Pular para o conteúdo principal

Rapazes ao lado de casarão na década de 40.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Comentários

Anônimo disse…
Foto original preservada no Arquivo Particular do autor de O SERTÃO DO CAMPO VELHO, Jorge Fernando Vilela. Parte deste casarão colonial ainda está fazendo parte da paisagem cachoeirense, no Sul de Minas Gerais, para se fazer lembrar da presença da "Família Figueiredo" e seus entrelaçamentos. Situado a rua Dom Inocêncio, esquina com Antonio Justiniano dos Reis serve de residência a descendentes de uma das mais tradicionais famílias da cidade. É chamada por "Casa da Serra", verbalizada com orgulho por dona Zilah Reis Vilela de Oliveira. Enriquece a paisagem urbana local, junto com 2 outros casarões seus vizinhos na rua Dom Inocêncio. São eles, a que o Pe. Godinho escreveu a poesia que deu origem ao Hino do Sesquicentenário, e a que mora hoje a "Maria do Omar" e seus filhos. Dona Maria Theodora de Figueiredo foi casada com José dos Reis e Silva, irmão de Manuel dos Reis e Silva II, a quem nos referimos nas páginas de ontem. Dona Mariana é filha do Capitão João Rodrigues de Figueiredo e de dona Felícia Cândida. José dos Reis e Silva nasceu, foi batizado e enterrado em Carmo da Cachoeira - MG. Dona Mariana foi enterrada em Carmo da Cachoeira.
Anônimo disse…
Capitão Romão Fagundes DA COSTA, também aparece como Romão Fagundes do Amaral.

Amélio Garcia de Miranda, autor de "História de Três Pontas", publicada em 1980, ao falar sobre as Companhias de Ordenanças, cita como 14, a Companhia do Senhor Bom Jesus dos Perdões., da seguinte forma:
" (...) sendo seu primeiro comandante o CAP. ROMÃO FAGUNDES DA COSTA, em 08/03/1771. O Cap. Romão aparece com o nome de Romão Fagundes do Amaral, na provisão de seu substituto o Capitão Sebastião Martins Pereira, por ter sido ele promovido a sargento-mór em 09/12/1800. O capitão Romão Fagundes do Amaral foi um dos fundadores de Perdões.
Como se vê, a zona de Lavras e Três Pontas muito se desenvolveu, graças ao intenso povoamento e à excelência das terras".
Anônimo disse…
AMÉLIO GARCIA DE MIRANDA, pelo editor FRANCISCO S. SILVA, em Belo Horizonte, 30 de junho de 1980.

Nota do Editor.
Antes de falar sobre este livro é preciso falar do seu autor. De tradicional família trespontana, AMÉLIO GARCIA DE MIRANDA nasceu em 10 de julho de 1910 e dedicou a maior parte de sua vida à pesquisa da história de Três Pontas. Mesmo antes de se lançar especificamente, a partir de 1957, à paciente tarefa de coletar dados e informações para escrever esta HISTÓIRIA DE TRÊS PONTAS, que agora damos a público, AMÉLIO GARCIA DE MIRANDA já era a fonte confiável a qual recorriam todos aqueles que precisavam obter dados históricos sobre a cidade, sobre a origem das principais famílias ou informações diversas sobre o seu povo.
- Culto, estudioso, apreciador de bons livros especialmente livros de história, de religião, de ciências e filosofia, era dotado de privilegiada memória, sendo sempre procurado e consultado para oferecer dados e indicações sobre os mais variados assuntos.
Eis aí, na síntese de um grande amigo seu, JOÃO CORRÊA VEIGA, a opinião unânime daqueles que o conheceram intimamente.
Muito respeitado e querido em Três Pontas também por sua dignidade, honestidade e dedicação, prestou sempre bons serviços em todos os cargos, funções ou atividades que exerceu. Seja como Escrivão de Paz e Oficial de Registro Civil, seja como funcionário da Cia. Telefônica de Três Pontas, como contabilista, como assíduo colaborador na imprensa, ou como Juiz de Paz e Vereador. Membro honorário do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais, AMÉLIO GARCIA DE MIRANDA (o conhecido BEM MIRANDA), foi também professor e pessoa muito admirada em Boa Esperança, além de escriturário por vários anos da Câmara Municipal de Três Pontas.
Ao morrer em consequência de um enfarte, em 19 de julho de 1979, pouco antes de completar 69 anos, AMÉLIO GARCIA DE MIRANDA só deixou amigos.
No seu sepultamento, que foi acompanhado por grande número de pessoas, inclusive de várias localidades vizinhas a Três Pontas - conforme registra o CORREIO TRESPONTANO, de 24/06/1979 - saudaram-no os seguintes oradores: Antônio Scatolino Mendes, então Presidente da Câmara Municipal; o Prefeito João Vicente Diniz; Sebastião Lucas de Oliveira, e o professor Antônio Borges Maia, advogado e representante do povo e o Prefeito de Boa Esperança. Todos os oradores enalteceram o caráter e a honradez de AMÉLIO GARCIA DE MIRANDA. Como mais uma homenagem póstuma e reconhecimento público, o Prefeito \João Vicente Diniz decretou luto oficial por três dias".
Anônimo disse…
AMÉLIO GARCIA DE MIRANDA, pessoa de baixa estatura, calvo, voz compassada, comedido ao falar, afável, dotado de uma memória incomum e inteligência, gozava da estima de todos os que o conheciam. Natural da cidade de Três Pontas, filho de Francisco Garcia Miranda e Alfonsina Ferreira, foi casado com Maria da Conceição Paiva. Escrivão de Paz e Oficial do Registro Civil no distrito do Pontalete, por motivos políticos, foi perseguido durante o chamado Estado Novo e perdeu o cargo. Passou a exercer as funções de contabilista, tendo trabalhado por muitos anos na Companhia Telefônica de Três Pontas. Foi Juiz de Paz desta Comarca. Eleito vereador para o período de 1 de fevereiro de 1967 a 31 de janeiro de 1971. Após seu mandato, passou a exercer, com dedicação, o cargo de escriturário da Câmara Municipal. Foi pesquisador da história de Três Pontas e respeitado genealogista. Era membro do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais. Após a sua morte, foi publicado um livro intitulado "História de Três Pontas" no qual a grande maioria dos capítulos é de sua autoria. Pretendia publicar uma obra sob o título de "GENEALOGIA TRESPONTANA", cujos originais encontram-se arquivados na Câmara Municipal, doados pela família e integrando o Arquivo Histórico da cidade, de acordo com a lei n. 1314 de 30 de dezembro de 1988. Seu falecimento o impediu de realizar seu grande sonho: a publicação daquele trabalho. Por ocasião de sua morte, o prefeito declarou luto por três dias, como última homenagem ao grande historiador e genealogista. Não fora AMÉLIO GARCIA DE MIRANDA, a história da cidade teria desaparecido por completo, principalmente em se tratando dos antigos documentos da Câmara Municipal. (10-JUL-1910 - 19-JUN-1979).
Anônimo disse…
MARTINHO DIAS DE GOUVEIA, "falecido antes de 1842" é citado pelo professor WANDERLEY FERREIRA DE REZENDE como tendo sido proprietário de uma das três fazendas mais antigas do Distrito da Boa Vista - a FAZENDA RANCHO.
Martinho Dias de Gouveia é citado também por AMÉLIO GARCIA DE MIRANDA, p. 128, da obra "A História de Três Pontas" como sendo uma AUTORIDADE MILITAR DE TRÊS PONTAS. , da seguinte forma:
- Martinho Dias de Gouveia, alferes do Espírito Santo, Lavras, pela ausência de Manuel Joaquim Vilela, em 21/04/1812.

Fica aqui uma pergunta: ESPÍRITO SANTO?

JOSÉ ROBERTO SALES em sua obra BREVE HISTÓRIA DE VARGINHA - MG. 1763-1922, p.57, falando sobre A Comarca do Rio das Mortes conta-nos sobre a consulta que fez em "Distritos de Ordenanças em 1823". Diz ele, "faziam parte da freguesia de Lavras do Funil, AS CATANDUBAS, com 744 habitantes, e Varginha, com 645 habitantes (FEU DE CARVALHO, 1922.
Em 1837, a região do atual município de Varginha fazia parte do grande distrito paroquial de Sant´Anna de Lavras do Funil, atual município de Lavras, do qual dependiam 30 outros distritos, entre eles o "Dito das Catandubas", com 121 fogos (residências) e 744 almas e o "Dito da Varginha", arraial com 78 fogos (o autor fala logo em seguida que são 96 fogos) e 645 almas (MATOS, 1837/1979). As informações fornecidas pelo autor não permitem identificar qual dos "ditos" citados, Varginha ou Catandubas, teria sido o povoado que deu origem à atual cidade de Varginha. No entanto, não resta dúvida de que são povoados distintos já que tiveram sua contagem populacional feita individualmente".
Anônimo disse…
Quem eram as "Outras Autoridades Militares da Região de Três Pontas, além de MARTINHO DIAS DE GOUVEIA, segundo AMÉLIO GARCIA DE MIRANDA"?
A resposta encontra-se nas p. 128/129 da citada obra em comentário anterior. São eles:
- Manuel Alves Taveira, sargento de Luminárias e Ermida de S. Inácio, em 27/03/1801.
- Manuel José de Carvalho, alferes de Mato Dentro, em 25/08/1801.
- Joaquim Pacheco de Souza Leão, alferes de Espírito Santo, em 23/04/1801.
- Agostinho Gomes Pinto, alferes de N. S. das Dores, pela ausência de José Joaquim Vilela, em 19/12/1800.
- José Joaquim de Castro Viana, alferes de Três Pontas, em 13/01/1807.
- Joaquim Moreira da Costa, alferes em lugar de José Joaquim, em 17/10/1807.
- João Batista da Silva Duarte, alferes em 11/03/1807.
- José Joaquim Vilela, alferes de Três Pontas, em 13 de novembro de 1783. Foi o primeiro alferes.
- João de Deus Bernardes Xavier, alferes em lugar de José Joaquim Vilela, em 08/07/1785.
- José Gonçalves Braga, alferes da nova companhia do Quilombo e Córrego das Urtigas e Charneca, Três Pontas, em 27/01/1801.
- Antonio Jacinto Ribeiro, alferes de N. S. da Ajuda, em 18/11/1800.
- Manuel Francisco Cesar, alferes de Espírito Santo, em 17/08/1809.
- Luiz Antonio de Souza, sargento supra de N. S. da Ajuda, em 08/02/1808.
-Rodrigo Antonio de Azevedo, Cap. do Espírito Santo dos Currais, por falecimento de José Alves de Figueiredo, em 18/05/1801.
- Marcelino Alves Ferreira, sargento do Espírito Santo dos Currais, em 13/03/1801.
- Joaquim Álvares Ferreira, alferes do Espírito Santo dos Currais, pela ausência de João Inácio de Faria, em 23/05/1801.
- José Alves Taveira, o moço, alferes de N. S. da Ajuda, por não residir Antonio Jacinto Ribeiro, em 27/01/1801.
- Gabriel Antonio Pereira, alferes da companhia de Araras, pela ausência de Felix Souza Soares, em 17/01/1801.
- Antonio Jacinto Ribeiro, alferes de N. S. da Ajuda, em 18/11/1800.

- Felix José de Souza, alferes das Araras, em lugar de Marcos de Souza Magalhães, em 21/11/1800.
- Manuel Antonio Pereira, alferes da companhia do Sapé, em 24/02/1812.

Arquivo

Mostrar mais

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiro s ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” T odos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cump

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

Carmo da Cachoeira — uma mistura de raças

Mulatos, negros africanos e criolos em finais do século XVII e meados do século XVIII Os idos anos de 1995 e o posterior 2008 nos presenteou com duas obras, resultadas de pesquisas históricas de autoria de Tarcísio José Martins : Quilombo do Campo Grande , a história de Minas, roubada do povo Quilombo do Campo Grande, a história de Minas que se devolve ao povo Na duas obras, vimo-nos inseridos como “Quilombo do Gondu com 80 casas” , e somos informados de que “não consta do mapa do capitão Antônio Francisco França a indicação (roteiro) de que este quilombo de Carmo da Cachoeira tenha sido atacado em 1760 ”.  A localização do referido quilombo, ou seja, à latitude 21° 27’ Sul e longitude 45° 23’ 25” Oeste era um espaço periférico. Diz o prof. Wanderley Ferreira de Rezende : “Sabemos que as terras localizadas mais ou menos a noroeste do DESERTO DOURADO e onde se encontra situado o município de Carmo da Cachoeira eram conhecidas pelo nome de DESERTO DESNUDO ”. No entanto, antecipando

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

Distrito do Palmital em Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. O importante Guia do Município de Carmo da Cachoeira , periódico de informações e instrumento de consulta de todos os cidadãos cachoeirenses, publicou um grupo de fotos onde mostra os principais pontos turísticos, culturais da cidade. Próxima imagem: O Porto dos Mendes de Nepomuceno e sua Capela. Imagem anterior: Prédio da Câmara Municipal de Varginha em 1920.

Cemitério dos Escravos em Carmo da Cachoeira no Sul de Minas Gerais

Nosso passado quilombola Jorge Villela Não há como negar a origem quilombola do povoado do Gundú , nome primitivo do Sítio da Cachoeira dos Rates , atual município de Carmo da Cachoeira. O quilombo do Gundú aparece no mapa elaborado pelo Capitão Francisco França em 1760 , por ocasião da destruição do quilombo do Cascalho , na região de Paraguaçu . No mapa o povoado do Gundú está localizado nas proximidades do encontro do ribeirão do Carmo com o ribeirão do Salto , formadores do ribeirão Couro do Cervo , este também representado no mapa do Capitão França. Qual teria sido a origem do quilombo do Gundú? Quem teria sido seu chefe? Qual é o significado da expressão Gundú? Quando o quilombo teria sido destruído? Porque ele sobreviveu na forma de povoado com 80 casas? Para responder tais questões temos que recuar no tempo, reportando-nos a um documento mais antigo que o mapa do Capitão França. Trata-se de uma carta do Capitão Mor de Baependi, Thomé Rodrigues Nogueira do Ó , dirigida ao gove

A origem do sobrenome da família Rattes

Fico inclinado a considerar duas possibilidades para a origem do sobrenome Rates ou Rattes : se toponímica, deriva da freguesia portuguesa de Rates, no concelho de Póvoa de Varzim; se antropomórfica, advém da palavra ratto (ou ratti , no plural), que em italiano e significa “rato”, designando agilidade e rapidez em heráldica. Parecendo certo que as referências mais remotas que se tem no Brasil apontam a Pedro de Rates Henequim e Manoel Antonio Rates . Na Europa antiga, de um modo geral, não existia o sobrenome (patronímico ou nome de família). Muitas pessoas eram conhecidas pelo seu nome associado à sua origem geográfica, seja o nome de sua cidade ou do seu feudo: Pedro de Rates, Juan de Toledo; Louis de Borgonha; John York, entre outros. No Brasil, imigrantes adotaram como patronímico o nome da região de origem. Por conta disso, concentrarei as pesquisas em Portugal, direção que me parece mais coerente com a história. Carmo da Cachoeira não é a única localidade cujo nome está vincul

O livro da família Reis, coragem e trabalho.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: 24º Anuário Eclesiástico - Diocese da Campanha Imagem anterior: A fuga dos colonizadores da Capitania de S. Paulo

A Paróquia Nª. Srª. do Carmo completa 155 anos.

O decreto de criação da Paróquia foi assinado pela Assembléia Legislativa Provincial no dia 3 de julho de 1857. Pela Lei nº 805 , a Capela foi elevada para Freguesia, pertencendo ao Município de Lavras do Funil e ficando suas atividades sob a responsabilidade dos Conselhos Paroquiais. O Primeiro prédio da Igreja foi construído em estilo barroco , em cujo altar celebraram 18 párocos . No ano de 1929, esse templo foi demolido, durante a administração do Cônego José Dias Machado . Padre Godinho , cachoeirense, nascido em 23 de janeiro de 1920, em sua obra " Todas as Montanhas são Azuis ", conta-nos: "Nasci em meio a montanhas e serras em uma aldeia que, ao tempo, levava o nome de arraial. (...) Nâo me sentia cidadão por não ser oriundo de cidade. A montanha é velha guardiã de mistérios. Os dias eram vazios de qualquer acontecimento." Ao se referir ao Templo físico dizia: "Minha mãe cuidava do jardim pensando em colher o melhor para os altares da Matriz

O distrito de São Pedro de Rates em Guaçuí-ES..

Localizado no Estado do Espírito Santo . A sede do distrito é Guaçuí e sua história diz: “ ... procedentes de Minas Gerais, os desbravadores da região comandados pelo capitão-mor Manoel José Esteves Lima, ultrapassaram os contrafortes da serra do Caparão , de norte para sul e promoveram a instalação de uma povoação, às margens do rio do Veado, início do século XIX ”.

Simpósio Filosófico-Teológico em Mariana

Aproxima-se a conclusão das obras de restauração na Catedral Basílica de Nossa Senhora da Assunção, Igreja Mãe de nossa Arquidiocese. Trata-se de expressivo monumento religioso, histórico e artístico, tombado no âmbito federal pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). A Arquidiocese de Mariana, a Faculdade Dom Luciano Mendes (FDLM) e o Instituto Teológico São José (ITSJ) organizam este Simpósio com o objetivo de refletir sobre os trabalhos de restauro que em breve serão entregues à comunidade, bem como debater o significado deste templo, em relação aos aspectos teológicos e sua importância artística e arquitetônica em mais de três séculos de existência. Programação : de 25 à 27 DE MAIO DE 2022 25/05/2022 – Quarta-feira Local: Seminário Maior São José-Instituto de Teologia 19h - SAUDAÇÃO INICIAL - Côn. Nédson Pereira de Assis Pároco da Catedral - Mons. Celso Murilo Sousa Reis Reitor do Seminário de Mariana - Pe. José Carlos dos Santos Diretor da Faculdade Dom