Pular para o conteúdo principal

Os índios nas terras de Lavras do Funil, antiga sede do distrio de Carmo da Cachoeira.

Além dos obstáculos que a terra mineira apresentava aos que a vieram desbravar, pelo relevo acentuado, pelos rios invadiáveis, pelos sertões ínvios, pelas febres mortíferas e pelos animais ferozes, outros se encontram, devido à presença de tribos selvagens, algumas das quais ofereceram resistência ao invasor. Entre as mais antigas tribos que se estabeleceram em Minas, o historiador Lúcio José dos Santos assinala os Tupis, os Goiás, os Goianás, os Tupinakis, os Carijós, os Tupinambanás, os Aymorés, os Tapajós, os Tamoios, os Goitacás e os Cataguás ou Cataguases, nação que dominou o Sul de Minas, estendendo-se depois pelos sertões do Araxá e São Francisco.

O predomínio desta tribo foi tão grande que, primitivamente o território de Minas era conhecido como o "País dos Cataguás" e "Campos Gerais dos Cataguases" denominação esta que só desapareceu de todo depois de criada a Capitania de Minas, separada de São Paulo em 1720. Ocupavam desde o Sul de Minas, até o triângulo Mineiro, São Francisco, Oeste do Campo das Vertentes sendo suas trilhas aproveitadas pelos bandeirantes.

Habitavam seus povos em aldeias formadas de pequenas choças e alimentavam-se de caça, pesca, frutos e raízes, assentando-se à beira d´água (rios e lagos), nos sítios mais favoráveis à obtenção do necessário alimento, emigrando dali quando escasseavam os recursos. Serviam do arco e flecha e do tacape com grande destreza e eram profundamente supersticiosos, acreditando em espíritos subalternos, protetores alguns e malfazejos outros.

Em regra, devoravam os prisioneiros de guerra e não tinham propriamente um ritual, mas, cultuavam danças guerreiras e festivas. Os seus pajés não eram sacerdotes, mas feiticeiros e curandeiros. O seu governo e de caráter patriarcal e o chefe da tribo era o mais poderoso.

Jacy de Souza Lima (1968), em Lavras do Ouro e das Escolas com base em Batista Caetano de Almeida (1827), um dos principais folcloristas de seu tempo e cultor da língua tupi-guarani, relata-nos que o escriba real Bento Pereira de Souza Coutinho escrevendo ao rei de Portugal em 1694, sobre a descrição dos caminhos percorridos pela expedição de Fernão Dias, mencionando sobre a colina dos ferozes Cataguases alcançada pela força das armas quando concluía a primeira etapa da destemida bandeira antes de fundar o arraial de Ibituruna próximo à Cachoeira Afunilada do Rio Grande, ressaltando a grande valentia na resistência dos bandeirantes na luta travada com uma horda de índios nesta encosta, quando então os Cataguases chegaram atacando de surpresa com flechas, burdunas e tacapes sobre os caçadores de esmeraldas que revidaram o repentino ataque utilizando de suas armas de fogo e de seus bacamartes, causando terrores e pânicos aos belicosos íncolas que se viram obrigados a abandonar suas ocas nas redondezas da visada colina, evadindo-se para outras plagas, onde posteriormente, foram vencidos definitivamente por Lourenço Castanhos, no lugar que recebeu o nome de Conquista (Itaguara) indo embrenhar-se na bacia do São Francisco.

A relação dessa luta com a história de Lavras, está ligada a denominação do ribeirão Vermelho, entre a serra da Bocaina e as florestas do Rio Grande, que entretanto, serviu de palco para a violenta batalha entre os bandeirantes, desbravadores e caçadores de esmeraldas, e os índios Cataguases, habitantes naturais da região, quando, então, o sangue derramado, pelos corpos lançados nesse ribeirão, tingiram, simbolicamente, suas águas de vermelho. O município de Ribeirão Vermelho com seus 40,3 Km2 de extensão territorial, possui dois sítios arqueológicos pró-coloniais: Monte Alegre e Cacho de Ouro, testemunhos de antigos aldeamentos de grupos ceramistas.

A Formação Histórica de Santa'Ana das Lavras do Funil. de Márcio Salviano Vilela.

Comentários

Ademario Ribeiro disse…
Márcio Salviano Vilela, parabéns!

Belo talento, belos recortes! Quem te um Márcio em seu Estado ou Cidade - tem um cofre de sabença e ensinança!

Gostaria de saber sobre as antigas tribos de MG e em particular sobre aquelas que se localizavam ao norte de Minas. Vc tem alguma referência?

Saúde, paz e êxito!

Ademario Ribeiro - Bahia
Renata disse…
Olá..
Gostei muito...
Eu sou estudande de história da Universidade Federal de Juiz de Fora e estou fazendo uma pesquisa sobre os índios Cataguás..
Gostaria de saber as referencias que vc utilizou para fazer este trabalho e se em sua cidade é forte a tradiçao da suposta existencia dos índios Cataguás..
Eu sou de Cristais-MG e dae vem meu interesse por esse tema..
Agradeço muito se vc puder me ajudar e farei as devidas referencias se utilizar seu trabalho
Att
O texto foi retirado da obra: A Formação Histórica de Santa'Ana das Lavras do Funil de autoria de Márcio Salviano Vilela. Não tenho a obra em mãos, mas a pesquisadora Leonor Rizzi poderá lhe passar maiores dados sobre o autor e suas fontes: leonrizzi@hotmail.com - Obrigado pela participação.

Postagens mais visitadas deste blog

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Biografia de Maria Antonietta de Rezende

Tendo como berço Carmo da Cachoeira, Maria Antonietta Rezende , nasceu a 9 de outubro de 1934 no seio de uma das mais tradicionais famílias do município – a Família Rezende . A professora Maria Antonietta deixou seu legado, o “modelo de compromisso e envolvimento com a terra em que nasceu” . Trabalhou consciências, procurando desenvolvê-las, elevá-las. Fazia isto com seus alunos, com os componentes dos grupos musicais que coordenava, com as crianças ligadas à Igreja, enfim, com toda população. Foi um exemplo vivo de “compromisso com a tradição” e um elo da longa corrente que chegou até nós neste ano comemorativo. Fez sua parte. Nós fazemos a nossa – manter a tradição. No dia-a-dia deixou o exemplo de vida e através de publicações, sua visão de mundo. Editou “Evocações daqui e de além” , “Encontro e desencontros” e “Coletânea de hinos litúrgicos” . Dedicou sua vida ao estudo, à educação e à sua Igreja, como catequista, cantora e liturgista. Patrick A. Carvalho, ao prefaciar sua obra “

Hino do Centenário de Carmo da Cachoeira

letra: Haroldo Ambrósio Caldeira música: Álvaro Arcanjo Athaíde interpretação: Glória Caldeira teclado: Teresa Maciel do Nascimento estúdio de som: João Paulo Alves Costa - DjeCia edição de vídeo: Rícard Wagner Rizzi Letra do Hino do Centenário Cem anos de existência bem vivido Cantemos este hino de alegria Saudando essa data memorável do nosso centenário nesse dia. Cachoeira, Carmo da Cachoeira, Berço de um povo acolhedor Ergue hoje um pavilhão Rendendo Graças ao Senhor.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

A pedra de moinho da fazenda Caxambu.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Ary Silva da família Dias de Oliveira - Bueno. Imagem anterior: Nuvens sobre a tradicional fazenda Caxambu.

Rostos na multidão na antiga Carmo da Cachoeira

Se você deseja compreender completamente a história (...), analise cuidadosamente os retratos. Há sempre no rosto das pessoas alguma coisa de história da sua época a ser lida, se soubermos como ler. — Giovanni Morelli Cônego Manoel Francisco Maciel presente a cerimônia ao lado da Igreja da Matriz