Pular para o conteúdo principal

O ócio é a escola onde os escravos aprendem a ofender a Deus.


Em 1705, foi publicada a obra de Benci, e ele, assim como os demais escritores de sua época, via os escravos como brutos e boçais. Acreditava, inclusive, que “ ... entre essas gentes há gente que mais tem de bruto, que de gente...1 Eram viciosos e, somente através do trabalho se conseguiria controlá-los. Com o objetivo de exemplificar, utiliza-se de uma comparação:
“... Assim como o ginete necessita de espora e o jumento do freio para serem governados, assim os imprudentes e maus necessitam da vara e do castigo para que sejam morigerados como devem, e não faltem a sua obrigação...” 2

A comparação é clara. Assim como os jumentos e os ginetes precisam do jugo e das rédeas para
serem controlados, os cativos precisariam do trabalho contínuo. O trabalho seria uma forma de domesticar o negro para que “...não se fi[zessem] insolentes e para que não bus[cassem] traças e modos com que se livr[assem] da sujeição de seu senhor, fazendo-se rebeldes e indômitos...”3
Além do que, a labuta do negro seria um descanso para o senhor: “... só trabalhando eles, pode viver descansado o senhor...” 4. O negro que trabalhasse durante o dia não pensaria em maneiras de fugir, apenas iria querer descansar à noite. O ócio era perigoso pois levava à perda de controle por parte do senhor e ao desregramento moral:

“... o ócio é a escola onde os escravos aprendem a ser viciosos e ofender a Deus... E como os pretos são sem comparação mais hábeis para o gênero de maldades que os brancos, por isso, eles com menos tempo de estudo saem grandes licenciados do vício na classe do ócio...”5

Os escravos eram também pecadores, inferiores aos brancos e portadores de uma sensualidade desenfreada. Para ele, “... Sendo os Africanos tão inclinados por natureza ao vício da sensualidade ... não faz dúvida que os etíopes excedam na lascívia. A razão desta grande propensão dos pretos à impudicícia não só lhes vem do clima quente em que nascem mas muito mais do pouco temor de Deus e pejo dos homens, que neles há...”6

Novamente, o clima quente surge como uma justificativa, dentre outras, para explicar a aparente diferença entre os negros e os brancos. Entretanto, esta suposta diferença estava cada vez menos latente. Benci, e outros antes e depois dele, afirmava que a razão da vida desenfreada que os cativos levavam no Brasil era o exemplo que partia da classe senhorial. Os cativos não tinham bons exemplos para seguirem. “... Daqui se pode inferir qual é a principal causa da escandalosa vida com que ordinariamente vivem os escravos e escravas do Brasil. Mas como não há de ser assim, se nos senhores e senhoras não vêem exemplos de cristãos, senão escândalos próprios de gentios?”7

O que se percebe do discurso de Benci é que, para ele, o cativo é um ser inferior, uma espécie de criança. Caberia ao senhor educá-lo na obediência a si e a Deus. Ao cativo, restava aproveitar esta portunidade e tornar-se um verdadeiro homem.

Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.
Próximo Texto:
Os negros boçais e os mlatos soberbos e viciosos.
Texto Anterior: O uso ou não dos escravos segundo os primeiros religiosos no Brasil.


1 COUTINHO, J.J. da Cunha Azeredo. Análise sobre a justiça do comércio do resgate de escravos da Costa da África. In: Obras econômicas. São Paulo: Cia Ed. Nacional, 1966 p. 66
2 BENCI, J. op. cit. p. 158
3 Ibidem .p. 155
4 Ibidem
5 BENCI, J. op. cit. p. 158
6 Ibidem p. 160
7 Ibidem p. 90

Comentários

Anônimo disse…
Continuando estudar a fração que nos corresponde dentro do contexto apresentado pela dra. Márcia Amantino - O Rio Baependi, que segundo o historiador Marcio Salviano Vilela, poderiam ser cobradas taxas. Entende-se, portanto, o local com significativo movimento e, certamente, muitos comerciantes utilizavam este ponto em seu trajeto. O comércio, era o setor ligado ao primeiro morador da CACHOEIRA DOS RATES, MANOEL ANTONIO RATES e, possivelmente, a seus descendestes. A passagem no Rio Baependi não lhes deveria ser desconhecida. Vamos ouvir o que José Alberto Pelúcio nos relata em sua obra, Baependí, acerca da Vida Judiciária, informando que esta página, foi publicada com outros títulos e esclarecimentos, no DIÁRIO DA ASSEMBLÉIA, de Minas, em O PATRIOTA, de Baependi, agora é colocada, sob a forma que se segue: Estudando a vida judiciária de Baependí, desde suas origens mais remotas, seguindo a ordem cronológica das comarcas que tem pertencido, dividiremos sua história, para maior clareza, em quatro fases, bem distintas, marcando-as pelas circunscrições do RIO DAS MORTES, Rio Paraibuna, RIO VERDE e Baependí.
COMARCA DO RIO DAS MORTES:(obra datada de 1942). Há incerteza sobre a data exata da criação da velha comarca deste nome, à qual Baependí esteve ligado desde seus mais antigos tempos. Feu de Carvalho, em seu útil e paciente trabalho COMARCAS E TERMOS, que tanto orienta as presentes linhas, marca a data de 1709, ou anterior, para a criação da referida comarca, "não sendo conhecido o acto ou actos que as crearam". Refere-se, nesses termos, às 3 primeiras comarcas, únicas existentes em Minas Gerais, naqueles afastados tempos: VILA RICA, RIO DAS VELHAS, RIO DAS MORTES; recorda o nome do primeiro Ouvidor Geral para o RIO DAS MORTES, substituto de outro, que morreu em caminho, o desembargador Gonçalo Baracho, nomeado a 19 de março de 1711 e empossado a 28 de dezembro de 1713.
Tinha esta última comarca, em 1711, como termo o arraial do Rio das Mortes e, 1714, o da vila de São João d´El-Rei. Em 1720, seus termos eram esta mesma vila e mais a de S. José d´El-Rei, Julgados da CAMPANHA DO RIO VERDE, AIURUOCA, SAPUCAÍ, JACUÍ, ITAJUBÁ. Desde 1815 a 1820, são termos do RIO DAS MORTES São João e São José dÉl-Rei, vila da Campanha, Queluz, Barbacena, Tamanduá, Jacuí, Baependi.
Em 1823, dela não fazia parte S. José d´El-Rei. O distrito de S. Tomé das Letras, atualmente de Baependi, esteve incorporado a S. João dÉl-Rei, no ano de 1830.
Para mostrar a extensão do termo da vila de Baependi, ainda pertencente à comarca do RIO DAS MORTES, nesse mesmo ano de 1830, mencionaremos, a seguir, seus componentes: vila e matriz de Baependí, arraial da Conceição do Rio Verde, arraial e matriz de POUSO ALEGRES, arraial do Carmo, arraial da Boa Vista, arraial do Glória, arraial de Sant´Ana do Capivari, arraial e matriz de Aiuruoca, arraial do Rosário da Alagoa, arraial do Turvo, arraial de S. Vicente e arraial dos Serranos. (Comarcas e Termos, cit.}.
Em 1833, a COMARCA DO RIO DAS MORTES compunha-se, apenas, dos termos de S. João d´El-Rei, S. José d´El-Rei, LAVRAS DO FUNIL e Tamanduá. Dela estava separado Baependi, desde 30 de janeiro. Acompanhemo-lo em sua fase nova.
COMARCA DO RIO PARAIBUNA: Pela resolução de 30 de janeiro de 1833, foi província de Minas Gerais dividida em 9 comarcas, nela incluída a do PARAIBUNA, constituída pelos termos das vilas de Barbacena, Baependí e Pomba.
Não muito viveu Baependí incorporado a essa comarca. Em 1839, a ela já não pertencia, desde 16 de março.
COMARCA DO RIO VERDE: A lei n. 134, de 16 de março de 1839, instituiu a COMARCA DO RIO VERDE, composta dos municípios de CAMPANHA, BAEPENDÍ e AIURUOCA.
Foi a mesma, de conformidade com a lei n. 202, de 1 de abril de 1841, aumentada com a vila de Três Pontas.
A lei n.464, de 22 de abril de 1850, alterou-a, ficando assim constituída: termo da CAMPANHA, BAEPENDÍ, LAVRAS, CRISTINA.
Em 1852, pela lei n.585, de 4 de maio do mesmo anos, à circunscrição DO RIO VERDE deixou de pertencer LAVRAS DO FUNIL e a ela se incorporou Aiuruoca.
Na dita comarca integrava-se Baependi, quando neste municipío se desenrolavam os acontecimentos revolucionários de 1842. A ela deixou de pertencer, desde 16 de maio de 1855.
Era sua terceira fase.
COMARCA DE BAEPENDÍ: em sessão ordinária de 8 de abril de 1854, reuni-se a Câmara Municipal de Baependí, presidida por JOAQUIM INÁCIO DE MELO E SOUSA, e enviava ao Presidente da Província, em ofício, uma representação que, por seu intermédio, devia ser apresentada à Assembléia Provincial, pedindo a criação de nova comarca. Como fundamentos da mencionada representação, alegavam-se: estar a felicidade de um país condicionada à boa administração da justiça; a improficuidade desta em demasiadas extensões jurisdicionais; dificuldades às partes, etc. A nova comarca teria como componentes: Cristina, Baependí e Aiuruoca.
A lei n.719, de 16 de maio de 1855, assim dispôs: "Art. 1 A divisão judiciária das Comarcas desta Província fica alterada pela maneira seguinte:...parágrafo 13. Os municípios de Baependy, Ayuruoca e Christina formarão a Comarca de Baependy".
Era a quarta fase, a que de início nos referimos. O decreto n.1642, de 22 de setembro de 1855, classificou a comarca como de primeira entrância, e o decreto n.1652, de 10 de outubro do mesmo ano, marcou para o Promotor Público o ordenado atual de novecentos mil réis.
Em 1865, a lei de n. 1.266, de 22 de dezembro, suprimindo a comarca do RIO VERDE, anexou a outras os municípios que a compunham, vindo o de Campanha a ser incorporado à comarca de Baependí.
No ano de 1870, restaurada a comarca do RIO VERDE, para a mesma entraram CAMPANHA E CRISTINA, retiradas de Baependí, constituindo-se esta, naquele ano, dos municípios de Baependí, Aiuruoca e Turvo. Este pertencia, em 1873, à comarca de Barbacena (lei n.2.002, de 15 de novembro).
Criado o município de POUSO ALTO pela lei n. 2.079, de 19 de dezembro de 1874, foi ele, pela mesma lei, incorporado à comarca de Baependí. Em 1876, criou-se a de PASSA QUATRO, com os temos de Cristina e Pouso Alto. No mesmo ano, a de Baependí compreendia apenas os termos de Baependí e Aiuruoca. O deste último nome foi constituir, em 1878, pela lei 2.480, de 9 de novembro, com o termo de Turvo, a comarca de Bom Jardim, ficando, desse modo, a de Baependí constituída só pelo município de seu nome.
Criado pela lei n. 319, de 16 de setembro de 1891, o município de Caxambú, e pela mesma lei anexado o distrito de Conceição do Rio Verde ao município de Águas Virtuosas, ficou a comarca de Baependí compreendendo os dois municípios: Caxambú e Baependí, o primeiro, então, com dois distritos: Caxambú e Soledade; o segundo, com três distritos: Baependí, S. Sebastião da Encruzilhada e S. Tomé das Letras. Pela última reforma judiciária, finalmente, a comarca de Baependí, perdeu o distrito de Soledade, anexado a Silvestre Ferraz.
Anônimo disse…
Emerenciana Augusta Pereira.

Tendo como testemunhas, Ovídio Alves de Gouvêa e Antonio Raynuncio de Souza, foi dada procuração aí em Carmo da Cachoeira-MG, em 13/11/1926 para se vender terras aqui no município de "Ituyutaba" (conforme consta na procuração) terras da Fazenda São Jeronymo Grande, no dito município. "A procuração que faz Zilda Alves de Andrade, no districto do Carmo da Cachoeira-MG e seu marido Thomaz Paranayba, residente no município de Três Corações". Procurador de dona Zilda foi seu marido e as terras eram herança de Emerenciana Augusta Pereira. Aí, pela genealogia, os pais de dona Emerenciana eram de Baependi-MG.
Anônimo disse…
Gratidão pelo "empurrãozinho". Conferir os dados oferecidos pelo colaborador vendo dados de Florência Maria de Jesus. http://br.geocities.com/projetocompartilhar/cap02florenciamariadejesus.htm

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhôas de José Guimarães.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. F oi, seguido deste singelo bilhetinho que a obra " As Três Ilhoas " de José Guimarães, está em nossas mãos: Prezada Leonor Vai aqui o livro, uma Obra Póstuma, de meu marido José Guimarães. O livro vem completar a coleção da genealogia das Três Ilhoas, lançada em 1989. Agradeço a grande pesquisadora e genealogista Marta Maria Amato , pelo enriquecimento proporcionado pelas suas pesquisas. Gostei de saber que o Projeto Partilha está colaborando com o resgate da "História de Carmo da Cachoeira". Temos em nosso arquivo alguns dados das paróquias de Campanha, onde tem alguma coisa sobre sua cidade:a terra do Pe. José Bento Ferreira. Será? Atenciosamente Leyde M. Guimarães. Ouro Fino, 15-08-2006 Próxima imagem: O Capitão Diog

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

Eis o amor caridade, eis a Irmã Míriam Kolling.

À Irmã Míria T. Kolling: Não esqueçam o amor Eis o amor caridade , dom da eternidade Que na entrega da vida, na paz repartida se faz comunhão ! Deus é tudo em meu nada: sede e fome de amar! Por Jesus e Maria, Mãe Imaculada todo mundo a salvar! " Não esqueçam o amor ", Dom maior, muito além dos limites humanos do ser, Deus em nós, entrega total! Não se nasce sem dor, por amor assumida: Nada resta ao final do caminho da vida a não ser o amor . Próximo artigo: Até breve, Maria Leopoldina Fiorentini. Artigo anterior: Os Juqueiras, Evando Pazini e a fazenda da Lage

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.

F Luiz José Álvares Rubião, em publicação da obra, Álbum da Varginha pela Casa Maltese, às fls. (a publicação não contempla, nem ano, nem nº de páginas), descreve a Fazenda da Serra da seguinte forma: “A uma légua da freguesia do Carmo da Cachoeira, está situada a Fazenda da Serra, propriedade do Cel. Antônio Justiniano dos Reis”. Se diz: Freguesia, leia-se, após, 1857. Em publicação, no ano de 1918, Sylvestre Fonseca e João Liberal, às fls. 149, dizem: “O Cel. Antônio Justiniano dos Reis falecido o anno passado, foi um dos mais importantes fazendeiros do Distrido do Carmo da Cachoeira”. Ary Florenzano, genealogista, cita a Fazenda da Serra, apresentando-a como sendo o lugar onde pela primeira vez, aparece o nome Carmo da Cachoeira, em documento. O 21º Anuário Eclesiástico da Diocese da Campanha, 1959, fls. 28: “Aos onze dias do mês de novembro do ano de mil oitocentos e dezenove, na Ermida de Nossa Senhora do Carmo da Cachoeira, desta freguesia de São João Del Rei, receberam

Padre José Procópio Júnior em Carmo da Cachoeira

Paróquia Nossa Senhora do Carmo sob nova guiança Editorial Sai Pe. Daniel Menezes, e assume como administrador paroquial da acolhedora cidade de Carmo da Cachoeira, em fevereiro de 2019, o Pe. José  Procópio Júnior. "Não cabe à pedra escolher o lugar que deve ocupar no edifício. Assim também não cabe à nós criaturas ditar ao Criador o que deve acontecer em nossa vida, pois Deus é quem sabe e dispõe com sabedoria própria." − Dom Servílio Conti, IMC Como página que observa os acontecimentos neste pedaço de chão mineiro, limitado por montanhas e que, segundo o cachoeirense Padre Godinho, “todas são azuis”, registramos o remanejamento ocorrido entre padres ligados a Diocese da Campanha no ano de 2019. Entre as mudanças encontra-se a Paróquia Nossa Senhora do Carmo/Carmo da Cachoeira – MG. Sai nosso querido Padre Daniel Menezes. Por ele continuamos a rezar e o devolvemos, entre lágrimas e a esperança de um dia tê-lo entre nós. Somos eternamente gratos e devedores. Entr