coletoria Estadual de Carmo da Cachoeira, em 27 de setembro de 1950. O coletor, João Baptista Caldeira Sobrinho. Coletoria Federal em Carmo da Cachoeira José Pinto Mesquita (...) recolheu. O coletor em férias. O escrivão Walter Rodrigues Munaier (acumulando as funções de coletor). (...) assina, Francisco de Paula. Vitor Mendes de Oliveira, chefe do Serviço de Fazenda reconhecidos pelo Tabelião (ilegível). É tudo o que se conseguiu resgatar do referido documento.
projeto partilha disse…
"Aos trinta de dezembro de mil novecentos e sessenta, foi encomendada e sepultada no cemitério Paroquial o cadáver de Anita Moreira de Souza, com quarenta e seis anos de idade, natural do distrito de Carmo da Cachoeira, filha de Olimpio Virgolino de Souza e de Ana Maximina de Souza, casada com Tomé Moreira do Amaral. Causa mortis: colapso cardíaco. E para constar, foi lavrado este termo que assino. O pároco. Padre Manoel Francisco Maciel."

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiros ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” Todos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cumprir …

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.


Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977.
Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Aparições de Nossa Senhora em Carmo da Cachoeira.

A PADROEIRA
Senhora do Carmo
Informativo da Paróquia Nossa Senhora do CarmoEdição ExtraordináriaFEVEREIRO de2012
Carmo da Cachoeira/MG - Diocese da Campanha

NOTA DE ESCLARECIMENTO AOS PAROQUIANOS Pe. André da Cruz


Ultimamente, o fenômeno de supostas “aparições” de Nossa Senhora têm se multiplicado no, Brasil e em outros países, deixando muita gente confusa, tanto na vivência da Fé cristã, como no discernimento da veracidade dos fatos.
Como pastor dos católicos cachoeirenses ou demais participantes da Paróquia Nossa Senhora do Carmo não posso me furtar a trazer algumas reflexões e esclarecimentos de forma refletida, prudente e baseada nos subsídios doutrinais da Igreja Católica e à luz do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Dessa forma, transmito aos prezados paroquianos algumas orientações feitas pela Conferência Nacional dos Bispos no Brasil, que em seu documento “Aparições e Revelações Particulares”, afirma:
Nos últimos anos, o número de “aparições” e “revelações” particulares, princi…

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Paulo Naves dos ReisPróxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas.
Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.

Observando os mapas do Quilombo de São Gonçalo, o da Samambaia e o do Ambrózio, todos com uma duração temporal grande permitindo, em última instância, uma certa estabilidade populacional e social capaz de gerar uma sociedade mais complexa, propiciadora de elementos materiais mais duráveis, percebe-se que eles possuíam muitas semelhanças e dentre elas, a delimitação de seus territórios por fossos, estrepes e trincheiras. Neste território se dava a vida social do grupo, ou seja, as relações econômicas, sociais e provavelmente políticas. As casas dos quilombos estavam divididas entre moradias e casas para atividades específicas, como por exemplo, ferraria, casa do curtume e a casa dos pilões. No Quilombo do Campo Grande, em 1746, foi localizado mais de 600 negros vivendo com “... fortaleza, cautelas e petrechos tais que se entende pretendem se defender-se...”1Uma outra referência sobre o mesmo quilombo, afirma que os quilombolas se defenderam por mais de 24 horas, protegidos por um palan…

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Pedro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas, especialmente de Três Pontas. Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui, descendentes de Joaquina do Pompéu.Pedro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas¹. Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça.Filhos do casal:- Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza;
- Cônego Francisco da Silva Campos, ordenado em São Paulo , a 18.12.1778, foi um catequizador dos índios da Zona da Mata;
- Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09.1759;
- João Romeiro Furtado de Mendonça;
- Joaquim da Silva Campos, Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos AnjosFilhos, segundo informações de familiares:-Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos, primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira, este nascido em Lagoa Dourada³;
- Joaquim da …

Deus Pai, o Divino Espírito e a Sagrada Família.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Evando Pazini - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Manoel Antônio Teixeira da Fazenda Campestre.
Imagem anterior: Antigo telefone da fazenda da Serra.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.
Esta foto foi nos enviada por Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio).
Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Barleus e a imagem do Quilombo dos Palmares.

..., só se conhece uma imagem feita sobre Palmares durante sua existência. Trata-se da feita por Barleus1 em 1647 e reproduzida em Reis2. Infelizmente, esta imagem não possui riquezas de detalhes ou de informações. Aparentemente, trata-se de um posto de observação à beira de um rio que serve de local de pescaria coletiva.
Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: O negro aquilombado e a população colonial.
Texto Anterior: Padre Vieira e a legítima sua organização dos quilombos.
Figura: Imagem de Palmares - Barleus
1 Barleus, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.
2 REIS, João José e GOMES, Flavio dos S. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996. p. 33

A importância e o trabalho dos ferreiros.

Pode-se perceber nos mapasfeitos sobre os quilombos que o espaço interno da estrutura era usado de maneira a indicar uma provável especialização das diferentes construções. Esta espacialidade poderia indicar uma certa hierarquia social dentro da comunidade. O fato de que a casa de ferreiro (São Gonçalo), a Casa do Conselho e do Tear (Perdição), a Casa de audiência (Samambaia) e a Casa do Rei (Braço da Perdição), estarem sempre em local destacado é sugestivo. O que isto pode indicar? É possível a partir destes dados, pressupor que houvesse no interior das comunidades quilombolas uma hierarquização política e social, já que elementos que desempenhavam um papel de destaque para a manutenção dos grupos claramente tinham seu espaço físico igualmente destacado.
O caso das Casas de ferreiro que aparecem no quilombo da Samambaia e no de São Gonçalo é curioso porque pode nos remete à uma prática antiga na África, ou seja, o uso do metal. É provável que os quilombolas utilizaram-se desse conhec…