Pular para o conteúdo principal

A botica do Dr. Luiz Galvão Corrêa em Minas.

O navio percorre o antigo caminho marítimo que faz a ligação entre os continentes através do oceano Atlântico. Século dezenove. Um casal muito especial faz parte desta viajem: os pais de Luiz Galvão Corrêa.

O jovem casal chega trazendo ainda no ventre materno aquele que seria o "médico do corpo e da alma" do povo cachoeirense. Buscavam uma nova vida em um novo mundo, o navio deixava o Velho Continente. Em suas fantasias deixavam para traz a ignorância e a imaturidade que produziam em sua terra: guerras, servidão, polarização, preconceitos ...

A falta de respeito entre os seres humanos ficaria no passado. Um novo mundo estaria a espera deste casal em terras brasileiras. Assim, no dia 30 de Janeiro na Barra do Piraí no Rio de Janeiro nasceu o Dr. Luiz Galvão, o "Pai dos Pobres".

Foto: Evando Pazini - Foto de fundo: Jetzabel - Arte: TS Bovaris

Próxima imagem: O coronel Astolpho Rezende de Varginha.
Imagem anterior: Pharmácia N. Sra. do Carmo em Minas Gerais.

Comentários

projeto partilha disse…
A imagem de ontem nos mostrou a significativa imagem da Santíssima Trindade. Esta imagem ficava na casa de dona Maricota (in memoriam). Maricota foi casada com Luiz Grandi e era uma criada na casa do "Pai dos Pobres", Luiz Galvão. Recentemente, o viúvo Luiz Grandi deixou a antiga residência onde morava o casal, e passou a residir no Lar São Vicente de Paulo, em Carmo da Cachoeira, Minas Gerais, situado a rua Antonio Justiniano dos Reis, 716. Maricota, menina ainda, vivia em Boa Esperança quando foi trazida para junto da família por dona Genoveva Garcia Reis, mãe da primeira mulher de Conceição, a primeira mulher de Galvãozinho (Luiz Galvão Corrêa Filho). A menina veio para Cachoeira quando de uma visita que dona Genoveva fazia a parentes de Boa Esperança, e nunca mais deixou a família, sendo considerada por todos como fazendo parte dela. Certamente, esta imagem da Sagrada Família, conservada com carinho por Maricota foi lembrança de sua família de criação.
O farmacêutico Luiz Corrêa, filho de portugueses, quando provocado pelos amigos, coronel Mingutinha (Domingos Ribeiro de Resende), pelo Othoniel Cunha, por João Pequeno, por Didico Lopes, pelo seu Percy, que lhe diziam: "Olha aí, o nosso homem, O pai dos pobres, que nasceu no mar", logo revidava: "quem nasce no mar é peixe, eu não sou peixe". Luiz Galvão abriu uma farmácia nesta cidade e a denominou de "Nossa Senhora do Carmo", em homenagem a padroeira da cidade. Era o ano de 1903, e já fazia parte de sua história de vida um retorno a Portugal em companhia de seus pais. O acontecimento se deu quando ele tinha 2 anos. Ficou por lá até os 17 anos, retornando ao Brasil com a mãe, já viúva. Tinha como irmãos, a Helena, a Lídia e o Carlos. Luiz e Carlos eram ferroviários, na função de telegrafista. Desempenhavam a função em Cruzeiro, Estado de São Paulo, junto a Estrada de Ferro local. O município de Cruzeiro fica próximo ao de Aparecida do Norte/SP. Luiz Corrêa Galvão, depois de anos nesta unidade, foi transferido para o Município de Varginha. Aí conheceu Gabriela Carvalho (Sa Biela), nascida em Campanha da Princesa, Minas Gerais. Luiz e Biela tiveram vários filhos, entre eles o Galvãozinho, nascido em Carmo da Cachoeira em 1905. Galvãozinho foi casado em primeiras núpcias com Conceição Reis, nascida na mesma cidade no ano de 1910 e falecida em 1934. Conceição era irmã de Naninha, (Ana Reis), mãe de nossa querida dona Zilah, a Zilá do Percy, família ligada a Fazenda do Morro Grande, de Antonio Marciano dos Reis e sua esposa e sobrinha Genoveva Cândida Garcia, filha de João Garcia Figueiredo e de Joaquina Cândida. Antonio Marciano é descendente de João Damasceno Branquinho e de dona Joaquina Antonia da Silva, através de dona Maria Cândida Branquinho dos Reis, falecida em 1896. Maria Cândida e Antonio dos Reis Silva foram os pais de Joaquina Cândida, casada com João Garcia Figueiredo, pais de Genoveva Cândida, nascida em 1884 e casada com Antonio Marciano dos Reis, nascido em 1868 e falecido em 1918.
projeto partilha disse…
Gabriela Carvalho Galvão, esposa do farmacêutico Luiz Galvão Corrêa, era uma verdadeira "lady". Dotada de elegância e fineza era pessoa de fino trato. Seu apelido era "Sa Biela", e antes de seu casamento com Luiz Galvão morava no Município de Varginha-MG, em companhia das tias, Maria Cândida de Carvalho (Sá Dica) e a Tereza de Carvalho. Todas procedentes de Campanha da Princesa, Minas Gerais. Buscando conhecer um pouco sobre "Sa Biela", o Projeto Partilha buscou informações com dona Zilah. Diz ela, ao contar um caso: "Sá Biela era mulher fina. Para se servir de jabuticabas preparava um verdadeiro ritual. Em mesa posta com toalhas de renda ou bordadas, era colocada uma bacia em porcelana sobre uma fina bandeja. Após as frutas terem sido lavadas eram acondicionadas em vasilha de porcelana sobre fina bandeja e oferecidas para o consumo dos que viviam ou visitam a casa.
projeto partilha disse…
Existe em Carmo da Cachoeira uma Unidade de Ensino denominada Escola Municipal Lourdes Galvão. Está situada a rua Antonio Justiniano dos Reis, Centro. Lourdes Galvão era filha de Luiz Galvão Corrêa e Gabriela Carvalho Galvão - Sa Biela. Os relatos sobre os dons de caráter espiritual manifestados através das atitudes de Lourdes, como os da paciência, de sua bondade e dedicação, soam em uníssono entre os cachoeirenses que a conheceram e com ela conviveram.
projeto partilha disse…
Livro de óbitos n. VI, fl. 13v. óbito de n.82. No ano do nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo de mil novecentos e sessenta e dois, no dia 12 de outubro foi encomendado e sepultado no Cemitério local o cadáver de LUIZ GALVÃO CORRÊA, filho de Manoel Antonio Corrêa e de dona Emília Mendes. Causa-mortis: senilidade e pulmões. Pe. Manoel Francisco Maciel.
projeto partilha disse…
Sobre um de seus descendentes:
Baltazar Simões Correia, casado com Filomena Augusta da Costa foram pais de Melo de Souza Barros, falecido com 62 anos em 26-07-1971. Dados obtidos no Livro de óbito de n. VI. e às fls. 111, registro de n.403 do mesmo Livro, o Óbito de dona Filomena da Costa Barros, com 85 anos. O falecimento se deu em 25-08-1975 e ela era filha de Manoel João da Costa e de dona Perciliana de Souza Lima.
Patrícia Mares Guia disse…
Gostei muito de ler sobre a vida de meu bisavô Luiz Galvão. Fico muito emocionada em ver todos os relatos . Não tive oportunidade de conhecê-lo, mas me recordo de tardes com a Tia Lourdes (Lourdes Galvão) conversando sobre o vô Luiz. Sou casada com um português e tenho muita vontade de descobrir a família do vô Luiz em Portugal. Por favor, se alguém tiver alguma informação sobre o local onde ele vivia. Assim posso ir até lá e descobrir as descendências da família Corrêa. Tia Lourdes sempre falava de Trás os Montes, mas só isso não é suficiente porque é uma região muito grande. Preciso saber o nome da cidade. Agradeço de coração qualquer informação.
SER disse…
Herbert Jose Reis Galvao neto de Luiz Galvao,filho de Jose de Carvalho Galvao

Tambem gostaria de conhecer mais sobre nossos parentes da familia Galvao,o que sei e que seria uma familia bem grande.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiros ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” Todos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cumprir …

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.


Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977.
Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Aparições de Nossa Senhora em Carmo da Cachoeira.

A PADROEIRA
Senhora do Carmo
Informativo da Paróquia Nossa Senhora do CarmoEdição ExtraordináriaFEVEREIRO de2012
Carmo da Cachoeira/MG - Diocese da Campanha

NOTA DE ESCLARECIMENTO AOS PAROQUIANOS Pe. André da Cruz


Ultimamente, o fenômeno de supostas “aparições” de Nossa Senhora têm se multiplicado no, Brasil e em outros países, deixando muita gente confusa, tanto na vivência da Fé cristã, como no discernimento da veracidade dos fatos.
Como pastor dos católicos cachoeirenses ou demais participantes da Paróquia Nossa Senhora do Carmo não posso me furtar a trazer algumas reflexões e esclarecimentos de forma refletida, prudente e baseada nos subsídios doutrinais da Igreja Católica e à luz do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Dessa forma, transmito aos prezados paroquianos algumas orientações feitas pela Conferência Nacional dos Bispos no Brasil, que em seu documento “Aparições e Revelações Particulares”, afirma:
Nos últimos anos, o número de “aparições” e “revelações” particulares, princi…

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Paulo Naves dos ReisPróxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas.
Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.

Observando os mapas do Quilombo de São Gonçalo, o da Samambaia e o do Ambrózio, todos com uma duração temporal grande permitindo, em última instância, uma certa estabilidade populacional e social capaz de gerar uma sociedade mais complexa, propiciadora de elementos materiais mais duráveis, percebe-se que eles possuíam muitas semelhanças e dentre elas, a delimitação de seus territórios por fossos, estrepes e trincheiras. Neste território se dava a vida social do grupo, ou seja, as relações econômicas, sociais e provavelmente políticas. As casas dos quilombos estavam divididas entre moradias e casas para atividades específicas, como por exemplo, ferraria, casa do curtume e a casa dos pilões. No Quilombo do Campo Grande, em 1746, foi localizado mais de 600 negros vivendo com “... fortaleza, cautelas e petrechos tais que se entende pretendem se defender-se...”1Uma outra referência sobre o mesmo quilombo, afirma que os quilombolas se defenderam por mais de 24 horas, protegidos por um palan…

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Pedro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas, especialmente de Três Pontas. Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui, descendentes de Joaquina do Pompéu.Pedro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas¹. Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça.Filhos do casal:- Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza;
- Cônego Francisco da Silva Campos, ordenado em São Paulo , a 18.12.1778, foi um catequizador dos índios da Zona da Mata;
- Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09.1759;
- João Romeiro Furtado de Mendonça;
- Joaquim da Silva Campos, Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos AnjosFilhos, segundo informações de familiares:-Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos, primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira, este nascido em Lagoa Dourada³;
- Joaquim da …

Deus Pai, o Divino Espírito e a Sagrada Família.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Evando Pazini - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Manoel Antônio Teixeira da Fazenda Campestre.
Imagem anterior: Antigo telefone da fazenda da Serra.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.
Esta foto foi nos enviada por Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio).
Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Barleus e a imagem do Quilombo dos Palmares.

..., só se conhece uma imagem feita sobre Palmares durante sua existência. Trata-se da feita por Barleus1 em 1647 e reproduzida em Reis2. Infelizmente, esta imagem não possui riquezas de detalhes ou de informações. Aparentemente, trata-se de um posto de observação à beira de um rio que serve de local de pescaria coletiva.
Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: O negro aquilombado e a população colonial.
Texto Anterior: Padre Vieira e a legítima sua organização dos quilombos.
Figura: Imagem de Palmares - Barleus
1 Barleus, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.
2 REIS, João José e GOMES, Flavio dos S. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996. p. 33

A importância e o trabalho dos ferreiros.

Pode-se perceber nos mapasfeitos sobre os quilombos que o espaço interno da estrutura era usado de maneira a indicar uma provável especialização das diferentes construções. Esta espacialidade poderia indicar uma certa hierarquia social dentro da comunidade. O fato de que a casa de ferreiro (São Gonçalo), a Casa do Conselho e do Tear (Perdição), a Casa de audiência (Samambaia) e a Casa do Rei (Braço da Perdição), estarem sempre em local destacado é sugestivo. O que isto pode indicar? É possível a partir destes dados, pressupor que houvesse no interior das comunidades quilombolas uma hierarquização política e social, já que elementos que desempenhavam um papel de destaque para a manutenção dos grupos claramente tinham seu espaço físico igualmente destacado.
O caso das Casas de ferreiro que aparecem no quilombo da Samambaia e no de São Gonçalo é curioso porque pode nos remete à uma prática antiga na África, ou seja, o uso do metal. É provável que os quilombolas utilizaram-se desse conhec…