Pular para o conteúdo principal

Ignácio Franco Torres e outros da região.


Algumas anotações do arquivo do Projeto Partilha em relação a Paragem do Cervo e Bom Caldo, cuja Sesmaria foi requerida pelo Pe. Manoel da Silva de Jesus (1751 e 1770).

De Genere e Moribus do Pe. Inácio Franco Torres diz:"sou natural e batizado na freguesia de Carrancas e hoje (1783) de Santa das Lavras do Funil, filho legítimo do Coronel Inácio Franco Torres e de dona Maria Alves da Porciúncula ainda viva (...)". Entre seus bens um importante sítio cuja escritura havia sido passada por Gabriel de Souza Dinis na paragem do Engai (...).

Estes dados aproximam um poco mais essas pessoas do território que estamos estudando. O Pe. Manoel da Silva de Jesus é uma das testemunhas neste processo. Aparece também um primeiro Mathias Gonçavelves Munhos, com quinta testemunha. Este deve ter nascido nos fins do século 17 ou começo do 18. Mons. Lefort cita um coronel Matias Gonçalves Moinhos, nascido em 1753, que deve ser , o segundo com o mesmo nome pelas proximidades. Este foi casado com dona Iria Claudina Umbelina da Silveira.1

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Próxima matéria: José Fernandes Avelino acusa José dos Reis.
Artigo Anterior:
Cachoeirenses vendem sítio em Perdões de Lavras.

1 Publicação da revista Vértice, Lisboa, n. 84. De 1998,pp.60-63.

Comentários

Anônimo disse…
Vamos ouvir a competente genealogista MARTA AMATO. Em sua obra, A Freguesia de Nossa Senhora da Conceição das Carrancas e sua história, p. 23, diz:
"A Freguesia das Carrancas foi uma das mais procuradas para obtenção de terras através de cartas de sesmarias mostrando como foi formado o povoado e seus primeiros moradores na área rural.
Algumas dessas terras eram aumentadas pelo subsequente pedido de outros membros da mesma família de outras sesmarias anexas às já concedidas anteriormente.
Se se observar mais atentamente, poder-se-à notar que a área que pertencia a Carrancas era muito grande, sendo que muitas dessas sesmarias, posteriormente, passaram a pertencer a outras novas freguesias, que deram origem às atuais cidades de Ingaí, Itumirim, Itutinga, Lavras, Luminárias, Munduri, Três Pontas, São Bento Abade, São Tomé das Letras, São Vicente de Minas, etc.
A primeira carta de sesmaria de Carrancas foi passada em 24 de julho de 1713 por Domingos Martins Guerra, Procurador Geral do Conde Donatário, o Capitão Manoel Garcia Velho, que as vendeu em 1715 a João de Toledo Piza e Castelhanos. Dessa carta de sesmaria não encontrei registro, mas sim sua confirmação em 10 de maio de 1718 (Arquivo Público Mineiro. Códice SC. 12. pag.08)".


CACHOEIRA DOS RATES tinha sua história. Fez parte de um momento histórico do Brasil Colônia, do qual necessitamos conhecer, e dele nos apropriar para poder registrar e partilhar. Autoridades da época tinham, no mínimo, respeito àqueles que, por seus motivos, permaneciam junto ao Ribeirão do Carmo. MANOEL ANTONIO RATES, primeiro morador da CACHOEIRA DOS RATES, junto ao Ribeirão do Carmo. Foi casado com MARIA DA COSTA MORAES. Os dois, e seus descendentes, são motivo de busca persistente por muitos. Uma busca INCANSÁVEL que motivou a formação de uma grande corrente solidária de apoio, da qual prazeirosamente nos inserimos.
Anônimo disse…
Sesmaria no Rio do Cervo e Rio Couro do Cervo "indo para a Serra de Três Pontas", em 17 de abril de 1750 - Domingos Leytão Coelho.
MARTA AMATO cita em sua obra, a busca que realizou no Catálogo de Sesmarias, publicado pelo Arquivo Público Mineiro e publicada em 1996:
10 de maio de 1718
João de Toledo Piza e Castelhanos - Rio Grande.
30 de março de 1722
Francisco de Ávila Fagundes - Dois Sítios.
18 de julho de 1724
Antônio Rapozo Tavares - Sítio da Caveira, vizinhanças às Carrancas do Caminho Velho.
15 de janeiro de 1738
Matheus Leme Barboza - Sítio das Carrancas, no Caminho Velho. Comarca do Rio das Mortes.
16 de abril de 1751
Mathias Gonçalves Moinhos, capitão-mor - Paragem do Sertão do Cervo. Freguesia das Carrancas. Termo da Vila de São João del Rei. Comarca do Rio das Mortes.
30 de outubro de 1751
Diogo Garcia - Sertão e matos da Serra das Carrancas e Ribeirão das Pitangueiras.
2 de junho de 1752
Alexandre de Souza Sobral - Sertão de Ibituruna. Freguesia de Carrancas. Comarca do Rio das Mortes.
30 de janeiro de 1753
Estevão Rodrigues Branco - desde a Serra das Carrancas,
pelo Ribeirão dos Tabocães (?) abaixo.
30 de janeiro de 1753
Diogo Bueno da Fonseca - Serra das Carrancas pelo Ribeirão dos Tabacães (?) abaixo.
30 de janeiro de 1753
Francisco Bueno da Fonseca - Serra das Carrancas.
30 de janeiro de 1753
João de Almeida Pedrozo - Serra das Carrancas, pelo Ribeirão dos Tabacães abaixo.
30 de janeiro de 1753
Carlos Martins de Souza - Desde a Serra das Carrancas, pelo Ribeirão dos Tabações abaixo.
7 de agosto de 1753
Domingos Villela - Ribeirão das Pitangueiras. Freguesia das Carrancas. Termo da Vila de São João del Rei. Comarca do Rio das Mortes.
10 de setembro de 1753
Mathias Francisco de Azevedo - Margens do Rio Ingaí. Freguesia de Carrancas. Comarca do Rio das Mortes.
23 de março de 1756
Domingos Teixeira Villela, capitão - Paragem da Caveira.
Freguesia de Carrancas. Termo da Vila de São João del Rei. Comarca do Rio das Mortes.
8 de junho de 1756
Manuel Pereira do Amaral, alferes - sítio na Paragem do Rio Grande.
3 de agosto de 1757
Antônio Pacheco - Sítio Campo Alegre, junto ao Rio Ingaí. Freguesia de Nossa Senhora da Conceição das Carrancas. Temo da Vila de São João del Rei.
9 de fevereiro de 1758
Francisco Alves Barboza - Sítio "O Funil". Freguesia de Nossa Senhora da Conceição das Carrancas. Termo da Vila de São João del Rei. Comarca do Rio das Mortes.
9 de fevereiro de 1758
Antônio Leite Coimbra, capitão - Sítio "O Funil" Freguesia das Carrancas. Termo da Vila de São João del Rei. Comarca do Rio das Mortes.
14 de fevereiro de 1759
Freguesia das Carrancas. Termo da Vila de São João del Rei. Comarca do Rio das Mortes.
6 de novembro de 1759
Maria de Moraes - Serra das Carrancas. Termo da Vila de São João del Rei.
6 de novembro de 1759
José de Andrade Peixoto - Paragem Pitangueiras. Freguesia das Carrancas. Termo da Vila de São João del Rei.
1 de fevereiro de 1760
João Gonçalves Pinto - Terras situadas na cabeceira do Córrego das Carrancas.
28 de maio de 1762
Miguel Lopes da Silva - Sítio Cachoeira, junto ao Rio Grande. Freguesia de Carrancas. Termo da Vila de São João del Rei.
14 de julho de 1763
Luiz Corrêa da Estrella - Paragem do Sertão do Quilombo do Cascalho, vertentes da Serra das Três Pontas. Freguesia das Carrancas. Termo da Vila de São João del Rei. Comarca do Rio das Mortes.
30 de junho de 1763
José Xavier da Silva - Junto ao Rio Ingaí. Freguesia das Carrancas. Termo da Vila de São João del Rei.
30 de janeiro de 1764
Luiz Corrêa Lourenço - Paragem da Serra das Três Pontas, no Ribeirão da Mutuca. Freguesia das Carrancas. Termo da Vila de São João del Rei.
10 de abril de 1764
Jeronymo de Andrade Brito - Serra das Carrancas, no Boqueirão. Termo da Vila de São João del Rei.
10 de abril de 1764
Maria Victoria de Moraes - Entre o Ribeirão de Ponte Alta e o sítio de Manoel Machado de Toldo e José de Andrade Peixoto. Freguesia das Carrancas.
3 de setembro de 1764
Antônio Leite da Fonseca - Sítio do Capivari, na Paragem das Carrancas. Distrito de São João del Rei. Comarca do Rio das Mortes.
3 de setembro de 1764
Antônio Barreto de Lima - Paragem na Serra do Ingaí. Freguesia das Carrancas. Termo da Vila de São João del Rei. Comarca do Rio das Mortes.
10 de dezembro de 1764
Manuel Machado Toledo - Sítio das Pitangueiras. Freguesia das Carrancas. Termo da Vila de São João del Rei.
26 de março de 1765
Antônio Leite Coimbra, capitão - Paragem da Fortaleza. Freguesia das Carrancas.
19 de outubro de 1765
Josefa Leme - Paragem da Caveira, estrada do Caminho Velho.
14 de novembro de 1765
Domingos Pacheco
Sítio Instancia Grande, vertentes ao Rio Capivari. Freguesia de Nossa Senhor da Conceição das Carrancas. Termo da Vila de São João del Rei.
15 de novembro de 1765
Pedro Ferreira Pires - Freguesia das Carrancas. Termo da Vila de São João del Rei. Comarca do Rio das Mortes.
16 de janeiro de 1766
João da Costa Guimarães - Sítio Ribeirão São João. Freguesia das Carrancas. Termo da Vila de São João del Rei. Comarca do Rio das Mortes.
1 de asbril de 1766
Ignácio Franco Torres - Paragem Ingaí.
4 de fevereiro de 1767
João Caetano de Figueiredo - Rio Engaí. Freguesia de Nossa Senhora da Conceição das Carrancas.
18 de fevereiro de 1767
Joze Vieira de Almeida - capitão - Fazenda do Favacho e Ingaí - Freguesia de Baependi e Carrancas - Termo da Vila de São João del Rei - Comarca do Rio das Mortes.
22 de abril de 1767
Júlia Maria da Caridade - Junto da Ponte do Rio Grande. Comarca do Rio das Mortes.
28 de setembro de 1768
Mathias Francisco Azevedo - Sertão das Carrancas e do Rio Verde ou Sapucaí.
10 de novembro de 1768
Joze Ferreira Villa Nova, capitão - Paragem Monjolos no Rio Ingaí. Freguesia das Carrancas. Comarca do Rio das Mortes.
17 de dezembro de 1768
Gaspar José de Abreu - Território do Maranhão - Freguesia das Carrancas - Termo da Vila de São João del Rei - Comarca do Rio das Mortes.
No ano de 1770, quando acontecem os primeiros registros da FAMÍLIA RATES neste território, já havia, como vimos um sesmeiro NO TERRITÓRIO DO MARANHÃO, estuda pelo Mons. Lefort como Fazenda Maranhão, de propriedade de Gaspar José de Abreu.
Entre muitas outras citadas por MARTA AMATO no ano de 1770, encontram-se as cartas para:
17 de fevereiro de 1770
Domingos Ferreira Guimarães e Manoel Ferreira Guimarães - Paragem ou sítio Duas Barras. Freguesia das Carrancas. Comarca do Rio das Mortes.
7 de maio de 1770
Mathias Gonçalves Moinhos - Varge Grande do Servo e junto ao Ribeirão da Pirapitinga. Freguesia das Carrancas. Termo da Vila de São João del Rei.
18 de julho de 1770
Manoel da Silva de Jesus, sacerdote - Paragem do Servo e Barra do Bom Caldo. Freguesia das Carrancas. Distrito de Lavras do Funil. Termo da Vila de São João del Rei.
Li Vilhena disse…
EXISTE SIM O CAPITÃO MATHIAS GONÇALVES MOINHOS, NASCIDO EM 1.687EM PITÕES, ALGARVES- PORTUGAL,QUE ORA TAMBEM ASSINAVA "DE VILHENA", E, AINDA, SEU FILHO, HOMÔNIMO, CORONEL DE MILICIAS, MATHIAS GONÇALVES MOINHOS DE VILHENA,NASCIDO EM 1753 EM SÃO JOÃO DEL REY, QUE ERA CASADO EM SEGUNDAS NUPICAS COM IRIA CLAUDIANA UMBELINA DA SILVEIRA (DOS QUAIS DESCENDEM MUITOS DOS VILHENAS DE MINAS- RIO- SÃO PAULO- RIO GRANDE DO SUL, ETC)IRMÃ DE BARBARA HELIODORA GUILHERMINA DA SILVEIRA, SENDO ELE PORTANDO CONCUNHADO DE INÁCIO JOSÉ DE ALVARENGA PEIXOTO,E, AINDA, SEU NETO, MAJOR MATHIAS ANTONIO GONÇALVES MOINHOS DE VILHENA, NASCIDO EM CAMPANHA NO ANO DE 1.800 E FALECIDO NO ANO DE 1.886.-
Meu nome e Newton Herculano Carneiro Pinto, sou neto do Gen. Antonio Carneiro Pinto natural de Anicuns Goyas 1884, filho de Saturnino Benigno Pinto que foi Vereador em Goyas na legislatura de 1882,sua mae Josephina Augusta Carneiro da Fonseca Bueno.Um dos documentos que possuo um e muito interessante e data do dia 26 de Maio de 1892,e tenho um carinho especial ,o mesmo carinho tenho pelo missal que pertenceu a avo do meu avo, Dona Thereza Josephina da Fonseca e ainda uma carta dela ao seu neto Antonio com data de 22 de Marco de 1901.Meu relato e por razoes Genealogicas e procuro, dados e fatos novos alem dos que sei sobre meu lado paterno.Espero e crio espectativas de encontrar algum vestigio com este meu comentario.
Newton Herculano Carneiro Pinto. newtonromi@via-rs.net
Porto Alegre . RS

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Biografia de Maria Antonietta de Rezende.

O prefeito municipal e a secretária de Educação, Cultura e Lazer, ao assinarem a apresentação da obra: “Atlas Escolar. Histórico e Geográfico do Município de Carmo da Cachoeira – MG. Edição 2007” declararam: “ Este Atlas permite às crianças descobrirem protagonistas de sua história. Conhecendo, passam contribuir para potencializar o que ela tem de bom, preservar seu patrimônio e símbolos do passado .” D entre os símbolos , o Hino da cidade. Escrito pela Professora Maria Antonietta , encontra-se em fase de oficialização. A tradição garante a manutenção desta criação. O povo canta , reconhece o hino de sua cidade, e atento acompanha o processo de sua oficialização. A administração pública e Câmara municipal apoiam a manutenção daquilo que foi consagrado pela tradição. Dois pontos fortes na letra do hino bastam para garantir sua oficialização. O primeiro é o que diz da religiosidade presente na população e que a cada dia se torna mais revelador da identidade e vocação de Carmo da

Eis o amor caridade, eis a Irmã Míriam Kolling.

À Irmã Míria T. Kolling: Não esqueçam o amor Eis o amor caridade , dom da eternidade Que na entrega da vida, na paz repartida se faz comunhão ! Deus é tudo em meu nada: sede e fome de amar! Por Jesus e Maria, Mãe Imaculada todo mundo a salvar! " Não esqueçam o amor ", Dom maior, muito além dos limites humanos do ser, Deus em nós, entrega total! Não se nasce sem dor, por amor assumida: Nada resta ao final do caminho da vida a não ser o amor . Próximo artigo: Até breve, Maria Leopoldina Fiorentini. Artigo anterior: Os Juqueiras, Evando Pazini e a fazenda da Lage